A Arte da Olaria no Turismo da Região Algarve, Portugal Outros Idiomas

ID:
38850
Resumo:
Este artigo foi desenvolvido com o objetivo de veicular uma abordagem e analisar um contexto em que a tradicional atividade popular oleira se mantém viva em território luso, preservando uma identidade associada ao turismo e aos seus negócios. Ela se tornou, aliás, potencialmente a ideia central que sustentou a escolha do tema: estudar a realidade contemporânea da olaria de Porches/ Lagoa na região Algarve, sul de Portugal. Desse modo, a proposta deste texto tem, como ponto de partida de análise, um “modelo com os elementos que caracterizam as olarias e os oleiros do Algarve”, apresentando uma reflexão com possibilidades multidisciplinares de discussões inexauríveis. A construção deste estudo foi realizada por meio de uma pesquisa bibliográfica, da aplicação de questionário e de trabalhos de campo e gabinete, permitindo uma aproximação dos pesquisadores com a realidade portuguesa investigada. Como resultado, o artigo mostra quem são os oleiros no destino turístico internacional: 50,2% são de origem algarvia, 33,2% são oriundos de outros países e 16,6% são do Alentejo. Tais indivíduos têm entre 50 e 65 anos, e 50,2% se formaram em escolas.
Citação ABNT:
SANTOS, J. C. V.; SILVA, J. A. A Arte da Olaria no Turismo da Região Algarve, Portugal. Turismo: Visão e Ação, v. 17, n. 3, p. 658-690, 2015.
Citação APA:
Santos, J. C. V., & Silva, J. A. (2015). A Arte da Olaria no Turismo da Região Algarve, Portugal. Turismo: Visão e Ação, 17(3), 658-690.
DOI:
10.14210/rtva.v17n3.p658-690
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/38850/a-arte-da-olaria-no-turismo-da-regiao-algarve--portugal/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
CALADO, José. Redondo – terra de oleiros. Évora (Portugal): Gráfica Eborense, 2013.

CAMPOS, M da G de C. Causa geográfica do desenvolvimento das olarias na Baixada Guanabara. Revista Brasileira de Geografia, v. 17, n. 2, abr./jun. 1955.

CLAVAL, Paul. Abordagens da geografia cultural. In: CASTRO, Iná Elias de; GOMES, Paulo Cesar da Costa; CORRÊA, Roberto Lobato (Orgs.). Explorações geográficas: percursos no fim do século. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

CONDE, Antónia F. Mãos que criam – a olaria em S. Pedro do Corval. Reguengos de Mosaraz (Portugal): Papel & Tinta, 2013.

CUNHA, L. Economia e política do turismo. Lisboa (Portugal): Editorial Verbo, 2006.

CUNHA, Licínio. Turismo em Portugal: sucessos e insucessos. Lisboa (Portugal): Soares Artes Gráficas; Edições Universitárias Lusófonas, 2012.

CUNHA, L. Perspectiva e tendências do turismo. Lisboa (Portugal): Edições Universitárias Lusófonas, 2003.

DALFOVO, Michael Samir; LANA, Rogério Adilson; SILVEIRA, Amélia. Métodos quantitativos e qualitativos: um resgate teórico. Revista Interdisciplinar Científica Aplicada, v. 2, n. 4, p. 1-13, 2008.

FREIRE, Rita S. O ceramista escocês. Lagoa (Portugal): Arquivo Público de Lagoa, 2013.

FREITAS, Lima de. Porches e a recuperação do artesanato. GEA – Grupo de Estudos Algarvios, Algarve (Portugal), v. 1, n. 2, p. 3-7, 1978.

GONÇALVES, A. R. A componente cultural do turismo urbano com oferta complementar ao produto “Sol e Praia”: o caso de Faro e Silves. Lisboa (Portugal): TdT, 2003.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA. Censos 2011. Disponível em: . Acesso em: 19 dez. 2014.

MINAYO, M C de S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 4. ed. São Paulo: Hucitec, 1996.

OLIVEIRA, Ataíde. Monografia de Porches. Faro (Portugal): Algarve em Foco, 1987.

PLA, J. La cerámica popular paraguaya. Assunção (Paraguai): Editora da Universidade Católica de Nuestra Señora de La Asunción, 2006.

RAVINES, R.; VILLIGER, F. La cerámica tradicional del Peru. Lima: Editorial Los Pinos, 1989.

RIBEIRO, Orlando. Portugal – o Mediterrâneo e o Atlântico. 4. ed. Lisboa (Portugal): Livraria Sá da Costa, 1986.

SANTOS, J. C. V. Políticas de regionalização e criação de destinos turísticos entre o Lago de São Simão e a Lagoa Santa no Baixo Paranaíba Goiano. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2010.

SANTOS, J. C. V. Região e destino turístico: sujeitos sensibilizados na geografia dos lugares. São Paulo: Allprint, 2013.

SANTOS, J. C. V.; SANTOS, R. J. Territórios do barrocal e as territorialidades dos oleiros no Baixo Vale Paranaíba goiano. In: ENCUENTRO DE GEÓGRAFOS DE AMÉRICA LATINA, 13., 2011, San José (Costa Rica). Anais... San José (Costa Rica): Universidad Nacional Costa Rica, 2011. v. único.

SANTOS, José Benvindo; LOURENÇO, Licínia. Olaria do concelho de Lagoa. Sintra (Portugal): Gényo Kriativo Artes Gráficas, 2012.

SANTOS, Maria da Graça Mouga Poças. Espiritualidade, turismo e território. Estoril (Portugal): Principia, 2006.

SANTOS, Rossel Monteiro. Histórico do Concelho de Lagoa. Lisboa (Portugal): Colibri Artes Gráficas, 2011. v. 2.

VLACH, Vânia Rubia Farias. Ensino de geografia, pesquisa, referenciais teórico-metodológicos: a atuação dos jovens no mundo atual. In: CAVALCANTI, L. de S.; BUENO, M. A.; SOUZA, V. C. de (Org.). A produção do conhecimento e a pesquisa sobre o ensino da geografia. Goiânia: Editora da PUC, 2011.

WALMISLEY, Sarah. The story of Porches’ pottery. Lisboa (Portugal): Casa Portuguesa, 1983.