Insider Trading: Como a CVM Atuou entre 2000 e 2013 para Inibir Essa Prática? Outros Idiomas

ID:
39290
Periódico:
Resumo:
A prática de insider trading é considerada ilegal na maioria dos países, inclusive no Brasil, cabendo à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) investigar e punir tal crime. O objetivo desta pesquisa é identificar como a CVM atuou entre os anos 2000 e 2013 para inibir o insider trading no país. Para atingir o objetivo do trabalho, foi realizada uma análise de todos os Processos Administrativos Sancionadores (PAS) julgados pela CVM, no período de 2000 a 2013, referentes ao tema. Foram encontrados 39 processos que tiveram alguma relação com o crime de insider trading, envolvendo 201 indiciados. Ao todo, mais de R$ 51 milhões em multas foram aplicadas pela CVM. Por fim, conclui-se que é importante que tal prática seja combatida no Brasil, e que novos mecanismos sejam criados para auxiliar as investigações da CVM, como por exemplo, a oferta de uma recompensa financeira para que as pessoas denunciem os crimes decorrentes do uso indevido de informação privilegiada, como nos Estados Unidos.
Citação ABNT:
FARIAS, R. A. S.; FREITAS, M. M.; VICENTE, E. F. R. Insider Trading: Como a CVM Atuou entre 2000 e 2013 para Inibir Essa Prática? . Reuna, v. 20, n. 4, p. 27-50, 2015.
Citação APA:
Farias, R. A. S., Freitas, M. M., & Vicente, E. F. R. (2015). Insider Trading: Como a CVM Atuou entre 2000 e 2013 para Inibir Essa Prática? . Reuna, 20(4), 27-50.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/39290/insider-trading--como-a-cvm-atuou-entre-2000-e-2013-para-inibir-essa-pratica---/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BARBEDO, C. H.; SILVA, E. C.; LEAL, R. P. C. Probabilidade de informação privilegiada no mercado de ações, liquidez intra-diária e níveis de governança corporativa. Revista Brasileira de Economia, v. 63, n. 1, p. 51-62, 2009.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 1. ed. Lisboa: Edições 70, 2010.

BASTOS, L. E. A. F. Eficácia dos mecanismos de repressão ao insider trading. Revista de Direito da Advocef, v. 17, n. 1, p. 135-152, 2013.

BEUREN, I. M.; LONGARAY, A. A.; RAUPP, F. M.; SOUSA, M. A. B.; COLAUTO, R. D.; PORTON, R. A. B. Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

BHARATH, S. T.; PASQUARIELLO, P.; WU, G. Does asymmetric information drive capital structure decisions? The review of financial studies, v. 22, n. 8, p. 3211-3243, 2008.

BHATTACHARYA, U.; DAOUK, H.; JORGENSON, B.; KEHR, C. When an event is not an event: the curious case of an emerging market. Journal of Financial Economics, Rochester, v. 55, n. 1, p. 69-101, 2000.

BHATTACHARYA, U.; DAOUK, H. The world price of insider trading. Journal of Finance, v. 57, n. 1, p. 75-108, 2002.

BRASIL. Lei Complementar nº 105, de 10 de janeiro de 2001. Dispõe sobre o sigilo das operações de instituições financeiras e dá outras providências. 2001. Disponível em: http://www.receita.fazenda.gov.br/legislacao/LeisComplementares/2001/leicp105.ht m. Acesso em 13 Out. 2014. 2001.

BRASIL. Lei Federal nº 6.385, de 7 de dezembro de 1976. Dispõe sobre o mercado de valores mobiliários e cria a Comissão de Valores Mobiliários. 1976. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6385.htm. Acesso em 13 Out. 2014. 1976.

BRASIL. Lei Federal nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976. Dispõe sobre as Sociedades por Ações. 1976. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6404consol.htm. Acesso em 13 Out. 2014. 1976.

BRASIL. Lei nº 10.303, de 31 de outubro de 2001. Altera e acrescenta dispositivos na Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976, que dispõe sobre as Sociedades por Ações, e na Lei nº 6.385, de 7 de dezembro de 1976, que dispõe sobre o mercado de valores mobiliários e cria a Comissão de Valores Mobiliários. 2001. Disponível em http://www.cvm.gov.br/port/atos/leis/lei10303.asp. Acesso em: 15 Out. 2014. 2001.

