Vantagens Competitivas Originadas dos Relacionamentos Horizontais em Aglomerações Produtivas: percepções de atores locais

ID:
38341
Resumo:
Objetivo – Buscou-se avaliar em que medida os pressupostos da visão relacional apresentam poder de explicação para vantagens competitivas percebidas em contextos de aglomerações industriais de empresas de pequeno porte. Método – Utilizou-se de pesquisa qualitativa e foram examinados, com análise comparativa de dados, dois polos moveleiros, Misassol (SP) e Ubá (MG). Os dados foram coletados por entrevistas com executivos de 40 empresas e de 13 entidades de apoio dos polos. Fundamentação teórica – A visão relacional e seus pressupostos apontam para fatores geradores de vantagem competitiva originados nos relacionamentos colaborativos entre empresas. E, no caso, as aglomerações proporcionam um intenso relacionamento e são estimulados por entidades de governança. Resultados – Não há identificação de obtenção de vantagens competitivas claramente delineadas em decorrência de ganhos relacionais. O comportamento dos empresários, em ambos os polos, tem forte inclinação para ações individualistas. O que os atores identificam como vantagens competitivas corresponde a fatores situacionais ou contextuais desses polos e não resultantes da concretização de pressupostos da visão relacional, escapando a esse paradigma. Os ganhos relacionais podem ser originados apenas de subgrupos que se formam por afinidade, sem interveniência de governança. Contribuições – Apesar da tendência aglomerativa das empresas do setor moveleiro, seja pela regionalização de mercados, pelo acesso de representantes comerciais ou pelos custos logísticos e tributários, dentre outras questões, a forte inclinação para ações individualistas cria barreiras para a obtenção de diferenciais adicionais advindos de ganhos relacionais. As ações em pequenos grupos apresentam-se, todavia, como um importante mecanismo de governança para aquele contexto.
Citação ABNT:
DEBOÇÃ, L. P.; MARTINS, R. S. Vantagens Competitivas Originadas dos Relacionamentos Horizontais em Aglomerações Produtivas: percepções de atores locais . Revista Brasileira de Gestão de Negócios, v. 17, n. 56, p. 1025-1043, 2015.
Citação APA:
Deboçã, L. P., & Martins, R. S. (2015). Vantagens Competitivas Originadas dos Relacionamentos Horizontais em Aglomerações Produtivas: percepções de atores locais . Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 17(56), 1025-1043.
DOI:
10.7819/rbgn.v17i56.1848
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/38341/vantagens-competitivas-originadas-dos--relacionamentos-horizontais-em-aglomeracoes-produtivas--percepcoes-de-atores-locais-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Acedo, F. J.; Barroso, C.; Galan, J. L. (2006). The resource-based theory: Dissemination and main trends. Strategic Management Journal, 27(7), 621-636.

Albers, S. (2005). The design of Alliance governance systems. Köln: Kölner Wissenschaftsverlag.

Arbage, A. P. (2004). Custos de transação e seu impacto na formação e na gestão da cadeia de suprimentos: Estudo de caso em estruturas de governança híbridas do sistema agroalimentar do Rio Grande do Sul. (Tese de doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Associação Brasileira de Móveis. (2006). Panorama do setor moveleiro no Brasil. Recuperado de http:/www.abimovel.org.br/.

Balestrin, A.; Verschoore, J. (2008). Redes de cooperação empresarial: Estratégias de gestão na nova economia. Porto Alegre: Bookman.

Bandeira-De-Mello, R.; Cunha, C. J. C. A. (2003). Operacionalizando o método da Grounded Theory nas pesquisas em estratégia: Técnicas e procedimentos de análise com apoio do software Atlas/TI. Anais do Encontro de Estudos em Estratégia, Curitiba, PR, Brasil, 1.

Barney, J. B.; Hansen, M. H. (1995). Trustworthiness as a source of competitive advantage. Strategic Management Journal, 15(S1), 175-190.

Barney, J. B.; Hesterly, W. (2004). Economia das organizações: Entendendo a relação entre as organizações e a análise econômica. In S. R. Clegg, C. Hardy, & W. R. Nord (Eds.), Handbook de estudos organizacionais. (Vol. 3, Cap. 5). pp. 131-179. São Paulo: Atlas.

