Novas formas de atuação do profissional de secretariado executivo Outros Idiomas

ID:
38930
Resumo:
O presente artigo trata das novas formas de atuação do profissional de Secretariado Executivo no mercado de trabalho. Para mapear e compreender essas novas formas foi traçado um paralelo descritivo entre as características de cada nova área de atuação. Para isto foi adotada a pesquisa aplicada, sendo classificada como exploratória e descritiva, por meio de uma pesquisa bibliográfica, com tratamento feito pela análise de conteúdo. A partir disso, foram trabalhados cinco critérios para o mapeamento dessas novas formas de atuação: definição e esclarecimentos de cada atuação; perfil profissional requerido; expectativas do mercado e locais onde podem ser encontradas tais demandas. Para o atendimento das finalidades do trabalho, foram abordadas as seguintes formas de atuação: Assessoria – tanto em sua gênese bem como em formas atuais de exercício da função, como home office, escritórios virtuais e pool secretarial, consultoria secretarial e a área cooperativista. As conclusões apontam que tais áreas são pouco exploradas, mas já é possível perceber uma movimentação dos profissionais do secretariado iniciando suas atividades nessas áreas.
Citação ABNT:
PAES, R. V. O.; ANTUNES, C. K. S.; SANTIAGO, C. S.; ZWIERZIKOWSKI, M. R. Novas formas de atuação do profissional de secretariado executivo. Revista de Gestão e Secretariado, v. 6, n. 1, p. 99-125, 2015.
Citação APA:
Paes, R. V. O., Antunes, C. K. S., Santiago, C. S., & Zwierzikowski, M. R. (2015). Novas formas de atuação do profissional de secretariado executivo. Revista de Gestão e Secretariado, 6(1), 99-125.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/38930/novas-formas-de-atuacao-do-profissional-de-secretariado-executivo/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Administradores. (2013). Cinco habilidades para se trabalhar em equipe. Recuperado em 5 de maio, 2014, de http://www.administradores.com.br/noticias/carreira/5-habilidades-fundamentaispara-se-trabalhar-em-equipe/77273/.

Albernaz, C. B. L. (2011). O secretário executivo como gatekeeper da informação. Tese de doutorado, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Barros, A J da S.; Lehfeld, N. A. de S. (2000). Fundamentos de metodologia científica: Um guia para a iniciação científica. (2a ed.) São Paulo: Makron Books.

Barros, C. M. P.; Barbosa, M. F. S.; Silva, J. S. da. (2012). Fundamentação da Gestão Secretarial: um estudo bibliométrico. Revista Gestão e Secretariado - GeSec. 3(2), 106-126. Recuperado em 9 agosto, 2013, de http://www.revistagesec.org.br/ojs2.3.8/index.php/secretariado/article/view/114/pdf_14#.UgzdW3-gyUV.

Barros, C. M. P.; Vasconcelos, L. S.; Silva, J. S. da; Brito, D. G. S.; Silva Filho, M. C. da. (2012). A virtualidade no mundo do trabalho: um estudo sobre a atuação do secretário executivo virtual. Revista Expectativa, XI(11). Recuperado em 31 agosto, 2013, de http://erevista.unioeste.br/index.php/expectativa/issue/view/436/showToc.

Block, P. (2013). Consultoria infalível: Um guia prático, inspirador e estratégico. (3a ed.) São Paulo: M. Books.

Bortolotto, M. F. P.; Willers, E. M. (2005). Profissional de Secretariado Executivo: explanação das principais características que compõem o perfil. Revista Expectativa, 4(4), 45-56. Recuperado em 2 agosto, 2013, de http://erevista.unioeste.br/index.php/expectativa/issue/view/105/showToc.

Castelo, M. J. (2007). A formação acadêmica e profissional do secretário executivo. Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, PR, Brasil.

Cervo, A. R.; Bervian, P. A. (2002). Metodologia científica. (5a ed.) São Paulo: Prentice Hall.

Cots, M. E. R. (2007). Cooperativa de trabalho: Tratamento tributário e função social. Curitiba: Juruá.

