Memória Organizacional como Forma de Preservação do Conhecimento Outros Idiomas

ID:
39273
Resumo:
Distintos conteúdos informacionais têm sido produzidos pelas organizações, entretanto muitos conteúdos têm se perdido. Isso pode ser resultado da inexistência de mecanismos que possam gerenciálos e preservá-los eficazmente para o futuro acesso e disseminação. De acordo com esse panorama, surge a necessidade de se estudar e analisar a importância da criação de uma estrutura de memória organizacional, que possibilite o registro, a preservação e a disseminação do conhecimento que tem sido produzido pelos participantes do Arranjo Produtivo Local de Tecnologia de Informação de Londrina e região. Como objetivo geral do trabalho, pretendeu-se analisar de que maneira a memória organizacional se constitui em espaços empresariais, especificamente em arranjos produtivos locais. Como métodos de pesquisa, utilizaram-se o Estudo de Caso, de Robert Yin (2005), e a Análise de Conteúdo de Laurence Bardin. Como resultados, destacaram-se: os participantes da pesquisa consideram importante a estruturação de uma memória organizacional, com vistas ao registro e preservação da informação e conhecimento por eles produzidos; a informação e conhecimento por eles demandados são parcialmente supridos, visto que ainda não existe uma estrutura, de base tecnológica, que auxilie no registro e preservação; o acesso à informação útil e de qualidade é uma das principais vantagens em se participar do APL, ou seja, a informação tem muito valor para os participantes.
Citação ABNT:
MOLINA, L. G.; VALENTIM, M. L. P. Memória Organizacional como Forma de Preservação do Conhecimento. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, v. 5, n. 2, p. 147-169, 2015.
Citação APA:
Molina, L. G., & Valentim, M. L. P. (2015). Memória Organizacional como Forma de Preservação do Conhecimento. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 5(2), 147-169.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/39273/memoria-organizacional-como-forma-de-preservacao-do-conhecimento/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALMEIDA, M. B. Um modelo de ontologias para representação da memória organizacional. 2006. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação – Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, 2006.

AQUINO, A. L.; BRESCIANI, L. P. Arranjos produtivos locais: uma abordagem conceitual. Organizações em contexto, v. 1, n. 2, dez. 2005.

AUN, M. P.; CARVALHO, A. M. A.; KROEFF, R. L. Aprendizagem coletiva em arranjos produtivos locais: um novo ponto para as políticas publica de informação. Disponível em: http://www.rpbahia.com.br/biblioteca/pdf/AdrianeMariaArantesDeCarvalho.pdf. Acesso em: 13 jul.2011.

BARBOSA, A. A. A memória institucional como possibilidade de comunicação organizacional: o caso do exército brasileiro. 188f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social – Faculdade de Comunicação Social, PUCRS, 2010. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/cp125527.pdf. Acesso em: 04 ago. 2011. 2010.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 3. ed. 223p. Lisboa: Edições 70, 2004.

BNDES. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. Arranjos produtivos locais e desenvolvimento. Disponível em: http://www.bndes.gov.br/conhecimento/seminario/apl.pdf. Acesso em: 20 jul.2007.

CAPORAL, R.; VOLKER, P. (Orgs.). Metodologia de desenvolvimento de APLs: projeto PromorSebrae-BID: versão 2.0. 292p. Brasília: SEBRAE, 2004.

CARVALHO, M. A. D. de. Instrumentos de apoio financeiro específicos a empresas localizadas em arranjos produtivos locais: um estudo de caso do APL de Nova Friburgo. 55f. 2005. Dissertação (Mestrado em Administração Pública) – Fundação Getúlio Vargas (FGV), Rio de Janeiro, 2005.

CASTELLS, M. A era da informação: economia, sociedade e cultura: a sociedade em rede: I volume. 8. ed. 698p. São Paulo: Paz e Terra, 2005.

