São Bento do Sapucaí, SP: o artesanato como elemento integrador no desenvolvimento comunitário

ID:
37211
Resumo:
O artesanato de fibras vegetais é importante fonte de renda e desenvolvimento na Estância Climática de São Bento do Sapucaí, localizada na Serra da Mantiqueira, São Paulo. Destaca-se a utilização de fibra de bananeira na elaboração de produtos artesanais tradicionais, e segundo os artesãos, seus produtos são sustentáveis. O objetivo do presente trabalho foi realizar uma discussão em torno das relações entre o artesanato e atividades a ele ligadas, como o desenvolvimento comunitário, a fruticultura de bananas, a sustentbilidade ambiental e o turismo. Para tanto, foram realizadas 32 entrevistas com membros da comunidade de São Bento do Sapucaí, desde bananicultores, artesãos, empresários do turismo, comerciantes, funcionários públicos e líderes comunitários. O artesanato tem se caracterizado com um dos principais atrativos turísticos e tem se mostrado como elemento integrador da comunidade, como no caso do bairro do Quilombo, onde a organização da comunidade em torno do artesanato aponta para facilitação do desenvolvimento socioeconomico, cultural e das infraestruturas do próprio bairro, bem como desenvolve novos modos de trabalho para atender à demanda crescente. O artesanato pode ser entendido com um dos principais elementos do sistema produtivo da bananicultura, especialmente no que se refere ao rendimento familiar e inserção social da mulher.
Citação ABNT:
RODELA, L. G.; AGUIAR, A. O.; FERREIRA, A. P. N. L.; KNIESS, C. T. São Bento do Sapucaí, SP: o artesanato como elemento integrador no desenvolvimento comunitário. Revista da Micro e Pequena Empresa, v. 9, n. 2, p. 74-88, 2015.
Citação APA:
Rodela, L. G., Aguiar, A. O., Ferreira, A. P. N. L., & Kniess, C. T. (2015). São Bento do Sapucaí, SP: o artesanato como elemento integrador no desenvolvimento comunitário. Revista da Micro e Pequena Empresa, 9(2), 74-88.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/37211/sao-bento-do-sapucai--sp--o-artesanato-como-elemento-integrador-no-desenvolvimento-comunitario/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ANDRADE, J. A. C. de. Análise da Produção de Banana Orgânica no Município de Itapajé, Ceará, Brasil. (Dissertação de Mestrado). Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, 2005, 107p.

BRASIL.Ministério do Meio Ambiente. Avaliação e ações prioritárias para a conservação da biodiversidade da Mata Atlântica e Campos Sulinos. Brasília: MMA, 2000.

CAPITANI, D. H. D.; GARAVELLO, M E de P. E. A Atividade artesanal com fibra de bananeira sob a perspectiva do ecodesenvolvimento. Revista Brasileira de Agroecologia, v.2, n. 1, fev. 2007.

CHEMNASIRI, N., KAEWMOUNG, D. Farm development to become agro-tourism area by community involvement in Saraburi, Thailand Amfiteatru Economic, v. 10, SUPPL. 2, p. 184-194, 2008.

DANTAS, L. C.; GUIMARÃES, L. E. C.; ALMEIDA, J. D. Produção artesanal, design participativo e economia solidária: a experiência do grupo mulheres da terra, Pilões-PB. Encontro Nacional de Engenharia de Produção, XXIX, 2009.

FAO- Food and Agriculture Organization of the United Nations. Banana. In: Agricultural products. 2006. United Nations Conference on Trade and Development (UNCTAD). Disponível em: http://www.unctad.org. Acessado em março de 2006.

FAO- Food and Agriculture Organization of the United Nations. Food and agricultural commodities production 2012. Disponível em http://faostat3.fao.org/faostatgateway/go/to/download/Q/QI/E. Acessado em agosto de 2014. 2012.

FAO- Food and Agriculture Organization of the United Nations. Sustainability Assessment of Food and Agriculture systems. Rome: FAO, 2012. 108p.

FGV- Fundação Getúlio Vargas. Fórum de varejo e consumo sustentável: experiências, debates e desafios. São Paulo: FGV, 2009. 46p.

