Entraves e perspectivas para a logística reversa do óleo lubrificante e suas embalagens Outros Idiomas

ID:
39171
Resumo:
Este artigo tem como objetivo discutir os principais desafios e perspectivas para a implantação da logística reversa do óleo lubrificante e suas embalagens. A metodologia privilegia a realização de entrevistas em profundidade com representantes das cadeias desses dois produtos e os resultados mostram que o avanço tecnológico permite hoje a geração de um óleo rerrefinado com propriedades superiores ao óleo virgem, representado ganhos econômicos e socioambientais, sendo possível observar também avanços em relação às embalagens. No entanto, questões como conflitos na cadeia reversa em relação à distribuição dos custos da coleta, a falta de soluções regionais para as atividades de reciclagem, a precária fiscalização, a ausência de incentivos tributários e o baixo interesse de fabricantes em modificar seus produtos e processos privilegiando a prevenção, desafiam a ampliação da atividade da logística reversa em larga escala no país.
Citação ABNT:
DEMAJOROVIC, J.; SENCOVICI, L. A. Entraves e perspectivas para a logística reversa do óleo lubrificante e suas embalagens. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, v. 4, n. 2, p. 83-101, 2015.
Citação APA:
Demajorovic, J., & Sencovici, L. A. (2015). Entraves e perspectivas para a logística reversa do óleo lubrificante e suas embalagens. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, 4(2), 83-101.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/39171/entraves-e-perspectivas-para-a-logistica-reversa-do-oleo-lubrificante-e-suas-embalagens/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Aguado, J.; Serrano, D. P.; San Miguel, G. (2007). European trends in the feedstock recycling of plastic wastes. Global NEST Journal, Mostoles, v. 9, n. 1, p. 12-19.

Andrade, E. M.; Ferreira, A. C.; Santos, F. C. A. (2009). Tipologia de sistemas de logística reversa baseada nos processos de recuperação de valor: três casos empresariais. In: SIMPÓSIO DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO, LOGÍSTICA E OPERAÇÕES INTERNACIONAIS, 12.; 2009, São Paulo. Anais eletrônicos... São Paulo: FGV-EAESP.

Associação Brasileira de Supermercados. (2013). Acordo setorial para a implantação de logística reversa de embalagens plásticas usadas de lubrificantes. São Paulo: ABRAS.

Atasu, A.; Wassenhove, L. (2012). Operations Perspective on Product Take-Back Legislation for E-Wast: Theory, Practice and Research Needs. Production and Operations Management, USA, v. 21, n. 3, p. 407-422.

Atasu, A.; Wassenhove, L.; Sarvary, M. (2009). Efficient Take-Back Legislation. Production and Operations Management, USA, v. 18, n. 3, p. 243-258.

Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social. (2014). Potencial de diversificação da indústria química brasileira. Relatório 3 - Óleos Lubrificantes. Rio de Janeiro. Disponível em: .Acesso em: 10 jun. 2014.

Bidoia, E. D.; Montagnolli, R. N.; Lopes, P. R. M. (2010). Microbial biodegradation potential of hycrocarbons evaluated by colorimetric technique: a case study. Formatex, Rio Claro, p. 1277-1288. Disponível em: .Acesso em: 05 jan. 2013.

Boughton, B.; Horvath, A. (2004). Environmental Assessment of Used Oil Management Methods. Environmental Science & Technology, v. 2, n. 38,p. 353-358.

BRAGA, S. S., Jr.; COSTA, P. R.; MERLO, E. M. (2006). Logística reversa como alternativa de ganho para o varejo: um estudo de caso em um supermercado de médio porte. In: IX SIMPÓSIO DA ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO, LOGÍSTICA E OPERAÇÕES INTERNACIONAIS, p. 5-7.; 2006, FGV-EAESP, São Paulo, Anais eletrônicos...São Paulo: SIMPOI.

BRASIL. Presidência da República. (2010). Lei 12.305 de 02 de agosto de 2010: Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Disponível em: .Acesso em: 24 abr. 2013.

Calcott, P.; Walls, M. (2005). Waste, recycling and “Design for Environment”: Roles for markets and policy instruments. Resource and Energy Economics, Washington DC, USA, n. 27, p. 287-305.

Canchumani, G. A. L. (2013). Óleos lubrificantes usados: um estudo de caso de avaliação de ciclo de vida do sistema de rerrefino no Brasil. Tese (Doutorado em Planejamento Energético) - COPPE, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Disponível em: .Acesso em: 29 mai. 2013.

Conselho Nacional de Meio Ambiente. (2005). Resolução CONAMA nº 362 de 23 de junho de 2005. Disponível em: .Acesso em: 14 nov. 2012.

Demajorovic, J.; Huertas, M. K. Z.; Boueres, J. A.; Silva, A. G. da.; Sotano, A. S. (2012). Logística reversa: como as empresas comunicam o descarte de baterias e celulares? Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 52, n. 2, p. 165-178.

