Sentidos do Trabalho Apreendidos por meio de Fatos Marcantes na Trajetória de Mulheres Prostitutas Outros Idiomas

ID:
39076
Resumo:
O trabalho, que antes era visto apenas como meio de sobrevivência e acúmulo de riqueza, tornou-se uma das principais dimensões da vida humana, fazendo com que os indivíduos sejam identificados mediante as atividades que realizam. Assim, o trabalho adquiriu um novo sentido para os indivíduos, uma vez que a realização pessoal está intimamente relacionada ao seu reconhecimento perante a sociedade. Diversos estudos têm abordado o trabalho por meio dos sentidos que os trabalhadores atribuem à atividade que realizam, como é o caso da presente pesquisa que investiga os sentidos produzidos por uma categoria distante das profissões formais: as prostitutas. Nesse intuito, objetiva-se apreender os sentidos subjetivos produzidos por mulheres que atuam na prostituição, em boates do interior de Minas Gerais. Para tanto, buscou-se, inicialmente, contextualizar a prostituição como profissão, desvendar a trajetória das participantes e a inserção delas nessa atividade, e levantar os sentidos subjetivos relacionados ao trabalho na prostituição. Participaram da pesquisa seis prostitutas que trabalham em boates. O levantamento dos dados deu-se por meio de uma entrevista que focou especificamente um fato marcante na trajetória profissional dessas mulheres. Optou-se pelo estudo de natureza qualitativa baseada na epistemologia qualitativa (Rey, 2005), e as análises foram fundamentadas pela acepção de sentido subjetivo. Rey (2005) defende que, entre o pensamento e a linguagem, está a emoção e que, por isso, nem sempre os sentidos subjetivos podem ser captados nas expressões diretas do sujeito. Ao final, apreenderam-se sentidos subjetivos relacionados ao trabalho na prostituição que se relacionam a violência, aborto induzido, abandono, desconfiança, preconceito, discriminação, humilhação, medo, insegurança e solidão. A análise dos sentidos subjetivos das prostitutas perante o trabalho que realizam mostrou-se oportuna para o entendimento de aspectos importantes da relação entre as participantes da pesquisa e os sentidos que atribuem ao seu trabalho, e possibilitou evidenciar que as relações no espaço do trabalho estão permeadas por inúmeras outras que ocorrem em outros espaços sociais de atuação dos sujeitos.
Citação ABNT:
SILVA, K. A. T.; CAPPELLE, M. C. A. Sentidos do Trabalho Apreendidos por meio de Fatos Marcantes na Trajetória de Mulheres Prostitutas. Revista de Administração Mackenzie, v. 16, n. 6, p. 19-47, 2015.
Citação APA:
Silva, K. A. T., & Cappelle, M. C. A. (2015). Sentidos do Trabalho Apreendidos por meio de Fatos Marcantes na Trajetória de Mulheres Prostitutas. Revista de Administração Mackenzie, 16(6), 19-47.
DOI:
http://dx.doi.org/10.1590/1678-69712015/administracao.v16n6p19-47
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/39076/sentidos-do-trabalho-apreendidos-por-meio-de-fatos-marcantes-na-trajetoria-de-mulheres-prostitutas/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Abel, G. M. (2011). Different stage, different performance: the protective strategy of role play on emotional health in sex work. Social Science and Medicine, 72, 1177-1184.

Araujo, E. (2001). A arte da sedução: sexualidade feminina na colônia. Recuperado em 17 abril, 2012, de http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/.

Assis, D. T. F., & Macedo, K. B. (2008). Psicodinâmica do trabalho dos músicos de uma banda de blues. Revista Psicologia e Sociedade, 20, 117-124.

Codo, W., Soratto, L., & Vasques-Menezes, I. (2004). Saúde mental e trabalho. In J. C. Zanelli, J. E. Borges-Andrade & V. B. Bastos (Eds.). Psicologia, organizações e trabalho no Brasil (pp. 277-299). Porto Alegre: Artmed.

Del Priore, M. (2006). História do amor no Brasil. São Paulo: Contexto.

Dourado, D. P., Holanda, L. A., Silva, M. M. M., & Bispo, D. A. (2009). Sobre o sentido do trabalho fora do enclave de mercado. Cadernos Ebape.BR, 7(2), 350-367.

