O processo de formulação e monitoramento do planejamento estratégico de Tribunais de Contas sob a ótica da Nova Sociologia Institucional Outros Idiomas

ID:
37918
Resumo:
O objetivo desta pesquisa foi descrever o processo de adoção do planejamento estratégico nos Tribunais de Contas brasileiros, desde o planejamento até o monitoramento, sob a ótica da Nova Sociologia Institucional. A metodologia de pesquisa utilizou-se de survey e pesquisa documental analisando os casos de 23 Tribunais que responderam a questionário. Como resultados e contribuição da pesquisa, verificou-se que esse processo, por ainda ser recente para muitos Tribunais (em grande parte deles), está em fase de amadurecimento e nem todas as melhores práticas vêm sendo observadas, restando ainda algumas barreiras a serem superadas para colocar o sistema de planejamento e monitoramento operando efetivamente. Verificaram-se vários aspectos do isomorfismo no processo de formulação e na definição da metodologia de monitoramento, como o fato de a quase totalidade dessas organizações usar o balanced scorecard.
Citação ABNT:
SILVA, F. A.; MÁRIO, P. C. O processo de formulação e monitoramento do planejamento estratégico de Tribunais de Contas sob a ótica da Nova Sociologia Institucional. Revista de Administração Pública, v. 49, n. 6, p. 1401-1427, 2015.
Citação APA:
Silva, F. A., & Mário, P. C. (2015). O processo de formulação e monitoramento do planejamento estratégico de Tribunais de Contas sob a ótica da Nova Sociologia Institucional. Revista de Administração Pública, 49(6), 1401-1427.
DOI:
http://dx.doi.org/10.1590/0034-7612134757
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/37918/o-processo-de-formulacao-e-monitoramento-do-planejamento-estrategico-de-tribunais-de-contas-sob-a-otica-da-nova-sociologia-institucional/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BECHELAINE, Cinthia H. O. et al. A influência dos processos de institucionalização na utilização dos resultados de avaliações de políticas públicas: o caso mineiro das avaliações executivas de projetos. Revista Contabilidade, Gestão e Governança, Brasília, v. 16, n. 1, p. 82-97, 2013.

BERRY, Andrew J. et al. Emerging themes in management control: a review of recent literature. The British Accounting Review, v. 41, n. 1, p. 2-20, 2009.

BORGES, Thiago B. Utilização da informação gerencial no setor público: perspectiva diante das novas normas de contabilidade do setor público. Dissertação (mestrado em ciências contábeis) — Centro de Pós-Graduação e Pesquisas em Contabilidade e Controladoria, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2012.

BRASIL. Constituição (1988).Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, Senado Federal, 5 out. 1988. Disponível em: . Acesso em: 9 out. 2012. 1988.

BRASIL.Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Promoex.Relatório de progresso Promoex — 1° semestre de 2012. Disponível em: . Acesso em: 18 abr. 2013. 2012.

BRESSER-PEREIRA, Luiz C.; GRAU, Nuria C. (Coord.). Responsabilização na administração pública. São Paulo: Clad; Fundap, 2006.

BRYSON, John M. A strategic planning process for public and non-profit organizations long range planning. Long Range Planning, v. 21, n. 1, p. 73-81, 1988.

CATELLI, Armando (Coord.). Controladoria: uma abordagem da gestão econômica — Gecon. São Paulo: Atlas, 2001.

CAVALLUZZO, Ken S.; ITTNER, Christopher D. Implementing performance measurement innovations: evidence from government. Accounting, Organizations and Society, v. 29, n. 3-4, p. 243-267, 2004.

CORRÊA, Hamilton L.; HOURNEAUX JUNIOR, Flávio. Sistemas de mensuração e avaliação de desempenho organizacional: estudo de casos no setor químico no Brasil. Revista Contabilidade & Finanças, São Paulo, v. 19, n. 48, p. 50-64, set./dez. 2008.