CONFEDERAÇÃO Nacional da Indústria. Agrupamento (clusters) de pequenas e médias empresas: uma estratégia de industrialização local. Brasília: CNI, Conselho de Política Industrial e Desenvolvimento Tecnológico; Rio de Janeiro: CNI, COMPI, 1998. 38p. Disponível em: http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_24/2012/09/05/234/20121126143412675905a.pdf. Acesso em: 15 mar. 2012. 1998.

CRIPPA, G. Memória: geografias culturais entre história e ciência da informação. In: MURGUIA MARANON, E. I. (Org.). Memória: um lugar de diálogo para arquivos, bibliotecas e museus. p. 79-110. São Carlos: Compacta, 2010.

DAVID, P. A.; FORAY, D. Una introducción a la economía y a la socieda del saber. Revista Internacional de Ciências Sociales, n. 171, mar. 2002. Disponível em: http://www.oei.es/salactsi/david.pdf. Acesso em: 26 jul. 2012. 2002.

DODEBEI, V L D L de M.; GOUVEIA, I. Memória do futuro no ciberespaço: entre lembrar e esquecer. Rio de Janeiro, DataGramaZero: Revista de Ciência da Informação, Rio de Janeiro, v. 9, n. 5, out. 2008. Disponível em: http://www.dgz.org.br/out08/Art_02.htm. Acesso em: 10 out. 2011. 2008.

DOUGLAS, M. Como as instituições pensam. 141 p. São Paulo: EDUSP, 2007.

FARAH JUNIOR, M. F.; BRITO, A. M. de; BRITO, A. M. de. Arranjos produtivos locais e a experiência do Paraná. In: SIMPÓSIO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 13.; 2006, Bauru. Anais... Bauru: UNESP, 2006.

FENTRESS, J.; WICKHAM, C. Memoria social. 262p. Madrid: Cátedra, 2003.

FLICK, U. Métodos de pesquisa: introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. 405p. Porto Alegre: Artmed, 2009.

GAMMACK, J. G.; STEPHENS, R. A. Knowledge acquisition as a situated process: implications for information systems design. 1998. Disponível em: http://www.it.murdoch.edu.au/research/working_papers/it9803.doc. Acesso em: 10 nov. 2011. 1998.

GEUS, A. de. A empresa viva: como as organizações podem aprender a prosperar e se perpetuar. 6. ed. 210p. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

HOFFMANN, W. A. M. Gestão do conhecimento: desafios a aprender. 188p. São Carlos: Compacta, 2009.

HOLANDA, A. B. de. Memória e esquecimento na ciência da informação: um estudo exploratório. 2011. 142f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2011.

JOHNSON, D. J. Gestão de redes de conhecimento. 440p. São Paulo: SENAC, 2011.

LAPLANE, M. F.; CASSIOLATO, J. E.; M. H. LASTRES. Projeto política brasileira de ciência, tecnologia e inovação: a Lei de Inovação e o Sistema Nacional de C&T&I: Nota Técnica Final, 2007. 141p. Disponível em: www.cgee.org.br/atividades/redirect.php?idProduto=3989. Acesso em: 1 fev. 2012. 2007.

LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E. Mobilizando conhecimentos para desenvolver arranjos e sistemas produtivos e inovativos locais de micro e pequenas empresas no Brasil. Brasília: SEBRAE, 2005. Disponível em: http://redesist.ie.ufrj.br/glossario.php. Acesso em: 7 ago. 2007. 2005.

LE GOFF, J. História e memória. 5. ed. Campinas: UNICAMP Editora, 2003.

LEHNER, F.; MAIER, R. K. How can organization memory theories contribute to organizational memory systems? Information Systems Frontiers, v. 2, n. 3/4, p. 277-298, 2000.

MACEDO, N. A. M. Criando uma arquitetura de memória corporativa baseada em um modelo de negócio. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Informática – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ), Rio de Janeiro, 2003.

