Fatores Determinantes do Endividamento: um Estudo Empírico no Setor de Telecomunicações Brasileiro Outros Idiomas

ID:
37181
Resumo:
Este trabalho teve como objetivo analisar os fatores determinantes do endividamento das companhias do setor de telecomunicações brasileiro à luz das Teorias do Static Trade-Off (STT) e da Pecking Order (POT). A metodologia utilizada foi a de análise de regressão múltipla com dados em painel para o período de 2002 a 2013, utilizando como variáveis dependentes o endividamento de curto prazo e o endividamento de longo prazo, e como variáveis independentes, a rentabilidade, a tangibilidade, o crescimento, o tamanho e o risco. Como resultados, observou-se uma relação negativa entre as variáveis rentabilidade, tamanho e risco para com o endividamento de curto prazo, e uma relação negativa entre o tamanho e o risco para com o endividamento de longo prazo.
Citação ABNT:
PRAZERES, R. V. D.; SAMPAIO, Y. B.; LAGIOIA, U. C. T.; SANTOS, J. F. D.; MIRANDA, L. C. Fatores Determinantes do Endividamento: um Estudo Empírico no Setor de Telecomunicações Brasileiro. Contabilidade, Gestão e Governança, v. 18, n. 2, p. 139-159, 2015.
Citação APA:
Prazeres, R. V. D., Sampaio, Y. B., Lagioia, U. C. T., Santos, J. F. D., & Miranda, L. C. (2015). Fatores Determinantes do Endividamento: um Estudo Empírico no Setor de Telecomunicações Brasileiro. Contabilidade, Gestão e Governança, 18(2), 139-159.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/37181/fatores-determinantes-do-endividamento--um-estudo-empirico-no-setor-de-telecomunicacoes-brasileiro/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Ahn, S.; Denis, D. J.; Denis, D. K. (2006). Leverage and investment in diversified firms. Journal of Financial Economics, Amsterdan, 79(2), 317-337.

Akerlof, G. A. (1970). The market for 'lemons': Quality uncertainty and the market mechanism. The Quarterly Journal of Economics, 84(3), 488-500.

Albanez, T.; Valle, M. R. (2009). Impactos da assimetria de informação na estrutura de capital de empresas brasileiras abertas. Revista Contabilidade e Finanças – USP, 20(51), 627.

Arrow, K. J. (1968). The economics of moral hazard: further comment. American Economic Review, 58(3), 537-538.

Assaf Neto, A. (1997). A Dinâmica das decisões Financeiras. Caderno de Estudos, São Paulo, FIPECAFI, v. 16, p. 9-25.

Associação Brasileira de Telecomunicações - Telebrasil. Disponível em: . Acesso em: Abril. 2014.

Bastos, D. D.; Nakamura, W. T. (2009). Determinantes da Estrutura de Capital das Companhias Abertas do Brasil, México e Chile no período de 2001-2006. Revista Contabilidade & Finanças, USP, São Paulo, 20(50), 75-94.

Bastos, D. D.; Nakamura, W. T.; & Basso, L. F. C. (2009). Determinantes da estrutura de capital das companhias abertas na América Latina: um estudo empírico considerando fatores macroeconômicos e institucionais. Revista de Administração Mackenzie, 10(6) 47-77.

Baxter, N. D. (1967). Leverage, risk of ruin and the cost of capital. The Journal of Finance, 22(3), 395-403.

Brito, G. A. S.; Corrar, L. J.; Batistella, F. D. (2007). Fatores determinantes da estrutura de capital das maiores empresas que atuam no Brasil. Revista de Contabilidade e Finanças – USP, v. 43, p. 9-19.

David, M.; Nakamura, W. T.; Bastos, D. D. (2009). Estudo dos modelos de trade-off e pecking order para as variáveis endividamento e payout em empresas brasileiras(2000-2006). Revista de Administração Mackenzie, 10(6), 132-153.

Durand, D. (1952). Costs of debt and equity funds for business: Trends and problems of measurement. In: Conference on Research on Business Finance, New York: National Bureau of Economic Research.

Fama, E. F.; French, K. R. (2002). Testing trade-off and pecking order predictions about dividends and debt. The Review of Financial Studies, 15(1), 1-33.

Gaud, P.; Jani, E.; Hoesli, M.; Bender, A. (2005). The capital structure of swiss companies: an empirical analysis using dynamic panel data. European Financial Management. 11(1), 51-69.

