Desistência de Cooperação em Redes Interorganizacionais: Reflexões Inspiradas na Ação Social Weberiana Outros Idiomas

ID:
39081
Resumo:
Estudos desenvolvidos acerca da cooperação interorganizacional enfatizam os motivos para se iniciar a cooperação, bem como o desenvolvimento de métricas para avaliar seus resultados, tendo os motivos da desistência pouca atenção teórica ou empírica. Nesse sentido, o objetivo do estudo reside em descrever a racionalidade subjacente aos motivos da desistência por parte de dirigentes de empresas, no sentido de manter a participação em redes interorganizacionais. Para tanto, realizou-se uma revisão do tema desistência da cooperação e dos mecanismos de cooperação em redes interorganizacionais, bem como dos motivos ou tipos de racionalidade presentes em decisões no âmbito social com base na tipologia da ação social weberiana. A lógica dessa construção consiste em evidenciar os motivos elencados pela literatura nacional e internacional para a desistência e constituir uma base teórica para entender o tipo de racionalidade presente em decisões de desistência da cooperação. Foi construído e tratado, por meio da análise de conteúdo, um corpus contemplando artigos publicados em eventos e periódicos nacionais, dissertação e tese, perfazendo dez estudos publicados entre 2003 e 2013. O procedimento para levantamento das obras contemplou consultas às bases scielo.org e periódicos Capes, efetuado por meio da seleção de estudos empíricos publicados no Brasil a respeito da temática desistência de cooperação. Como resultado, são evidenciados indícios tanto da presença da racionalidade formal instrumental quanto da racionalidade valorativa substancial nos relatos de desistência, destacando como seu motivo primordial o choque ou conflito cultural entre os participantes. Por essa evidência, as teorias que estudam a cultura devem ser adicionadas ao debate, em função de sua centralidade no entendimento de fenômenos relativos a tecnologias contemporâneas de gestão, complementando abordagens teóricas já utilizadas em pesquisas a respeito de redes de cooperação interorganizacionais que enfatizam uma visão linear e prescritiva, a exemplo do paradigma racional e econômico. Nesse sentido, o estudo contribui para o avanço na discussão sobre a desistência de cooperação em redes ao abordar a emergência de novas perspectivas teóricas, aportando o tema da racionalidade valorativa substancial sob o enfoque da abordagem cultural.
Citação ABNT:
XAVIER FILHO, J. L. J.; PAIVA JR., F. G.; SOUSA, S. A.; MEDEIROS, J. J. Desistência de Cooperação em Redes Interorganizacionais: Reflexões Inspiradas na Ação Social Weberiana. Revista de Administração Mackenzie, v. 16, n. 6, p. 159-189, 2015.
Citação APA:
Xavier Filho, J. L. J., Paiva Jr., F. G., Sousa, S. A., & Medeiros, J. J. (2015). Desistência de Cooperação em Redes Interorganizacionais: Reflexões Inspiradas na Ação Social Weberiana. Revista de Administração Mackenzie, 16(6), 159-189.
DOI:
http://dx.doi.org/10.1590/1678-69712015/administracao.v16n6p159-189
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/39081/desistencia-de-cooperacao-em-redes-interorganizacionais--reflexoes-inspiradas-na-acao-social-weberiana/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Alves, S. (2003). Racionalidade, carisma e tradição nas organizações empresariais contemporâneas. Recife: Editora Universitária da UFPE.

Andrigui, F. F., Hoffman, V. E., & Andrade, M. A. R. (2011). Análise da produção científica no campo de estudo das redes em periódicos nacionais e internacionais. Revista de Administração e Inovação, 8(1), 29-54.

Aquino, J. A. (2000). As teorias da ação social de Coleman e de Bourdieu. Humanidades e Ciências Sociais, 2(2), 17-29.

Balestrin, A., Verschoore, J. R., & Reyes, E., Junior (2010). O campo de estudo sobre redes de cooperação interorganizacional no Brasil. Revista de Administração Contemporânea, 14(3), 458-477.

Barcellos, P., Borella, M., Peretti, J., & Galelli, A. (2012). Insucesso em redes de cooperação: estudo multicasos. Revista Portuguesa e Brasileira de Gestão, 11(4), 49-57.

Barney, J. B., & Clark, D. N. (2007). Resource-based theory: creating and sustaining competitive advantage. New York: Oxford.

