Organizações e Ambiente Legal: A Construção do Sistema de Identificação Civil Brasileiro Outros Idiomas

ID:
39079
Resumo:
O presente artigo visa compreender a influência da articulação de organizações públicas e privadas, por meio da mobilização de recursos e estratégias de framing, no processo de construção social da Lei Federal n. 9.454/97, que instituiu o Registro Único de Identificação Civil brasileiro (RIC) no período de 1997 a 2011. O trabalho se fundamenta na ideia de que textos legais são passíveis de interpretações acerca de sua aplicabilidade, alcance e validade no campo organizacional, o que implica admitir diferentes concepções de legalidade. Para tanto, considera organizações públicas e privadas como agentes engajados na política de produção e manutenção de significados legais. A coleta dos dados considerou fontes documentais, tratadas longitudinalmente, e entrevistas semiestruturadas, de natureza seccional retrospectiva. Utilizou-se análise qualitativa de conteúdo, de base temática, a partir de categorias predefinidas e emergentes. O período considerado vai de 1997 a 2011, marcado pela lacuna entre a vigência legal e a vigência social da Lei Federal n. 9.454/97. Apesar dos interesses distintos, resultados evidenciaram o engajamento de organizações públicas e privadas com o compartilhamento de uma interpretação acerca da legalidade. Também foram constatadas ações que conflitavam com parâmetros institucionalizados e que contrariavam leis existentes – as quais foram legitimadas em função de sua aderência à noção de legalidade socialmente compartilhada. Conclui-se que noções de legitimidade e legalidade estão articuladas por meio do significado dado às leis e compartilhado entre os pares no campo organizacional. Nesse sentido, o trabalho favorece a aproximação de aspectos do institucionalismo organizacional e da sociologia do direito no tratamento do ambiente legal, como parte do contexto institucional das organizações.
Citação ABNT:
AKIYAMA, T. G. C.; ALMEIDA, V. E.; GODRI, L.; GUARIDO FILHO, E. R. Organizações e Ambiente Legal: A Construção do Sistema de Identificação Civil Brasileiro. Revista de Administração Mackenzie, v. 16, n. 6, p. 94-125, 2015.
Citação APA:
Akiyama, T. G. C., Almeida, V. E., Godri, L., & Guarido Filho, E. R. (2015). Organizações e Ambiente Legal: A Construção do Sistema de Identificação Civil Brasileiro. Revista de Administração Mackenzie, 16(6), 94-125.
DOI:
http://dx.doi.org/10.1590/1678-69712015/administracao.v16n6p94-125
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/39079/organizacoes-e-ambiente-legal--a-construcao-do-sistema-de-identificacao-civil-brasileiro/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Araújo, M. E. (1998). O projeto de registro de identidade civil RIC. Ministério da Justiça, Departamento de Polícia Federal, Academia Nacional de Polícia. Recuperado em 13 novembro, 2011, de www. papiloscopistas.org/RIC.doc.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Battilana, J., Leca, B., & Boxenbaum, E. (2009). How actors change institutions: towards a theory of institutional entrepreneurship. The Academy of Management Annals, 3(1), 65-107.

Benford, R. D., & Snow, D. A. (2000). Framing processes and social movements: an overview and assessment. Annual Review of Sociology, 26, 611-639.

Brinton, M. C., & Nee, V. (2001). The new institutionalism in sociology. Stanford: Stanford University Press.

Campbell, J. L. (2005). Where do we stand? Common mechanisms in organizations and social movements research. In G. F. Davis, D. McAdam, W. R. Scott & M. N. Zald (Eds.). Social movements and organization theory (pp. 41-68). New York: Cambridge University Press.

Casey, D., & Scott, C. (2011). The crystallisation of norms. Journal of Law and Society, 38(1), 76-95.

Contandriopoulos, D. (2010). On the nature and strategies of organized interests in health care policy making. Administration & Society, 43(1), 45-65.

Creswell, J. (2007). Projeto de Pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto (2a ed). Porto Alegre: Bookman.

Crubellate, J. M., Mendes, A. A., & Leonel, R. S., Júnior (2009). Ambiente regulativo, respostas estratégicas e qualidade de ensino superior em organizações de ensino superior(ies) do estado do Paraná. Revista de Administração da UFSM, 2(1), 116-129.

DiMaggio, P. J. (1988). Interest and agency in institutional theory. In L. G. Zucker (Org.). Institutional patterns and organizations (pp. 3-22). Cambridge: Ballinger.

