A Caracterização do Design Thinking como um Modelo de Inovação Outros Idiomas

ID:
38089
Resumo:
Para as organizações manterem-se competitivas em um mercado que está em constante mudança, é preciso ofertar soluções inovadoras, atendendo às necessidades do consumidores. Para gerar inovações alinhadas às estratégias empresariais são necessários processos de coordenação das atividades dos diferentes setores da empresa, em outras palavras, é preciso que seja desenvolvido um processo de inovação na organização. Na última década o design thinking vem sendo utilizado para promover a inovação nas organizações, neste contexto, surge o questionamento se a área realmente contribui para gerar inovação e se abrange toda a gama de tipos de inovação. Com isso, o objetivo do trabalho é caracterizar o design thinking como um modelo de inovação. A pesquisa tem caráter teórico conceitual, através do desenvolvimento de uma revisão da literatura sobre inovação, e análise de publicações com dados empíricos sobre design thinking. A análise dos dados empíricos evidenciou que o design thinking é indicado para inovações abertas, sendo possível gerar inovações de várias naturezas (radical, semirradical e incremental) e tipos (produto, serviço, processo, organizacional e de marketing). A pesquisa concluiu, com base nos requisitos essenciais de um processo de inovação e nas principais características de um modelo de inovação, que o design thinking pode ser caracterizado como um modelo de inovação.
Citação ABNT:
MACEDO, M. A.; MIGUEL, P. A. C.; CASAROTTO FILHO, N. A Caracterização do Design Thinking como um Modelo de Inovação. Revista de Administração e Inovação, v. 12, n. 3, p. 157-182, 2015.
Citação APA:
Macedo, M. A., Miguel, P. A. C., & Casarotto Filho, N. (2015). A Caracterização do Design Thinking como um Modelo de Inovação. Revista de Administração e Inovação, 12(3), 157-182.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/38089/a-caracterizacao-do-design-thinking-como-um-modelo-de-inovacao/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Alvares, L. (2010). Gestão do conhecimento, aprendizado corporativo e inovação. Diretoria da Prodemge.

Barbieri, J. C. (2003). Organizações inovadoras: estudos e casos brasileiros. FGV Editora.

Baregheh, A., Rowley, J., & Sambrook, S. (2009). Towards a multidisciplinary definition of innovation. Management decision, 47(8), 1323-1339.

Bonini, L. A., & Sbragia, R. (2011). O modelo de design thinking como indutor da inovação nas empresas: um estudo empírico. Revista de Gestão e Projetos, 2(1).

Brown, T. (2008). Design thinking. Harvard business review, 86(6), 84.

Bukowitz, W. R. (2013). Fidelity Investments: adopting new models of innovation. Strategy & Leadership, 41(2), 58-63.

Caraça, J., Lundvall, B. Å., & Mendonça, S. (2009). The changing role of science in the innovation process: From Queen to Cinderella? Technological Forecasting and Social Change, 76(6), 861-867.

Cardon, E. C., & Leonard, S. (2010). Unleashing design: planning and the art of battle command. Army Combined Arms Center Fort Leavenworth Ks.

Chesbrough, H. (2012). Open innovation: where weve been and where were going. ResearchTechnology Management, 55(4), 20-27.

Cooper, R. G. (1990). Stage-gate systems: a new tool for managing new products. Business horizons, 33(3), 44-54.

Cooper, R. G. (1999). The invisible success factors in product innovation. Journal of product innovation management, 16(2), 115-133.

Cruz, T. (2003). Sistemas, métodos & processos: administrando organizações por meio de processos de negócios.

Davila, T., Epstein, M. J., & Shelton, R. (2008). As regras da inovação. Bookman.

Drucker, P. F. (2002). Administrando para obter resultados. Cengage Learning Editores.

Edquist, C., & Hommen, L. (1999). Systems of innovation: theory and policy for the demand side. Technology in society, 21(1), 63-79.

Fraser, H. (2012). Design para negócios na prática: como gerar inovação e crescimento nas empresas aplicando o business design. Rio de Janeiro: Elsevier, 207.

Galvão, C. M., Sawada, N. O., & Trevizan, M. A. (2004). Revisão Sistemática. Rev Latino-am enfermagem, 12(3), 549-56.

Godin, B. (2006). The Linear model of innovation the historical construction of an analytical framework. Science, Technology & Human Values, 31(6), 639-667.

Gordon, S., Tarafdar, M., Cook, R., Maksimoski, R., & Rogowitz, B. (2008). Improving the front end of innovation with information technology. Research-Technology Management, 51(3), 50-58.

Hacklin, F., Inganas, M., Marxt, C., & Pluss, A. (2009). Core rigidities in the innovation process: a structured benchmark on knowledge management challenges. International Journal of Technology Management, 45(3), 244-266.

