Bem-Estar no Trabalho e Percepção de Sucesso na Carreira como Antecedentes de Intenção de Rotatividade Outros Idiomas

ID:
39078
Resumo:
O objetivo geral deste estudo foi analisar, interpretar e discutir as relações entre as percepções de sucesso na carreira, o bem-estar no trabalho e a intenção de rotatividade em trabalhadores da Região Sudeste do Brasil. Participaram desta pesquisa 500 trabalhadores que atuam no Estado de São Paulo, em organizações não governamentais, públicas e privadas. Como instrumento para coleta de dados foi utilizado um questionário de autopreenchimento composto de cinco escalas que mediram as variáveis da pesquisa. A presente pesquisa se propôs a apresentar, interpretar e discutir as relações entre as variáveis, como também testar as hipóteses referentes ao modelo conceitual proposto, por meio de uma pesquisa de natureza transversal com abordagem quantitativa, cujos dados coletados foram analisados por aplicação de técnicas estatísticas paramétricas (cálculos de estatísticas descritivas: médias, desvio padrão, teste t e correlações; cálculos de estatísticas multivariadas: análise de regressão linear múltipla stepwise e teste da normalidade das variáveis, por meio do teste de Kolmogorov-Smirnov). O tratamento e a análise dos dados foram realizados pelo software estatístico Statistical Package for the Social Science (SPSS), versão 18.0. Os resultados obtidos demonstraram que as dimensões de bem-estar no trabalho exercem forte e significativo impacto sobre a intenção de rotatividade dos profissionais, enquanto a percepção de sucesso na carreira contribuiu com valores baixos nesse impacto, devido ao formato do modelo hipotético. A pesquisa possibilitou concluir que quanto mais a empresa se preocupa em proporcionar um ambiente de trabalho que seja animador, interessante e que cause entusiasmo, menos os profissionais pensarão em deixá-la.
Citação ABNT:
AGAPITO, P. R.; POLIZZI FILHO, A.; SIQUEIRA, M. M. M. Bem-Estar no Trabalho e Percepção de Sucesso na Carreira como Antecedentes de Intenção de Rotatividade. Revista de Administração Mackenzie, v. 16, n. 6, p. 71-93, 2015.
Citação APA:
Agapito, P. R., Polizzi Filho, A., & Siqueira, M. M. M. (2015). Bem-Estar no Trabalho e Percepção de Sucesso na Carreira como Antecedentes de Intenção de Rotatividade. Revista de Administração Mackenzie, 16(6), 71-93.
DOI:
http://dx.doi.org/10.1590/1678-69712015/administracao.v16n6p71-93
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/39078/bem-estar-no-trabalho-e-percepcao-de-sucesso-na-carreira-como-antecedentes-de-intencao-de-rotatividade/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Albuquerque, A. S., & Tróccoli, B. T. (2004). Desenvolvimento de uma escala de bem-estar subjetivo. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 20, 153-164.

Bisquerra, R., Sarriera, J. C., & Martínez, F. (2004). Introdução à estatística: enfoque informático com o pacote estatístico SPSS. Porto Alegre: Artmed.

Brayfield, A. H., & Crockett, W. H. (1955). Employee attitudes and employee performance. Psychological Bulletin, 52, 396-424.

Brief, A., & Weiss, H. (2002). Organizational behavior: affect in the workplace. Annual Review of Psychology, 53, 279-307.

Busbin, J. W., Johnson, J. T., & DeConinck, J. (2008). The evolution of sustainable competitive advantage: from value chain to modular outsource networking. Competition Forum, 6, 103-108.

Campos, C. A., & Malik, A. M. (2008). Satisfação no trabalho e rotatividade dos médicos do programa de saúde da família. Revista de Administração Pública, 42, 347-368.

Cavazotte, F. S. C. N., Oliveira, L. B., & Miranda, L. C. (2010). Desigualdade de gênero no trabalho: reflexos nas atitudes das mulheres e em sua intenção de deixar a empresa. Revista de Administração, 45, 70-83.

Costa, L. (2011). A relação entre a percepção de sucesso na carreira e o comprometimento organizacional: um estudo entre professores de universidades privadas selecionadas da grande São Paulo. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Csikszentmihalyi, M. (1999). A descoberta do fluxo: a psicologia do envolvimento com a vida cotidiana. Rio de Janeiro: Rocco.

Csikszentmihalyi, M. (2003). Gestão qualificada: a conexão entre felicidade e negócio. Porto Alegre: Artmed.

Daniels, K. (2000). Measures of five aspects of affective well-being at work. Human Relations, 53, 275-294.

Davis, K., & Newstrom, J. W. (2002). Comportamento humano no trabalho: uma abordagem psicológica. São Paulo: Pioneira.

Dessen, M. C., & Paz, M. G. T. (2010). Validação do instrumento de indicadores de bem-estar pessoal nas organizações. Psicologia em Estudo, 15, 409-418.

Diener, E. (1984). Subjective well-being. Psychological Bulletin, 95, 542-575.

DiMaggio, P. J., & Powell, W. W. (1983). The iron cage revisited: institutional isomorphism and collective rationality in organizational fields. American Sociological Review, 48, 147-160.

Dutra, J. S. (2002). Gestão de pessoas: modelo, processos, tendências e perspectivas. São Paulo: Atlas.

Ferreira, M. L. C. B. (2001). Antecedentes de intenção de rotatividade: estudo de um modelo psicossocial. Dissertação de mestrado, Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo, SP, Brasil.

