A Inteligência Organizacional como Instrumento de Autoavaliação em Instituições de Ensino Superior Outros Idiomas

ID:
39271
Resumo:
Com o aprimoramento dos instrumentos de avaliação das instituições de ensino superior brasileiras nas últimas décadas e as crescentes exigências regulatórias quanto à qualidade do ensino e autogestão, estas instituições precisam encontrar meios para aprimorar seus processos avaliativos por meio da aplicação de ferramentas que efetivamente auxiliem sua gestão institucional frente a essas exigências. A inteligência organizacional é um macro processo que, apoiado pela inteligência de negócios e pelas tecnologias de informação, provê às instituições de ensino a capacidade de observar sua real situação e, assim, tomar as decisões necessárias para se orientar continuamente rumo aos objetivos estabelecidos no seu planejamento estratégico. Este artigo mostra como instituições de ensino podem aplicar esse macroprocesso em sua gestão institucional para alcançar inovações que assegurem evolução na qualidade de ensino oferecida. Por meio de um estudo de caso, é apresentado um possível caminho para assegurar essas inovações, e, consequentemente, contribuir para consolidar seu conceito junto à sociedade.
Citação ABNT:
COBBE, P. R. C. O.; BALANIUK, R.; FERNEDA, E.; PRADO, H. A. A Inteligência Organizacional como Instrumento de Autoavaliação em Instituições de Ensino Superior. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, v. 5, n. 2, p. 111-126, 2015.
Citação APA:
Cobbe, P. R. C. O., Balaniuk, R., Ferneda, E., & Prado, H. A. (2015). A Inteligência Organizacional como Instrumento de Autoavaliação em Instituições de Ensino Superior. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 5(2), 111-126.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/39271/a-inteligencia-organizacional-como-instrumento-de-autoavaliacao-em-instituicoes-de-ensino-superior/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BALANIUK, R. et al. Predicting Evasion Candidates in Higher Education Institutions. Lecture Notes in Computer Science, v. 6918, p. 143-151, 2011.

BRASIL. Lei nº 9.131, de 24 de novembro de 1995. Altera dispositivos da Lei nº 4.042, de 20 de dezembro de 1961, e dá outras providências. Brasília, 1995. 1961.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 1996

BRASIL. Ministério da Educação. Avaliação Externa das Instituições de Educação Superior, Diretrizes e Instrumentos. Brasília: Ministério da Educação, 2006.

BRASIL. Ministério da Educação. Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância. Brasília: Ministério da Educação, 2012. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_superior/avaliacao_cursos_graduacao/instrumentos/2012/instrumento_com_alteracoes_maio_12.pdf. Acesso em: 15 out. 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Instrumento de Avaliação Institucional Externa. Brasília: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), 2010. Disponível em: http://download.inep. gov. br/download/superior/institucional/2010/instrumento_avaliacao_institucional_externa_recredenciamento.pdf. Acesso em: 15 nov. 2014. 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Instrumento de Avaliação Institucional Externa. Brasília: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), 2014. Disponível em: http://download.inep. gov.br/educacao_superior/avaliacao_institucional/instrumentos/2014/instrumento_institucional.pdf. Acesso em: 15 nov. 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Instrumentos de avaliação de cursos de graduação. Brasília: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), 2010-2012. Disponível em: http://portal.inep. gov. br/superior-condicoesdeensinomanuais. Acesso em 15 nov. 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Resumo Técnico: Censo da Educação Superior 2008 (Dados Preliminares). Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), 2009. Disponível em: http://www.inep. gov. br/superior/censosuperior/relatorio_tecnico.htm. Acesso em: 17 nov. 2010. 2009.

BRASIL. Ministério da Educação. SINAES – Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior: da concepção à regulamentação. 5. ed. Brasília: Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), 2009.

BRASIL. Presidência da República – Grupo de trabalho interministerial. Bases para o enfrentamento da crise emergencial das universidades brasileiras e roteiro para a reforma da universidade brasileira. Brasília, 2003.

CHOO, C. W. Information Management for the Intelligent Organization. The Art of Scanning the Environment. 3. ed. Medford: Information Today, 2002.

COBBE, P. R. Inteligência organizacional no apoio à gestão acadêmica de IES privadas . 2013. Dissertação (Mestrado em Gestão do Conhecimento e Tecnologia da Informação) - Universidade Católica de Brasília, Brasília, 2013.

CRESWELL, John W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 3. ed. Artmed: Porto Alegre, 2010.

DATA WAREHOUSING INSTITUTE. Business Intelligence. 2012. Disponível em: http://tdwi.org/portals/business-intelligence.aspx. Acesso em: 02 maio 2012.

GUENTHER, T. W.; SCHMIDT, U. Adoption and Use of Management Controls in Higher Education Institutions. In: WELPE, I.M. et al. (Eds.) Incentives and Performance. [S.l.]: Springer International Publishing, 2015. p. 361-378.

MARTINS, A.; FERNEDA, E.; MARTINS, F. Inteligência das organizações: a organização das inteligências. Brasília: Universa, 2008.

MENEGHEL, S. M.; ROLB, F.; SILVA, T. T. F. A relação entre avaliação e regulação na Educação Superior: elementos para o debate. Educar, n. 28, p. 89-106, 2006.

MORESI, E. A. D. Inteligência Organizacional: um referencial integrado. Ciência da Informação, Brasília, v. 30, n. 2, p. 35-46, maio/ago. 2001. Disponível em: www.scielo.br/pdf/ci/v30n2/6210.pdf. Acesso em: 04 jun. 2010.

MOSS, L. T.; ATRE, S. Business Intelligence Roadmap: The Complete Project Lifecycle for Decision-Support Applications. Boston: Addison Wesley, 2003.

PENN STATE. Undergraduate Advising Handbook: Grades and Grade-Point Average. The Pennsylvania State University, May, 2015. Disponível em: http://handbook.psu.edu/content/grades-and-grade-point-average. Acesso em: 01 maio 2015.

PIERSON, G. W. A Yale Book of Numbers: Historical Statistics of the College and University, 1701 – 1979. [S.l.]: Yale University, 1983.

QLIK. QlikView Overview. Disponível em: http://www.qlik.com/us/explore/products/qlikview. Acesso em: 01 maio 2015.

RISTOFF, D. Avaliação institucional: pensando princípios. In: DIAS SOBRINHO, José; BALZAN, Newton César. (Org.). Avaliação Institucional: teoria e experiências. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

SILVA, A. L.; GOMES, A. M. Avaliação institucional no contexto do Sinaes: a CPA em questão. Avaliação, v. 16, n. 3, p. 573-601, nov. 2011.

SVEIBY, K. E. A nova riqueza das organizações. Tradução Luiz Euclydes Trindade Frazão Filho. 6. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1998.