Doação de Órgãos no Brasil: Uma Análise das Campanhas Governamentais sob a Perspectiva do Marketing Social Outros Idiomas

ID:
37458
Resumo:
Atualmente, no Brasil, identifica-se uma demanda por doação de órgãos superior à oferta. Na fila de espera para conseguir uma doação encontram-se pacientes que o transplante como sua única esperança de vida. Apesar da legislação pertinente, o que se identifica no país é uma elevada demanda de pessoas a espera de um doador de órgãos compatível e, por outro lado, uma baixa oferta de possíveis doadores potenciais. Diante desse cenário, o presente estudo teve como objetivo analisar a percepção de doadores e potenciais doadores de órgãos do Estado de Minas Gerais, Brasil, acerca das estratégias de marketing social adotadas pelo governo. Para tal, realizou-se uma pesquisa de abordagens quantitativa e qualitativa. Os dados da etapa quantitativa foram coletados por meio de uma survey aplicada a 412 indivíduos e para a fase qualitativa foram realizadas 23 entrevistas semiestruturadas com pessoas diretamente envolvidas no processo de doação de órgãos. Os resultados indicam que um dos principais fatores que interfere negativamente na intensão de doar órgãos está relacionado a questões de segurança. Sublinha-se, ainda, uma baixa percepção acerca da eficácia das campanhas de marketing social em prol da doação de órgãos. Ainda, segundo os entrevistados, tais campanhas deveriam mesclar apelos negativos e positivos, a fim de se proporcionar nos indivíduos além da conscientização emocional, desequilíbrios afetivos ou cognitivos.
Citação ABNT:
REZENDE, L. B. O.; SOUSA, C. V.; PEREIRA, J. R.; REZENDE, L. O. Doação de Órgãos no Brasil: Uma Análise das Campanhas Governamentais sob a Perspectiva do Marketing Social. Revista Brasileira de Marketing, v. 14, n. 3, p. 362-376, 2015.
Citação APA:
Rezende, L. B. O., Sousa, C. V., Pereira, J. R., & Rezende, L. O. (2015). Doação de Órgãos no Brasil: Uma Análise das Campanhas Governamentais sob a Perspectiva do Marketing Social. Revista Brasileira de Marketing, 14(3), 362-376.
DOI:
10.5585/remark.v14i3.2902
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/37458/doacao-de-orgaos-no-brasil--uma-analise-das-campanhas-governamentais-sob-a-perspectiva-do-marketing-social/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Agência de Desenvolvimento da Região Metropolitana. (2015). Regiões Metropolitanas. Recuperado em 22 de Agosto de 2015 de http://metropolitana.mg.gov.br/asregioes-metropolitanas-de-minas-gerais/rmbh.

Andreasen, A. L. (1994). Social Marketing: Its definition and domain. Journal of Public Polity & Marketing, 13(1), 108-114.

Andreasen, A. L. (2002). Marketing Social Marketing in the Social Change Marketplace. Journal of Public Polity & Marketing, 45(2), 3-13.

Ang, L. (2011). Community relationship management and social media. Journal of Database Marketing & Customer Strategy Management, 18 (1), 31-38.

Aquino, J. (2012). Vermont Gets a Boost in Organ Donor Registrants. CRM Magazine, 16(5), 51-52.

Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos – ABTO. (2015). Dados Numéricos da doação de órgãos e transplantes realizados por estado e instituição no período: janeiro/junho – 2015. Recuperado em 12 de agosto 2015 de http://www.abto.org.br/abtov03/Upload/file/R BT/2015/rbt2015-1sem-lib2907.pdf.

Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos – ABTO. (2015). Orientações sobre doação de órgãos. Recuperado em 12 de agosto 2015 de http://www.abto.org.br/estendaamao/files/0_a bto_casada_alta.pdf.

Baker, M. J. (2005). Administração de Marketing. Rio de Janeiro: Elsevier.

Baldin, N.; Munhoz, E. M. B. (2011). Snowball (Bola de Neve): Uma técnica metodológica para pesquisa em educação ambiental comunitária. Anais do Seminário internacional de representações sociais, subjetividade e educação, Curitiba, PR, Brasil, 1.

Barboza, S. I. S. (2012). Marketing social aplicado à doação de sangue: fatores condicionantes de comportamento. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa.

Bardin, L. (2006). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Buxton, G. (1973). The Role of the Comparative Analysis Approach in Social Marketing. European Journal of Marketing, 7(1), 55-63.

Campo Silva, T. C.; Carvalho, R. (2006). Transplante Hepático: Problemas de Enfermagem em Pacientes no Pós-Operatório. Jornal Brasileiro de Transplantes, 9(1), 481-485.

Carrel, A. (1963). The Operative Technique of Vascular Anastomoses and the Transplantation of Viscera. Clinical Orthopaedics and Related Research, 29(2), 3-6.

Castro, I. M.; Santos, P. M. F. (2014). O Efeito de Campanhas de Marketing Social com Apelos Negativos no Comportamento de Risco das Pessoas que Ingerem Bebidas Alcoólicas. Anais do Encontro de Administração Pública e Governança, Belo Horizonte, MG, Brasil, 6.

Chisolm, P.; Cox, S. S.; Gatte, A. P.; Totten, J. W. (2011). Social Marketing & Organ Donation: What Works, What Doesn’t & Where To From Here? Advances In Marketing, p. 175.

Denzin, N. K.; Lincoln, Y. S. (2006). O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed.

Dias, R. G. (2015). O uso de metáforas na análise da eficácia das campanhas de marketing social sobre a prevenção aos acidentes de trânsito: um estudo com condutores habilitados. (Dissertação de Mestrado). Faculdade Novos Horizontes, Belo Horizonte.