Crúzio, H de O. (2005). Como organizar e administrar uma cooperativa: Uma alternativa para o desemprego. (4a ed.) Rio de Janeiro: FGV.

D’Elia, B.; Amorim, M.; Sita, M. (2013). Excelência no Secretariado: a importância da profissão nos processos decisórios. São Paulo: Ser Mais.

Dale, E.; Urwick, L. F. (1971). Organização e assessoria. São Paulo: Atlas.

Décia, A. C. M. (2005). A Information Literacy na formação do neo-secretário executivo: um estudo de caso na Graduação de Secretariado/UFBA. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil.

Dicionário Michaelis. (s.d). Dicionário online. Recuperado em 14 de junho, 2013, de http://michaelis.uol.com.br/moderno/ingles/index.php?lingua=ingles-portugues&palavra=pool.

Durante, D. G. (2009). Gestão Secretarial: o desafio da visão holística. (Cap. 9, pp. 135-155). São Paulo: Viena.

Durante, D. G.; Santos, M. E. M. (2010). A autonomia do secretário: Uma questão de postura e valorização profissional. Secretariado Executivo em Revista, v. 6. Recuperado em 16 junho, 2013, de http://www.upf.br/seer/index.php/ser/article/view/2097/1313.

Financeiro, Internauta. (2012). O Mercado de Consultoria no Brasil. IG Finance: negócios e consultoria. Recuperado em 16 de junho, 2013, de http://www.igfinance.com.br/noticias-fotos-evideos/o-mercado-de-consultoria-no-brasil/.

Frigotto, G. (2002). Apresentação. In: Frigotto, G. Educação e crise do trabalho: perspectiva de final de século. 6a ed. Petrópolis, RJ: Vozes. (Coleção estudos culturais em educação.)

Garcia, E. V. (2000). Noções fundamentais para a secretária. São Paulo: Summus.

Gil, A. C. (1999). Métodos e técnicas de pesquisa social. (5a ed.). São Paulo: Atlas.

Gomes, A. R. (2007). Parceria entre o executivo e o profissional de secretariado. Mito ou realidade? Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil.

Grion, L. (2008). A nova secretária: Metacompetente, proativa, dinâmica. São Paulo: Madras.

Hopp, M. I. R. (1965). Conflitos entre assessores e administradores de linha. RAE - Revista de Administração de Empresas, 5(15), 105-114. Recuperado em 15 novembro, 2013, de http://rae.fgv.br/sites/rae.fgv.br/files/artigos/10.1590_S0034-75901965001500006.pdf.

Mazulo, R.; Liendo, S. (2010) Secretária: rotina gerencial, habilidades comportamentais e plano de carreira. São Paulo: Senac.

Medeiros, J. B.; Hernandes, S. (2012). Manual da Secretária. (12a ed.) São Paulo: Atlas.

Nasser, M. (2008). Socorro: Trabalho em pool!. A arte de secretariar. Recuperado em 14 de julho, 2013, de http://aartedesecretariar.blog.terra.com.br/2008/10/17/socorro-trabalho-em-pool/.

Nd. Decreto-lei 59, de 21 de novembro de 1966. Define a política nacional de cooperativismo, cria o Conselho Nacional do Cooperativismo e dá outras providências. Recuperado em 10 de maio, 2013, de http://www.ocb.org.br/site/cooperativismo/arquivos/DecretoLei59_1966.pdf. 1966.

Nd. Decreto 24.647, de 10 de julho de 1934. Revoga o decreto n. 22.239, de 19 de dezembro de 1932; Estabelece normas e princípios para a cooperação-profissional e para a cooperação social; faculta auxílios direitos e indiretos às cooperativas; e institui o Patrimônio dos Consórcios Patrimoniais Cooperativos. Recuperado 10 de maio, 2013, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1930-1949/D24647.htm. 1934.

Nd. Lei 5.764 de 16 de dezembro de 1971. (1971). Define a Política Nacional de Cooperativismo, institui o regime jurídico das sociedades cooperativas, e dá outras providências. Recuperado 20 de Junho, 2013, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l5764.htm.