Bleeke, J.; Ernst, D. (2001). Colaborando para competir. In H. Mintzberg, & J. B. Quinn (Orgs.), O processo da estratégia. (pp. 167-171). Porto Alegre: Bookman.

Burt, S. R. (2001). Structural holes versus network closure as social capital. In N. Lin, K. Cook, & S. R. Burt (Eds.), Social capital: Theory and research. (Chap. 2). pp. 31-56. New York: Aldine de Gruyte.

Bustamante, P. M. A. C. (2004). Arranjos e sistemas produtivos e inovativos locais: O Caso do Polo Moveleiro de Ubá – MG (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Uberlândia, Minas Gerais, MG, Brasil.

Chaddad, F. R. (2005). Networking for competitive advantage: The case of cooperatives in the United States. Anais Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação em Administração, Brasília, DF, Brasil, 29.

Dyer, J. H. (1994). Dedicated assets: Japan’s manufacturing edge. Harvard Business Review, p. 174-178.

Dyer, J. H. (1996). Specialized supplier networks as a source of competitive advantage: Evidence from the Auto Industry. Strategic Management Journal, 17(4), 271-292.

Dyer, J. H.; Chu, W. (2003). The role of trustworthiness in reducing transaction costs and improving performance: Empirical evidence from the United States, Japan, and Korea. Organization Science, 14(1), 57-68.

Dyer, J. H.; Singh, H. (1998). The relational view: Cooperative strategy and sources of interorganizational competitive advantage. Academy of Management Review, 23(4), 660-679.

Gerolamo, M. C.; Carpinetti, L. C. R.; Fieschutz, T.; Seliger, G. (2008). Clusters e redes de cooperação de pequenas e médias empresas: observatório europeu, caso alemão e contribuições ao caso brasileiro. Gestão & Produção, 15(2), 351-365.

Gil, A. C. (1999). Métodos e técnicas de pesquisa social. 5 ed. São Paulo: Atlas.

Gorini, A. P. F. (1998). Panorama do setor moveleiro no Brasil, com ênfase na competitividade externa a partir do desenvolvimento da cadeia industrial de produtos sólidos de madeira. Brasília: BNDES.

Hawawini, G.; Subramanian, V.; Verdin, P. (2003). Is performance driven by industry- or firm-specific factors?A new look at the evidence. Strategic Management Journal, 24(1), 1-16.

Instituto de Estudos e Marketing Industrial. (2014). MOVERGS Relatório Setorial 2014, Polo Moveleiro do Rio Grande do Sul. Recuperado de http://www.movergs.com.br/img/arquivos/movergs/dados-movergs_77.pdf.

Lado, A. A.; Dant, R. R. & Tekleab, A. G. (2008). Trust-opportunism paradox, relationalism, and performance in interfirm relationships: evidence from the retail industry. Strategic Management Journal, 29(4), 401-423.

Lastres, H. M. M.; Cassiolato, J. E. (2003). Glossário de arranjos e sistemas produtivos e inovativos locais. Rede de Pesquisa em Sistemas Produtivos e Inovativos Locais. Recuperado de http://www.ie.ufrj.br/redesist/P4/textos/Glossario.pdf.

Lastres, H. M. M.; Cassiolato, J. E.; Lemos, C.; Maldonado, J.; Vargas, M. A. (1998). Globalização e inovação localizada. In J. E. Cassiolato, H. M. M. Lastres, J. Sutz, & G. Lugones (Coords.), Globalização e inovação localizada: Experiências de sistemas locais no Mercosul. Brasília: IEL/IBICT. Recuperado de http://www.ie.ufrj.br/redesist/P1/texto/NT01.PDF

Lavie, D. (2006). The competitive advantage of interconnected firms: An extension of the resource-based view. Academy of Management Review, 31(3), 638-658.

Lazzarini, S. G. (2007). The impact of membership in competing alliance constellations: Evidence on the operational performance of global. Strategic Management Journal, 28(2), 345-367.

