Perfil e Evolução da Produção Científica do Tema Governança Corporativa nos periódicos Qualis/Capes Nacionais: Uma Análise Bibliométrica e de Redes Sociais Outros Idiomas

ID:
38294
Resumo:
A governança corporativa é o conjunto de regras, práticas e instituições que motivam a forma como os gestores devem agir no melhor interesse dos stakeholders da organização. O objetivo deste estudo foi analisar o perfil e a evolução do tema governança corporativa nos periódicos nacionais Qualis Capes A1 a B2 (triênio 2010-2012), durante o período de 1999 a 2013. Foram identificados 319 artigos que foram analisados por meio das técnicas da bibliometria e da rede social. Os principais resultados foram: (i) evolução do tema a partir de 2002, (ii) a Revista de Administração da USP foi a que mais publicou artigos, (iii) houve predominância de publicações em parceria, em especial, com dois e três autores, (iv) Alexandre Di Miceli da Silveira foi o autor mais profícuo, (v) a Universidade de São Paulo foi a IES que mais publicou estudos sobre o tema em análise, (vi) Houve baixa densidade e alta centralidade de grau nas redes de coautoria, redes das IESs e nas redes dos estados e países, e (vii) os temas mais publicados em 15 anos de estudos foram: conselho de administração, estrutura de propriedade e evidenciação das informações. Este estudo contribuiu para evidenciar de forma mais robusta, alargada e atualizada a produção científica do tema governança corporativa, divulgada na literatura acadêmica nacional, contribuindo para o realce e fomento do conhecimento sobre o citado tema, sobretudo nos aspectos das redes sociais.
Citação ABNT:
RIBEIRO, H. C. M.; SANTOS, M. C. D. Perfil e Evolução da Produção Científica do Tema Governança Corporativa nos periódicos Qualis/Capes Nacionais: Uma Análise Bibliométrica e de Redes Sociais. Contabilidade, Gestão e Governança, v. 18, n. 3, p. 4-27, 2015.
Citação APA:
Ribeiro, H. C. M., & Santos, M. C. D. (2015). Perfil e Evolução da Produção Científica do Tema Governança Corporativa nos periódicos Qualis/Capes Nacionais: Uma Análise Bibliométrica e de Redes Sociais. Contabilidade, Gestão e Governança, 18(3), 4-27.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/38294/perfil-e-evolucao-da-producao-cientifica-do-tema-governanca-corporativa-nos-periodicos-qualis-capes-nacionais--uma-analise-bibliometrica-e-de-redes-sociais/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Acedo, F. J.; Casillas, J. C. (2005). Current paradigms in the international management field: an author co-citation analysis. International Business Review, v. 14, p. 619-639.

Aguilera, R. V.; Cuervo-Cazurra, A. (2009). Codes of good governance. Corporate Governance, 17(3), 376-387.

Almeida, M. A.; Santos, J. F. dos, Ferreira, L F V de M.; Torres, F. J. V. (2010). Evolução da qualidade das práticas de governança corporativa: um estudo das empresas brasileiras de capital aberto não listadas em bolsa. Revista de Administração Contemporânea, 14(5), 907-924.

Andrade, A.; Rossetti, J. P. (2009). Governança corporativa: fundamentos, desenvolvimento e tendências. São Paulo: Atlas.

Andrade, L. P. de, Salazar, G. T.; Calegário, C. L. L.; Silva, S. S. (2009). Governança corporativa: uma análise da relação do Conselho de Administração com o valor de mercado e desempenho das empresas brasileiras. Revista de Administração Mackenzie, 10(4), 4-31.

Beuren, I. M.; Souza, J. C. de. (2008). Em busca de um delineamento de proposta para classificação dos periódicos internacionais de contabilidade para o Qualis Capes. Revista Contabilidade & Finanças, 19(46), 44-58.

Bogoni, N. M.; Zonatto, V C da S.; Ishikura, E. R.; Fernandes, F. C. (2010). Proposta de um modelo de relatório de administração para o setor público baseado no parecer de orientação n. 15/87 da Comissão de Valores Mobiliários: um instrumento de governança corporativa para a administração pública. Revista de Administração Pública, 44(1), 119-142.

Capes – Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Webqualis. Recuperado em: .

Carioca, K. J. F.; De Luca, M. M. M.; Ponte, V. M. R. (2010). Implementação da Lei Sarbanes-Oxley e seus impactos nos controles internos e nas práticas de governança corporativa: um estudo na companhia energética do Ceará – Coelce. Revista Universo Contábil, 6(4), 50-67.