Ferreira Filho, B. R. (2009). Zona de batalha: os sentidos da prostituição. Profiscientia, 4, 15-36. Recuperado em 25 março, 2012, de www.profiscientia.ifmt.edu.br/index.php?option=com.

Figueiredo, L. (2001). Mulheres nas Minas Gerais. In M. Del Priore (Org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto.

Juliano, D. (2004). El peso de la discriminación debates teóricos y fundamentaciones. In R. Osborne (Ed.). Trabajadoras del sexo: derechos, migraciones y tráfico en el siglo XXI. (Cap. 1, pp. 43-55). Barcelona: Edicions Bellaterra.

Leite, G. (2009). Filha, mãe, avó e puta: a história de uma mulher que decidiu ser prostituta. Rio de Janeiro: Objetiva.

Madeiro, A. P., & Rufino, A. C. (2012). Aborto induzido entre prostitutas: um levantamento pela técnica de urna em Teresina – Piauí. Ciência & Saúde Coletiva, 17(7), 1735-1743.

Mendes, A. M. B. (2007). Psicodinâmica do trabalho: teoria, método, pesquisas. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Moraes, A. F. (1995). Mulheres da vila: prostituição, identidade social e movimento associativo. Petrópolis: Vozes.

Moreira, I. C. C. C., & Monteiro, C. F. S. (2012). A violência no cotidiano da prostituição: invisibilidades e ambiguidades. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 20(5), 954-960.

Morin, E. (1997). Le sens du travail pour des gestionnaires francophones. Revue Psychologie du Travail e des Organizations, 3, 26-45.

Morin, E. (2002). Os sentidos do trabalho. In: T. Wood. Gestão empresarial: o fator humano (pp. 13-34). São Paulo: Atlas.

Oliveira, M. Q. (2008). Prostituição e trabalho no baixo meretrício de Belo Horizonte: o trabalho da vida nada fácil. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Osborne, R. (1991). Las prostitutas: una voz propia (crónica de un encuentro). Barcelona: Icaria.

Perrot, M. (2007). Minha história das mulheres. São Paulo: Contexto.

Rey, G. F. L. (2003). Sujeito e subjetividade: uma aproximação histórico-cultural. São Paulo: Thomson Learning.

Rey, G. F. L. (2005). O valor heurístico da subjetividade na investigação psicológica. In G. F. L. Rey (Org.). Subjetividade, complexidade e pesquisa em psicologia (pp. 27-51). São Paulo: Thomson Learning.

Roberts, N. (1998). As prostitutas na história. Rio de Janeiro: Record.

Rosa, G. (2008). Prostituição globalizada. Recuperado em 2 abril, 2012, de http://amaivos.uol. com.br/amaivos09/noticia/noticia.asp?cod_noticia=10610&cd_canal=42.

Rossiaud, J. (1991). A prostituição na Idade Média. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Salomão, J. (2009). Formulações sobre os dois princípios do funcionamento mental. In: S. Freud. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. 14). Rio de Janeiro: Imago.

Scott, J. (1989). Gênero: uma categoria útil para análise histórica. Recife: SOS Corpo.

Silva, A. P., & Blanchette, T. G. (2008). Amor um real por minuto. Recuperado em 20 março, 2012, de http://www.sxpolitics.org/pt/wpcontent/uploads/2009/10/sexualidade-e-economia-thaddeusblanchette-e-ana-paula-da-silva.pdf.

Silva, K. A. T. (2011). “O lixo pode ser mais que lixo”: o sentido do trabalho para catadores de materiais recicláveis. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 35.

Soihet, R. (1997). História, mulheres, gênero: contribuições para um debate. In R. Soihet. Gênero e ciências humanas: história, mulheres, gênero: contribuições para um debate (pp. 94-114). Rio de Janeiro: Record.

Sousa, F. R. (2012). A noite também educa: compreensões e significados atribuídos por prostitutas à prática da prostituição. Tese de doutorado, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP, Brasil.

Trindade, W. R., & Ferreira, M. A. (2008). Sexualidade feminina: questões do cotidiano das mulheres. Texto e Contexto Enfermagem, Florianópolis, 17, 417-426.

Zeferino, R. (2002). Feminilidade e castração: seus impasses no discurso freudiano sobre a sexualidade feminina. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 5(1), 128-151.