Práticas de Governança Corporativa e Indicadores de Performance dos Clubes de Futebol: uma Análise das Relações Estruturais Outros Idiomas

ID:
38299
Resumo:
Este artigo tem como objetivo analisar as relações estruturais entre o grau de aderência dos atributos de governança corporativa dos clubes de futebol brasileiros e os seus respectivos níveis de performance: esportiva e econômico-financeira. Numa abordagem exploratória, elaborou-se um modelo estrutural para a análise das respectivas relações. Baseado nas recomendações de boas práticas de governança corporativa do IBGC (Instituto Brasileiro de Governança Corporativa) elaborou-se um modelo estrutural que pudesse capturar o nível de governança dos clubes brasileiros, a partir de cinco dimensões: evidenciação, conselhos e sua estrutura e funcionamento, direitos de propriedade, ética e conflito de interesses e benefícios sociais gerados. A partir dos escores (índices) obtidos de cada clube pesquisado, buscou-se identificar as relações entre os escores de governança e as variáveis de desempenho, por meio da análise de dois modelos estruturais. Foram pesquisados 27 clubes, que compõem as séries A, B e C do campeonato brasileiro, que representam 134 milhões de torcedores. Os resultados indicaram, que, mesmo diante dos baixos níveis de governança praticados pelos clubes brasileiros, foram identificadas relações significativas e positivas entre o constructo de governança mensurado com as variáveis performance esportiva e performance econômicofinanceiro e a estrutura de governança dos clubes. Adicionalmente, inseriu-se no modelo a variável tamanho (mensurada pelo número de torcedores) e constatou-se uma relação positiva e significativa com o grau de aderência do indicador de governança.
Citação ABNT:
REZENDE, A. J.; DALMÁCIO, F. Z. Práticas de Governança Corporativa e Indicadores de Performance dos Clubes de Futebol: uma Análise das Relações Estruturais. Contabilidade, Gestão e Governança, v. 18, n. 3, p. 105-125, 2015.
Citação APA:
Rezende, A. J., & Dalmácio, F. Z. (2015). Práticas de Governança Corporativa e Indicadores de Performance dos Clubes de Futebol: uma Análise das Relações Estruturais. Contabilidade, Gestão e Governança, 18(3), 105-125.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/38299/praticas-de-governanca-corporativa-e-indicadores-de-performance-dos-clubes-de-futebol--uma-analise-das-relacoes-estruturais/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Blac, B.; Jang, H.; Kim, W. (2005) Does corporate governance predict firm’s market values?Evidence from Korea. Working Paper, n. 86. European Corporate Governance Institute. Disponível em: . Acesso em: 25 jan.2008.

Black, B. (2001). The corporate governance behavior and market value of Russian firms. Emerging Markets Review, v. 2, p. 89-108.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, de 05 de outubro de 1988. Poder Executivo, Brasília, DF.

BRASIL. Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF.

BRASIL. Lei nº 10.671, de 15 de maio de 2003. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF.

BRASIL. Lei nº 11.345, de 14 de setembro de 2006. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF.

BRASIL. Lei nº 13.155, de 4 de agosto DE 2015. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF.

BRASIL. Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF.

BRASIL. Lei nº 9.615, de 24 de março de 1998. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF.

BRASIL. Lei nº 9.940, de 21 de dezembro de 1999. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF.

Brown, L. D.; Caylor, M. L. (2004). Corporate Governance and Firm Performance. Working Paper. Disponível em: . Acesso em 31 jul.2008.

Carvalho, C. A. P.; Gonçalves, J. C. S.; Alcântara, B. C. S. (2003). A transformação do futebol: da diversão à hegemonia do mercado. 27º Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração. Anais... Atibaia.

Chin, W. W. (1998). The Partial Least Squares Approach to Structural Equation Modeling. In G. A. Marcoulides [ed.]: Modern Methods for Business Research, p. 295-336. Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum Associates, Publisher.

Chin, W. W. (2004). PLS-Graph. Version 3.00. build 1060. University of Houston, Texas, USA.

Chin, W. W.; Marcolin, B. L.; Newsted, P. R. (2003). A partial least squares latent variable modeling approach for measuring interaction effects: results from a Monte Carlo simulation study and an electronic mail emotion/ adoption study. Information Systems Research, 14(2), 189-217.

Chin, W. W.; Newsted, P. R. (1999). Structural Equation Modeling Analysis with Small Samples Using Partial Least Squares. en R. Hoyle [ed.]: Statistical Strategies for Small Samples Research, p. 307-341. Sage Publications.

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE. Resolução CFC n° 1.005 de 17/09/2004. Aprova a NBC T 10.13. Dos Aspectos Contábeis Específicos em Entidades Desportivas Profissionais. 2004.

Cooper, D. R.; Schindler, P. S. (2004). Métodos de Pesquisa em Administração. 7 ed. Porto Alegre: Bookman.

Coy, D.; Dixon, K. (2004). The public accountability index: crafting a parametric disclosure index for annual reports. The British Accounting Review, v. 36, p. 79-106.

Cozby, P. C. (2003). Métodos de pesquisa em ciências do comportamento. [trad.] Paula Inez Cunha Gomide, Emma Otta e José de Oliveira Siqueira. São Paulo: Atlas.

CVM - Comissão de Valores Mobiliários. (2002). Recomendações da CVM sobre governança corporativa. Disponível em: . Acesso em 25/08/2008. 2002.

Diehl, C. A.; Rezende A. J. (2014). Contabilidade, Governança e Accountability em Entidades Desportivas, in Bate-bola contábil: lances do mundo corporativo no país do futebol. – Brasília: Academia Brasileira de Ciências Contábeis.