Dickson, P. R. (2001). Ambiente de Marketing e Responsabilidade Social. Porto Alegre: Bookman.

Duailibi, S.; Pinsky, I.; Laranjeira, R. (2007). Prevalência do beber e dirigir em diadema, estado de São Paulo. Revista de Saúde Pública, 41(6), 1058-1061.

Ferber, R. (1970). The Expanding Role of Marketing in the 1970s. Journal of Marketing, 34(1), 29-30.

Field, A. (2009). Descobrindo a estatística usando SPSS. 2. ed. Porto Alegre: Artmed.

French, J.; Blair-Stevens, C. (2005). Social marketing pocket guide. London: National.

Gil, A. C. (2008). Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas.

Gregori, A.; Baltar, F. (2013). 'Ready to complete the survey on Facebook'- Web 2.0 as a research tool in business studies. International Journal of Market Research, 55(1), 131-148.

Hair Jr, J. F.; Anderson, R. E.; Tatham, R. L.; Black, W. C. (2005). Análise Multivariada de Dados. 5. ed. Porto Alegre: Bookman.

Harrison, T. R.; Morgan, S. E.; Chewning, L. V. (2008). The challenges of social marketing of organ donation: News and entertainment coverage of donation and transplantation. Health Marketing Quarterly, 25(2), 33-65.

Hastings, G.; Saren, M. (2003). The critical contribution of social marketing theory and application. Marketing Theory, 3(3), 305-322.

Kotler P.; Armstrong, G. (2007). Princípios de Marketing. 12 ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Kotler, P.; Lee, N. (2008). Marketing no setor público. Porto Alegre: Bookman.

Kotler, P.; Levy, S. (1969). A New Form of Marketing Myopia: Rejoinder to Professor Luck. Journal of Marketing, 33(3), 55-57.

Kotler, P.; Roberto, E. L. (1989). Social marketing: strategies for changing public behavior. New York: Free Press.

Kotler, P.; Zaltman, G. (1971). Social Marketing: An Approach to Planned Social Change. Journal of Marketing, 35(3), 3-12.

Lazer, W. (1969). Marketing's changing social relationships. The journal of Marketing, 33(1), 3-9.

Luck, D. J. (1969). Broadening the concept of marketing. Too far. The Journal of Marketing, 33(3), 53-55.

Malhotra, N. K. (2006). Pesquisa de Marketing: Uma orientação aplicada. Porto Alegre: Bookman.

Mesquita, J. M. C. (2010). Estatística Multivariada Aplicada à Administração: guia prático para utilização do SPSS. Curitiba: Editora CRV.

Ministério da Saúde. (2014). Sistema Nacional de Transplantes. Recuperado em 16 outubro, 2014, de http://dtr2001.saude.gov.br/sas/dsra/duvidas.htm.

Morgan, S. E.; Miller, J. K.; Arasaratn, L. A. (2002). Signing cards, saving lives: an evaluation of the worksite organ donation promotion project. Communication Monographs, 69(3), 253-273.

Nd. Lei n. 9.434, de 4 de fevereiro de 1997. (1997). Dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento, e legislação correlata. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Câmara dos Deputados, Coordenação de Publicações. Recuperado em 16 janeiro, de 2015 de www.idp.edu.br/.../450-legislacaobrasileira-sobre-doacao-de-orgaos.

Nd. MG Transplantes, Epidemiologia e estatística de captação e transplantes de órgãos e tecidos em Minas Gerais. (2014). Recuperado em 19 de janeiro de 2014 de http://www.fhemig.mg.gov.br/pt/mgtransplantes/consulte-numeros.

Nd. Resolução n° 1.480, de 8 de agosto de 1997. (1997). Brasília, DF: Conselho Federal de Medicina. Recuperado em 16 de janeiro de 2015 de http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/cfm/1997/1480_1997.htm.

Nothen, R. R. (2005). A doação de órgãos no cenário brasileiro. Associação Brasileira de Transplante de órgãos. São Paulo.

Paulo, R. R. D.; Malik, A. M. (2014). O Uso do Facebook na Comunicação de Marketing para Promover a Doação de Medula no Brasil. Anais do XXXVIII Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração EnANPAD. Rio de Janeiro, RJ. Setembro.

Santos, M. J.; Massarolloz, M. C. K. B. (2005). Processo de doação de órgãos: percepção de Familiares de doadores cadáveres. Revista Latino-Am Enfermagem, 13(3), 382-387.

Schneider, G.; Luce, F. B. (2014). Marketing Social: Abordagem Histórica e Desafios Contemporâneos. Revista Brasileira de Marketing - Remark, 13(3), 125-137.

Schwartz, G. (1971). Marketing: the societal marketing concept. University of Washington Business Review, 31(3), 31-38.

Sousa, C. V. Neurociências e Marketing: Explorando as Fronteiras Diádicas e Integrando Metodologias para a Compreensão do Comportamento do Consumidor. Tese de doutorado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2012.

Vecchiato, G.; Fallani, F. D. V.; Astolfi, L.; Toppi, J.; Cincotti, F.; Mattia, D.; Salinari, S.; Babiloni, F. (2010). The issue of multiple univariate comparisons in the context of neuroelectric brain mapping: an application in a neuromarketing experiment. Journal of neuroscience methods, 191(2), 283-289.

Vicari, A. R. (2010). Atitudes da equipe assistencial em relação a doação de órgãos em hospitais de Porto Alegre. Dissertação de mestrado apresentada a Universidade Federal do Rio Grande do Sul do curso de medicina.