Carver, J. (2010). A case for global governance theory: practitioners avoid it, academics narrow it, the world needs it. Corporate Governance: An International Review, 18(2), 149-157.

Catapan, A.; Cherobim, A. P. M. S. (2010). Estado da arte da governança corporativa: estudo bibliométrico nos anos de 2000 a 2010. Revista de Administração, Contabilidade e Economia, 9(1/2), 07-230.

Chen, W. P.; Chung, H.; Lee, C.; Liao, W. L. (2007). Corporate governance and equity liquidity: analysis of S&P transparency and disclosure rankings. Corporate Governance: An International Review, 15(4), 644-660.

Cheung, Y.; Connelly, J. T.; Jiang, P.; Limpaphayom, P. (2011). Does corporate governance predict future performance?Evidence from Hong Kong. Financial Management, 40(1), 159-197.

Clarke, T.; Klettner, A. (2009). Governance issues for SMEs. Journal of Business Systems, Governance and Ethics, v. 4, n. 4.

Correia, L. F.; Amaral, H. F.; Louvet, P. (2011). Um índice de avaliação da qualidade da governança corporativa no Brasil. Revista Contabilidade & Finanças, 22(55), 45-63.

Dalmácio, F. Z.; Rezende, A. J. (2008). A relação entre o timeliness e a utilidade da informação contábil e os mecanismos de governança corporativa: evidências no mercado acionário brasileiro. Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, 5(3), 163-174.

Duarte, E.; Cardozo, M. A.; Vicente, E. F. R. (2012). Governança: uma investigação da produção científica brasileira no período de 2000 a 2009. Contabilidade, Gestão e Governança, 15(1), 115-127.

Durisin, B.; Puzone, F. (2009). Maturation of corporate governance research, 1993–2007: an assessment. Corporate Governance: An International Review, 17(3), 266-291.

Egghe, L. (2005). Zipfian and lotkaian continuous concentration theory. Journal of the American Society for Information Science and Technology, 56(9), 935-945.

Erfurth, A. E.; Bezerra, F. A. (2013). Gerenciamento de resultados nos diferentes níveis de governança corporativa. Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, 10(1), 32-42.

Ferkins, L.; Mcdonald, G.; Shilbury, D. (2010). A model for improving board performance: the case of a national sport organisation. Journal of Management & Organization, 16(4), 601-621.

Ferkins, L.; Shilbury, D.; Mcdonald, G. (2005). The role of the board in building strategic capability: towards an integrated model of sport governance research. Sport Management Review, v. 8, p. 195-225.

Francisco, E de R. (2011). RAE-eletrônica: exploração do acervo à luz da bibliometria, geoanálise e redes sociais. Revista de Administração de Empresas, 51(3), 280-306.

Groeneveld, M. (2009). European sport governance, citizens, and the state: finding a (co-) producive balance for the twenty-first century. Public Management Review, 11(4), 421-440.

Grün, R. (2003). Atores e ações na construção da governança corporativa brasileira. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 18(52), 139-161.

Grün, R. (2005). Convergência das elites e inovações financeiras: a governança corporativa no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 20(58), 57-90.

Halter, M. V.; De Arruda, M. C. C. (2009). Inverting the pyramid of values?Trends in less developed countries. Journal of Business Ethics, 90(32), 267-275.

Harris, J. E. (2009). A review of Latin American corporate governance literature: 2000-2009. Corporate Governance, 9(5), 635-648.

Holm, C.; Scholer, F. (2010). Reduction of asymmetric information through corporate governance mechanisms – the important of ownership dispersion and exposure toward the international capital market. Corporate Governance: An International Review, 18(1), 32-47.

Huang, C. Y.; Ho, Y. S. (2011). Historical research on corporate governance: a bibliometric analysis. African Journal of Business Management, 5(2), 276-284.

Krieck, P. A.; Kayo, E. K. (2013). Teoria da agência e governança corporativa: um estudo de evento em fusões e aquisições de 2000 a 2012. Revista de Finanças Aplicadas, v. 1, p. 1-17.

Lameira, V. de. J.; Jr. Ness, W. L.; Macedo-Soares, T. D. L. van A. de. (2007). Governança corporativa: impactos no valor das companhias abertas brasileiras. Revista de Administração da USP, 42(1), 64-73.