GARAVELLO, M. E. de P. E.; MOLINA, S. M. G.; SILVA, M. R. da C.; COSTA, E. E. M. Artesanato com fibra de bananeira: uma experiência no Vale do Ribeira, SP. Revista Cultura e Extensão, Universidade de São Paulo, vol. 3, p. 31-36, 2010.

GARAVELLO, M. E. de P. E. Uma experiência de pesquisa e de extensão universitárias: artesanato com fibra de bananeira. ParticipAção, n. 15, 2009.

HIRUMA, S. T.; TEIXEIRA, A. L. Proposta de Sítio Geológico da Pedra do Baú. São Paulo: Instituto Geológico/Comissão Brasileira de Sítios Geológicos e Paleobiológicos, 2010.

HONFO, F. G.; TENKOUANO, A.; COULIBALY, O. Banana and plantain-based foods consumption by children and mothers in Cameroon and Southern Nigeria: A comparative study. African Journal of Food Science, v. 5, p. 287-291, 2011.

IBGE- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Produção Agrícola 2009. In: Economia. 2010. Disponível em: http://www.ibge.gov.br. Acessado em junho de 2011. 2009.

LEFF, E. Tiempo de Sustentabilidad. Ambiente e Sociedade, v. 6, p. 5-15, Campinas. 2000.

LI, S. X. Srinivasan services trust: Combating poverty with entrepreneurship. MIT Sloan Management, June. 2011. Disponível: https://mitsloan.mit.edu/learningedge/casedocs/11113.sst.kelly.pdf. Acesso: 21 de Agosto de 2014. 2011.

MILGRAM, B. L. Banking on Bananas, Crediting Crafts: Financing Women's Work in the Philippine Cordillera. Atlantis: Critical Studies in Gender, Culture & Social Justice, v. 26, n. 2, p. 109-119, 2002.

RODELA, L. G. Uma abordagem didática no ensino superior sobre consumo consciente e produtos sustentáveis. In: I Workshop de Ciências Ambientais UNESP Sorocaba. 2011.

SALATI, E.; SANTOS, A. A.; KLABIN, I. Temas ambientais relevantes. Estudos avançados - Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo, v. 20, n. 56, p. 107-127, 2006.

SÃO PAULO (Estado). Revelando São Paulo. Disponível em: . Acessado em agosto de2014.

SARASHIMA, S. ‘Community’ as a Landscape of Intangible Cultural Heritage: Basho-fu in Kijoka, a Japanese Example of a Traditional Woven Textile and its Relationship with the Public. International Journal of Intangible Heritage, vol. 8, p. 136-152, 2013.

SEBRAE- Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Artesanato em fibra de bananeira. Iconha: Associação de Artesãos do Município de Iconha, 2006. 7p.

SEMA - Secretaria de Estado do Meio Ambiente. Proposta para criação do Monumento Natural da Pedra do Baú. São Paulo: SEMA, 2010. 64 p.

SILVA, H. M. da. Por uma teorização das organizações de produção artesanal: habilidades produtivas nos caminhos singulares do Rio de Janeiro (Tese de Doutorado). São Paulo: Fundação Getúlio Vargas, 2006.

SOUZA, I. F. de; FERREIRA, L. E. C.; MAGINI, C.; ABESSA, D M de S. Percepção ambiental, perfil sócio-econômico e uso e ocupação do solo pela comunidade residente no núcleo Pedro de Toledo, Parque Estadual da Serra do Mar, SP. O Mundo da Saúde, v. 30, n. 4, p. 570-580. 2006.

SWARBROOKE, J. Turismo sustentável: Meio Ambiente e Economia. São Paulo: Aleph, 2000.

THE NATURAL STEP. The four system conditions. Estocolmo: The Natural Step Organization. Disponível em: www.thenaturalstep.org/en. Acessado: agosto de2011.

VIGNATI, F. Gestão de destinos turísticos. Rio de Janeiro: SENAC, 2008.

VIVAN, J. L. Bananicultura em sistemas agroflorestais no Litoral Norte do RS. Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável, v. 3, n. 2, p. 1-20, 2002.

WRI- World Resources Institute. Ecosystem Services for Development. Washington: WRI. Disponível em: http://www.wri.org/.