Empreendedorismo Institucional na Copa do Mundo FIFA 2014: análise dos setores hoteleiros das cidades sede dos jogos Outros Idiomas

ID:
38676
Resumo:
Fazendo uso do conceito de empreendedorismo institucional- uma dentre as correntes de estudos da teoria institucional que visa entender o uso da agência dos atores frente às instituições- o presente estudo buscou identificar e analisar dentre gestores dos setores hoteleiros das cidades sede dos jogos da Copa do Mundo FIFA 2014 quais apresentam maiores níveis de habilidades e características relacionadas ao conceito de empreendedorismo institucional com vistas a moldar seus ambientes de atuação em consonância com as suas demandas e objetivos organizacionais. Para tanto, 142 hotéis e pousadas localizados nas cidades sede da copa do mundo do Brasil responderam o questionário elaborado pelos autores do estudo. Ainda, para atestar a confiabilidade das respostas testou-se o Alpha de Cronbach, o qual no presente estudo foi de 0,638. Dentre os achados, verificou-se que alguns hotéis e pousadas investigados possuem baixos índices de habilidades e/ou características intrínsecas ao conceito de empreendedorismo institucional. A título de exemplificação, diferentemente do que se presumia, cidades como São Paulo e Brasília, a primeira sendo o município mais populoso e com o maior PIB do país, e a segunda estando no centro da arena política nacional, apresentaram hotéis e pousadas com baixo índice de visão de longo prazo.
Citação ABNT:
BORGES, D. E.; SCHERER, F. L.; LOPES, L. F. D.; CARPES, A. M. Empreendedorismo Institucional na Copa do Mundo FIFA 2014: análise dos setores hoteleiros das cidades sede dos jogos. Revista Organizações em Contexto, v. 11, n. 22, p. 347-382, 2015.
Citação APA:
Borges, D. E., Scherer, F. L., Lopes, L. F. D., & Carpes, A. M. (2015). Empreendedorismo Institucional na Copa do Mundo FIFA 2014: análise dos setores hoteleiros das cidades sede dos jogos. Revista Organizações em Contexto, 11(22), 347-382.
DOI:
http://dx.doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v11n22p347-382
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/38676/empreendedorismo-institucional-na-copa-do-mundo-fifa-2014--analise-dos-setores-hoteleiros-das-cidades-sede-dos-jogos/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ACS, Z. J.; DESAI, S.; HESSELS, J. Entrepreunership, economic development and institutions. Small bus. Econ., v. 31, p. 219-234. 2008.

ANDREU, R.; RODRIGUEZ, I. Cooperation between public and private tourism sectors in the Costa Blanca Region (Spain). Athens Tourism Symposium: International Scientific Congress on Current Trends in Tourism Management and Tourism Policy with a special track titled “Managing Tourism in Times of Crisis”. Atenas, Grécia. 2012.

AVRICHIR, I.; CHUEKE, G. V. Empreendedorismo institucional: Uma análise de caso no setor de energia elétrica brasileiro. RAM - Rev. Adm. Mackenzie, v. 12, n. 6, p. 140- 164. Edição Especial

BARATTER, M. A.; FERREIRA, J. M.; COSTA. Empreendedorismo Institucional: características da ação intencional. Perspectivas Contemporâneas, v. Ed. Es, p. 237/10-266. 2010.

BATTILANA, J. Agency and institutions: The enabling role of individuals’ social position. Organization, v. 13 n. 5, p. 653-676. 2006.

BIBLIOTECA VIRTUAL DO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Turismo: Capital: a cidade de São Paulo. Disponível em: http://www.bibliotecavirtual.sp.gov.br/turismo-capital.php. 2013.

CAREY, M; MASON, D.S.; MISENER, L. Social Responsibility and the Competitive Bid Process for Major Sporting Events. Journal of Sport and Social Issues, vol. 35, pp. 246-263. 2011.

CERQUEIRA, A. C.; SACRAMENTO, P. M.; TEIXEIRA, R. M. Redes de Cooperação entre Pequenas Empresas do Setor Hoteleiro e a Rede Turística: um estudo de casos múltiplos em Aracaju, Sergipe. Revista acadêmica Observatório de Inovação do Turismo, v. v, p. 1-16. 2010.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE COMÉRCIO DE BENS, SERVIÇOS E TURISMO. Questões tarifárias mobiliza hotelaria. CNC Notícias: Revista mensal da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo. Ano XIII, nº 154. 2013.

