O impacto das restrições financeiras na prática do conservadorismo contábil

ID:
39053
Resumo:
Objetivo – Este estudo investiga os efeitos das restrições financeiras na prática do conservadorismo em empresas brasileiras. Método – Uma amostra totalizando 1.086 observações de empresas brasileiras listadas na BM&FBovespa foi desenvolvida no período de 2000 a 2012. Na amostra, 106 observações foram classificadas em condição de restrições financeiras de acordo com os critérios relacionados a redução de distribuição de dividendos, alto volume de saldo de caixa e equivalentes de caixa e investimentos (redução de ativos imobilizados). Para investigar a relação entre restrições financeiras e o conservadorismo contábil foram utilizados os modelos de Basu (1997) e Ball e Shivakumar (2005). Fundamentação teórica – Para Whited (1992) e Kaplan e Zingales (1997) restrições financeiras ocorrem quando as empresas encontram dificuldades em obter recursos financeiros de fontes externas e o custo de captação de recursos aumenta. Kothari, Shu e Wysocki (2009) afirmam que o conservadorismo contábil contribui no monitoramento e na governança das empresas contribuindo para a redução do custo dos recursos tomados com terceiros. Resultados – Os resultados mostram que empresas com restrições financeiras adotam menos a prática do conservadorismo condicional em seus números contábeis. Em outras palavras, essas empresas evitam divulgar perdas na tentativa de acessar mais recursos externos, todavia aumentando a assimetria de informações. Contribuições – As evidências podem ser usadas por credores e reguladores para dar suporte a novas políticas de financiamento e monitoramento do risco das firmas por meio das demonstrações financeiras. Os resultados mostram que o conservadorismo condicional é afetado em empresas que estão em condição de restrições financeiras.
Citação ABNT:
DEMONIER, G. B.; ALMEIDA, J. E. F.; BORTOLON, P. M. O impacto das restrições financeiras na prática do conservadorismo contábil . Revista Brasileira de Gestão de Negócios, v. 17, n. 57, p. 1264-1278, 2015.
Citação APA:
Demonier, G. B., Almeida, J. E. F., & Bortolon, P. M. (2015). O impacto das restrições financeiras na prática do conservadorismo contábil . Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 17(57), 1264-1278.
DOI:
10.7819/rbgn.v17i57.2326
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/39053/o-impacto-das-restricoes-financeiras-na--pratica-do-conservadorismo-contabil-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Almeida, H.; Campello, M.; Weisbach, M. S. (2004). The cash flow sensitivity of fash. Journal of Finance, 59(4), 1777-1804.

Ball, R.; Shivakuar, L. (2005). Earnings quality in UK private firms: Comparative loss recognition timeliness. Journal of Accounting & Economics, 39(1), 83-128.

Basu, S. (1997). The conservatism principle and the asymmetric timeliness of earnings. Journal of Accounting and Economics, 24(1), 3-37.

Biddle, G. C.; Ma, M. L.; Song, F. M. (2012). Accounting conservatism and bankruptcy risk. Social Science Research Network

Chen, Y.; Huang, Y.; Chen, C. (2009). Financing constraints, ownership control, and cross-border m&as: evidence from nine east asian economies. Corporate Governance: An International Review, 17(6), 665-680.

Cleary, S. (1999). The relationship between firm investment and financial status. The Journal of Finance, 54(2), 234-270.

Costa, C. M.; Paz, L. S.; Funchal, B. (2008). Fluxo de caixa, ADRs e restrições de crédito no Brasil. Revista Brazilian Business Review, 5(2), 144-151.

Dechow,P.; Ge, W.; Schrand, C. (2010). Understanding earnings quality: A review of the proxies, their determinants and their consequences. Journal of Accounting and Economics, 50(2/3), 344-401.

Devereux, M.; Schiantarelli, F. (1990). Investment, financial factors and cash flow: evidence from UK panel data. Working Paper Nº 3116. The National Bureau of Economic Research. Chicago.

Fazzari, S.; Hurbard R. G.; Peterson, B. (1988). Financing constraints and corporate investment. Brooking Papers on Economic Activity, 1(2387), 141-195.

Gigler, F.; Kanodia, C.; Sapra, H.; Venugopalan, R. (2009). Accounting conservatism and the efficiency of debt contracts. Journal of Accounting Research, 47(3), 767-797.

Gilchrist, S.; Himmelberg, C. (1998). Investment, fundamentals and finance. National Bureau of Economic Research, 12(3), 221-242.

Holthausen, R. W.; Watts, R. L. (2001). The relevance of the value -relevance literature for financial accounting standard setting. Journal of Accounting & Economics, v. 31, p. 3-75.

Iudicibus, S. (2010). Teoria da contabilidade. 10 ed. São Paulo: Atlas.

Kaplan, S.; Zingales, L. (1997). Do financing constraints explain why investments is correlated with cash flow? Quarterly Journal of Economics, 112(1), 169-215.

Kothari, S. P.; Shu, S.; Wysocki, P. (2009). Do managers withhold bad news? Journal of Accounting Research, 47(1), 241-276.

Lamont, O.; Polk, C.; Saá-Requejo, J. (2001). Financial constraints and stock returns. The Review of Financial Studies, 14(2), 529-554.

Lee, K. B. J. (2010). The role of accounting conservatism in firms’ financial decisions. Research Science Research Network. Simgapore

Li, X. (2015). Accounting Conservatism and the Cost of Capital: International Analysis. Journal of Business Finance & Accounting. 42(5/6), 555-582.

Lopes, A. B. (2004). A informação contábil e o mercado de capitais. São Paulo: Thomson.

Myers, S. C.; Majluf, N. S. (1984). Corporate financing and investment decisions when firms have information that investors do not have. Journal of Financial Economics, 13(2), 187-221.

Paulo, E. (2007). Manipulação das informações contábeis: Uma análise teórica e empírica sobre os modelos operacionais de detecção de gerenciamento de resultados. (Tese de doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Pellicani, A. D.; Kalatzis, A. E. G. (2009). Ownership structure on overinvestment and underinvestment: Evidence from a panel of Brazilian firms. Anais do Encontro Brasileiro de Finanças, São Paulo, SP, Brasil, 12.

Sunder, S. (1997). Theory of accounting and control. South-Western Publishing, 8(4), 212-230.

Watts, R. L. (2003). Conservatism in accounting part 1: Explanations and implications. Accounting Horizons, 7(3), 207-221.

Watts, R. L.; Zimmerman, J. L. (1990). Positive accounting theory: A ten year perspective. The Accounting Review, 65(1), 131-156.

Whited, T. (1992). Debt, liquidity constraints, and corporate investment: Evidence from panel data. Journal of Finance, 47(4), 1425-1460.