CRUZ, Cássia V. O. A.; MATIAS, Márcia A.; FREZATTI, Fábio. Considerações acerca do uso do Balanced Scorecard no processo de implementação e reformulação das estratégias organizacionais. Revista de Estudos Contábeis, Londrina, v. 1, n. 1, p. 3-23, jul./dez. 2010.

DIAS FILHO, José M.; MACHADO, Luiz H. B. Abordagens da pesquisa em contabilidade. In: IUDÍCIBUS, Sérgio; LOPES, Alexsandro. B. Teoria avançada da contabilidade. São Paulo: Atlas, 2004.

DIMAGGIO, Paul J.; POWELL, Walter W. The iron cage revisited: institutional isomorphism and collective rationality in organizational fields. American Sociological Review, v. 48, n. 2, p. 147-169, 1983.

GHISI, Adhemar P. Desempenho das entidades fiscalizadoras superiores e indicadores de rendimento. Revista do TCU, Brasília, v. 31, n. 86, p. 327-337, out./dez. 2000.

GIACOBBO, Mauro. O desafio da implementação do planejamento estratégico nas organizações públicas. Revista do TCU, Brasília, v. 28, n. 74, p. 73-107, out./dez. 1997.

GUARRIDO FILHO, Edson R. A construção da teoria institucional nos estudos organizacionais no Brasil: o período 1993-2007. Tese (doutorado em administração) — Centro de Pesquisa e Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2008.

GUIMARÃES, Tadeu B.; PORDEUS, Iran A.; CAMPOS, Éder S. A. (Org.). Estado para resultados: avanços no monitoramento e avaliação da gestão pública em Minas Gerais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

HOOD, Christopher. The “New Public Management” in the 1980s: variations on a theme. Accounting, Organization and Society, Oxford, v. 20, n. 2-3, p. 93-109, 1995.

INSTITUTO RUI BARBOSA. Pesquisa sobre Tribunais de Contas do Brasil. Percepção do Corpo Deliberativo. Disponível em: . Acesso em: 10 abr.2014.

INTOSAI. International Organization of Supreme Audit Institutions. Supreme audit institutions performance measurement framework. Concept note. Disponível em: . Acesso em: 30 set. 2013.

KAPLAN, Robert; NORTON, David. The balanced scorecard: measures that drive performance. Harvard Business Review, v. 1, p. 71-79, jan./fev. 1992.

LEWIN, Kurt. Problemas de dinâmica de grupo. São Paulo: Cultrix, 1948.

MACHADO-DA-SILVA, Clóvis L.; VIZEU, Fábio. Análise institucional de práticas formais de estratégia. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 47, n. 4, p. 89-100, out./dez. 2007.

MARTINS, Gilberto A. Sobre confiabilidade e validade. Revista Brasileira de Gestão e Negócios, São Paulo, v. 8, n. 20, p. 1-12, jan./abr. 2006.

MEIRELLES, Anthero de M. A formação de estratégia no sistema bancário brasileiro: modelo teórico e evidências empíricas. Tese (doutorado em administração) — Centro de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2003.

MEYER, John; ROWAN, Brian. Institutionalized organizations: formal structure as myth and ceremony. American Journal of Sociology, v. 83, n. 2, p. 340-363, set. 1977.

MINTZBERG, Henry. Criando organizações eficazes. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2006. cap. 4.

NATIONAL AUDIT OFFICE. Our strategy. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2014.

PEREIRA, Luiz A. C. et al. Reações de afeto no processo decisório gerencial das organizações: uma abordagem a partir da Prospective Theory. Revista Contabilidade Vista & Revista, Belo Horizonte, v. 21, n. 1, p. 131-155, jan./mar. 2010.

PEREIRA, Sérgio C. de S. O planejamento estratégico em organizações públicas: um estudo de caso das organizações militares prestadoras de serviço. In: CONGRESO INTERNACIONAL DEL CLAD SOBRE LA REFORMA DEL ESTADO Y DE LA ADMINISTRACIÓN PÚBLICA, XI, 2006, Ciudad de Guatemala. Anais eletrônicos... Disponível em: . Acesso em: 24 fev. 2013. 2006.