Demajorovic, J.; Migliano, J. E. B. (2013). Política Nacional de Resíduos Sólidos e suas implicações na cadeia de logística reversa de microcomputadores no Brasil. Gestão & Regionalidade, São Paulo, v. 29, n. 87, p. 64-80.

Dias, S. D. (2012). O desafio da gestão de resíduos sólidos urbanos. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 11, n. 1, p. 16-20.

Freitas, H.; Cunha, M. V. M., Jr.; Moscarola, J. (1996). Pelo resgate de alguns princípios da análise de conteúdo: aplicação prática qualitativa em marketing. In: ENANPAD, 20.; 1996, Angra dos Reis, Anais eletrônicos...Angra dos Reis: ANPAD.

Gândara, G. M. F. (2000). Óleos lubrificantes minerais: uma análise das potencialidades de reutilização. 2000. Dissertação (Mestrado em Engenharia da Produção) - Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba. Disponível em: . Acesso em: 31.jan. 2013.

Giovanna, F. D. et al. (2003). Compendium of Used Oil Regeneration Technologies. United Nations Industrial Development Organization and International Centre For Science and High Technology, Trieste: 2003. Disponível em: . Acesso em: 12 ago. 2013.

Godoi, C. K.; Balsini, C. P. V. (2010). A pesquisa qualitativa nos estudos organizacionais brasileiro: uma análise bibliométrica. In: GODOI, C.K.; BANDEIRA-DE-MELLO, R.; SILVA, A. B. da (Orgs.). Pesquisa, estratégia e métodos. 2. ed. São Paulo: Saraiva, p. 53-87.

Guarnieri, P.; Kovaleski, J. L.; Stadler,C. C.; Oliveira, I. V. de. (2005). Caracterização da logística reversa no ambiente empresarial em suas áreas de atuação; pós-venda e pósconsumo agregando valor econômico e legal. Tecnologia & Humanismo, v. 19, p. 120-131.

Hsu, Y-Lung.; Liu, Chun-Chu. (2011). Evaluation and selection of regeneration of waste lubricating oil technology. Environ Monit Assess, Taipei, v. 176, n. 1/4, p. 197-212.

Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. (2008). Manual de procedimentos para fiscalização das atividades relacionadas a óleos lubrificantes usados ou contaminados: Resolução Conama 362/2005/ Diqua. Brasília: Ibama. Disponível em: . Acesso em: 05 jan. 2013.

Iserhardt, P. M. (2012). O incentivo fiscal empresarial como forma de proteção ao meio ambiente. Revista Eletrônica do Curso de Direito da UFSM, Santa Maria, v. 7, n. 2.

Joppert, N., Jr. (2008). A reciclagem das embalagens de óleos lubrificantes e a gestão ambiental: um modelo a ser construído. Dissertação (Mestrado em Engenharia Ambiental) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2013.

Kalnes, T. N.; Shonnard, D. R.; Schuppel, A. (2006). LCA of a Spent Lube Oil Re-refining Process. In: EUROPEAN SYMPOSIUM ON COMPUTER AIDED PROCESS ENGINEERING AND INTERNATIONAL SYMPOSIUM ON PROCESS SYSTEMS ENGINEERING, 16, 9.; v. 21, p. 713-718, 2006. Disponível em: .Acesso em: 15 fev. 2013.

Khelifi, O.; Giovanna, F. D.; Vranes, S.; Lodolo, A.; Miertus, S. (2006). Decision support tool for used oil regeneration technologies assessment and selection. Journal of Hazardous Materials, v. 137, n. 1, p. 437-442, 2006.

Lindhqvist, T. (2000). Extended Producer Responsibility in Cleaner Production. Policy Principle to Promote Environmental Improvements of Product Systems. Lund: The International Institute for Industrial Environmental Economics.

Mann, S. (2007). Ranking without valuing in the face of major uncertainty-The case of the promotion of biodegradable lubricants. Journal of Environmental Management, Ettenhausen, v. 85, n. 1, p. 198. 2003.

Mansano, J.; Oliveira, A. C. (2012). Inclusão social e a política nacional de resíduos sólidos. Revista Direito Público, Londrina, v. 7, n. 2, p. 17-40.

Mayers, C. (2007). Strategic, Financial, and Design Implications of Extended Producer Responsibility in Europe A Producer Case Study. Journal of Industrial Ecology, United Kingdom, v. 11, n. 3.

Moraes, R. (1999). Análise de conteúdo. Revista Educação, Porto Alegre, v. 22, n. 37, p. 732, 1999.

OECD. (2001), Extended Producer Responsibility: A Guidance Manual for Governments, OECD, Paris.

OECD. (2005). Analytical Framework for Evaluating the Costs and Benefits of Extended Producer Responsibility Programmes, OCDE, Paris.