BRASIL. Lei nº 9.457, de 05 de maio de 1997. Altera dispositivos da Lei º 6.404, de 15 de dezembro de 1976, que dispõe sobre as sociedades por ações e da Lei nº 6.385, de 07 de dezembro de 1976, que dispõe sobre o mercado de valores mobiliários e cria a Comissão de Valores Mobiliários. Disponível em http://www.cvm.gov.br/port/atos/leis/leis1.asp. Acesso em: 15 Out. 2014. 1997.

CAMARGOS, M. A.; ROMERO, J. A. R.; BARBOSA, F. V. Análise empírica da prática de insider trading em processos de fusões e aquisições recentes na economia brasileira. Revista de Gestão USP, v. 15, n. 4, p. 55-70, 2008.

CARVALHOSA, M. Comentários à lei de sociedades anônimas. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 1998.

COHEN, L.; MALLOY, C.; POMORSKI, L. Decoding insider information. The Journal of Finance, v. 67, n. 1, p. 1009-1043, 2012.

COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS (CVM). Convênios. 2015. Disponível em: http://www.cvm.gov.br/convenios/index.html. Acesso em: 17 Out. 2015.

COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS (CVM). CVM e MPF obtêm a primeira sentença penal condenatória por insider trading no Brasil. 2011. Disponível em: http://www.cvm.gov.br/noticias/arquivos/2011/20110218-2.html. Acesso em: 17 Out. 2015. 2011.

COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS (CVM). Instrução CVM nº 31, de 08 de fevereiro 1984. Dispõe acerca da divulgação e do uso de informações sobre ato ou fato relevante relativo às companhias abertas. Disponível em www.cvm.gov.br/asp/cvmwww/Atos/Atos/inst/inst031.doc. Acesso em: 16 Out. 2014. 1984.

COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS (CVM). Instrução CVM nº 358, de 03 de janeiro de 2002. Dispõe sobre a divulgação e uso de informações e outros. Disponível em www.cvm.gov.br/asp/cvmwww/Atos/Atos/inst/inst358consolid.doc. Acesso em: 16 Out. 2014. 2002.

COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS (CVM). Instrução CVM nº 538, de 23 de outubro de 2013. Altera a Instrução CVM nº 483, de 06 de julho de 2010, que dispõe sobre a atividade de analista de valores mobiliários. 2013. Disponível em www.cvm.gov.br/asp/cvmwww/Atos/Atos/inst/inst538.doc. Acesso em: 16 Out. 2014. 2013.

COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS (CVM). O que é a CVM? Rio de Janeiro, 2014.

COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS (CVM). Relatório Anual de 2009. Rio de Janeiro, 2009.

COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS (CVM). Relatório Anual de 2013. Rio de Janeiro, 2013.

CZIRAKI, P.; GEIJ, P.; RENNEBOOG, L. Corporate governance rules and insider trading profits. Review of Finance, v. 18, n. 1, p. 67-108, 2014.

EASLEY, D.; HVIDKJAER, S.; O’HARA, M. Is information risk determinant of asset returns? The Journal of Finance, v. 57, n. 1, p. 2185-2221, 2002.

EIZIRIK, N. Insider trading e responsabilidade de administrador de companhia aberta. Revista de Direito Mercantil, Industrial, Econômico e Financeiro, v. 22, n. 50, p. 42-56, 1983.

FAMA, E. F. Efficient capital markets: a review of theory and empirical work. The Journal of Finance, v. 25, n. 2, p. 383-417, 1970.

FAMA, E. F. Efficient capital markets II. The Journal of Finance, Aldan, v. 46, n. 5, p. 1575-1617, 1991.

FIDRMUC, J. P.; GOERGEN, M.; RENNEBOOG, L. Insider trading, news releases, and ownership concentration. The Journal of Finance, v. 61, n. 6, p. 2931-2973, 2006.

GARFINKEL, J. A. New evidence on the effects of federal regulations on insider trading: The Insider Trading and Securities Fraud Enforcement Act (ITSFEA). Journal of Corporate Finance, v. 3, n. 2, p. 89-111, 1997.

GIRÃO, L. F. A. P.; MARTINS, O. S.; PAULO, E. Avaliação de empresas e probabilidade de negociação com informação privilegiada no mercado brasileiro de capitais. Revista de Administração, v. 49, n. 3, p. 462-475, 2014.

GIVOLY, D.; PALMON, D. Insider trading and the exploitation of inside information: some empirical evidence. The Journal of Business, v. 58, n. 1, p. 69-87, 1985.