POISTER, Theodore. H. The future of strategic planning in the public sector: linking strategic management and performance. Public Administration Review, v. 70, n. esp.; p. 246-254, dez. 2010.

REIS, Luciano G. A influência do discurso no processo de mudança da contabilidade gerencial: um estudo de caso sob o enfoque da Teoria Institucional. Tese (doutorado em ciências contábeis) — Programa de Pós-graduação em Ciências Contábeis, Departamento de Ciências Contábeis, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

RIBEIRO, João A.; SCAPENS, Robert W. Institutional theories in management accounting change: contributions, issues and paths for development. Qualitative Research in Accounting & Management, v. 3, n. 3, p. 94-111, 2006.

RIBEIRO, Renato J. B. O problema central do controle da administração pública pode ser resumido ao debate sobre modelos? Revista do Tribunal de Contas da União, v. 33, n. 93, p. 55-73, jul./set. 2002.

ROBBINS, Stephen P. Comportamento organizacional. 8. ed. Rio de Janeiro: LTC, 1999.

RODRIGES NETO, Antônio J. M. (Org.). A era do cidadão. A experiência do Tribunal de Contas de Mato Grosso. Cuiabá: Entrelinhas, 2009.

SANTANA, Gislaine P. S.; COLAUTO, Romualdo D.; CARRIERI, Alexandre P. Institucionalização de instrumentos gerenciais: o caso de uma organização do setor elétrico. Revista Iberoamericana de Contabilidad de Gestión, Espanha, v. 9, n. 18, p. 1-18, jul./dez. 2011.

SCOTT, W. Richard. The Adolescence of Institutional Theory. Administrative Science Quarterly, v. 32, n. 4, p. 493-511, 1987.

SELZNICK, Philip. Liderança na administração: uma interpretação sociológica. Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas, 1972.

SILVA, Flávia A.; GONÇALVES, Carlos A. O processo de formulação e implementação do planejamento estratégico em instituições públicas. Revista de Administração da UFSM, v. 4, n. 3, p. 458-476, set./dez. 2011.

SILVA, Flávia A.; MÁRIO, Poueri C. Monitoramento e avaliação nas instituições públicas: um estudo nos Tribunais de Contas no Brasil. In: CONGRESSO NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS — ADCONT, 3.; 2012, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Faculdade de Administração e Ciências Contábeis/UFRJ, 9-11 out. 2012.

SILVA, Flávia A.; MARTINS, Túlio C. P. M.; CKAGNAZAROFF, Ivan B. Redes organizacionais no contexto da governança pública: a experiência dos Tribunais de Contas do Brasil. Revista do Serviço Público, v. 64, n. 2, p. 249-272, abr./jun. 2013.

SIMONS, Robert; DÁVILA, Antonio; KAPLAN, Robert S. Performance Measurement and control systems for implementing strategy. Nova Jersey: Prentice Hall, 2000. cap. 10 e 11.

TALBOT, Collin; DAUNTON, Lyn; MORGAN, Colin. A mensuração do desempenho de ministérios e agências de governo: evoluções internacionais. Revista do Serviço Público, Brasília, v. 52, n. 3, p. 5-51, jul./set. 2001.

TOLBERT, Pamela S.; ZUCKER, Lynne G. A institucionalização da teoria institucional. In: CLEGG, Stewart; HARDY, Cynthia et al. (Org.). Handbook de estudos organizacionais, modelos de análise e novas questões em estudos organizacionais. São Paulo: Atlas, 1999. v. 1, p. 194-217.

TRIVIÑOS, Augusto N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 2007.

US GOVERNMENT AUDIT OFFICE. Performance measures. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2014.

VAITSMAN, Jeni; RODRIGUES, Roberto W. S.; PAES-SOUSA, Rômulo. O sistema de avaliação e monitoramento das políticas e programas sociais: a experiência do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome do Brasil. Brasília: Unesco, 2006. Policy Papers, 17.

WEBER, Max. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Tradução de Regis Barbosa e Karen Elsabe Barbosa. 3. ed. Brasília: Ed. da UnB, 1994.

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.