Iniciativas e práticas ambientais das pequenas e médias empresas do Vale do Caí - RS Outros Idiomas

ID:
39183
Resumo:
A necessidade de utilizar de maneira adequada e sustentável os recursos naturais do ambiente deve estar cada vez mais presente no cotidiano das pessoas, do poder público e das empresas. Diante disso, este estudo tem por objetivo analisar as iniciativas e práticas ambientais adotadas por um grupo de empresas estabelecidas no Vale do Caí, no estado do Rio Grande do Sul. Para atingir tal objetivo, foi realizada uma survey por meio de um questionário elaborado a partir do relatório “Indicadores Ethos para negócios sustentáveis e responsáveis” (Ethos, 2013). Os resultados indicam que grande parte das empresas pesquisadas manifesta preocupação com questões voltadas ao meio ambiente, como a geração e a destinação dos resíduos poluentes e a redução no consumo de energia. Além disso, destaca-se o fato de que apenas uma pequena parcela das empresas pesquisadas se preocupa com a redução no consumo da água.
Citação ABNT:
ECKERT, A.; CORCINI NETO, S. L. H.; BOFF, D. S. Iniciativas e práticas ambientais das pequenas e médias empresas do Vale do Caí - RS. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, v. 4, n. 1, p. 108-123, 2015.
Citação APA:
Eckert, A., Corcini Neto, S. L. H., & Boff, D. S. (2015). Iniciativas e práticas ambientais das pequenas e médias empresas do Vale do Caí - RS. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, 4(1), 108-123.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/39183/iniciativas-e-praticas-ambientais-das-pequenas-e-medias-empresas-do-vale-do-cai---rs/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Albertini, E. (2014). A descriptive analysis of environmental disclosure: a longitudinal study of French companies. Journal of Business Ethics, 121(2), 233-254.

Bachmann, R. K. B.; Carneiro, L. M.; Espejo M. M.S. B. (2013). Evidenciação de informações ambientais: proposta de um indicador a partir da percepção de especialistas. Revista de Contabilidade e Organizações, v.17, 36-47.

Barros, A.; Lehfeld, N. A. S. (2007). Fundamentos de metodologia científica. 3. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Betts, T. K.; Wiengarten, F.; Tadisina, S. K. (2015). Exploring the impact of stakeholder pressure on environmental management strategies at the plant level: what does industry have to do with it? Journal of Cleaner Production, v. 92, 282-294.

Bispo, C. A. F.; Cazarini, E. W. (2006). Avaliação qualitativa paraconsistente do processo de implantação de um sistema de gestão ambiental. Revista Gestão e Produção, 13(1), 117-127.

Borba, J. A.; Rover, S. (2006). A evidenciação das informações ambientais nas demonstrações contábeis das empresas que atuam no Brasil e que negociam na bolsa de valores dos Estados Unidos: uma análise das DFP´s (CVM) e do relatório 20-F (SEC). Congresso USP de Contabilidade e Controladoria. São Paulo.

Cintra, Y. C. (2011). A integração da sustentabilidade às práticas de controle gerencial das empresas no Brasil. Tese Doutorado em Controladoria e Contabilidade. Universidade de São Paulo, São Paulo.

CODEVARC – Conselho Regional de Desenvolvimento do Vale do Caí. (2010). Planejamento estratégico regional do Vale do Caí. São Sebastião do Caí, RS: [s.n].

Cooper, D. R.; & Schindler, P. S. (2003). Métodos de pesquisa em administração. 7. ed. Porto Alegre: Bookman.

Daroit, D.; Nascimento, L. F. (2000). A busca da qualidade ambiental como incentivo à produção de inovações. In: Encontro Anual da Anpad, 24, 2000, Florianópolis. Anais... Florianópolis: ANPAD.

Deegan, C. (2002). The legitimising effect of social and environmental disclosures: a theoretical foundation. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 15(3), 282-311.

Delmas, M.; Toffel, M. W. (2004). Stakeholders and environmental management practices: an institutional framework. Business Strategy and the Environment, [S.l.], 13(4), 209-222.

Donaire, D. (1999). Gestão ambiental na empresa. 2. ed. São Paulo: Atlas

Eckert, A. (2013). Teoria da contabilidade. 2. ed. São Paulo: Edipro.

Elkington, J. (1998). Partnerships from cannibals with forks: the triple bottom line of 21' century business. Environmental Quality Management, 8(1), 37-51.

Ethos, Instituto. (2013). Indicadores Ethos para negócios sustentáveis e responsáveis. Retrieved from: Acesso em: 04 out. 2013.

FEE – Fundação de Economia e Estatística do RS (2011). - Corede Vale do Caí. Retrieved from: http://www.fee.tche.br/sitefee/pt/content/resumo/pg_coredes_detalhe.php?corede=Vale+do+Ca%ED> Acesso em: 24 out.2013.

Feldmann, F. J.; Furriela, R. B. Los cambios climáticos globales y el desafío de la ciudadanía planetária. Acta Bioethica, VII(2). 2001.

