Indução de Inovações em Serviços: Compras Governamentais para a Inovação ou Compras de Inovações? Outros Idiomas

ID:
37368
Resumo:
Este estudo tem por objetivo investigar a relação entre a contratação de serviços de software pelo governo federal e o surgimento de inovações nas empresas desenvolvedoras sob a premissa teórica de uso das compras para a inovação. Adota-se abordagem integradora para o estudo da inovação em economias de serviços e utiliza-se o Chain-Linked Model para a compreensão do processo de indução. Tem-se um estudo de casos múltiplos, com dez unidades de análise. Coletam-se relatos por entrevistas semiestruturadas com profissionais de perfis estratégico e técnico identificando inovações em três momentos: pré-venda, prestação de serviços e pós-venda. Utiliza-se codificação temática para a construção de categorias para a análise dos relatos coletados. Os resultados apontam surgimento de inovações apesar da não intencionalidade governamental em sua indução, contrariando a premissa teórica de uso das compras para a inovação. As soluções inovadoras desenvolvidas mostram-se mais voltadas ao atendimento a parâmetros burocráticos que à obtenção de benefício econômico e à geração de soluções inéditas na economia, o que restringe sua difusão no mercado e limita sua aplicação à esfera governamental.
Citação ABNT:
MOREIRA, M. F.; VARGAS, E. R. Indução de Inovações em Serviços: Compras Governamentais para a Inovação ou Compras de Inovações? . Revista Gestão & Tecnologia, v. 15, n. 2, p. 186-210, 2015.
Citação APA:
Moreira, M. F., & Vargas, E. R. (2015). Indução de Inovações em Serviços: Compras Governamentais para a Inovação ou Compras de Inovações? . Revista Gestão & Tecnologia, 15(2), 186-210.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/37368/inducao-de-inovacoes-em-servicos--compras-governamentais-para-a-inovacao-ou-compras-de-inovacoes--/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Barras, R. (1986). Towards a theory of innovation in services. Research Policy, 15(4),161-173.

Binks, J., & Futures, L. (2006). Using public procurement to drive skills and innovation. Recuperado de http://www.researchonline.org.uk/sds/search/download.do;jsessionid=F1CDB672F 0BEA4A2CAAAD29F0116F902?ref=B697

Birkland, T. (2005). An introduction to the policy process: Theories, concepts and models of public policy making (2a ed.). New York: Me Sharpe.

Brasil (2003). Diretrizes de Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior. Recuperado de http://www.desenvolvimento.gov.br/sitio/

Buera, F., & J. Kaboski. (2012). The Rise of the Service Economy. American Economic Review, 102 (October), 2540-69.

Diegues, A. C., & Roselino, J. E. (2009). Interação, Aprendizado Tecnológico e Inovativo no Polo de TIC da Região de Campinas: Uma caracterização com ênfase nas atividades tecnológicas desenvolvidas pelas empresas beneficiárias da Lei de Informática. Revista Brasileira de Inovação, 5 (2), 373-402.

Dosi, G. (1988). Sources, procedures, and microeconomic effects of innovation. Journal of economic literature, 1120-1171.

Edler, J., & Georghiou, L. (2007). Public procurement and innovation Resurrecting the demand side. Research policy, 36(7), 949-963.

Edler, J., Ruhland, S., Hafner, S., Rigby, J., Georghiou, L., Hommen, L., & Papadakou, M. (2005). Innovation and public procurement. Review of issues at stake. ISI Fraunhofer Institute Systems and Innovation Research, Karlsruhe.

Edquist, C., & Zabala-Iturriagagoitia, J. M. (2012). Public Procurement for Innovation as mission-oriented innovation policy. Research Policy, 41(10), 1757-1769.

European Commission. (2005). Public procurement for research and innovation: Developing procurement practices favorable to R&D and innovation. Brussels.

Fernandes, A., Balestro, M., & Motta, A. (2004). O arranjo produtivo local de software do Distrito Federal. Relatório de Atividades da Expansão da RedeSist. Instituto de Economia Universidade Federal do Rio de Janeiro (IE/UFRJ).

Flick, Uwe. (2009). Desenho da pesquisa qualitativa. Coleção Pesquisa Qualitativa (Coordenação de Uwe Flick). Porto Alegre: Bookman, Artmed.