Panda, A. K.; Singh, R. K.; Mishra, D. K. (2010). Thermolysis of waste plastics to liquid fuel. A suitable method for plastic waste management and manufacture of value added Products-A world prospective. Renewable and Sustainable Energy Reviews, v. 14, n. 1, p. 233-248.

Pires, A.; Martinho, G.; Chang, N. (2011). Solid waste management in European countries: A review of systems analysis techniques. Journal of Environmental Management, v. 92.n. 92, p. 1033-1050.

Programa Jogue Limpo. (2013). Como funciona o programa? Disponível em:
Ramadan, K. M. A.; Abdel Azeiz, A. Z.; Hassanien, S. E.; Eissa H. F. (2012). Biodegradation of used lubricating and diesel oils by a new yeast Candida viswanathi KA-2011. African Journal of Biotechnology, Cairo, v. 11, n. 77, p. 14166-14174.

Rogers, D.; Tibben-Lembke, R. (1998). Going Backwards: Reverse Logistics Trendsand Practices. Reverse Logistics Executive Council. University of Nevada. Center for Logistics Management, Reno. Disponível em: . Acesso em: 14 fev. 2013.

Sá-Silva, J. R.; Almeida, C. D.; Guindani, J. F. (2009). Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, v. 1, n. 1, jul.

Silveira, E. L. C.; Caland, L. B.; Moura, C. V. R.; Moura, E. M. (2006). Determinação de contaminantes em óleos lubrificantes usados e em esgotos contaminados por esses lubrificantes. Revista Quim. Nova, v. 29, n. 6, p. 1193-1197.

Sindicato Nacional da Indústria do Rerrefino de Óleos Minerais. (2012). Processo Industrial/Rerrefino. Disponível em: . Acesso em: 14 nov. 2012.

Sindicato Nacional de Empresas Distribuidoras de Combustíveis e de Lubrificantes. (2011). Logística Reversa de Embalagens Plásticas de Lubrificantes. Programa Jogue Limpo. In: CONGRESSO NACIONAL SIMEPETRO SÃO PAULO, 4.; 2011, São Paulo, Anais eletrônicos... São Paulo, 2011. Disponível em: . Acesso em: 16 maio.2013.

Slivnik, A.; Falvo, J. F.; Sato, N. K. (2012). Cooperativas de manejo de resíduos sólidos urbanos: apontamentos para uma política de geração de trabalho e renda. Revista ABET, v. 11, n. 1, jan. /jun. 2012.

Soares, C. L.; Oliveira, J. A.; Temoteo, M. C. (2011). Elevação da capacidade de gargalos; logística reversa na cadeia de rerrefino do óleo lubrificante usado. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E PROPRIEDADE INTELECTUAL: DESAFIOS DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NA CONSOLIDAÇÃO DO BRASIL NO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL, 31.; 2011, Belo Horizonte.; Anais eletrônicos... Belo Horizonte: 2011. Disponível em: http://www.abREPo.org.br/biblioteca/enegep2011_TN_STO_143_904_17998.pdfl. Acesso em: 28 dez. 2012.

Souza, M. T. S. de.; Paula, M. B. de.; Souza-Pinto, H. (2012). Papel das cooperativas de reciclagem no canais reversos pós-consumo. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 2, n. 2, p. 246-262. Disponível em: . Acesso em: 09 ago. 2013.

Thorpe, B.; Kruszewska, I.; Mcpherson, A. (2004). Extended Produced Responsibility: a waste management strategy that cuts waste, creates a cleaner environment and saves taxpayers money. Waste Manag Res. v. 25, n. 3, p. 227-233.

Toffel, M.; Stein, A.; Lee, K. (2008).Extending Producer Responsibility: An Evaluation Framework for Product Take-Back Policies. Harvard Business School Working Paper. v. 9, n. 26. Disponível em: . Acesso em: 15 set. 2015.

Tristão, J. A. M.; Sousa, J. V.; Tristão. (2005).Gestão Ambiental de Resíduos de Óleos Lubrificantes; o Processo de Rerrefino. In: EnANPAD, 29.; 2005, Brasília, Anais eletrônicos... Brasília: ANPAD. Disponível em: . Acesso em: 18 dez.2012.

Udonne, J. D. (2011). A comparative study of recycling of used lubrication Oils using distillation, acid and activated charcoal with clay methods. Journal of Petroleum and Gas Engineering, Lagos, v. 2, n. 2, p. 12-19.

Voss, B.; Pfitscher, E. D.; Rosa, F. S.; Ribeiro, M.S. (2013).Evidenciação Ambiental dos Resíduos Sólidos de Companhias Abertas no Brasil Potencialmente Poluidoras. Revista Contabilidade Financeira, São Paulo, v. 24, n. 62, p. 125-141.

Wagner, T. P. (2009). Shared responsibility for managing electronic waste: A case study of Maine, USA. Waste Management. v. 29, p. 3014-3021.

Walls, M. (2006) Extended producer responsibility and product design: economic theory and case studies. Washington. Resources for the future. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2014.