Malhotra, N. (2001). Pesquisa de marketing: Uma orientação aplicada. Porto Alegre: Bookmamn.

Marshall, A. (1890). Principles of economics. Londres: MacMillan.

Melo Jr, J. A. C. C. (2007). A ação coletiva e seus intérpretes. Pensamento Plural, v. 1, p. 65-87.

Mentzer. J. T.; Witt, W. D.; Keebler, J. S.; Min, S.; Nix, N. W.; Smith, C. D.; Zacharia, Z. G. (2001). Defining supply chain management. Journal of Business Logistics, 22(2), 1-25.

Mozzato, A. R.; Grzybovski, D. (2011). Análise de conteúdo como técnica de análise de dados qualitativos no campo da administração: Potencial e desafios. Revista de Administração Contemporânea, 15(4), 731-747.

Olson, M. (1999). A lógica da ação coletiva. São Paulo: Edusp.

Paulraj, A.; Lado, A. A.; Chen, I. J. (2008). Inter-organizational communication as a relational competency: Antecedents and performance outcomes in collaborative buyer–supplier relationships. Journal of Operations Management, 26(1), 45-64.

Perroux, F. (1959). L’Economie du XX Siécle. Paris: Presses Universitaires de France.

Porter, M. E. (1990). The competitive advantage of nations. New York: Free Press.

Redondo, Y. P.; Fierro, J. J. C. (2007). Importance of company size in long-term orientation of supply function: An empirical research. Journal of Business and Industrial Marketing, 22(4), 236-248.

Sacomano, M.; Neto, & Paulillo, L. F. O. (2012). Estruturas de governança em arranjos produtivos locais: Um estudo comparativo nos arranjos calçadistas e sucroalcooleiro no estado de São Paulo. Revista de Administração Pública, 46(4), 1131-1155.

Science Wacth. (2008). Author Commentaries: Jeff Dyer and Harbir Singh. Recuperado de http://archive.sciencewatch.com/inter/aut/2008/08-aug/08augDyerET/.

Silva, E. B.; Fº. (2006). A teoria da firma e a abordagem dos custos de transação: Elementos para uma crítica institucionalista. Pesquisa e Debate, 17(2/30), 259-277.

Simatupang, T. M.; Sridharan, R. (2001). The collaborative supply chain. International Journal of Logistics Management, 13(1), 15-30.

Skjoett-Larsen, T.; Thernoe, C.; Andresen, C. (2003). Supply chain collaboration: Theoretical perspectives and empirical evidence. International Journal of Physical Distribution and Logistics Management, 33(6), 531-549.

Theurl, T. (2005). From corporate to cooperative governance. In T. Theurl (Ed.), Economics of interfirm networks. (pp. 149-192). Tubingen: Mohr Siebeck.

Vargas, M. (2002). Proximidade territorial, aprendizado e inovação: Um estudo sobre a dimensão local de processos de capacitação inovativa em arranjos e sistemas produtivos no Brasil. (Tese de doutorado). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Vasconcelos, F. C.; Cyrino A. B. (2000). Vantagem competitiva: os modelos teóricos atuais e a convergência entre estratégia e teoria organizacional. Revista de Administração de Empresas, 40(4), 20-37.

Vieira, M. M. F.; Zouain, D. M. (Orgs.). (2004). Pesquisa qualitativa em administração. Rio de Janeiro: Editora FGV.

Walter, S. A.; Bach, T. M. (2009). Adeus papel, marca-textos, tesoura e cola: Inovando o processo de análise de conteúdo por meio do Atlas/TI. Anais do Seminário de Administração, São Paulo, SP, Brasil, 12.

Wegner, D. (2011). Governança, gestão e capital social em redes horizontais de empresas: Uma análise de suas relações com o desempenho das empresas participantes (Tese de doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Wegner, D.; Koetz, C. I.; Wilk, E. O. (2012). A influência da governança formal de redes interorganizacionais (RIOs) no desempenho das empresas participantes. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisas em Administração – ENANPAD, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 34.

Williamson, O. E. (1991). Comparative economic organization: The analysis of discrete structural. Administrative Science Quarterly, 36(2), 269-296.