CRONBACH L. Coefficient alpha and the internal structure of tests. Psychometrik. 16: p. 297–334. 1951.

DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTÁTISTICA E ESTUDOS SOCIOECONOMICOS. Estudo do setor hoteleiro. Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio e Serviços da CUT-CONTRACS. São Paulo. 2013.

DIELEMAN, M.; SACHS, W. M. Coevolution of Institutions and Corporations in Emerging Economies: How the Salim Group Morphedinto an Institution of Suharto’s Crony Regime. Journal of Management Studies, v. 45, n. 7. November. 2008.

DIMAGGIO, P. Interest and agency in institutional theory. In: ZUCKER, L. G. Institutional patterns and organizations: culture and environment. Cambridge: Ballinger Publishing Company, p. 3-21. 1988.

FIRMINO, S. Os Novos Arranjos Institucionais na Governança Pública: O Caso das Parcerias Público-Privadas. Estudo comparativo entre o Sul e o Norte da Europa. Sociologia on line, n. 2, ABRIL. 2011.

FLIGSTEIN, N. (2001). Institutional entrepreneurs and cultural frames: The case of the European Union’s single market program. European Societies, 3(3), 261-287.

FLIGSTEIN, N. Social Skill and Institutional Theory. American Behavioral Scientist v. 40, p. 397-405. 1997.

FÓRUM DE OPERADORES HOTELEIROS DO BRASIL-FOHB; REVISTA HOTÉIS. FOHB e MTur debatem soluções e incentivos para a hotelaria. Disponível em: http://www.fohb.com.br/ConteudoNews.php?id=40. 2013.

GAZETA DO POVO. Pesquisa revela deficiências da rede hoteleira. Disponível em: http://www.gazetadopovo.com.br/copa2014/estrutura/conteudo.phtml?id=1228084. 2012.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas. 2008.

GONÇALVES, C.A.; MEIRELLES, A.M. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas. 2004

GORINI,A. P. F.; MENDES, E. F. Setor de Turismo no Brasil: Segmento de Hotelaria. BNDES. 2005.

GRAEFF, J. F. Pressões ambientais e respostas estratégicas na institucionalização do plantio direto no Paraná. Dissertação de mestrado. Universidade Federal do Paraná. Curitiba. 2005.

GREENWOOD, R.; SUDDABY, R. Institutional Entrepreneurship in Mature Field: The Big Five Accounting Firms. Academy of Management Journal. v. 49, n. 1, p. 27-48. 2006.

GUARIDO FILHO, E. R.; MACHADO-DA-SILVA, C. L. The development of institutional theory in the field of organization studies in Brazil. Cadernos EBAPE.BR, v. 8, p. 278-301. 2010.

HAIR JR, J. F.; ANDERSON, R. E.; TATHAM, R. L.; BLACK, W. C. Análise multivariada de dados. 5. ed. Porto Alegre: Bookman. 2005.

HALL, C.M. Urban entrepreneurship, corporate interests and sports mega-events: the thin policies of competitiveness within the hard outcomes of neoliberalism. In: J. Horne and W. Manzenreiter (Ed.), Sports Mega-events: Social Scientific Analyses of a Global Phenomenon (Sociological Review Monographs): 59-70. Oxford: Blackwell Publishing/The Sociological Review. 2006.

HARDY, C.; MAGUIRE, S. Institutional Entrepreneurship. In: GREENWOOD, R.; OLIVER, C.; SAHLIN, K.; SUDDABY, R. The Sage Handbook of Organizational institutionalism. Sage Publications. London. 2008.

HOCAYEN-DA-SILVA, A. J. ; TEIXEIRA, R M. (2009). Análise dos Relacionamentos Interorganizacionais em Empresas do Setor Hoteleiro de Curitiba/PR: estudo comparativo de casos. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, v. 3, p. 24-48.

IBGE. Contas Regionais: Cinco estados concentram 65,2% do PIB em 2011. Disponível em: http://saladeimprensa.ibge.gov.br/noticias?busca=1&id=1&idnoticia=2522&view=noticia. 2012.