Leal, R. P. C.; Carvalhal da Silva, A. L.; Valadares, S. M. (2002). Estrutura de controle das companhias brasileiras de capital aberto. Revista de Administração Contemporânea, 6(1), 07-18.

Leal, R. P. C.; Saito, R. (2003). Finanças corporativas no Brasil. RAE eletrônica, 2(2), 115.

Lima, G. A. S. F. de, Barbosa, A.; Marzal, J. L. S.; Lima, I. S.; Corrar, L. J. (2006). El estúdio del anuncio de la adhesión a los niveles diferenciados de gobierno corporativo con lautilización de estudio de evento. Revista Contabilidade & Finanças, 17(spe), 92-104.

Lopes, F. D.; Baldi, M. (2009). Redes como perspectiva de análise e como estrutura de governança: uma análise das diferentes contribuições. Revista de Administração Pública, 43(5), 1007-1035.

Lorencini, F. D.; Costa, F. M. da. (2012). Escolhas contábeis no Brasil: identificação das características das companhias que optaram pela manutenção versus baixa dos salvos do ativo diferido. Revista Contabilidade & Finanças, 23(58), 52-64.

Machold, S.; Ahmed, P. K.; Farquhar, S. S. (2008). Corporate governance and ethics: A feminist perspective. Journal of Business Ethics, 81(3), 665-678.

Macias-Chapula, C. A. (1998). O papel da informetria e da cienciometria e sua perspectiva nacional e internacional. Ciência da Informação, 27(2), 134-140.

Malacrida, M. J. C.; Yamamoto, M. M. (2006). Governança corporativa: nível de evidenciação das informações e sua relação com a volatilidade das ações do Ibovespa. Revista Contabilidade & Finanças, v. 17, p. 65-79.

Mapurunga, P. V. R.; Ponte, V. M. R.; Coelho, A. C. D.; Meneses, A. F. de. (2011). Determinantes do nível de disclosure de instrumentos financeiros derivativos em firmas brasileiras. Revista Contabilidade & Finanças, 22(57), 263-278.

Marques, D. S. P.; Costa, A. L. (2009). Governança em clubes de futebol: um estudo comparativo de três agremiações no estado de São Paulo. Revista de Administração da USP, 44(2), 118-130.

Marques, M da C da C. (2007). Aplicação dos princípios da governança corporativa ao setor público. Revista de Administração Contemporânea, 11(2), 11-26.

Martins, O. S.; Paulo, E.; Albuquerque, P. H. M. (2013). Negociação com informação privilegiada e retorno das ações na BM&F Bovespa. Revista de Administração de Empresas, 53(4), 350-362.

Mello, C. M. de, Crubellate, J. M.; Rossoni, L. (2010). Dinâmica de relacionamento e prováveis respostas estratégicas de programas brasileiros de pós-graduação em administração à avaliação da Capes: proposições institucionais a partir da análise de redes de co-autorias. Revista de Administração Contemporânea, 14(3), 434-457.

Mendes-da-Silva, W.; Onusic, L. M.; Giglio, E. M. (2013). Rede de pesquisadores de finanças no Brasil: um mundo pequeno feito por poucos. Revista de Administração Contemporânea, 17(6), 739-763.

Miranda, R. A. de, & Amaral, H. F. (2011). Governança corporativa e gestão socialmente responsável em empresas estatais. Revista de Administração Pública, 45(4), 1069-1094.

Mostovicz, I.; Kakabadse, N.; Kakabadse, A. (2009). CSR: the role of leadership in driving ethical outcomes. Corporate Governance, 9(4), 448-460.

Nascimento, S. do; Beuren, I. M. (2011). Redes sociais na produção científica dos programas de pós-graduação de Ciências Contábeis do Brasil. Revista de Administração Contemporânea, 15(1), 47-66.

Newland, K. (2010). The governance of international migration: mechanisms, processes, and institutions. Global Governance, v. 16, p. 331-343.

Oliveira, M. C.; De Luca, M. M. M.; Ponte, V. M. R.; Pontes Junior, J. É. (2009). Disclosure of social information by Brazilian companies according to united nations indicators of corporate social responsability. Revista Contabilidade & Finanças, 20(51), 116-132.

Pinheiro, A. S.; Carrieri, A de P.; Joaquim, N de F. (2013). Esquadrinhando a governança corporativa: o comportamento dos personagens sob o ponto de vista dos discursos dos autores acadêmicos. Revista Contabilidade & Finanças, 24(63), 231-242.

