Análise da Gestão de Licenciamento de Patentes: estudo Multicasos de Instituições Federais de Ensino Superior Outros Idiomas

ID:
38084
Resumo:
A busca da inovação pelas empresas torna-se necessária devido ao aumento da competitividade e as universidades têm papel importante quando são parceiras na geração de tecnologia e inovação. Sendo assim, a proposta desse estudo consistiu em discutir o modo como as universidades de ponta brasileiras fazem a gestão das patentes geradas a fim de transferir a sociedade. As análises foram baseadas em pesquisas feitas nas universidades da amostra e para ilustrar esse gerenciamento foram utilizadas as ferramentas 5W1H e fluxogramas para melhor organização e apresentação dos dados obtidos. A análise permitiu concluir que as universidades pesquisadas atendem ao requisito da Lei da Inovação onde exigem que elas disponham de um núcleo de inovação tecnológica a fim de gerir a tecnologia produzida. Porém cada universidade possui peculiaridades a respeito de seus processos devido ao ambiente institucional formado e regimentos internos o que acarreta em burocracia para que as empresas tenham acesso à tecnologia.
Citação ABNT:
LUCENA, R. M.; SPROESSER, R. L. Análise da Gestão de Licenciamento de Patentes: estudo Multicasos de Instituições Federais de Ensino Superior. Innovation and Management Review, v. 12, n. 3, p. 28-55, 2015.
Citação APA:
Lucena, R. M., & Sproesser, R. L. (2015). Análise da Gestão de Licenciamento de Patentes: estudo Multicasos de Instituições Federais de Ensino Superior. Innovation and Management Review, 12(3), 28-55.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/38084/analise-da-gestao-de-licenciamento-de-patentes--estudo-multicasos-de-instituicoes-federais-de-ensino-superior/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Araújo, E. F., Barbosa, C. M., Queiroga, E. S., & Alves, F. F. (2010). Propriedade intelectual: proteção e gestão estratégica do conhecimento. R. Brás. de Zootec., 39, 1-10.

Barbará, S. (2008). Gestão por Processos – Fundamentos, Técnicas e Modelos de Implementação. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Cohan, P. S. (1998). Liderança tecnológica: como as empresas de alta tecnologia inovam para obter sucesso. São Paulo: Futura.

Cooper, D. R., & Schindler, P. S. (2003). Métodos de pesquisa em administração (7ª Ed.). Porto Alegre: Bookman.

Creswell, J. W. (2007). Projeto de Pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto (2ª Ed). Porto Alegre: Artmed.

Davenport, T. H. (1998). Reengenharia de processos. Rio de Janeiro: Campus.

Dudziak, E. A. (2007). Lei de Inovação e pesquisa acadêmica: o caso PEA (Tese de doutorado). Escola Politécnica da Universidade de São Paulo.

Etzkowitz, H. (2004). The evolution of the entrepreneurial university. International Journal Technology and Globalization, 1(1), 64-77.

Evans, P. (2004). Autonomia e Parceria: Estados e transformação industrial. Rio de Janeiro: UFRJ.

Freire, I. M. (1991). Barreiras na comunicação da informação tecnológica. Ciência da Informação 20(1), 51-54.

Garnica, L. A. (2007). Transferência de tecnologia e gestão da propriedade intelectual em universidades públicas no Estado de São Paulo (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de São Carlos, São Carlos-SP.

Garnica, L. A., Vicentim, F. L. P., Entorno, D. M. D., & Massambani, O. (2008). Incorporando Boas Práticas Internacionais à Gestão da Inovação da Universidade de São Paulo-USP. Trabalho apresentado no XXV Simpósio de Gestão e Inovação Tecnológica, Brasília.

Gonçalves, J. E. L. (2000). As empresas são grandes coleções de processos. Revista de Administração de Empresas/EAESP/FGV, 40 (1).

Hamer, M., & Champy, J. (1994). Reengineering the Corporation. New York: HarperBusiness. Retirado de http://www.wipo.int/ip-development/en.

Humpfrey, W. A Process or a Plan? Retirado de http://www.sei.cmu.edu/publications/articals/wattshumpfrey/changing-word-sw.html.

Kim, L. (2005). Da imitação à inovação: a dinâmica do aprendizado tecnológico da Coréia. Campinas-SP: UNICAMP.

Lei 10.973. (2004). Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Brasília – Brasil. Retirado de http://www.mct.gov.br/index.php/content/view/8477.html.

Maués, L. M. F. (1996). Metodologia de Organização interna e melhoria do processo produtivo em centrais de montagem de componentes: um estudo de caso (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, Florianópolis.

Moreira, B. et al. (2008). As oportunidades e desafios do Open Innovation no Brasil. Instituto Inovação. Retirado de http://www.institutoinovacao.com.br/internas/artigo/idioma/1/154/Oportunidades+e+Desafios+do+ Open+Innovation+no+Brasil..

Mota, T. L. N. G. (2011). Interação universidade-empresa na sociedade do conhecimento: reflexões e realidade. IBICT. Retirado de http://www.ibict.br/cionline/280199/28019911.pdf.

PITCE (2011). Política Industrial, tecnológica e de Comércio Exterior, retirado de http://www.abdi.com.br/?q=node/126.

Rummler, G. A., & Brache A. P. (1994). Melhores desempenhos das empresas. São Paulo: Makron Books.

Santos, M. E. R., Toledo, P. T. M., Lotufo, R. de A. [Orgs.]. (2009). Transferência de Tecnologia: Estratégias para a estruturação e gestão de Núcleos de Inovação Tecnológica. Campinas, SP: Komedi.

Serra, C. S. (2010). Proposta de Institucionalização do processo de gestão da inovação tecnológica na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul: da criação ao direito de proteção intelectual (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande-MS.

UNB. (2011). Universidade de Brasília. Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico. Retirado de http://www.cdt.unb.br/view/sobreCDT.php.

Unicamp. (2010). Universidade Estadual de Campinas. Agência de Inovação Inova Unicamp. Retirado de http://www.inova.unicamp.br/paginas/visualiza_conteudo.php?conteudo=1.

Unicamp. (2011). Universidade Estadual de Campinas. Agência de Inovação Inova Unicamp. Retirado de http://www.inova.unicamp.br/paginas/visualiza_conteudo.php?conteudo=1.

USP. (2011). Universidade de São Paulo. Agência USP de Inovação. Retirado de http://www.inovacao.usp.br/institucional/historico.php.

USP. (2013). Universidade de São Paulo. Anuário USP. Retirado de https://uspdigital.usp.br/anuario/.

Villares, F. (2007). Propriedade Intelectual: tensões entre o capital e a sociedade. São Paulo: Ed. Paz e Terra.

Zeleza, P. T. (2005). Sociedade de conhecimento versus economia do conhecimento: conhecimento, poder e política. Brasília: UNESCO, SESI.