Durnev, A.; Kim, H. (2004). To steal or not to steal: firm attributes, legal environment, and valuation. In: Annual Conference on Financial Economics and Accounting (FEA), 14, AFA 2004. San Diego, Meetings.

Farber, D. B. (2005). Restoring trust after fraud: does corporate governance matter? The Accounting Review, v. 80, p. 539-561.

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS. (2000). Relatório final do plano de modernização do futebol brasileiro.

Gompers, P. A.; Ishii, J. L.; Metrick, A. (2003). Corporate Governance and Equity Prices. Quarterly Journal of Economics, 118(1), 107-155.

Hair Jr.; Joseph F.; et al. (1998). Multivariate data analysis. New Jersey: Prentice Hall.

Hussey, J.; Bell, C.; Bennett, K.; O'Dwyer, J.; Gormley, J. (2007) Relationship between the intensity of physical activity, inactivity, cardiorespiratory fitness and body composition in 710-year-old Dublin children. Br.J.Sports Med, 41(5), 311-316.

IBGC. (2009). Código das Melhores Práticas de Governança Corporativa. 4. ed. São Paulo: IBGC - Instituto Brasileiro de Governança Corporativa, 73 p.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. (2004). Código das melhores práticas de governança corporativa. 3. IBGC. Disponível em Acesso em 07 set.2007. 2004.

Jensen, M. C.; Meckling, W. H. (1976). Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and ownership structure. The Journal of Financial Economics, 3(4), 305-360.

Klapper; L.; Love, I. (2002). Corporate governance, investor protection, and performance in emerging markets. Working Paper, World Bank Policy Research, n. 2818. Disponível em: . Acesso em: 25 jan.2008. 2002.

La Porta, R.; Shleifer, A.; Lopez-De-Silanes, F.; Vishny, R. (2000). Investor protection and corporate governance. Journal of Financial Economics, v. 58, p. 3-27.

Larcker, D.; Richardson, S. A.; Tuna, I. A. (2007). Corporate governance, accounting outcomes, and organizational performance. Working paper, University of Pennsylvania. Disponível em . Acesso em: 25 ago. 2008. 2007.

Leal, R. P. C.; Carvalhal-Da-Silva, A. L. (2005). Corporate governance index, firma valuation and performance in Brazil. Revista Brasileira de Finanças, 3(1), 1-18.

Leoncini, M. P.; Silva, M. T. (1999). Futebol como fábrica de serviços. Encontro Nacional de Engenharia de Produção, 18º Congresso Internacional de Engenharia Industrial. Anais. Niterói.

Lohmoller, J. B. (1989). Latent variable path modelling with partial last squares. PhysicaVerl Heidelberg. Germany.

Lopes, A. B.; Walker, M. (2008). Firm-Level Incentives and the Informativeness of Accounting Reports: An Experiment in Brazil. Working Paper. Disponível em: . Acesso em: 25 mar. 2008.

Maroco, J.; Garcia-Marques, T. (2006). Qual a fiabilidade do alfa de Cronbach?Questões antigas e soluções modernas? Laboratório de Psicologia, 4(1), 65-90. Disponível em: http://publicacoes.ispa.pt/index.php/lp/article/viewFile/763/706.

ORGANIZATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION and DEVELOPMENT - OECD. (1999). Principles of Corporate Governance.

Perrucci, F. F. (2006). Clube-empresa: o modelo brasileiro para transformação dos clubes de futebol em sociedades empresárias. Nova Lima. Originalmente apresentada como dissertação de mestrado, Faculdade de Direito Milton Campos.

Rezende, A. J. (2004). Estudos sobre as decisões identificadas na gestão dos contratos de jogadores de futebol: o caso do Clube Atlético Paranaense. São Paulo. Originalmente apresentada como dissertação de mestrado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo.

Rezende, A. J.; Dalmacio, F. Z.; Facure, C. E. F. (2010). Practice of corporate governance in football clubs. International Journal of Economics and Accounting, v. 1, p. 410-410.

Rezende, A. J.; Salgado, A. L.; Dalmácio, F. Z. (2008). Uma análise do nível de disclosure das atividades operacionais, econômicas e financeiras dos clubes brasileiros. 15º Congresso Brasileiro de Custos. Anais… Curitiba.

Schmitt, P. M.; G. L. A. (2005). O estatuto do torcedor e seus reflexos nas finanças públicas à luz da lei de responsabilidade fiscal. Mundo Jurídico, 04 nov. Disponível em Acesso em 11 set. 2008. 2005.

Shleifer, A.; Vishny, R. (1997). A survey of corporate governance. Journal of Finance, 52(2), 737-783.

Silva, J. A. F. da; Carvalho, F. A. A. de. (2009). Evidenciação e desempenho em organizações desportivas: um estudo empírico sobre clubes de futebol. Revista de Contabilidade e Organizações, 3(6), 96-116.

Silveira, A. D. M. (2004). Governança corporativa e estrutura de propriedades: determinantes e relação com o desempenho das empresas no Brasil. São Paulo. Originalmente apresentada como tese de doutorado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo.

Soriano, F. (2010). A Bola não Entra por Acaso - estratégias inovadoras de gestão inspiradas no mundo do futebol. São Paulo: Larousse. p. 92

Szymanski, S. (2010). Footbal economics and policy. Hampshire: Palgrave Macmillan.

Wold, H. (1982). Systems Under Indirect Observation Using PLS. In C. Fornell [ed.]: A Second Generation of Multivariate Analysis. v. 1. p. 325-347. New York: Praeger Publishers.

Wold, H. (1985). Systems Analysis by Partial Least Squares. In P. Nijkamp, H. Leitner y N. Wrigley [ed.]: Measuring the Unmeasurable, p. 221-251. Dordrecht: Martinus Nijhoff Publishers.