Hobday, M., Boddington, A., & Grantham, A. (2012a). An Innovation Perspective on Design: Part 2. Design Issues, 28(1), 18-29.

Hobday, M., Boddington, A., & Grantham, A. (2012b). Policies for design and policies for innovation: Contrasting perspectives and remaining challenges. Technovation, 32(5), 272-281.

Hronszky, I., & Kovács, K. (2013). Interactive Value Production through Living Labs. Acta Polytechnica Hungarica, 10(2).

İzadi, A., Zarrabi, F., & Zarrabi, F. (2013). Firm-level innovation models. Procedia-Social and Behavioral Sciences, 75, 146-153.

Kline, S. J., & Rosenberg, N. (1986). An overview of innovation. The positive sum strategy: Harnessing technology for economic growth, 275, 305.

Koen, P., Ajamian, G., Burkart, R., Clamen, A., Davidson, J., D'Amore, R., lkins, C., Herald, K., Incorvia, M., Johnson, A., Karol, R., Seibert, R., Slavejkov, A. & Wagner, K. (2001). Providing clarity and a common language to the" fuzzy front end". Research-Technology Management, 44(2), 46-55.

Liedtka, J. (2011). Learning to use design thinking tools for successful innovation. Strategy & Leadership, 39(5), 13-19.

Liem, A., & Brangier, E. (2012). Innovation and design approaches within prospective ergonomics. Work: A Journal of Prevention, Assessment and Rehabilitation, 41, 5243-5250.

Longanezi, T., Coutinho, P., & Bomtempo, J. V. M. (2008). Um modelo referencial para a prática da inovação. Journal of Technology Management & Innovation, 3(1).

Miguel, P. A. C. et al. (2009). Desafios para a metodologia de pesquisa em Engenharia de Produção. In Oliveira, V. F., Cavenaghi, V., & Másculo, F. S. [Orgs]. Tópicos emergentes e desafios metodológicos em Engenharia de Produção: casos, experiências e proposições. Rio de Janeiro:ABEPRO.

Mlecnik, E. (2013). Opportunities for supplier-led systemic innovation in highly energy-efficient housing. Journal of Cleaner Production, 56, 103-111.

Monteiro, E. V. (2012). Perfis de liderança. Retirado de http://economico.sapo.pt/noticias/perfis-delideranca_149445.html

Oliveira, S. B. D. (2008). Gestão por processos: fundamentos, técnicas e modelos de implementação: foco no sistema de gestão da qualidade com base na ISO 9000: 2005 e ISO 9001. Rio de Janeiro: Qualitymark.

Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico. (2004). Manual de Oslo: Proposta de diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica. Brasília: OCDE,FINEP.

Osterwalder, A.; Pigneur, Y. (2011). Business Model Generation inovação em modelos de negócios: um manual para visionários, inovadores e revolucionários. Alta Books, p.300.

Pärttö, M., & Saariluoma, P. (2012). Explaining failures in innovative thought processes in engineering design. Procedia-Social and Behavioral Sciences, 41, 442-449.

Rodrigues, L. C., de França Heringer, B. H., & França, A. L. (2010). Padrões de inovação em multinacional de base tecnológica. Revista de Administração e Inovação-RAI, 7(3).

Rothwell, R. (1994). Towards the fifth-generation innovation process. International marketing review, 11(1), 7-31.

Saraiva, M., & Rolo, A. (2009). Qualidade e inovação: principais implicações nas organizações portuguesas.

Sawhney, M., Wolcott, R. C., & Arroniz, I. (2011). The 12 different ways for companies to innovate. Top 10 Lessons on the New Business of Innovation, 47, 28.

Schumpeter, J. A., & García, J. D. (1983). Capitalismo, socialismo y democracia.

Seuring, S., & Gold, S. (2012). Conducting content-analysis based literature reviews in supply chain management. Supply Chain Management: An International Journal, 17(5), 544-555.

Teece, D. J. (1983). Business Models, Business Strategy and Innovation. Long Range Planning, v. 43, n. 2–3, p. 172-194.

Tidd, J., Bessant, J., & Pavitt, K. (2008). Gestão da inovação. Bookman.

Tohidi, H., & Jabbari, M. M. (2012). Different stages of innovation process. Procedia Technology, 1, 574-578.

Verganti, R., & Öberg, Å. (2013). Interpreting and envisioning—A hermeneutic framework to look at radical innovation of meanings. Industrial Marketing Management, 42(1), 86-95.

Wang, J., & Kleiner, B. H. (2005). The evolution of R&D management. Management research news, 28(11/12), 88-95.

Wylant, B. (2008). Design thinking and the experience of innovation. Design Issues, 24(2), 3-14.