Empreendedores Corporativos: Um Estudo sobre a Associação entre Tipos Psicológicos e Competências Empreendedoras em Empresas de Grande Porte de Santa Catarina – Brasil Outros Idiomas

ID:
37333
Resumo:
Em estudos recentes sobre empreendedorismo corporativo – intraempreendedorismo - tem se destacado temas tais como: a importância da Orientação Empreendedora como Indicador do Grau de Empreendedorismo Corporativo, a visão e percepções dos gestores sobre o perfil de seus empregados; estudos sobre intraempreendedorismo e famílias empreendedoras, dentre outros estudos. (FRANÇA, FUZA E HASHIMOTO, 2012; LANA, TEIXEIRA E SILVA, 2011; LIMA, SILVA E CONDE, 2010). No entanto, tanto nas publicações nacionais como nas internacionais, não são encontrados estudos que levem à compreensão científica e fundamentada das competências dos empreendedores corporativos. Este artigo foi desenvolvido com ênfase na identificação e associação de tipos psicológicos de Jung (1990) e competências empreendedoras reconhecidas nos indivíduos considerados empreendedores em empresas de grande porte dos setores mecânico, metalúrgico e de material elétrico/comunicação em Santa Catarina. Os principais objetivos da pesquisa foram: a) identificar um conjunto de competências empreendedoras e; b) analisar a associação dos tipos psicológicos de Jung e as competências empreendedoras. Tomando por base uma população de 300 indivíduos empregados em empresas de grande porte do Estado de Santa Catarina – Brasil, indicados pelos seus pares como possuidores de características de empreendedores corporativos. Desta população da foi extraída uma amostra de 126 indivíduos pesquisados, os quais estavam empregados em 11 empresas dos setores mencionados. O instrumento de coleta de dados utilizado para identificação das competências empreendedoras foi desenvolvido a partir de um constructo de abordagens teóricas focadas em empreendedores corporativos de empresas, estudados por Pinchot (1989), Fleury (2000, 2002) e Dutra (2004), integradas aos estudos de empreendedores independentes e corporativos levantados por McClelland (1973), Cooley (1990), Spencer e Spencer (1993) e Dornelas (2003). O instrumento para identificação dos tipos psicológicos foi o questionário de identificação de Tipos Psicológicos Junguianos desenvolvido e consolidado por Casado (1998). Os resultados da pesquisa permitiram confirmar a existência de associação entre as dimensões que formam os tipos psicológicos e as competências empreendedoras. Dessa forma, pode-se concluir que o gerenciamento das ações voltadas para a inovação, renovação estratégica, criação e geração de novos produtos e negócios na empresa, pode ter como referência um conjunto de tipos psicológicos e competências empreendedoras presentes nos pesquisados. A pesquisa permitiu confirmar a hipótese que mencionava a existência de um tipo psicológico predominante associado a cada uma das competências empreendedoras.
Citação ABNT:
LENZI, F. C.; SANTOS, S. A. D.; CASADO, T.; KUNIYOSHI, M. S. Empreendedores Corporativos: Um Estudo sobre a Associação entre Tipos Psicológicos e Competências Empreendedoras em Empresas de Grande Porte de Santa Catarina – Brasil. Revista de Administração da Unimep, v. 13, n. 2, p. 117-141, 2015.
Citação APA:
Lenzi, F. C., Santos, S. A. D., Casado, T., & Kuniyoshi, M. S. (2015). Empreendedores Corporativos: Um Estudo sobre a Associação entre Tipos Psicológicos e Competências Empreendedoras em Empresas de Grande Porte de Santa Catarina – Brasil. Revista de Administração da Unimep, 13(2), 117-141.
DOI:
10.15600/1679-5350/rau.v13n2p117-141
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/37333/empreendedores-corporativos--um-estudo-sobre-a-associacao-entre-tipos-psicologicos-e-competencias-empreendedoras-em-empresas-de-grande-porte-de-santa-catarina-----brasil/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BRUCE, R. The Entrepreneurs: Strategies, Motivation, Successes and Failures. Bedford: Liberation Books, 1976.

CASADO, Tania. Tipos psicológicos: uma proposta de instrumento para diagnóstico do potencial humano nas organizações. 1998. Tese (Doutorado em Administração) Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, FEA/USP, São Paulo, 1998.

COOLEY, L. Entrepreneurship Training and the Strengthening of Entrepreneurial Performance. Final Report. Contract No. DAN-5314-C-00-3074-00. Washington: USAID, 1990.

COOLEY, L. Seminário para Fundadores de Empresa. Manual del Capacitador. Washington: MSI, 1991.

DORNELAS, J. C. A. Empreendedorismo corporativo: como ser empreendedor, inovar e se diferenciar na sua empresa. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

DRUCKER, Peter F. Inovação e espírito empreendedor (entrepreneurship): prática e princípios. São Paulo: Pioneira, 1986.

DUTRA, Joel Souza. Competências: conceitos e instrumentos para a gestão de pessoas na empresa moderna. São Paulo: Atlas, 2004.

DUTRA, Joel Souza. Gestão por competências: um modelo avançado para o gerenciamento de pessoas. São Paulo: Gente, 2001.

FARREL, Larry C. Entrepreneuriship: Fundamentos das Organizações Empreendedoras. São Paulo: Atlas, 1993.

