Os fatores que influenciam os egressos do curso de secretariado executivo trilíngue da Universidade Federal de Viçosa a ingressarem no serviço público Outros Idiomas

ID:
38928
Resumo:
As oportunidades de trabalho no setor público têm interessado um número crescente de indivíduos que optam por esse caminho em busca de estabilidade, qualidade de vida, oportunidade de construir uma carreira, treinamento e benefícios, entre outras vantagens oferecidas. Algumas razões são sugeridas para a busca do emprego público: elevação nas taxas de desemprego no setor privado; menor discriminação no processo seletivo quanto à idade, ao sexo e à universidade de formação; não exigência de experiência prévia ou critérios estereotipados, tais como boa aparência, entre outros. O objetivo desse estudo foi o de identificar as preferências e fatores que motivaram os estudantes de Secretariado Executivo Trilíngue da Universidade Federal de Viçosa a optar pelo serviço público, especificamente, nas IFES (Instituições Federais de Ensino Superior). A tendência nas respostas dadas à maioria das questões mostra que os aspectos “estabilidade” e segurança foram os fatores mais indicados como motivadores para ingressar em uma estatal.
Citação ABNT:
FARIA, E. O.; SILVEIRA, T. R. Os fatores que influenciam os egressos do curso de secretariado executivo trilíngue da Universidade Federal de Viçosa a ingressarem no serviço público. Revista de Gestão e Secretariado, v. 6, n. 1, p. 48-73, 2015.
Citação APA:
Faria, E. O., & Silveira, T. R. (2015). Os fatores que influenciam os egressos do curso de secretariado executivo trilíngue da Universidade Federal de Viçosa a ingressarem no serviço público. Revista de Gestão e Secretariado, 6(1), 48-73.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/38928/os-fatores-que-influenciam-os-egressos-do-curso-de-secretariado-executivo-trilingue-da-universidade-federal-de-vicosa-a-ingressarem-no-servico-publico/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Albornoz, S. (1994). O que é trabalho? São Paulo: Ed. Brasiliense.

Bacellar Filho, R. F. (2001). Profissionalização da função pública: A experiência brasileira. Cadernos da Escola de Direito e Relações Internacionais 01.

Barreto, D F da C.; Nunes G. S.; Veiga, J. L. B. C.; Vilas Boas, A. A. (2007). Que fatores motivacionais que afetam os indivíduos que ingressam no setor público?O caso de uma empresa de energia. Gepros. Gestão da produção, v. 5, p. 11-24. 2007.

Bastos, A. V. B.; Pinho, A. P. M.; Costa, C. A. (1995). Significado do trabalho: um estudo entre trabalhadores inseridos em organizações formais. Revista de Administração de Empresas: 2029.

Bergamini, C. W. (1997). Motivação nas organizações. (4a ed.). São Paulo: Atlas.

Borges, L. O.; Tamayo, Á. (2001). A estrutura cognitiva do significado do trabalho. Revista Psicologia, 1(2), 11-44.

Brasil. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, Senado, 1998. Recuperado de http://www.planalto.gov.br

Brasil. Emenda Constitucional nº 19, promulgada em 4 de junho de 1998. Recuperado de http://www.planalto.gov.br. 1988.

Brasil. L F Lei n. 8.112, de 11 de dezembro de 1990. Dispõe sobre o regime jurídico dos servidores públicos civis da União, das autarquias e das fundações públicas federais. Recuperado de http://www.planalto.gov.br. 1990.

Brasil. Lei nº 11.091, de 12 de janeiro de 2005. Dispõe sobre a estruturação do Plano de Carreira dos Cargos Técnico-administrativos em Educação, no âmbito das Instituições Federais de Ensino vinculadas ao Ministério da Educação, e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 13 jan. 2005. Recuperado de www.planalto.gov.br/legisla.htm. 2005.

Brasil. Ministério da Educação.Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior.Resolução nº 3, de 23 de junho de 2005. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rces003_05.pdf. 2005.

Bresser-Pereira, L. C.; Spink, P. K. (2005). Reforma do Estado e administração pública gerencial. Rio de Janeiro: Editora FGV.

Camarano, A. A.; Kanzo, S.; Vianna, C.; Pazinato, M. T. (2003). A transição para a vida adulta: Novos ou velhos desafios? Mercado de trabalho. Conjuntura e Análise, (21), 53-66. Brasília, Ipea,

Chiavenato, I. (1999). Gestão de pessoas: O novo papel dos recursos humanos nas organizações. Rio de Janeiro, RJ: Campus.

Côrtez, L. L.; Silva, J. R. G. (2006). Construção do contrato psicológico de indivíduos que ingressam em organizações do setor público no atual contexto brasileiro: Estudo de caso em uma empresa estatal. In: Encontro anual da Associação Nacional de Programas de pós-graduação em Administração, 2006, Salvador, Anais...

