Public relations and executive secretariat: interfaces of action in the field of organizational communication Other Languages

ID:
38934
Abstract:
Theoretical and methodological discussions in the field of Public Relations and the Executive Secretariat can be found in different scientific research (França, 2003; Kunsch, 2006; Nonato Jr., 2008; Sabino & amp; Marchelli, 2009; Oliveira, 2009). Exceptionally, there are also studies that address the peculiarities and similarities between the two areas (Leite, 2010; Werner; Oliveira, nd & Artico, 2013). This study aims to answering the concern: What are the existing professional performance interfaces between the profession of Public Relations and the Executive Secretary? The approach of this study is a qualitative one. Regarding the objectives and purposes, it is descriptive. Considering the means for achieving our goals, this is a bibliographic, discussed and documentary work. Finally, it was possible to identify four main common topics that include both occupations, namely: a) action based on technological change; b) inclusion in the the organization strategic environment; c) act on the use of assertive communication and, finally, d) the professional performance understood as complementary, since it allows an effective assistance to the board for decision making processes by the high organizational level.
ABNT Citation:
SOUZA, E. C. P.; FERREIRA, B. A. L.; VIANA, I. A. F. Relações públicas e secretariado executivo: interfaces de atuação no campo da comunicação organizacional. Revista de Gestão e Secretariado, v. 6, n. 1, p. 150-167, 2015.
APA Citation:
Souza, E. C. P., Ferreira, B. A. L., & Viana, I. A. F. (2015). Relações públicas e secretariado executivo: interfaces de atuação no campo da comunicação organizacional. Revista de Gestão e Secretariado, 6(1), 150-167.
Permalink:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/38934/public-relations-and-executive-secretariat--interfaces-of-action-in-the-field-of-organizational-communication/i/en
Document type:
Artigo
Language:
Português
References:
Artico, J. A. (2013). O Secretário Executivo com perfil de Relações Públicas. Revista de Gestão e Secretariado, 4(1), 126-138. Recuperado em 15 dezembro, 2014, de http://www.revistagesec.org.br/ojs-2.4.5/index.php/secretariado/article/view/90#.VLvaq8JdV1Y

Bíscoli, F. R. V.; Lotte, R. I. (2006). Reflexões teóricas sobre a importância da comunicação na profissão de secretariado executivo. Revista Expectativa: Secretariado Executivo, 5 (5), 157-172. Recuperado em 15 dezembro, 2014, de http://erevista.unioeste.br/index.php/expectativa/article/view/91

Brasil. (2005). Resolução n. 3, de 23 de junho de 2005. Brasília. Recuperado em 15 dez. 2014 de.

Brasil. (2013). Diretrizes Curriculares nacionais para os cursos de relações públicas. Resolução nº 02, de 27 de setembro de 2013. Brasília. Recuperado em 15 dez. 2014 de.

Bruyne, P.; Herman, J.; Schoutheete, M. (1991). Dinâmica da pesquisa em Ciências Sociais: os polos da prática metodológica. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves.

Cardoso, O. O. (2006) Comunicação empresarial versus comunicação organizacional: novos desafios teóricos. RAP, 40(6), 1123-1144. Recuperado em 15 dezembro, 2014, de http://www.scielo.br/pdf/rap/v40n6/10.pdf

Ferrari, M. A. (2003). Relações Públicas e a sua função estratégica. Anais do Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Belo Horizonte, MG, Brasil, 15.

Fonseca, J. J. S. (2002). Metodologia da pesquisa científica. [Apostila] Fortaleza: UEC.

França, F. (2003). Subsídios para o estudo do conceito de relações públicas no Brasil. Comunicação & Sociedade. Póscom-Umesp, 24(39), 127-154. Recuperado em 20 dezembro, 2014, de http://www.revistas.univerciencia.org/index.php/cs_umesp/article/viewFile/141/101.

Gelis Filho, A.; Blikstein, I. (2013). Comunicação assertiva e o relacionamento nas empresas. GVExecutivo, 12(2), 28-31. Recuperado em 14 janeiro 14, 2015, de http://rae.fgv.br/sites/rae.fgv.br/files/artigos/gv_v12n2_28-311.pdf

Gonçalves, J. E. L. (1994) Os impactos das novas tecnologias nas empresas prestadoras de serviços. Revista de Administração de Empresas, 34(1), 63-81. Recuperado em 15 janeiro, 2015, de http://www.scielo.br/pdf/rae/v34n1/a08v34n1

Grunig, J. E. (2003). A função das relações públicas na administração e sua contribuição para a efetividade organizacional e societal. Trad. de John Franklin Arce. Comunicação & Sociedade. Póscom-Umesp, 24(39), 67-92. Recuperado em 15 janeiro, 2015, de http://www.sinprorp.org.br/clipping/2007/artigogrunning.pdf

Iasbeck, L. C. (2009). Relações Públicas e Comunicação Organizacional: o lugar do texto e do contexto. Organicom, 6(10/11), 102-108. Recuperado em 15 janeiro, 2015, de http://www.eca.usp.br/departam/crp/cursos/posgrad/gestcorp/organicom/re_vista10-11/102.pdf

Kunsch, M. M. K. (1999) A pesquisa acadêmico-científica no campo das Relações Públicas e da comunicação organizacional no Brasil. In: Kunsch, M. M. K. Vinte anos de ciências da comunicação no Brasil. Santos: Universidade Santa Cecília.