Gadrey, J. (2001). Emprego, produtividade e avaliação do desempenho dos serviços. In M. Salerno (Org.). Relação de serviço: Produção e avaliação (pp.2365). São Paulo: Editora Senac.

Gallouj, F. (2002). Innovation in the service economy: The new wealth of nations. Cheltenham: Edward Elgar.

Gallouj, F., & Savona, M. (2009). Innovation in services: A review of the debate and a research agenda. Journal of evolutionary economics, 19(2), 149-172.

Gallouj, F., & Weinstein, O. (1997). Innovation in services. Research policy, 26(4), 537-556.

Garcia, R., & Roselino, J. E. (2004). Uma avaliação da Lei de Informática e de seus resultados como instrumento indutor de desenvolvimento tecnológico e industrial. Gestão & Produção, 11(2), 177-185.

Georghiou, L., Edler, J., Uyarra, E., & Yeow, J. (2014). Policy instruments for public procurement of innovation: Choice, design and assessment. Technological Forecasting and Social Change, 86, 1-12.

Godin, B. (2006). The linear model of innovation: The historical construction of an analytical framework. Science, Technology, & Human Values, 31(6), 639-667.

Kim, J., Lee, S., Geum, Y., & Park, Y. (2012). Patterns of innovation in digital content services: The case of App Store applications. Innovation, 14(4), 540-556.

Kline, S., & Rosenberg, N. (1986). An overview of innovation. In R.Landau, & N. Rosenberg (Eds.). The positive sum strategy (pp.275-306). Washington: National Academy Press.

Kon, Anita. (2004). Economia de serviços: Teoria e evolução no Brasil. Rio de Janeiro: Campus.

Lember, V., Kattel, R., & Kalvet, T. (2014a). How Governments Support Innovation Through Public Procurement: Comparing Evidence from 11 Countries. In V. Lember, R. Kattel, & T. Kalvet (Eds.). Public Procurement, Innovation and Policy (pp. 287-309). Heidelberg, Springer.

Loader, K. (2007). The challenge of competitive procurement: value for money versus small business support. Public Money & Management, 27(5), 307-314.

McCrudden, C. (2004). Using public procurement to achieve social outcomes. Natural Resources Forum, 28, 257–267.

Miles, I. (2005). Innovation in services. The Oxford handbook of innovation,16, 433458.

Moreira, M. F., & Vargas, E. R. (2012). Compras para a inovação: Casos de inovações induzidas por clientes públicos. Revista de Administração Mackenzie, 13(5).

Moreira, M., & Vargas, E. (2009). O papel das compras governamentais na indução de inovações. Revista Contabilidade, Gestão e Governança, 12, 35-43.

Nelson, R. R., & Winter, S. G. (2005). Uma teoria evolucionária da mudança econômica. Editora Unicamp. Richardson, R. (2007). Pesquisa Social: Métodos e Técnicas (3a ed.). São Paulo: Atlas.

Richardson, R. (2007). Pesquisa Social: Métodos e Técnicas (3a ed.). São Paulo: Atlas.

Schumpeter, J. (1975). Capitalism, socialism and democracy. New York: Harper Perennial.

Schumpeter, J. (1982). Teoria do desenvolvimento econômico. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura.

Stal, E. (2007). Inovação tecnológica, sistemas nacionais de inovação e estímulos governamentais à inovação. In D. A. Moreira, & A. C. S. Queiroz (Coords). Inovação organizacional e tecnológica. São Paulo: Thomson Learning.

Steinmueller, W. (1995). The U.S. software industry: An Analysis and Interpretive History. MERIT – Maastricht Economic Research Institute on Innovation and Technology.

Steinmueller, W. (2004). The European software sectoral system of innovation. In F. Malerba (Ed). Sectoral systems of innovation: Concepts, issues and analyses of six major sectors in Europe (pp.193-242). Cambridge: Cambridge University Press.

Tidd, J., Bessant, J., & Pavitt, K. (2008). Gestão da inovação. Bookman.

Vargas, E. & Zawislak, P. (2006). Inovação em serviços no paradigma da economia do aprendizado: A pertinência de uma dimensão espacial na abordagem dos sistemas de inovação. Revista de Administração Contemporânea, 10(1), 139-159.

Viotti, E., & Macedo, M. (2003). Indicadores de ciência, tecnologia e inovação no Brasil. Campinas: Editora da Unicamp.

Yin, R. K. (2015). Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. Bookman.