Gondim, S. M. G., & Siqueira, M. M. M. (2004). Emoções e afetos no trabalho. In J. C. Zanelli, J. E. Borges-Andrade & A. B. Bastos (Orgs). Psicologia, organizações e trabalho no Brasil (pp. 207-236). Porto Alegre: Artmed.

Gubman, E. L. (1998). The talent solution: aligning strategy and people to achieve extraordinary results. New York: McGraw-Hill.

Hair, J. F., Tatham, R. L., Anderson, R. E., & Black, W. (2005). Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman.

Herzberg, F., Mausner, B., Peterson, R. O., & Capwell, D. F. (1959). Job attitudes: review of research and opinion. Industrial and Labor Relations Review, 12, 320-322.

Hughes, E. C. (1937). Institutional office and the person. American Journal of Sociology, 43, 404-413.

Le Boterf, G. (2003). Desenvolvendo a competência dos profissionais. Porto Alegre: Bookman Artmed.

Lodahl, T. M., & Kejner, M. (1965). The definition and measurement of job involvement. Journal of Applied Psychology, 49, 23-33.

London, M., & Stumpf, S. A. (1982). Managing careers. Virginia: Addison Wesley Publishing Company.

Maynard, D. C., & Joseph, T. A. (2008). Are all part-time faculty underemployed? The influence of faculty status preference on satisfaction and commitment. Higher Education, 55, 135-154.

Medeiros, C. R. G., Junqueira, A. G. W., Schwingel, G., Carreno, I., Jungles, L. A., & Saldanha, O. M. F. L. (2010). A rotatividade de enfermeiros e médicos: um impasse na implementação da Estratégia de Saúde da Família. Ciência & Saúde Coletiva, 15, 1521-1531.

Menezes, I. G. (2009). Comprometimento organizacional: construindo um conceito que integre atitudes e intenções organizacionais. Tese de doutorado, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil.

Menezes, I. G., & Bastos, A. B. (2010). Propriedades psicométricas da escala de intenções comportamentais de permanência na organização (EICPO). Estudos e Pesquisas em Psicologia, 3, 800-817.

Mintzberg, H., & Lampel, J. (1999). Reflecting on the strategy process. Sloam Management Review, 40(3), 21-30.

Motta, R. (2006). Reflexões sobre a customização das carreiras gerenciais: a individualidade e a competitividade contemporâneas. In M. Balassiano & I. Costa (Orgs.). Gestão de carreiras: dilemas e perspectivas. São Paulo: Atlas.

Mowday, R. T., Steers, R. M., & Porter, L. W. (1979). The measurement of organizational commitment. Journal of Vocational Behavior, 14, 224-247.

Nunnally, J. C. (1975). Introductory statistics for psychology and education. New York: McGraw-Hill.

Paschoal. T., & Tamayo, A. (2008). Construção e validação da escala de bem-estar no trabalho. Avaliação Psicológica, 7, 11-22.

Polizzi Filho, A. (2011). O impacto de bem-estar no trabalho e de capital psicológico sobre intenção de rotatividade: um estudo com professores. Dissertação de mestrado, Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo, SP, Brasil.

Ryff, C. D., & Keyes, C. L. M. (1998). The structure of psychological well-being revisited. Journal of Personality and Social Psychology, 69, 719-727.

Siqueira, M. M. M. (1995). Antecedentes de comportamentos de cidadania organizacional: análise de um modelo pós-cognitivo. Tese de doutorado, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Siqueira, M. M. M. (2008). Medidas do comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico e de gestão. Porto Alegre: Artmed.

Siqueira, M. M. M. (2009). Bem-estar no trabalho. In J. Cruz, S. N. Jesus & C. Nunes (Org.). Bem-estar e qualidade de vida: contributos da psicologia da saúde (pp. 249-264). Leiria: Textiverso.

Siqueira, M. M. M., & Gomide, S., Jr. (2004). Vínculos do indivíduo com o trabalho e com a organização. In J. C. Zanelli, J. E. Borges-Andrade & A. B. Bastos (Orgs.). Psicologia, organizações e trabalho no Brasil (pp. 300-328). Porto Alegre: Artmed.

Siqueira, M. M. M., Gomide, S., Jr., Moura, O. I., & Marques, T. M. (1997). Um modelo pós-cognitivo para intenção de rotatividade: antecedentes afetivos e cognitivos. Resumo do Congresso Interamericano de Psicologia, São Paulo, SP, Brasil, 26.

Siqueira, M. M. M., & Padovam, A. R. (2008). Bases teóricas de bem-estar subjetivo, bem-estar psicológico e bem-estar no trabalho. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 24, 201-209.

Stewart, R., Volpone, S., Avery, D., & McKay, P. (2011). You support effects of diversity and ethical climate perceptions on turnover intentions. Journal of Business Ethics, 100, 581-593.

Suliman, A. A., & Al-Junaibi, Y. (2010). Commitment and turnover intention in the UAE oil industry. The International Journal of Human Resource Management, 21, 1472-1489.

Tamayo, A. (2000). Prioridades axiológicas e satisfação no trabalho. Revista de Administração, 35, 37-47.

Van Horn, J. E., Taris, T. W., Schaufeli, W. B., & Scheurs, J. G. (2004). The structure of occupational well-being: a study among Dutch teachers. Journal of Occupational and Organizational Psychology, 77, 365-375.

Vroom, H. (1964). Work and motivation. New York: Wiley.

Watson, D., Clark, L. A., & Tellegen, A. (1988). Development and validation of brief measures of positive and negative affect: the PANAS scales. Journal of Personality and Social Psychology, 54, 1063-1067.