Programa Cultura Viva e o campo organizacional da cultura: análise de políticas públicas pela perspectiva institucionalista Outros Idiomas

ID:
37288
Resumo:
O presente artigo tem como objetivo analisar transformações ocorridas no campo organizacional da cultura no estado de São Paulo a partir da implementação do programa federal Arte Cultura e Cidadania — Cultura Viva. Com base em uma abordagem exploratória de caráter descritivo e tendo por referência a perspectiva institucionalista das organizações, o artigo mostra como o Programa Cultura Viva, ao incluir novas organizações no campo organizacional da cultura, modifica essas organizações, tornando-as semelhantes às já integrantes, e, ao mesmo tempo, provoca uma mudança simbólica, dado que as organizações inseridas muito diferem daquelas que são historicamente reconhecidas e legitimadas.
Citação ABNT:
MEDEIROS, A. K.; ALVES, M. A.; FARAH, M. F. S. Programa Cultura Viva e o campo organizacional da cultura: análise de políticas públicas pela perspectiva institucionalista. Revista de Administração Pública, v. 49, n. 5, p. 215-1235, 2015.
Citação APA:
Medeiros, A. K., Alves, M. A., & Farah, M. F. S. (2015). Programa Cultura Viva e o campo organizacional da cultura: análise de políticas públicas pela perspectiva institucionalista. Revista de Administração Pública, 49(5), 215-1235.
DOI:
http://dx.doi.org/10.1590/0034-7612130337
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/37288/programa-cultura-viva-e-o-campo-organizacional-da-cultura--analise-de-politicas-publicas-pela-perspectiva-institucionalista/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALVES, Mario A.; KOGA, Natália. Brazilian nonprofit organizations and the new legal framework: an institutional perspective. Brazilian Administration Review - BAR, v. 3, n. 2, p. 68-83, jul./dez. 2006.

BARBOSA, Cláudia L.; MEDEIROS, Rosana C. F.; LYRA, Valéria M. G. Avaliação dos Pontões de Cultura do Programa Cultura Viva. O olhar dos gestores do Programa Cultura Viva. Relatório da Pesquisa Avaliativa do Programa Cultura Viva. Brasília: Ipea, 2011.

BARCELLOS, Rebeca. Por outro eixo, outro organizar: a organização da resistência do circuito fora do eixo no contexto cultural brasileiro. Tese (doutorado) - Centro Socioeconômico, Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2012.

BARLEY, Stephen R.; TOLBERT, Pamela S. Institutionalization and structuration: studying the links between action and institution. Organization Studies, v. 18, n. 1, p. 93-117, 1997.

BARLEY, Steve. Building an institutional field to corral a government: a case to set an agenda for organization studies. Organization Studies, v. 31, n. 6, p. 777-805, jun. 2010.

BARTLEY, Tim. How Foundations shape social movements: the construction of an organizational field and the rise of forest certification. Social Problems, v. 54, n. 3, p. 229-255, ago. 2007.

BOURDIEU, Pierre. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus, 1996.

BRESCHIGLIARI, Juliana. Transformação e transmissão da cultura popular: diálogos com as políticas públicas de patrimonialização. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, v. 15, n. 57, p. 234-253, 2010.

EMIRBAYER, Mustafa; MISCHE, Ann. What is agency? American Journal of Sociology, v. 103, n. 4, p. 962-1023, 1998.

FLIGSTEIN, Neil; MCADAM, Doug. A theory of fields. Nova York: Oxford University Press, 2012. (Edição Kindle, referenciado nas posições 4392-403).

HALL, Peter A.; TAYLOR, Rosemary C. R. As três versões do neoinstitucionalismo. Lua Nova, n. 58, p. 193-223, 2003.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Fasfil, As Fundações Privadas e Associações sem Fins Lucrativos no Brasil. Estudos e Pesquisas, Abong, Ipea e Gife. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

KENIS, Patrick; KNOKE, David. How organizational field networks shape interorganizational tie-formation rates. The Academy of Management Review, v. 27, n. 2, p. 275-293, abr. 2002.

MARQUES, Eduardo C. Notas críticas à literatura sobre Estado, políticas estatais e atores políticos. BIB: Boletim Bibliográfico de Ciências Sociais, v. 43, p. 67-102, 1997.