Bleeke, J., & Ernst, D. (2006). Colaborando para competir. In H. Mintzberg, J. Lampel, J. B. Quinn & S. Ghoshal, S. (Orgs.). O processo da estratégia (4a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Boehe, D., & Silva, K. M. da (2003, maio). Fatores que interferem na estratégia de desenvolvimento para rede de PMEs. Encontros de Estudos em Estratégia, Curitiba, PR, Brasil, 1.

Brouthers, K. D., Brouthers, L. E., & Wilkinson, T. J. (1995). Strategic alliances: choose your parents. Long Range Planning, 28(3), 18-25.

Busi, M., & Bititci, U. S. (2006). Collaborate performance management: present gaps and future research. International Journal of Productivity and Performance Management, 55(1), 7-25.

Canclini, N. G. (2003). Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade (4a ed.). São Paulo: Edusp.

Castro, M. de, Bulgacov, S., & Hoffmann, V. E. (2011). Relacionamentos interorganizacionais e resultados: estudo em uma rede de cooperação horizontal da região central do Paraná. Revista de Administração Contemporânea, 15(1), 25-46.

Child, J., Faulkner, D., & Tallman, S. (2005). Cooperative strategy: managing alliances, networks and joint ventures (2nd ed.). Oxford: Oxford Press.

Cohn, G. (2003). Crítica e resignação: Max Weber e a teoria social (2a ed.). São Paulo: Martins Fontes.

Coleman, J. S. (1994). Foundations of social theory. Cambridge: Harvard University Press.

Cunha, J. A. C., Passador, J. L., & Passador, C. S. (2012). A presença de agentes intermediadores na formação de redes interorganizacionais: uma análise sob a perspectiva temporal. Cadernos Ebape, 10(1), 108-128.

Durkheim, E. (1986). Le suicide. Paris: PUF. Durkheim, E. (2006). As regras do método sociológico. São Paulo: Martin Claret.

Dyer, J. H., & Singh, H. (1998). The relational view: cooperative strategy and sources of interorganizational competitive advantage. Academy of Management, 23(4), 660-674.

Foucault, M. (2000). A Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forence.

Franco, M. J. B. (2007). Tipologia de processos de cooperação empresarial: uma investigação empírica sobre o caso português. Revista de Administração Contemporânea, 11(3), 149-176.

Giddens, A. (2005). Sociologia (4a ed.). Porto Alegre: Artmed.

Giglio, E. M., & Hernandes, J. L. G. (2012). Discussões sobre a metodologia de pesquisa sobre redes de negócios presentes numa amostra de produção científica brasileira e proposta de um modelo orientador. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 14(42), 78-101.

Gnyawali, D. R., & Madhavan, R. (2001). Cooperative networks and competitive dynamics: a structural embeddedness perspective. Academy of Management Review, 26(3), 431-445.

Godoi, C. K. (2006). Perspectivas de análise do discurso nos estudos organizacionais. In C. K. Godoi, R. Bandeira-de-Mello & A. B. Silva (Orgs.). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva.

Grandori, A., & Soda, G. (1995). Inter-firm networks: Antecedents, mechanisms and forms. Organization Studies, 16(2), 183-214.

Grassi, R. A. (2003). Williamson e “formas híbridas”: uma proposta de redefinição do debate. Economia e Sociedade, 12(1), 43-64.

Gulati, R. (1998). Alliances and networks. Strategic Management Journal, 19, 293-317.

Gulati, R. (1999). Network location and learning: the influence of network resources and firm capabilities on alliance formation. Strategic Management Journal, 20, 397-420.

Gulati, R., Nohria, N., & Zaheer, A. (2000). Strategic networks. Strategic Management Journal, 21, 203-215.

Hall, S. (1997). A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Educação & Realidade, 22(2), 15-46.

Hsu, M., & Lin, F. (2014). The impact of motivational factors of participation in R&D Consortia on firm performance. Journal of Economics and Management, 10(2), 129-156.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2013). Estatística do cadastro central de empresas 2011. Rio de Janeiro: IBGE.

Jarillo, J. C. (1988). On strategic networks. Strategic Management Journal, 9, 31-41.

Johnson, R. (2004). O que é, afinal, estudos culturais? In T. T. Silva (Org.). O que é, afinal, estudos culturais? (3a ed., pp. 7-131). Belo Horizonte: Autêntica.

