Proposta de intervenção empresarial com base no ciclo de vida organizacional proposto por Greiner: o caso da Scherer Indústria de Implementos Agrícolas Outros Idiomas

ID:
39313
Resumo:
O presente relato técnico teve por objetivo identificar, à luz do modelo Ciclo de Vida Organizacional (CVO) de Greiner (1972; 1998), em qual estágio de desenvolvimento organizacional a empresa Scherer Indústria de Implementos Agrícolas se encontrava. Para tal, realizou-se uma pesquisa qualitativa, com finalidade descritiva, por meio de um estudo de caso único, utilizando-se como métodos de coleta de dados, entrevistas semiestruturadas com um dos diretores da organização e pesquisa documental. Para a análise dos dados coletados, empregou-se a análise de conteúdo temática. Quanto à caracterização, a empresa é de caráter familiar e, verificou-se que sua gestão está sob o comando de membros da família, em que houve um processo de sucessão ligado ao fator hereditário e há influência de aspectos familiares nas tomadas de decisões. Quanto à caracterização do período evolutivo, de acordo com o modelo, verificaram-se algumas situações que enquadraram a organização na segunda fase, denominada de “sobrevivência”, como: busca por liderança, implantação de estrutura funcional, criação de programas de incentivos e adoção de padrões de trabalho. Quanto à caracterização de crises vivenciadas, identificaram-se padrões recorrentes que também apontaram para esse segundo estágio, como: centralização dos processos decisórios nos diretores, falta de autonomia e desmotivação dos funcionários. Esta pesquisa, ao atender o objetivo proposto, além de contribuir para a melhoria nos processos de gestão da empresa pesquisada, que passou a conhecer a fase do CVO na qual e encontra, permite o aprofundamento de trabalhos futuros acerca da temática.
Citação ABNT:
MEIRELES, B. O.; DEBASTIANI, S. M.; ROJO, C. A. Proposta de intervenção empresarial com base no ciclo de vida organizacional proposto por Greiner: o caso da Scherer Indústria de Implementos Agrícolas . Revista Capital Científico - Eletrônica, v. 13, n. 3, p. 111-123, 2015.
Citação APA:
Meireles, B. O., Debastiani, S. M., & Rojo, C. A. (2015). Proposta de intervenção empresarial com base no ciclo de vida organizacional proposto por Greiner: o caso da Scherer Indústria de Implementos Agrícolas . Revista Capital Científico - Eletrônica, 13(3), 111-123.
DOI:
10.5935/2177-4153.20150025
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/39313/proposta-de-intervencao-empresarial-com-base-no-ciclo-de-vida-organizacional-proposto-por-greiner--o-caso-da-scherer-industria-de-implementos-agricolas-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ADIZES, I. Managing corporate life cycles. Paramus, New Jersey: Prentice Hall, 1999.

BARDIN L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2010.

BOBO, J. The business life cycle. National Underwriter / Life & Health Financial Services, v. 101, n. 19, p. 23, 1997.

BORINELLI, M. L. A identificação do ciclo de vida das pequenas empresas através das demonstrações contábeis. Florianópolis, SC. Dissertação de mestrado. Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, 1998.

BRIDGES, W. As empresas também precisam de terapia: como usar os tipos junguianos para o desenvolvimento organizacional. São Paulo, Editora Gente, 1998.

CHURCHILL, N. C.; LEWIS, V. L. The five stages of small business growth. Harvard Business Review, n. 61, p. 30-50, 1983.

DOWNS, A. The life cycle of bureaus. In: Downs, A. Inside bureaucracy. San Francisco, California: Little, Brown and Company and Rand Corporation. p. 296-309, 1967.

FLAMHOLTZ; RANDLE; Y. Growing Pains: transitioning from an entrepreneurship to a profissionally managed firm. San Francisco: Jossey-Bass Inc.; 2000.