MENEZES, E. M. de. Estruturação da memória organizacional de uma instituição em iminência de evasão de especialistas: um estudo de caso na COHAB. 2006. Dissertação (Mestrado em Gestão do Conhecimento e Tecnologia da Informação) Universidade Católica de Brasília, Brasília, 2006.

MINAYO, M. C. S. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 8.ed. Petrópolis: Vozes, 1998.

MOLINA, L. G. Portais corporativos: tecnologia de informação e comunicação aplicadas a gestão da informação e do conhecimento em empresas de Tecnologia de Informação. Marília: Unesp, 2008. 211f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) Universidade Estadual Paulista, Marilia, 2008.

NASCIMENTO, N. M. do; VALENTIM, M. L. P. A relação entre os estudos de tipologia documental e o processo decisório. In: VALENTIM, M. L. P. (Org.). Estudos avançados em arquivologia. Marília: Oficina Universitária; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012. p. 291-308.

NEVES, J. L. Pesquisa qualitativa: características, usos e possibilidades. Caderno de Pesquisas em Administração, São Paulo, v. 1, n. 3, p. 1-5, 2ºsem. 1996.

NORONHA, E. G.; TURCHI, L. Política industrial e ambiente institucional na análise de arranjos produtivos locais. Brasília: IPEA, 2005. (Texto para discussão n°. 1076). Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/TDs/td_1076.pdf. Acesso em: 15 mar. 2012.

PEREZ-SOLTERO, A. Memória organizacional baseada em casos. Revista de Ciência e Tecnologia Política e Gestão para a Periferia, v. 6, n. 1, p. 22-39, 2002.

PROBST, G.; RAUB, S.; ROMHARDT, K. Gestão do conhecimento: os elementos construtivos do sucesso. 286p. Porto Alegre: Bookman, 2002.

SANTOS, M. S. dos. Memória coletiva e teoria social. São Paulo: Annablume, 2003.

SIMÃO, H. E. Memória organizacional. Disponível em: www.batebyte.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=1716. Acesso em: 26 abr.2010.

SIQUEIRA, M. C. Gestão estratégica da informação. 158p. Rio de Janeiro: Brasport, 2005.

SPILLER; A.; PONTES, C. C. C. Memória organizacional e reutilização do conhecimento técnico em uma empresa do setor eletroeletrônico no Brasil. RBGN, São Paulo, v. 9, n. 25, p. 96-108, set./dez. 2007.

STEIN, E.W. Organizational Memory: review of concepts and recommendations for management. International Journal of Information Management, v. 15, n. 1, p. 17-32, 1995.

SUZIGAN, W. Identificação, mapeamento e caracterização estrutural de arranjos produtivos locais no Brasil: Relatório consolidado. São Paulo: IPEA/DISET, 2006. 56p. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/sites/000/2/estudospesq/apls/Relat_final_IPEA28fev07.pdf. Acesso em: 4 set. 2011. 2006.

TEIXEIRA COELHO NETTO, J. Semiótica, informação e comunicação. 6. ed. 217 p. São Paulo: Perspectiva, 2003.

TROITIÑO-RODRIGUEZ, S. M. A tipologia documental como instrumento para a seriação de documentos. In: VALENTIM, M. L. P. (Org.). Estudos avançados em arquivologia. Marília: Oficina Universitária; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012. p. 243-258.

TSUJIGUCHI, F. Y.; CAMARA, M. R. G. da. Aprendizado e inovação na rede de micro e pequenas empresas de software de Londrina. In: CAMARA, M. R. G. da; CAMPOS, M. de F. S. de S.; SEREIA, V. J. Características e potencialidades das aglomerações de Software no Paraná. Londrina: EDUEL, 2009. p. 49-69.

YAGUI, L. M. Memória organizacional: proposta para implantação em uma instituição de ensino superior. 2003. Dissertação (Mestrado) Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2003.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. ed. 212p. Porto Alegre: Bookman, 2005.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4. ed. 248p. Porto Alegre: Bookman, 2010.