Ferreira, M. C. (2013). Gestão ambiental: um estudo em empresas do setor sucroalcooleiro em Goiás. RPCA – Revista do Pensamento Contemporâneo em Administração. 7(3), 59-80.

Fombrun, C. J. (1996). Reputation: realizing value from the corporate image. Boston: Harvard Business Press.

Gamba, C.; Ribeiro, W. C. (2013). A encruzilhada brasileira na ordem ambiental internacional das mudanças climáticas. Revista Estudos Avançados, 27(78). DOI: S010340142013000200012.

Herrero, L. M. J. (2001). Desarrollo sostenible y economía ecológica: integración medio ambiente-desarrollo y economia-ecológia. Madrid-España: Sintesis.

Hubbard, G. (2009). Measuring organizational performance: beyond the triple bottom line. Business Strategy and the Environment, v. 19, 177-191.

Hunt, C. B.; Auster, E. R. (1990). Proactive environmental management: avoiding the toxic trap. Sloan Management Review, EUA: Putnam, Hayes & Bartlett, Winter

Lewis, B. W.; Walls, J. L.; Dowell, G. W. (2014). Difference in degrees: CEO characteristics and firm environmental disclosure. Strategic Management Journal, 35(5), 712-722.

Lima Filho, R. N.; Bruni, A. L.; Gomes, S. M. S. (2013). A compreensão dos estudantes sobre o conceito de Passivo Ambiental: um estudo nos cursos de Ciências Contábeis em Salvador – BA. Revista do Pensamento Contemporâneo em Administração, 7(1), 108-121.

Martendal, A.; Vieira, E. M. F.; Uhlmann, V. O.; Pfitscher, E. D. (2013). Contabilidade ambiental: nível de conhecimento dos profissionais contábeis da grande Florianópolis. Enfoque Reflexão Contábil, 32(1), 29-47.

May, T. (2004). Pesquisa social: questões, métodos e processos. 3. ed. Porto Alegre: Artmed.

Moreno, E.; Pol, E. (1999). Nociones psicosociales para la intervención y la gestión ambiental. Monografies Socio/Ambientals, 14. Barcelona: Publicacions Universitat de Barcelona.

Nossa, V. (2002). Disclosure ambiental: uma análise do conteúdo dos relatórios ambientais de empresas do setor de papel e celulose em nível internacional. Tese Doutorado em Controladoria e Contabilidade. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Oliveira, A. B. S. (2011). Métodos da pesquisa contábil. São Paulo: Atlas.

Paiva, P. R. (2003). Contabilidade ambiental: evidenciação dos gastos ambientais com transparência e focada na prevenção. São Paulo: Atlas.

Pol, E. (2003). A gestão ambiental, novo desafio para a psicologia do desenvolvimento sustentável. Estudos de Psicologia, 8(2), 235-243.

Richardson, R. J. (1989). Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas.

Rohrich, S. S.; Cunha, J. C. (2004). A proposição de uma taxonomia para análise da gestão ambiental no Brasil. RAC, 8(4), 81-97, out./dez.

Santos, P. M. F.; Porto, R. B. (2013). A gestão ambiental como fonte de vantagem competitiva sustentável: contribuições da visão baseada em recursos e da teoria institucional. Revista de Ciências da Administração, 15(35).

Schaltegger, S.; Benett, M.; Burritt, R. (eds.). (2006). Sustainability, accounting and reporting. Dordrecht: Springer.

Severo, L. S.; Pedrozo, E. A. (2008). A citricultura orgânica na região do Vale do Caí (RS): racionalidade substantiva ou instrumental? RAM – Revista de Administração Mackenzie, 9(2).

Silva, J. C. T.; Silva, M. S. T.; Manfrinato, J. W. S. (2005). Correlação entre gestão da tecnologia e gestão ambiental nas empresas. Revista Produção, 15(2), 198-220, maio/ago.

Storey, D. J. (2003). Entrepreneurship, small and medium sized enterprises and public policies. In: Audretsch, D.B.; Acs, Z.J. (Eds). Handbook of Entrepreneurship Research, 473-511. Kluwer Academic Publishers. Boston: MA.

Tinoco, J. E. P.; Robles, L.T. (2006). A contabilidade da gestão ambiental e sua dimensão para a transparência empresarial: estudo de caso de quatro empresas brasileiras com atuação global. RAP, 40(6), 1077-96. Rio de Janeiro.

UCS – Universidade de Caxias do Sul. (2013). - Instituto de Materiais Cerâmicos é referência no setor. Retrieved from: http://www.ucs.br/site/ucs/tplNoticias/noticias/1 330976523/. Acesso em: 24 nov. 2013.

Viegas, C.; Fracasso, E. M. (1998). Capacidade tecnológica e gestão de resíduos em empresas de calçados do Vale dos Sinos: estudo de dois casos. Revista de Administração Contemporânea, 2(2), 41-62.