Dallari, A. A. (2006). Princípio da isonomia e concursos públicos. Revista Eletrônica de Direito de Estado. n. 6. abril/maio/junho de 2006, Salvador/Bahia. Recuperado de www.direitodoestado.com.br

Faller, B. C. (2004). Motivação no setor público: Um estudo de caso da Secretaria de Administração da Prefeitura Municipal de Santa Cruz do Sul. Dissertação de Mestrado da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós- graduação em Administração. Porto Alegre, RS.

Fernandes, H, M.; Raposo, J. V. (2005). Continuum de autodeterminação: Validade para a sua aplicação no contexto desportivo. Estud. Psicologia, 10(3). 2005.

Ferreira, A B de H. (1988). Dicionário Aurélio Básico da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Gil, A. C. (1987). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Guimarães, S. E. R. (2004). Motivação intrínseca, extrínseca e o uso de recompensas em sala de aula. In: E. Boruchovitch & J.A. Bzuneck (orgs.). A motivação do aluno. Contribuições da psicologia contemporânea. (pp.37-57). Petrópolis, RJ: Vozes.

Guimarães, S. E. R.; Boruchovitch, E. (2004). O estilo motivacional do professor e a motivação intrínseca dos estudantes: uma perspectiva da Teoria da Autodeterminação. Psicologia, Reflexão e Crítica, 17(2). Recuperado de http:www.scielo.br

Guimarães, T. D. A. (2002). A nova administração pública e a abordagem da competência. Revista de administração pública, 34(3), 125-a.

IBGE. (2008). Mapa do mercado de trabalho. Recuperado de http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao.

Junquilho, G. S. (2010). Teorias da administração pública. Florianópolis, Departamento de Ciências da Administração/UFSC; Brasília: Capes: UAB.

Maciel, A. G. (2008). As contribuições da Teoria da Autodeterminação para a Psicopedagogia. Especialização em Psicopedagogia. Instituto de Estudos Avançados e Pós-graduação, ESAP.

Maciel, S. E. V.; Sá, M. A. D. de. (2007). Motivação no trabalho: Uma aplicação do Modelo dos dois fatores de Herzberg. Studia Diversa, CCAE-UFPB, 1(1), 62-86.

Meirelles, H. L. (2004). Direito administrativo brasileiro. (29a ed.). São Paulo: Malheiros.

Motta, P. R. (2007). A modernização da administração pública brasileira nos últimos 40 anos. RAP. Rio de Janeiro. (Edição Especial Comemorativa, pp. 87-96)

Oliveira, F. B. de; Müller, E. S. M. (2010). O perfil motivacional e inclinação de carreira do estudante e do profissional da Tecnologia da Informação. Revista ADM.MADE, 14(1), 51-73.

Oliveira, M. A. (1999). E Agora José? Guia para quem quer buscar emprego, mudar de trabalho, montar um negócio ou repensar sua carreira. São Paulo: Senac.

Paula, A. P. P. de. (2005). Administração pública brasileira entre o gerencialismo e a gestão social. RAE-Debate, 45(1), 36-49.

Penna, A. G. (2001). Introdução à motivação e emoção. Rio de Janeiro: Imago.

Pereira, E. S. (1997). Organizações sociais, instituições federais de ensino superior e autonomia universitária. Revista do Serviço Público, 48(2), 58-80.

Rauber, M. J. & Rauber, A. S. (2013). Perguntar não ofende... Uma abordagem de coaching para o profissional de Secretariado. (1a ed.). Toledo, PR: Mundo Hispânico.

Sabino, R. F. & Rocha, F. G. (2004). Secretariado: Do escriba ao web writer. (1a ed.). Rio de Janeiro: Brasport.

Santos, C. S. dos. (2006). Introdução à gestão pública. São Paulo: Saraiva.

Silva, N. D. V.; Kassouf, A. L. (2000). A exclusão social dos jovens no mercado de trabalho brasileiro. São Paulo: Edusp.

Sobral, D. T. (2003). Motivação do aprendiz de Medicina: uso da escala de motivação acadêmica. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 19, (1), 25-31.

Tadin, A. P.; Rodrigues, J. A. E.; Dalsoquio, P.; Guabiraba, Z. R.; Miranda, I. T. P. (2005). O conceito de motivação na teoria das Relações Humanas. Maringa Management: Revista de Ciências Empresariais, 2(1), 40-47.

UFV. (n.d.). Secretariado Executivo Trilíngue. Recuperado de http://www.secretariadoexecutivo.ufv.br

Witter, P. G.; Lomônaco, J. F. B. (1984). Psicologia da aprendizagem. (9a ed.). São Paulo: EPU.