Dobbin, F., & Sutton, J. R. (1998). The strength of a weak state: the employment rights revolution and the rise of human resources management divisions. American Journal of Sociology, 104(2), 441-476.

Edelman, L. B. (1990). Legal environments and organizational governance: the expansion of due process in the American workplace. American Journal of Sociology, 95(6), 1401-1440.

Edelman, L. B. (1992). Legal ambiguity and symbolic structures: organizational mediation of civil rights law. American Journal of Sociology, 97(6), 1531-1576.

Edelman, L. B., & Suchman, M. C. (1997). The legal environments of organizations. Annual Review of Sociology, 23, 479-515.

Edelman, L. B., Uggen, C., & Erlanger, H. S. (1999). The endogeneity of legal regulation: grievance procedures as rational myth. American Journal of Sociology, 105(2), 406-454.

Ewick, P., & Silbey, S. S. (2002). The structure of legality: the cultural contradictions of social institutions. In R. A. Kagan, M. Krygier, & K. Winston. Legality and community: on the intellectual legacy of Philip Selznick (pp. 149-166). Oxford: Rowman & Littlefield Publishers.

Ewick, P., & Silbey, S. S. (2005). After legal consciousness. Annual Review of Law and Social Science, 1, 323-368.

Fligstein, N. (2008). Fields, power, and social skill: a critical analysis of the new institutionalisms. International Public Management Review, 9(1), 227-252.

Grossmann, L. O. (2012). TSE coletará 70% das impressões para o RIC. Recuperado em 20 junho, 2012, de http://convergenciadigital.uol.com.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=23281&sid=11.

Guarido Filho, E. R. (2013). Regulação, legalidade e a articulação de organizações públicas e privadas no Brasil [Mimeo]. Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas Sociais, Curitiba, PR.

Hesse, K. (1991). A força normativa da constituição. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor

Kagan, R. A., Gunningham, N., & Thornton, D. (2003). Explaining corporate environmental performance: how does regulation matter? Law & Society Review, 37(1), 51-90.

Krygier, M. (2002). Selznick’s subjects. In R. A. Kagan, M. Krygier, & K. Winston. Legality and community: on the intellectual legacy of Philip Selznick (pp. 3-16). Oxford: Rowman & Littlefield Publishers.

Lawrence, T., & Suddaby, R. (2006). Institutions and institutional work. In S. R. Clegg, C. Hardy, T. B. Lawrence, & W. R. Nord (Eds.). Handbook of organization studies (pp. 215-254). London: Sage.

Machado-da-Silva, C. L., Fonseca, V. S., & Crubellate, J. M. (2005). Estrutura, agência e interpretação: elementos para uma abordagem recursiva do processo de institucionalização. Revista de Administração Contemporânea, 9 (ed. esp. n. 1), 9-39.

Machado, J. B. (2000). Introdução ao direito e ao discurso legitimador. Coimbra: Almedina.

Mahoney, J., & Thelen, K. (2010). A gradual theory of institutional change. In J. Mahoney & K. Thelen (Eds.). Explaining institutional change: ambiguity, agency, and power (pp. 1-37). Cambridge: Cambridge University Press.

Mawhinney, H. B. (2001). Theoretical approaches to understanding interest groups. Educational Policy, 15(1), 187-214.

Melo Júnior, J. A. C. C. (2007). A ação coletiva e seus intérpretes. Pensamento Plural, 1(1), 65-87.

Olson, M. (1999). A lógica da ação coletiva. São Paulo: Edusp.

Sarat, A. (2004). The Blackwell companion to law and society. Malden, MA: Blackwell.

Schooten, H., & Verschuuren, J. (2008). International governance and law: state regulation and non-state law. Massachusetts: Edward Elgar.

Scott, W. R. (2008). Institutions and organizations: ideas and interests (3rd ed.). Thousand Oaks: Sage.

Selznick, P. (1969). Law, society and industrial justice. New York: Russell Sage Foundation.

Simon, P. (2005). Menos juros mais empregos: mudar a política econômica para investir na área social. Brasília: Senado Federal.

Talesh, S. A. (2009). The privatization of public legal rights: how manufacturers construct the meaning of consumer law. Law & Society Review, 43(3), 527-562.

Tyler, T. R. (2006). Psychological perspectives on legitimacy and legitimation. Annual Review of Psychology, 57, 375-400.

Vaughan, D. (1998). Rational choice, situated action, and the social control of organizations. Law and Society Review, 32(1), 23-61.

Woo, W. (2009). R.I.C. Número único de identidade civil. Brasília, DF: Câmara dos Deputados.