GOSHEN, Z.; PARCHOMOVSKY, G. The essential role of securities regulation. Duke Law Jornal, v. 55, n. 4, p. 711-782, 2006.

GROSSMAN, S. J.; STIGLITZ, J. E. On the impossibility of informationally efficient markets. The American Economic Review, v. 70, n. 3, p. 393-408, 1980.

HALLQVIST, B. Código das melhores práticas de governança corporativa o conselho de administração. Revista de Administração, v. 35, n. 2, p. 72-76, 2000.

LANGEVOORT, D. Insider trading and the fiduciary principle: a post-chiarella restatement. California Law Review, v. 70, n. 1, p. 1-53, 1982.

LELAND, H. E.; PYLE, D. H. Information asymmetries, financial structure, and financial intermediation. The Journal of Finance, v. 32, n. 1, p. 371-387, 1977.

MARTINS, O. S.; PAULO, E.; ALBUQUERQUE, P. H. M. Negociação com informação privilegiada e retorno das ações na BM&FBovespa. Revista de Administração de Empresas, v. 53, n. 4, p. 350-362, 2013.

MARTINS, O. S.; PAULO, E. A probabilidade de negociação com informação privilegiada no mercado acionário brasileiro. Revista Brasileira de Finanças, v. 11, n. 2, p. 249-280, 2013.

MARTINS, O. S.; PAULO, E. A probabilidade de negociação com Informação Privilegiada no mercado acionário brasileiro. Revista Brasileira de Finanças, v. 11, n. 2, p. 249-280, 2013.

MARTINS, O. S.; PAULO, E. Assimetria de informação na negociação de ações, características econômico-financeiras e governança corporativa no mercado acionário brasileiro. Revista Contabilidade & Finanças, v. 25, n. 64, p. 33-45, 2014.

MEDEIROS, O. R.; MATSUMOTO, A. S. Brazilian market reaction to equity issue announcements. Revista Administração Contemporânea, v. 9, n. 2, p. 0-10, 2005.

MÜSSNICH, F. A. M. A utilização desleal de informações privilegiadas insider trading no Brasil e nos Estados Unidos. Revista de Direito Mercantil, Industrial, Econômico e Financeiro, v. 18, n. 34, p. 31-51, 1979.

MYERS, S. C.; MAJLUF, N. S. Corporate financing and investment decisions when firms have information that investors do not have. Journal of Financial Economics, v. 13, n. 2, p. 187-221,1984.

OLIVEIRA, N. S. T. R. Insider Trading: Uma realidade à luz do direito penal. Revista da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais, v. 60, n. 1, p. 365-390, 2012.

PRICEWATERHOUSECOOPER (PWC). 7ª Pesquisa Global sobre Crises Econômicos. São Paulo, 2014.

RIBEIRO, H. C. M.; SOUZA, M. T. S.; GOMES, N. Sustentabilidade e governança corporativa: um estudo da evidenciação de emissões de GEE das empresas listadas no ISE Bovespa. REUNA, v. 19, n. 5, p 89-116, 2014.

SECUTIRIES AND EXCHANGE COMISSION (SEC). Insider Trading. 2014. Disponível em: http://www.sec.gov/answers/insider.htm. Acesso em: 30 Out. 2014.

SECUTIRIES AND EXCHANGE COMISSION (SEC). SEC enforcement actions. 2014. Disponível em: http://www.sec.gov/spotlight/insidertrading/cases.shtml. Acesso em: 30 Out. 2014.

SEYHUN, H. N. Insiders’ profits, costs of trading and market efficiency. Journal of Financial Economics, v. 16, n. 1, p. 189-212, 1986.

SKAIFE, H. A.; VENNMAN, D.; WANGERIN, D. Internal control over financial reporting and managerial rent extraction: Evidence from the profitability of insider trading. Journal of Accounting and Economics, v. 55, n. 1, p. 91-110, 2013.

STRICKLER, J. Inside information and outside traders: corporate recovery of the outsider's unfair gain. California Law Review, v. 73, n. 2, p. 483-524, 1985.

TANG, H.; CHEN, A.; CHANG, C. Insider trading, accrual abuse, and corporate governance in emerging marketts - Evidence from Taiwan. Pacific-Basin Finance Journal, v. 24, n. 1, p. 132-155, 2013.

VENTURA, A. F. A.; SANTOS, V. S.; VENTURA JÚNIOR, R.; FIRMINO, R. G. A relação dos níveis de governança corporativa e índices de rentabilidade econômica. REUNA, v. 17, n. 3, p. 73-84, 2012.