Uma Nova Dança das Cadeiras: como a Formalidade e Informalidade da Rede Mudam a Posição dos Atores Centrais em Redes Intraorganizacionais Outros Idiomas

ID:
37970
Resumo:
Neste trabalho buscamos identificar como formalidade e informalidade da rede muda a posição dos atores centrais em uma rede intraorganizacional. Formalidade em nosso estudo abrange desde a necessidade de aprovações formais entre os membros da gerência e direção da empresa às comunicações relativas ao trabalho entre todos os colaboradores da organização. Realizamos a pesquisa empírica em um grupo do setor de treinamento e desenvolvimento de pessoas, este grupo tem mais de 50 anos e 106 colaboradores. Além disso, possui escritórios em São Paulo, Brasília, Porto Alegre e Rio de Janeiro. Com base em questionários aplicados construímos quatro redes da empresa estudada. Ao analisar estas redes percebemos que os atores centrais mudavam conforme o grau de formalidade da rede, embora isto não acontecesse de forma tão sensível em relação ao seu formato e os atores periféricos. Deste modo, nosso trabalho contribuiu para a teoria ao mostrar as possibilidades que se abrem aos gestores ao analisar as redes informais e, por outro lado, permite que os funcionários que ocupam as posições mais rasas na hierarquia da empresa ganhem espaço ao ocupar o centro da rede informal.
Citação ABNT:
ZANIN, L. M.; SOUZA, L. J.; GUERRAZZI, L. A. C.; CUNHA, J. A. C.; FERRAZ, R. R. N.; NASSIF, V. M. J. Uma Nova Dança das Cadeiras: como a Formalidade e Informalidade da Rede Mudam a Posição dos Atores Centrais em Redes Intraorganizacionais. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, v. 5, n. N. Especial, p. 147-162, 2015.
Citação APA:
Zanin, L. M., Souza, L. J., Guerrazzi, L. A. C., Cunha, J. A. C., Ferraz, R. R. N., & Nassif, V. M. J. (2015). Uma Nova Dança das Cadeiras: como a Formalidade e Informalidade da Rede Mudam a Posição dos Atores Centrais em Redes Intraorganizacionais. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 5(N. Especial), 147-162.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/37970/uma-nova-danca-das-cadeiras--como-a-formalidade-e-informalidade-da-rede-mudam-a-posicao-dos-atores-centrais-em-redes-intraorganizacionais/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BERTOLIN, R. V.; SANTOS, A. C.; LIMA, J. B.; BRAGA, M. J. Assimetria de Informação e Confiança em Interações Cooperativas. Revista de Administração Contemporânea, v. 12, n. 1, p. 59-81, 2008.

BORGATTI, S. P.; FOSTER, P. C. The Network Paradigm in Organizational Research: A Review and Typology. Journal of Management, v. 29, n. 6, p. 991-1013, 2003.

CASTELLS, M. A Rejoinder: on power, identities and culture in the network society. New Political Economy, v. 3, n. 3, p. 473-483, 1998.

FIALHO, Joaquim. Análise de redes sociais: princípios, linguagens e estratégias de ação na gestão do conhecimento. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, v. 4, Núm. Esp.; p. 9-26, Out. 2014.

FOMBRUN, C. Strategies for network research in organizations. Academy of Management Review, v. 7, n. 2, p. 280-291,1982.

FREEMAN, L. Centrality in social networks conceptual clarification. Networks, v. 1, n. 3, p. 215-239, 1978.

GIGLIO, E. M.; HERNANDES, J. L. G. Discussões sobre a Metodologia de Pesquisa sobre Redes de Negócios Presentes numa Amostra de Produção Científica Brasileira e Proposta de um Modelo Orientador. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, v. 14, n. 42, p. 78-101, 2012.

GIGLIO, E. M.; PUGLIESE, R. L.; SILVA, R. M. Análise dos conceitos de poder nos artigos brasileiros sobre redes. Revista de Administração da Unimep, v. 10, n. 3, p. 51-69, 2012.

GRANDORI, A.; SODA, G. Inter-firm Networks: Antecedents, Mechanisms and Forms. Organization Studies, v. 16, n. 2, p. 183-214, 1995.