Jones, C., Hesterly, W. S., & Borgatti, S. P. (1997). A general theory of network governance: exchange conditions and social mechanisms. Academy of Management Review, 22, 911-945.

Kasa, V. P. (1999). Networks of alliance. Seminar in Business Strategy and International Business. Recuperado em 17 julho, 2013, de http://www.tuta.hut.fi/studies/Courses_and_schedules/.

Klein, L. L., & Pereira, B. A. D. (2012). Why do companies withdraw from cooperative process: contributions to the management of inter-organizational networks. Economia Global e Gestão, 17(3), 121-140.

Kumar, K. (2006). Da sociedade industrial à pós-moderna: novas teorias sobre o mundo contemporâneo (2a ed.). Rio de Janeiro: Zahar.

Lenz, G. S., Vinhas, A. P. L. C., & Hansen, P. B. (2007, maio). A influência dos mecanismos de coordenação no desempenho de redes horizontais de cooperação. Encontro de Estudos em Estratégia, São Paulo, SP, Brasil, 3.

Lima, P. E. da S. (2007). Redes interorganizacionais: uma análise das razões de saída das empresas parceiras. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil.

Lorange, P., & Roos, J. (1991). Analytical steps in the formation of strategic alliances. Journal of Organizational Change Management, 4(1), 60-72.

Maciel, C. O., & Reinert, M. (2011). Confiança e possibilidade de conflitos em redes estratégicas hierárquicas. Revista de Administração Mackenzie, 12(4), 182-208.

Mackay, H. (1997). Introdution. In H. Mackay (Org.). Consumption and everyday life (pp. 1-12). California: Sage.

Marchi, J. J., & Wittmann, M. L. (2008). Redes de empresas: uma análise das relações entre fatores sócio-comportamentais e desempenho competitivo. Revista Eletrônica de Administração (REAd), 14(2), 364-390.

Martín-Barbero, J. (2003). Dos meios às mediações: comunicação, Cultura e hegemonia (2a ed.). Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

Martins, G. A., & Theóphilo, C. R. (2009). Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas (2a ed.). São Paulo: Atlas.

Miles, R. E., & Snow, C. C. (1992). Causes of failure in networks organizations. California Management Review, 33(4), 54-73.

Moran, M. R., Souza, F. F. A., Boaventura, J. M. G., Marinho, B. L., & Fischmann, A. A. (2010). Alianças estratégicas: uma análise bibliométrica da produção científica entre 1989 e 2008. Revista de Ciências da Administração, 12(27), 63-85.

Muzzio, H., & Costa, F. J. (2012). Para além da homogeneidade cultural: a cultura organizacional na perspectiva subnacional. Cadernos Ebape, 10(1), 146-161.

New, S., & Mitropoulos, I. (1995). Strategic networks: morphology, epistemology and praxis. International Journal of Operations & Production Management, 15(11), 53-61.

Nhoria, N., & Eccles, R. (1992). Network and organizations: structure, form and action. Boston: Harvard Business School Press.

Nielsen, B. B. (2001). Synergies in strategic alliances: motivation and outcomes of complementary and synergistic knowledge networks. Recuperado em 13 março, 2010, de http://openarchive.cbs.dk/bitstream/ handle/10398/6615/wp4-2000.pdf?sequence=1.

Park, S. H., & Ungson, G. (2001). Interfirm rivalry and managerial complexity: a conceptual framework of alliance failure. Organization Science, 12(1), 37-53.

Parung, J., & Bititci, U. S. (2006). A conceptual metric for managing collaborative networks. Journal of Modelling in Management, 1(6), 116-136.

Peci, A. (2003). Estrutura e ação nas organizações: algumas perspectivas sociológicas. Revista de Administração de Empresas, 43(1), 24-35.

Pereira, B. A. D., Venturini, J. C., Wegner, D., & Braga, A. L. (2010). Desistência da cooperação e encerramento de redes interorganizacionais: em que momento essas abordagens se encontram? Revista de Administração e Inovação, 7(1), 53-69.

Pfeffer, J., & Salancik, G. (2003). The external control of organizations: a resource dependence perspective. Stanford: Stanford University Press.

Podolny, J. M., & Page, K. L. (1990). Network form of organization. Annual Review of Sociology, 24, 295-336.

Podolny, J. M., & Page, K. L. (1998). Network form of organization. Annual Review of Sociology, 24, 57-76.