ND. Lei n. 7.377 de 30 de setembro de 1985. (1985). Dispõe sobre o exercício da profissão de secretário e dá outras providências. Recuperado 10 de maio, 2013 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l7377consol.htm.

Nd. Lei n. 9261 de 10 de janeiro de 1996. (1996). Altera a redação dos incisos I e II do art 2°, o caput do art.3°, o inciso do VI do art. 4° e o parágrafo único do art. 6° da Lei n° 7.377, de 30 de setembro de 1985. Recuperado em 10 de maio de 2013, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9261.htm.

Nonato Jr, R. (2009). Epistemologia e teoria do conhecimento em secretariado executivo: a fundação das ciências da assessoria. Fortaleza: Expressão Gráfica.

Pati, C. (2012). As áreas que mais contratam em esquema de home office. Revista Exame. Recuperado em 14 de julho, 2013, de http://exame.abril.com.br/carreira/noticias/as-areas-quemais-contratam-em-esquema-de-home-office?page=2.

Pati, C. (2012). Quatro perfis de profissionais que não combinam com o home office. Revista Exame. Recuperado em 29 de junho, 2013, de http://exame.abril.com.br/carreira/noticias/4perfis-de-profissionais-que-nao-combinam-com-home-office?page=2.

Pereira, S. R. G.; Büllau, H. (2009). Escritórios virtuais: uma opção de prestação de serviços secretariais. In Durante, D.G.; Fávero, A. A, (org.). Gestão Secretarial: formação e atuação profissional. Passo Fundo: Universidade de Passo Fundo.

Possas, M. L. (n.d.) Os conceitos de mercado relevante e de poder de mercado no âmbito da defesa da concorrência. Recuperado em 10 de junho, 2013, de: http://www.ie.ufrj.br/grc/pdfs/os_conceitos_de_mercado_relevante_e_de_poder_de_mercado.pdf .

Rodrigues, A. G. (2002). O papel do consultor administrativo externo no fortalecimento do negócio. Belém, recuperado em 4 de julho, 20130, de http://www.planoauditoria.com.br/site/download/110908_monografia_adna.pdf.

Roesch, S. M. A. (1999). Projetos de estágio e de pesquisa em administração: guia para estágio, trabalhos de conclusão, dissertações e estudos de caso. (2a ed.). São Paulo: Atlas.

Sabino, R. F. (2006). A profissão de secretário executivo no Brasil: políticas para formação e emprego. Dissertação de Mestrado, Universidade São Marcos, Tatuapé, SP, Brasil.

Sabino, R. F.; Marchelli, P. S. (2009). O debate teórico-metodológico no campo do secretariado: pluralismos e singularidades. Cad. Ebape.Br, 7(4), 607-621. Recuperado em 14 outubro, 2011, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S167939512009000400006&lng=pt&nrm=iso.

Santos, C. V. dos; Caimi, F. E.(2009). Secretário executivo: formação, atribuições e desafios profissionais. In: Durante, D. G.; Fávero, A. A. (org.). Gestão secretarial: formação e atuação profissional. Passo Fundo, RS: Ed. Universidade do Passo Fundo.

Schirigatti, E. L.; Kasprzak, L. F. F. (2007). Home Office: origem, conceito e interferências sobre o significado social do novo modelo de trabalho flexível. Revista Científica de Administração e Sistema de Informação, 8(8). Recuperado em 14 de julho, 2013, de http://www.faculdadeexpoente.edu.br/upload/noticiasarquivos/1208992587.pdf..

Souza, I. F.; Silva Filho, G. A. (2010). Mercado de trabalho para o profissional de Secretariado Executivo no município de Cuiabá/MT. Anais do Simpósio de Excelência de Gestão e Tecnologia. Resende, RJ, Brasil, 7.

Tortorette, M. (2010). Trabalho em equipe: desenvolva esta habilidade. Catho. Recuperado em 30 de junho, 2013, de http://www.catho.com.br/carreira-sucesso/sem-categoria/trabalho-em-equipedesenvolva-esta-habilidade.

Vergara, S. C. (2007). Projetos e relatórios de pesquisa em administração. (9a ed.). São Paulo: Atlas.