FLEURY, A. C. C.; FLEURY, M. T. L. Estratégias empresariais e formação de competências. São Paulo: Atlas, 2000.

FLEURY, Maria Tereza Leme. As pessoas na organização. São Paulo: Gente, 2002.

FLEURY, Maria Tereza Leme; FISCHER, Rosa Maria. (coord) Cultura e Poder nas Organizações. 2ª ed. São Paulo: Atlas, 1996.

FLEURY, Maria Tereza Leme; FLEURY, Afonso. Construindo o conceito de competência. RAC, Edição Especial, 2001, 183-196.

FLEURY, Maria Tereza Leme; OLIVEIRA JUNIOR, Moacir de Miranda. (org) Gestão estratégica do conhecimento: integrando aprendizagem, conhecimento e competências. São Paulo: Atlas, 2001.

FRANÇA, A. B.; FUZA, J. S.; HASHIMOTO, M. Orientação Empreendedora como Indicador do Grau de Empreendedorismo Corporativo: fatores que caracterizam os intraempreendedores e influenciam sua percepção. Anais do Enanpad, Rio de Janeiro, 2012.

JUNG, C. G. O Desenvolvimento da Personalidade Humana. Petrópolis: Vozes, 1986.

JUNG, C. G. Sincronicidade: um princípio de conexões acausais. Petrópolis: Vozes, 1984.

JUNG, C. G. Tipos Psicológicos. Petrópolis: Vozes, 1991.

LANA, B. M. H., TEIXEIRA, L. A. A., e SILVA, J. T. M. Intraempreendedorismo: Uma Análise Das Percepções Do Gestor Sobre o Perfil De Seus Funcionários. Anais de Enanpad, Rio de Janeiro, 2011.

LIMA, J. B. de; SILVA, K. L. e CONDE, D. R. Intraempreendedorismo e Famílias Empreendedoras. Anais do ENEO, Florianópolis, 2010.

MCCLELLAND, D. C. Entrepreneurship and achievement motivation: approaches to the science of sócio-economic development. In: LEYGEL, P (org.). Paris: UNESCO, 1971.

MCCLELLAND, D. C. & BURHAM, H. David. O poder é o grande motivador. Coleção Harvard de Administração: Nova Cultura, 1987.

MCCLELLAND, D. C. & WINTER, David G. Como se motiva el exito economico. México: UTEHA, 1970.

MCCLELLAND, D. C. A sociedade competitiva: realização e progresso social. Rio de Janeiro: Expressão e Cultura, 1972.

MCCLELLAND, D. C. The Achievement Society, Princeton, NJ: D. Van Nostrand Co., 1961.

MINER, John B. Os quatro caminhos para o sucesso empresarial: como acertar o alvo no mundo dos negócios. São Paulo: Futura, 1998.

MYERS, I. B. Introdução à teoria dos tipos psicológicos. São Paulo: Coaching Consultoria Estratégica, 1995.

MYERS, I. Briggs e MYERS, P. B. Ser humano é ser diferente. Valorizando as pessoas por seus dons especiais. São Paulo: Gente, 1997.

ORSI, Ademar; BOSE, Mônica. Gestão por competência: modelo e abrangência. Revista de Psicologia, Fortaleza, Universidade Federal do Ceará, v. 21; n.1/2; jan./dez, 2003.

PIERRY, Felipe. Seleção por Competências: o processo de identificação de competências individuais para recrutamento, seleção e desenvolvimento de pessoal. 1ª ed. São Paulo: Vetor, 2006.

PINCHOT III, Gifford. Intrapreneuring: porque você não precisa deixar a empresa para tornar-se empreendedor. São Paulo: Harbra, 1989.

PINCHOT, G.; PELLMAN, R. Intraempreendedorismo na Prática: um guia de inovação nos negócios. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

SCHUMPETER, J. Capitalism, Socialism and Democracy. New York: Harper & Borthers, 1942.

SCHUMPETER, J. History of economic analysis. New York: Oxford Univessity Press, 1954.

SCHUMPETER, J. Teoria do Desenvolvimento Econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

SCHUMPETER, J. The Theory of Economic Development. Oxford: Universit Press, 1978.

SCHUMPETER, J. The Theory of Economic Development: An Inquiry into Profits, Capital, Credit, Interest, and the Business Cycle. Cambridge Mass: Harvard University Press, 1934. Second Printing 1936; third printing 1949.

SEIFFERT, P Q. Empreendendo Novos Negócios em Corporações. São Paulo: Atlas, 2005.

SEIFFERT, P. Q; SANTOS, S. A. Desenvolvimento de novos negócios em corporações: um modelo aplicado. Revista de Práticas Administrativas, v.1, n.1, p. 20-34, 2004.

SHAPERO, A. Some social dimension of entrepreneurship. In: CONGRESSO ENTREPRENEURSHIP RESEARCH, Waco, IX, 24-25 de Mar.1980. Documento Resumo, 28 p. ED 236.351.

SHAPERO, A. The Role of Entrepreneurship in Economic Development at the Less ThanNational-Level. Office of Economic Research, Economic Development Administration, U.S. Department of Commerce, January, 1977.

SPENCER JR., L. M. e SPENCER, S. M. Competence at Work: models for superior performance. New York: John Wiley and Sons, 1993.

ZARIFIAN, Philippe. Objetivo Competência: por uma nova lógica. São Paulo: Atlas, 2001.