Análise do Conservadorismo e Persistência dos Resultados Contábeis das Instituições Financeiras Brasileiras Outros Idiomas

ID:
38156
Resumo:
O ambiente regulatório das companhias abertas e fechadas apresenta diferenças significativas na qualidade das informações contábeis entre as companhias abertas e fechadas (BALL; SHIVAKUMAR, 2005). Entretanto, a literatura tem sugerido que o processo de mensuração contábil das instituições financeiras se diferenciam substancialmente das demais companhias (PEASNELL et al, 2000). Apesar disso, os estudos anteriores não analisam sistematicamente as diferenças informacionais entre as instituições financeiras abertas e fechadas. O objetivo deste trabalho foi analisar o comportamento dos níveis de conservadorismo e de persistência dos resultados contábeis das instituições financeiras abertas e fechadas brasileiras. Para atender ao objetivo deste trabalho, foi efetuado uma análise dos dados com base nos modelos de conservadorismo proposto por Ball e Shivakumar (2005) e de persistência descrito por Dechow e Schrand (2004), estimados por meio de dados em painel. A amostra foi composta pelas instituições financeiras brasileiras abertas e fechadas no período compreendido entre 1996 e 2013. Os resultados desta pesquisa identificaram que nenhum dos tipos de instituições financeiras (abertas e fechadas) apresenta reconhecimento oportuno das perdas ocorridas no período analisado. Em relação à persistência dos resultados contábeis, as análises apontaram que as instituições financeiras fechadas apresentam maior persistência em seus resultados contábeis que as instituições abertas, resultando em maior previsibilidade dos lucros futuros pelos lucros presentes. Por fim, conclui-se que os resultados contábeis das instituições financeiras brasileiras não apresentam comportamento conservador, além disso, os lucros das companhias fechadas são mais persistentes do que os das companhias abertas.
Citação ABNT:
ARRUDA, M. P.; VIEIRA, C. A. M.; PAULO, E.; LUCENA, W. G. L. Análise do Conservadorismo e Persistência dos Resultados Contábeis das Instituições Financeiras Brasileiras. Sociedade, Contabilidade e Gestão, v. 10, n. 2, p. 23-35, 2015.
Citação APA:
Arruda, M. P., Vieira, C. A. M., Paulo, E., & Lucena, W. G. L. (2015). Análise do Conservadorismo e Persistência dos Resultados Contábeis das Instituições Financeiras Brasileiras. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 10(2), 23-35.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/38156/analise-do-conservadorismo-e-persistencia-dos-resultados-contabeis-das-instituicoes-financeiras-brasileiras/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ARAÚJO, A. M. H. B.; MENDES, P. C. M.; LUSTOSA, P. R. B. Governança corporativa no Brasil: contraste de práticas entre instituições financeiras e instituições não financeiras. Revista Universo Contábil, v. 8, n. 2, p. 64-83, 2012.

BALL, R.; SHIVAKUMAR, L. Earnings quality in UK private firms: comparative loss recognition timeliness. Journal of Accounting and Economics, v. 39, p. 83-128, 2005.

BASU, S. The conservatism principle and the asymmetric timeliness of earnings. Journal of Accounting and Economics. New York: v. 24, v.1, p. 3-37, dez. 1997.

BEATTY, A.; HARRIS, D. G. The effects of taxes, agency costs and information asymmetry on earnings management: a comparison of public and private firms. Review of Accounting Studies, v. 3, p. 299-326, 1998.

BEUREN, I. M. (org.). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

BROOKS, C. Introductory econometrics for finance. 2 ed. Cambrigde: Cambrigde University Press, 2008.

BURGSTAHLER, D.; HAIL, L.; LEUZ, C. The importance of reporting incentives: earnings management in European private and public firms. The Accounting Review, Sarasota, v. 81, n. 5, p. 983-1016, out. 2006.

BUSHMAN, R. M.; PIOTROSKI, J. D. Financial reporting incentives for conservative accounting: the influence of legal and political institutions. Journal of Accounting and Economics, v. 42, n. 1-2, p. 107-148, 2006.

CERVO, A. L., BERVIAN, P. A. Metodologia científica. 5.ed. São Paulo: Prentice Hall, 2002.

DANTAS, J. A.; PAULO, E.; MEDEIROS, O. R. Conservadorismo condicional na Indústria Bancária Brasileira em Situações de Maior Percepção de Risco. Revista Universo Contábil, v. 9, n. 2, p. 83-103, abr./jun. 2013.

DECHOW, P. M.; GE, W.; SCHRAND, C. M. Understanding earnings quality: A review of the proxies, their determinants and their consequences. Journal of Accounting and Economics, New York: v.50, n. 2-3, p.344-401, dec. 2010.

DECHOW, P. M.; SCHRAND, Catherine M. Earnings quality. Charlottesville (Virginia): CFA Institute, 2004.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6. ed., São Paulo: Atlas, 2008.

JENSEN, M.; MECKLING, W. Theory of the firm: Managerial Behavior, agency costs, and ownership structure. Journal of Financial Economics, v. 3, n. 4, p. 305-360, 1976.

LEVINE, R. The corporate governance of banks: a concise discussion of concepts and evidence. World Bank Policy Research, Working Paper 3404, set. 2004.

MARTINS, E.; LOPES, A. B. Teoria da contabilidade: uma nova abordagem. 1º ed., São Paulo: Atlas, 2005.

NICHOLS, D. C.; WAHLEN, J. M.; WIELAND, M. M. Publicity-traded versus privatelyheld: implications for bank profitability, growth, risk, and accounting conservatism. Review of Accounting Studies, v. 14, n. 1, p. 88-122, 2009.

PALEPU, K. G.; HEALY, Paul M.; BERNARD, Victor L. Business analysis and valuation: using financial statements. 3. ed. Ohio: Thomson Learning, 2004.

PAULO, E.; ANTUNES, M. T. P.; FORMIGONI, H. Conservadorismo contábil nas companhias abertas e fechadas brasileiras. Revista de Administração de Empresas, v. 48, n. 3, p. 46-60, 2008.

PAULO, E.; MARTINS, E. Análise da Qualidade das Informações Contábeis nas Companhias Abertas. In: Encontro da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 31., 2007, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro, Anpad, 2007.

PAULO, I. I. S. L. M; CAVALCANTE, P. R. N; PAULO, E. Relação entre qualidade da auditoria e conservadorismo contábil das empresas brasileiras. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, v. 7, n. 3, p. 305-327, 2012.

PEASNELL, K. V.; POPE, P. F.; YOUNG, S. E. Accrual management to meet earnings targets: UK evidence preand postCadbury. British Accounting Review, v. 32, n. 4, p. 415445, 2000.

WATTS, R. L. Conservatism in accounting part I: explanations and implications. Accounting Horizons, v. 17, n. 3, p. 207-221, 2003.