Graham, J. R.; Leary, M. T. (2011). A Review of Empirical Capital Structure Research and Directions for the Future. Annual Review of Financial Economics, 3(1), 309-345.

Gujarati, D. N.; Porter, D. C. (2011). Econometria Básica. 5. ed. Porto Alegre: AMGH.

Jensen, M. C.; Meckling, W. H. (1976). Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, 3(4), 305-360.

Matos, C.; Coutinho, P. (2005). The Brazilian model of telecommunications reform. Telecommunications Policy, v. 29, p. 449-466.

Medeiros, O. R.; Daher, C. E. (2008). Testando a teoria da hierarquização de fontes de financiamento nas empresas brasileiras. Revista de Contabilidade e Finanças - USP, 12(1), 177-199.

Mocelin, D. G.; Barcelos, R. L. G. (2012). Tecnologia, competitividade e regulação: a estruturação do mercado das telecomunicações no Brasil. Caderno CRH, Salvador, 25(66), 409-432.

Modigliani, F.; Miller, M. H. (1958). The cost of capital, corporate finance and the theory of investment. American Economic Review, v. 48, p. 201-297.

Modigliani, F.; Miller, M. H. (1963). Corporate income taxes and the cost of capital: a correction. American Economic Review, 53(3), 433-443.

Myers, S. C. (1977). Determinants of corporate borrowing. Journal of Financial Economics, v. 5, p. 147-176.

Myers, S. C. (1984). The capital structure puzzle. Journal of Finance, v. 39, p. 575-592.

Myers, S. C.; Majluf, N. S. (1984). Corporate financing and investment decisions when firms have information that investors do not have. Journal of Financial Economics, 13(2), 187-222.

Nakamura, W. T.; Martin, D. M. L.; Forte, D.; Carvalho Filho, A. F.; Costa, A. C. F.; Amaral, A. C. (2007). Determinantes de estrutura de capital no mercado brasileiro: análise de regressão com painel de dados no período 1999- 2003. Revista de Contabilidade e Finanças – USP, v. 44, p. 72-85.

Perobelli, F. F. C.; Famá, R. (2002). Fatores determinantes da estrutura de capital: aplicação a empresas de capital aberto no Brasil. Revista de Administração, 37(3), 33-46.

Pinheiro, A. C. (1999). Privatização no Brasil: Por quê?Até onde?Até quando? In: Giambiagi, F. & Moreira, M. M. (orgs.) A Economia Brasileira nos Anos 90. Rio de Janeiro: BNDES.

Pinheiro, A. C.; Giambiagi, F. (1997). Lucratividade, dividendos e investimentos das empresas estatais: uma contribuição para o debate sobre a privatização no Brasil. Revista Brasileira de Economia, 51(1), 93-131.

Póvoa, A. C. S.; Nakamura, W. T. (2014). Homogeneidade versus heterogeneidade da estrutura de dívida: um estudo com dados em painel. Revista de Contabilidade e Finanças. São Paulo, 25(64), 19-32.

Rajan, R. G.; Zingales, L. (1995). What do we know about capital structure?Some evidence from international data. The Journal of Finance, 50(5), 1421-1460.

Rigolon, F. J. Z. (1998). O investimento em infraestrutura e a retomada do crescimento econômico sustentado. Pesquisa e Planejamento Econômico, 28(1), 129-158.

Shyam-Sunder, L.; Myers, S. C. (1999). Testing static tradeoff against pecking order models of capital structure. Journal of Financial Economics, v. 51, p. 219-244.

Silva, A. F.; Vale, M. R. (2008). Análise da Estrutura de Financiamento: Um Estudo Comparativo entre Empresas Brasileiras e Americanas. Revista de Administração Contemporânea - RAC, Curitiba, 12(1), 201-229.

Silva, J. C. G.; Brito, R. D. (2005). Testando as previsões de Trade-off e Pecking Order sobre dividendos e dívida no Brasil. Estudos Econômicos, São Paulo, 35(1), 37-79.

Titman, S.; Wessels, R. (1988). The determinants of capital structure choice. The Journal of Finance, 43(1), 1-19.

Wooldridge, J. M. (2006). Introdução à econometria – uma abordagem moderna. São Paulo: Pioneira Thompson Learning.

Wooldridge, J. M. (2011). Introdução à econometria – uma abordagem moderna. São Paulo: Cengage Learning.

Zhang, R.; Kanazaki, Y. (2007). Testing static tradeoff against pecking order models of capital structure in Japanese firms. International Journal of Accounting and Information management, 15(2), 24-36.