Punsuvo, F. R.; Kayo, E. K.; Barros, L. A. B. de C. (2007). O ativismo dos fundos de pensão e a qualidade da governança corporativa. Revista Contabilidade & Finanças, 18(45), 63-72.

Rabelo, F. M.; Vasconcelos, F. C. (2002). Corporate governance in Brazil. Journal of Business Ethics, 37(3), 321-335.

Ribeiro, H. C. M. (2013). Corporate governance versus corporate governance: an international review: uma análise comparativa da produção acadêmica do tema governança corporativa. In: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração. 4, 2013. EnEPQ. Anais Eletrônicos... Brasília: EnEPQ. Recuperado em: .

Ribeiro, H. C. M.; Costa, B. K.; Ferreira, M. A. S. P. V.; Serra, B. P. D. C. (2014). Produção científica sobre os temas governança corporativa e stakeholders em periódicos internacionais. Contabilidade, Gestão e Governança, 17(1), 95-114.

Ribeiro, H. C. M.; Machado Junior, C.; Souza, M. T. S. de; Campanário, M de A.; Corrêa, R. (2012). Governança corporativa: um estudo bibliométrico da produção científica das dissertações e teses brasileiras. Contabilidade, Gestão e Governança, 15(3), 52-70.

Ribeiro, H. C. M.; Muritiba, S. N.; Muritiba, P. M. (2012). Perfil e crescimento dos temas “governança corporativa” e “estratégia”: uma análise dos últimos 11 anos nos periódicos da área de administração no Brasil. Gestão & Regionalidade, 28(82), 83-99.

Ribeiro, H. C. M.; Muritiba, S. N.; Muritiba, P. M.; Domingues, L. M. (2012). Entender para progredir: análise da pesquisa em governança corporativa no Brasil. Gestão Contemporânea, 9(12), 11-42.

Ribeiro Neto, R. M.; Famá, R. (2002). Uma alternativa de crescimento para o mercado de capitais brasileiro – o novo mercado. Revista de Administração da USP, 37(1), 29-38.

Rodriguez-Dominguez, L.; Gallego-Alvarez, I.; Garcia-Sanchez, I. M. (2009). Corporate governance and codes of ethics. Journal of Business Ethics, v. 90, p. 187-202.

Rossoni, L.; Guarido Filho, E. R. (2009). Cooperação entre programas de pós-graduação em administração no Brasil: evidências estruturais em quatro áreas temáticas. Revista de Administração Contemporânea, 13(3), 366-390.

Rossoni, L.; Machado-da-Silva, C. L. (2010). Institucionalismo organizacional e práticas de governança corporativa. Revista de Administração Contemporânea, n. spe, p. 173-198.

Rossoni, L.; Machado-da-Silva, C. L. (2013). Legitimidade, governança corporativa e desempenho: análise das empresas da BM&F Bovespa. Revista de Administração de Empresas, 53(3), 272-289.

Santander, Z. B. G. (2010). Níveis diferenciados de governança corporativa e o efeito sobre o risco de suas ações. Revista de Finanças Aplicadas, v. 1, p. 1-24.

Segrestin, B.; Hatchuel, A. (2011). Beyond agency theory, a post-crisis view of corporate law. British Journal of Management, 22(3), 484-499.

Silveira, A. D. M. da; Barros, L. A. B. de C.; Famá, R. (2003). Estrutura de governança e valor das companhias abertas brasileiras. Revista de Administração de Empresas, 43(3), 5064.

Silveira, A. D. M. da; Barros, L. A. B. de C.; Famá, R. (2008). Atributos corporativos e concentração acionária no Brasil. Revista de Administração de Empresas, 48(2), 51-66.

Silveira, A. D. M. da; Perobelli, F. F. C.; Barros, L. A. B. de C. (2008). Governança corporativa e os determinantes da estrutura de capital: evidęncias empíricas no Brasil. Revista de Administração Contemporânea, 12(3), 763-788.

Souza, F. C. de; Borba, J. A. (2007). Governança corporativa e remuneração de executivos: uma revisão de artigos publicados no exterior. Contabilidade Vista & Revista, 18(2), 35-48.

Wasserman, S.; Faust, K. (1994). Social network analysis: methods and applications. Cambridge: Cambridge University Press.