GRANOVETTER, M. Economic action and social structure: The problem of embeddedness. American Journal of Sociology, v. 91, n. 3, p. 481-510, 1985.

GRANOVETTER, M. The Strength of Weaks Ties. American Journal Sociology, v. 78, n. 6, p. 1360-1380, 1973.

IBARRA, H. Personal Networks of Women and Minorities in Management: A Conceptual Framework. Academy of Management Review, v. 18, n. 1, p. 56-87, 1993.

ILLENBERGER, J.; FLÖTTERÖD, G. Estimating network properties from snowball sampled data. Social Networks, v. 34, n. 4, p. 701-711, 2012.

INKPEN, A. C.; TSANG, E. W. K. Social Capital, Networks, and Knowledge Transfer. Academy of Management Review, v. 30, n. 1, p. 146-165, 2005.

KRACKHARDT, D.; STERN, R. N. Informal networks and organizational crises: An experimental simulation. Social Psychological Quarterly, v. 51, n. 2, p. 123-140, 1998.

LARSON, A. Network dyads in entrepreneurial settings: A study of the governance of exchange relationships. Administrative Science Quarterly, v. 37, n. 1, p. 76-105, 1992.

MARSDEN, P. V. Egocentric and sociocentric measures of network centrality. Social Networks, v. 24, n. 4, p. 407-42, 2002.

MIZRUCHI, M. S. Análise de redes sociais: avanços recentes e controvérsias atuais. Revista de Administração de Empresas, v. 46, n. 3, p. 72-86, 2006.

MOLINA, M.; YOONG, P. Knowledge Sharing in a Co-Opetitive Environment: The Case of Business Clusters. Journal of Information & Knowledge Management, v. 2, n. 4, p. 321-341, 2003.

NELSON, R. E. Authority, organization, and societal context in multinational churches. Administrative Science Quarterly, p. 653-682, 1993.

NELSON, R. E. The strength of strong ties: Social networks and intergroup conflict in organizations. Academy of Management Journal, v. 32, n. 2, p. 377-401, 1989.

NELSON, R. E.; VASCONCELLOS, E. Industry Environment, National Culture, and Verbal Networks in Organizations: an exploratory study. Management Research: Journal of the Ibero-American Academy of Management, v. 5, n. 3, p. 135-148, 2007.

NOHRIA, N. Is a network perspective a useful way of studying organizations? In: NOHRIA, N. ; ECLES, R. (Orgs.). Networks and organizations: structure, form, and action. Boston: Harvard Business School Press, 1992.

REINHOLT, M.; PEDERSEN, T.; FOSS, N. J. Why a Central Network Position Isn’t Enough: The Role of Motivation and Ability for Knowledge Sharing in Employee Networks. Academy of Management Journal, v. 54, n. 6, p. 1277-1297, 2011.

RUSSELL, J. L.; MEREDITH, J.; CHILDS, J.; STEIN, M. K.; PRINE, D. W. Designing InterOrganizational Networks to Implement Education Reform An Analysis of State Race to the Top Applications. Educational Evaluation and Policy Analysis, v. 20, n. 10, p. 1-21, 2014.

SODA, G.; ZAHEER, A. A network perspective on organizational architecture: performance effects of the interplay of formal and informal organization. Strategic Management Journal, v. 33, n. 6, p. 751-771, 2012.

TICHY, N. M.; TUSHMAN, M. L.; FOMBRUN, C. Social Network Analysis For Organizations. Academy of Management Review, v. 4, n. 4, p. 507-519, 1979.

TOMAÉL, M. I.; ALCARÁ, A. R.; DI CHIARA, I. G. Das Redes Sociais à Inovação. Ciência da Informação, v. 34, n. 2, p. 93-104, 2005.

TURETA, C.; ROSA, A. R.; ÁVILA, S. C. Da teoria sistêmica ao conceito de redes interorganizacionais: um estudo exploratório da teoria das organizações. Revista de Administração da Unimep, v. 4, n. 1, p. 1-16, 2006.

ZAHEER, A.; GOZUBUYUK, R.; MILANOV, H. It’s the connections: the network perspective in interorganizational research. Academy of Management Perspectives, v. 24, n. 1, p. 62-77, 2010.