INSTITUTO BRASILEIRO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO – IBPT. Empresômetro – censo das empresas e entidades públicas e privadas brasileiras. Curitiba, PR. 2012.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA-IPEA. PORTAL IG NOTÍCIAS. Obras para a Copa estão atrasadas em todas as cidades-sede. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=8783&catid=159&Itemid=75. 2013.

JAKOBI, A. P. How to Use Global Networks: Institutional Entrepreneurship and the Worldwide Diffusion of Anti-Money Laundering Policies. Peace Research Institute Frankfurt (PRIF/HSFK). 2012.

JONES LANG LASALLE. Hotelaria em números-Brasil 2013. Fórum de operadores logísticos. 2013.

JORNAL CORREIO ELETRÔNICO. Burocracia para crédito impede investimentos na rede hoteleira. Disponível em: http://www.jornalcorreioeletronico.com.br/conteudo.php?MENU=18&LISTA=detalhe&ID=352. 2013.

KIM, S. H.; CHA, J.; SINGH, A.J.; KNUTSON, B. A longitudinal investigation to test the validity of the American customer satisfaction model in the US hotel industry. International Journal of Hospitality Management, v. 35, pp. 193-202. 2013.

MACHADO DA SILVA, C. L.; WALTER, S. A.; CRUZ, A. P. C. Do terroir a globalização: uma análise institucional com base em Mondovino. Perspec. Contemp. Campo Mourão, Edição Especial, p. 22-50, Out. 2010.

MAGUIRE, S.; HARDY, C.; LAWRENCE, T. B. (2004). Institutional entrepreneurship in emerging fields: HIV/AIDS treatment advocacy in Canada. Academy of Management Journal, 47(5), 657-679.

MELLO, G. GOLDENSTEIN, M. Perspectivas da hotelaria no Brasil. Turismo- BNDES Setorial, v. 33, p. 5-42. 2012.

MENDONÇA, P.; ALVES, M. A.; CAMPOS, L. C . Empreendedorismo institucional na emergência do campo de políticas públicas em HIV/AIDS no Brasil. RAE Eletrônica (Online), v. 9, p. 6. 2010.

MENDONÇA, P. M. E. A profissionalização do campo do desenvolvimento rural na região do Sisal. Tese de doutorado. Fundação Getúlio Vargas. São Paulo. 2009.

MEYER, J. W.; ROWAN, B. Institutionalized organizations: formal structure as myth and ceremony. American Journal of Sociology, v. 83, p. 340-363. 1977.

MINCIOTTI, S. A.; SILVA, E. C. Marketing de localidades: uma abordagem ampliada sobre o desenvolvimento da cidade ou região. Turismo: Visão e Ação (Online), v. 1, p. 329-346. 2012.

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL. Política nacional de desenvolvimento regional. Brasília, agosto. 2005.

MINISTÉRIO DO TURISMO. BNDES amplia para R$ 2 bi orçamento do Procopa Turismo. Disponível em: http://www.turismo.gov.br/turismo/noticias/todas_noticias/20121002-2.html. 2012.

MINISTÉRIO DO TURISMO. Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem-entenda as categorias. Disponível em: http://www.classificacao.turismo.gov.br/MTUR-classificacao/mtur-site/Entenda?tipo=1. 2013.

MIRANDA, N. A.; TRUFEM, S. F. B. ; BARROS FILHO, J . Estudo Comparativo acerca da Escolha do Curso de Pedagogia em Instituições Paticulares de São Paulo. In: I Encuentro Iberoamericando de Educación. Anais do I Encuentro Iberoamericano de Educación. v. 1. p. 1-9. 2006.

MORRISON, A., LYNCH, P.A.; JOHNS, N. (2004). International Tourism Networks. International. Journal of Contemporary Hospitality Management, 16(3), 198-204.

MUNDI. Sobre o Mundi. Disponível em: http://www.mundi.com.br/Sobre-Nos.htm. Acesso:2013.

MUTCH, A. (2007). Reflexivity and the institutional entrepreneur: A historical exploration. Organization Studies, 28(7), 1123-1140.

NETO, M. S.; SERRA, O. M.; KIRSCHBAUM, C. Isomorphism and Institutional Control in a Modular Plant of the Automotive Industry. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, v. 15, n. 49, p. 379-399, out./dez. 2013.

OMETTO, M. A.; LEMOS, E. L. Empreendedorismo institucional, agência e mudança institucional: uma contribuição ao institucionalismo organizacional. XII Semead- Seminários em Administração. 2010.