FLICK, Uwe. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FREITAS, A. F. F; COSTA, F. J.; BARROSO, H. C. M. P. Ciclo de vida organizacional: um estudo no setor de supermercados. In: Encontro Nacional da Associação Nacional dos Programas de Pós Graduação em Administração - EnANPAD, 26, Salvador, 2002. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, p. 1-12, 2002.

GALBRAITH, J. The stages of growth. Journal of Business Strategy, n. 3, p. 70-79, 1982.

GERSICK, K. E. et al. De geração para geração: ciclos de vida das empresas familiars. Harvard Business School Press: Negócio Editora, 1997.

GIL, Antonio C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1999.

GODOI, C. K.; MATTOS, P. L. de. Entrevista qualitativa: instrumento de pesquisa e evento dialógico. In: GODOI, C. K.; BANDEIRA-DE-MELLO, R.; BARBOSA DA SILVA, A. (Org.). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais. São Paulo: Saraiva, 2006.

GODOY, Arilda S. Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas, v. 35, n. 3, p. 20-29, mai/jun. 2005.

GREINER, L. E. Evolution and revolution as organizations grow. Harvard Business Review, May./June.; p. 55-67, 1998.

GREINER, L. E. Evolution and revolution as organizations grow. Harvard Business Review, n. 50, p. 37-46, 1972.

KATZ, D.; KAHN, R. L. Psicologia social das organizações. São Paulo: Atlas, 1987.

KAZANJIAN, R. K. Relation of dominant problems to stages of growth in technology based new ventures. Academ y of Management Journal, n. 31, p. 257-279, 1988.

KIMBERLY, J. R. The organizational life cicle: issues in the creation, transformation and decline of organizations. San Francisco: Jossey-Bass, 1987.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Metodologia cientifica. 3 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

LEONE, N. A sucessão em PME comercial na região de João Pessoa. Revista de Administração, v. 27, n. 3, p. 84-91, 1992.

LEZANA, A. G. R. Ciclo de vida das pequenas empresas. Florianópolis: UFSC, 1996.

LEZANA, A. G. R.; GRAPEGIA, M. Diagnóstico da fase do ciclo de vida organizacional. Universidade Federal de Santa Catarina. Revista Produção On-line, v. 10, n. 10, 2006.

LIMA, Afonso. A. T. F. C. Meta-modelo de diagnóstico para pequenas empresas. Universidade Federal de Santa Catarina - PPGEP. Tese. Florianópolis, 2001.

LIPPITT, G. L.; SCHMIDT, W. H. Crisis in a developing organization. Harvard Business Review. v. 45, p. 102-112, 1967.

LODI, João B. A empresa familiar. 4 ed. São Paulo: Pioneira, 1998.

LYDEN, F. J. Using Parsons: functional analysis in the study os public organizations. Administrative Science Quarterly , v. 20, p. 59-70, 1975.

MICHEL, M. H. Metodologia de pesquisa cientifica em ciências sociais: um guia prático para acompanhamento da disciplina de elaboração de trabalhos monográficos. São Paulo: Atlas, 2005.

MILLER, D.; FRIESEN, P. A longitudinal study of corporate life cycle. Management Science, v. 30, n. 10, p. 1161-1183, 1984.

MORGAN, G. Imagens da organização. São Paulo: Atlas, 1996.

OLIVEIRA, Marcos M. et al. O modelo de ciclo de vida das organizações de Greiner e a norma NBR ISO 9001:2000 - uma perspectiva de alinhamento. In: Encontro Nacional de Engenharia de Produção, 27º, Foz do Iguaçu, Anais... ENGEP, 2007.

QUINN, R.; CAMERON, K. S. Organizational life cycles and shifting criteria of effectiveness: some preliminary evidence. Management Science, v. 29, n. 1, p. 33-51, 1983.

ROBBINS, Stefhen P. Comportamento organizacional. 11 ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005.

TRES, D. L.; SERRA, F. R.; PINTO, R.; PEREIRA, M. F.; MAGALHÃES, M. D. R. A. Ciclo de vida organizacional: um estudo de caso em uma empresa familiar. Anais... Semead, 2014.

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2 ed. Porto Alegre: Bookman. 2001.