Kunsch, M. M. K. (2006) Gestão das Relações Públicas na contemporaneidade e a sua institucionalização profissional e acadêmica no Brasil. Organicom, 3(5), 30-61. Recuperado em 15 janeiro, 2015, de http://revistaorganicom.org.br/sistema/index.php/organicom/article/view/70.

Leite, G. A. (2010) As Relações Públicas no Secretariado Executivo. Anais do Congresso de Ciências da Comunicação na Região Nordeste, Campina Grande, PB, Brasil, 10.

Mattar, F. N. (1999). Pesquisa de Marketing. (5a ed.). São Paulo: Atlas.

Minayo, M. C. S. (org.) (2001). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes.

Nd. Lei n° 5.377, de 11 de dezembro de 1976. (1976). Disciplina a Profissão de Relações Públicas e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Presidência da República.

Nd. Lei n° 7.377, de 30 de setembro de 1985. (1985). Dispõe sobre o exercício da profissão de secretário e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Presidência da República.

Nd. Lei n° 9.261, de 10 de janeiro de 1996. (1996). Altera a redação dos incisos I e II do art. 2º, o caput do art. 3º, o inciso VI do art. 4º e o parágrafo único do art. 6º da Lei 7.377, de 30 de setembro de 1985. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Presidência da República.

Nd. Resolução nº 2, de 27 de setembro de 2013. (2013). Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Relações Públicas. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Ministério da Educação.

Nd. Resolução nº 3, de 23 de junho de 2005. (2005). Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Secretariado Executivo e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília: Ministério da Educação.

Nonato Júnior, R. (2008). Epistemologia do Secretariado Executivo: por uma teoria do conhecimento em Secretariado. Anais do Congresso Nacional de Secretariado, Brasília, DF, Brasil, 12.

Oliveira, A. A. (2008). Relações Públicas no Brasil: a teorização das práticas. Revista Anagrama, 1(4), 1-16. Recuperado em 20 dezembro, 2014, de http://www.usp.br/anagrama/Oliveira_Relacoespublicas.pdf

Oliveira, P. R. N. O. (2010). O profissional de relações públicas no ambiente corporativo global. Organicom, 7(13), 26-33. Recuperado em 20 dezembro, 2014, de http://revistaorganicom.org.br/sistema/index.php/organicom/article/view/311/358

Polit, D. F.; Beck, C. T.; Hungler, B. P. (2004) Fundamentos de pesquisa em enfermagem: métodos, avaliação e utilização. (5a ed.). Trad. de Ana Thorell. Porto Alegre: Artmed.

Pontes, M. L. M. (2005). Comunicação e assertividade na Cravil no período de setembro a dezembro de 2003. Dissertação de Mestrado, Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil. Disponível em http://www.tede.udesc.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=49

Sabino, R. F.; Marchelli, P. S. (2009). O debate teórico-metodológico no campo do secretariado: pluralismos e singularidades. Cadernos Ebape.BR, 7(4), 617-621. Recuperado em 20 dezembro, 2014, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-39512009000400006

Sabino, R. F.; Rocha, F. G. (2004). Secretariado: do escriba ao web writer. Rio de Janeiro: Brasport.

Scroferneker, C. M. A. (2006). Trajetórias teórico-conceituais da Comunicação Organizacional. Revista Famecos, (31). Recuperado em 20 dezembro, 2014, de http://www.revistas.univerciencia.org/index.php/famecos/article/viewFile/1110/832

Strauss, A.; Corbin, J. (1998). Basics of qualitative research: techniques and procedures for developing Grounded Theory. 2 ed. Thounsand Oaks: Sage Publications.

Toledo, G. L.; Fortes, W. G. (1989) .Relações Públicas e Marketing: uma abordagem estratégica. Revista de Administração, 24(3), 3-10. Recuperado em 20 dezembro, 2014, de http://www.portal-rp.com.br/bibliotecavirtual/relacoespublicas/teoriaseconceitos/0271.pdf

Torquato, F. G. T. R. (1985). Marketing político e governamental: um roteiro para campanhas políticas e estratégias de comunicação. São Paulo: Summus.

Torquato, F. G. T. R. (2002). Tratado de comunicação organizacional e política. São Paulo: Pioneira Thompson Learning.

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.

Vergara, S. C. (2000). Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas.

Weber, M. H. (2009). Comunicação Organizacional, a síntese. Relações Públicas, a gestão estratégica. Organicom, 6(10/11), 70-75. Recuperado em 20 dezembro, 2014, de http://www.eca.usp.br/departam/crp/cursos/posgrad/gestcorp/organicom/re_vista10-11/70.pdf

Werner, A.; Oliveira, V. S. (n.d.). Relações Públicas e Secretariado Executivo: uma parceria de sucesso. Recuperado em 20 dezembro, 2014, de http://ava.grupouninter.com.br/tead/hyperibook/CCDD/Relacoes_Publicas/