Porter, M. E. (1979). How competitive forces shape strategy. Harvard Business Review, 57(1), 1-10.

Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia (2015). Programa de Cooperação lança rede de salões de beleza e estética. Recuperado em 21 maio, 2015, de http://www.rs.gov.br/ conteudo/216727/programa-de-cooperacao-lanca-rede-de-saloes-de-beleza-e-esteticas.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (2012). Mapeamento das centrais e redes de negócios – 2011. Brasília: Sebrae.

Simon, H. (1979). Comportamento administrativo: estudo dos processos decisórios nas organizações administrativas (3a ed.). Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas.

Souza, D. L., Medeiros, J. A. de L., Ferrugini, L., Castro, C. C., & Siqueira, M. (2013). Condicionantes negativos em rede de cooperação: um estudo de caso numa cooperativa agropecuária. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, 10(1), 579-589.

Tavares, W., Sousa, A. R., Miranda, A. R. A., & Avelar, A. E. S. (2009, setembro). As organizações em rede como mecanismo para a redução de custos de transação e ganhos de competitividade. Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, São Paulo, SP, Brasil, 33.

Thomson, A. M., & Perry, J. L. (2006). Collaboration process: inside the black box. Public Administration Review, (Special Issue), 66(56), 20-32.

Van Laere, K., & Heene, A. (2003). Social network as a source of competitive advantage for the firm. Journal of Workplace Learning, 15(6), 248-258.

Vasconcelos, F. C. (2004). Racionalidade, autoridade e burocracia: as bases para definição de um tipo organizacional pós-burocrático. Revista de Administração Pública, 38(2), 199-220.

Venturini, J. C. (2012). Discutindo fatores de dissolução de redes horizontais de micro, pequenas e médias empresas. Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Verschoore, J. R., & Balestrin, A. (2008). Fatores relevantes para o estabelecimento de redes de cooperação entre empresas do Rio Grande do Sul. Revista de Administração Contemporânea, 12(4), 1043-1069.

Weber, M. (1996). A ética protestante e o espírito do capitalismo (2a ed.). São Paulo: Pioneira.

Weber, M. (2000). Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Brasília: Editora UnB.

Wegner, D., Callado, A. L. C., & Maehler, A. E. (2011, agosto). Reflexões sobre avaliação de desempenho em redes interorganizacionais. Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais, São Paulo, SP, Brasil, 16.

Wegner, D., & Padula, A. D. (2012). Quando a cooperação falha: um estudo de caso sobre o fracasso de uma rede interorganizacional. Revista de Administração Mackenzie, 13(1), 145-171.

Wegner, D., Zen, A. C., & Andino, B. F. A. (2011). O último a sair apaga as luzes: um estudo de caso sobre os motivos para a desistência da cooperação e encerramento de redes de empresas. Revista de Negócios, 16(4), 30-50.

Wernerfelt, B. (1984). A resource-based view of the firm. Strategic Management Journal, 5(2), 171-180.

Williamson, O. E. (1987). Transaction cost economics: the comparative contracting perspective. Journal of Economic Behavior and Organization, 8, 617-625.

Wittmann, M. L., Negrini, F., & Venturini, T. (2003, setembro). Redes de empresas: alternativa competitiva para microempresas do setor de vestuário. Encontro Nacional de Engenharia de Produção, Ouro Preto, MG, Brasil, 23.

Xavier, J. L. J., Filho (2011). Desempenho em redes de colaboração interorganizacional: um estudo no segmento de autopeças. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil.

Yúdice, G. (2006). A conveniência da cultura: usos da cultura na era global. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Zaheer, A., & Bell, G. G. (2005). Benefiting from network position: firm capabilities, structural holes, and performance. Strategic Management Journal, 26, 809-825.

Zen, A. C., Dalmoro, M., & Fensterseifer, J. E. (2009, setembro). O desenvolvimento de recursos em redes interorganizacionais e o processo de internacionalização: o caso Wines from Brazil. Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, São Paulo, SP, Brasil, 33.

Zica, R. M. F., Martins, H. C., & Chaves, A. F. B. (2010, abril). Estrutura de redes empresariais de pequenos negócios: abordagens e alcance. Encontro de Estudos sobre Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, Recife, PE, Brasil, 6.

Zineldin, M. (2004). Co-opetition: the organisation of the future. Marketing Intelligence & Planning, 22(7), 780-790.