PANROTAS. FOHB contesta pesquisa da Embratur sobre tarifas. PANROTAS: portal do profissional do turismo. Disponível em: http://www.panrotas.com.br/noticia-turismo/hotelaria/fohb-contesta-pesquisa-da-embratur-sobre-tarifas_90344.html.2013.

PORTAL DA COPA. Onze aeroportos da Copa têm atrasos no cronograma de obras. Disponível em: http://www.portal2014.org.br/noticias/12111/ONZE+AEROPORTOS+DA+COPA +TEM+ATRASOS+NO+CRONOGRAMA+DE+OBRAS.html.2013.

PORTO ALEGRE NA COPA. Setor hoteleiro deverá ter tarifas equilibradas na Copa 2014. Disponível em: http://portoalegrenacopa.blogspot.com.br/2011/10/setor-hoteleiro-devera-ter-tarifas.html. 2013.

PRONI, M. W.; SILVA, L. O. Impactos econômicos da copa do mundo FIFA de 2014: Projeções superestimadas. Texto para discussão. n. 211. Instituto de Economia UNICAMP. Campinas, Outubro. 2012.

REDE BRASIL ATUAL. Salvador aposta em experiência do carnaval para driblar dificuldades da Copa. Disponível em: http://www.redebrasilatual.com.br/esportes/2013/02/salvador-aposta-em-experiencia-do-carnaval-para-driblar-dificuldades-da-copa. 2013.

REVISTA ÉPOCA. Estudo revela deficiências da rede hoteleira do Brasil para a Copa e os Jogos Olímpicos. Disponível em: http://revistaepoca.globo.com/Sociedade/noticia/2012/02/ estudo-revela-deficiencias-da-rede-hoteleira-do-brasil-para-copa-e-os-jogos-olimpicos.html. 2012.

SÃO PAULO TURISMO. Embratur prevê que despesa de turistas compensará investimentos na Copa. Disponível em: http://imprensa.spturis.com.br/saiu-na-midia/embratur-preve-despesa-turistas-compensara-investimentos-copa. 2013.

SCHWAMBACH, K. F. Mega events in Rio de Janeiro and their influence on the city planning. 15 th International Planning History Society Conference. São Paulo. Cities, Nations & Regions in Planning History. São Paulo: Bureau Brasileiro. Impresso por Gráfica da USP, p. 278. 2012.

SCOTT, R. Institutions and organizations: ideas and interests. Estados Unidos. Sage Publications. 280 p. 2008.

SUDDABY, R; GREENWOOD, R. Rhetorical strategies of legitimacy. Administrative Science Quarterly. v. 50, n. 1, p. 35-67. 2005.

THORNTON, P. Markets from Culture: Institutional Logics and Organizational Decisions in Higher Education Publishing. Stanford, CA: Stanford University Press. 188p. 2004.

TOLBERT, P. ZUCKER, L. The institutionalization of institutional theory. In Stewart CLEGG, S.; HARDY, C.; NORD, W. (Eds). Handbook of Organization Studies, London, ThousandOaks, Sage. 895p. 1996.

TRIBUNA DA BAHIA. Salvador está preparada para a Copa de 2014? Disponível em: http://www.tribunadabahia.com.br/2011/03/15/salvador-esta-preparada-para-a-copa-de-2014-. 2013.

TURCO, D. M.; TICHAAWA, T. M.; MOODLEY, V.; MUNIEN, S.; JAGGERNATH, J.; STOFBERG, Q. S. Profiles of foreign visitors attending the 2010 FIFA World Cup in South Africa. African Journal for Physical, Health Education, Recreation and Dance (AJPHERD), September, (Supplement 1), p. 73-80. 2012.

WELTER, F.; SMALLBONE, D. Institutional Perspectives on Entrepreneurial Behavior in Challenging Environments. Journal of Small Business Management, 49(1), 107-125.

WILSON, S.; FESENMAIER , D. R.; FESENMAIER, J.; VAN, C. E. S. Factors for success in rural tourism developments. Journal of Travel research, 40(2), 132-138. 2001

WOOTEN, M.; HOFFMAN, A. J. Organizational Fields: Past, Present and Future. In: GREENWOOD, R.; OLIVER, C.; SAHLIN, K.; SUDDABY, R. The Sage Handbook of Organizational institutionalism. Sage Publications. 2011. 2008.