MEDEIROS, Anny K. Políticas públicas e organizações culturais: o caso do programa Cultura Viva. Dissertação (mestrado) - Escola de Administração de Empresas de São Paulo, Fundação Getulio Vargas, São Paulo, 2013.

MEYER, John W.; ROWAN, Brian. Institutionalized organizations: formal structure as myth and ceremony. American Journal of Sociology, v. 83, p. 340-363, 1977.

MILWARD, H. Brinton. Interorganizational policy systems and research on public organizations. Administration & Society, v. 13, n. 4, p. 457-478, 1982.

MINC.Ministério da Cultura. Programa Arte Cultura e Cidadania - Cultura Viva. Disponível em: . Acesso em: 16 nov.2013.

MOODY, Michael. Building a culture: the construction and evolution of venture philanthropy as a new organizational field. Nonprofit and Voluntary Sector Quarterly, v. 37, n. 2, p. 324-352, 2008.

OLIVIERI, Cristiane G. Cultura neoliberal: leis de incentivo como políticas públicas de cultura. São Paulo: Escrituras, 2004. (Visões da Cultura).

PETER, Guy; PIERRE, Jon; KING, Desmond S. The politics of path dependency: political conflict in historical institutionalism. The Journal of Politics. v. 67, n. 4, p. 1275-1300, 2005.

PIERSON, Paul. Increasing returns, path dependence, and the study of politics. American Political Science Review, v. 94, n. 2, p. 251-267, 2000.

PIERSON, Paul. Politics in time: history, institutions, and social analysis. Nova Jérsei: Princeton University Press, 2004.

PORTAL DA TRANSPARÊNCIA. Governo Federal. Disponível em: . Acesso em: 16 de nov.2013.

POWELL, Walter; DIMAGGIO, Paul. The iron cage revisited: institutional isomorphism and collective rationality in organizational fields. In: POWELL, Walter; DIMAGGIO, Paul (Org.). The new institutionalism in organizational analysis. Chicago: Chicago University Press, 1983. p. 63-81.

RAO, Hayagreeva; MORRILL, Calvin; ZALD, Mayer N. Power plays: how social movements and collective action create new organizational forms. In: STAW, Barry M.; SUTTON, Robert I. Research in organizational behavior. Nova York: Elsevier; JAI, 2000. p. 237-282.

REAY, Trish; HININGS, Christopher Bob. The recomposition of an organizational field: Health care in Alberta. Organization Studies, v. 26, n. 3, p. 351-384, 2005.

REIS, Ana C. F. Marketing cultural e financiamento da cultura: teoria e prática em um estudo internacional comparado. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2003.

RODARTE, Bárbara. Coordenadora do programa Cultura Viva na Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo. Entrevista concedida em 22/3/2010 na Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo (São Paulo), 2010.

RUEF, Martin. The emergence of organizational forms: a community ecology approach. American Journal of Sociology, v. 106, n. 3, p. 658-714, 2000.

SALICNET. Portal SalicNet para base de dados do Programa Nacional de Apoio à Cultura - Pronac. Disponível em: . Acesso em: 16 nov.2013.

SEO, Myeong-Gu; CREED, We Douglas. Institutional contradictions, praxis, and institutional change: a dialectical perspective. Academy of Management Review, v. 27, n. 2, p. 222-247, 2002.

SIC. Sistema de Informação da Cultura. Lei de Acesso à Informação. Brasília: MinC, 2012.

SILVA, Frederico A. Barbosa da; ARAÚJO, Herton Ellery. Cultura viva: avaliação do Programa Arte Educação e Cidadania. Brasília: Ipea, 2010.

SILVA, Frederico A. Barbosa da et al. Cultura viva: as práticas de pontos e pontões. Brasília: Ipea, 2011.

THELEN, Kathleen. Historical institutionalism in comparative politics. Annual Review of Political Science, v. 2, p. 369-404, 1999.

TURINO, Célio. Formulador do programa Cultura Viva e secretário de Cidadania Cultural do Ministério da Cultura entre 2004 e 2010. Entrevista concedida em 22/1/2013 em São Paulo, 2013.