Intenção e consumo em salão de beleza: - Há um gap? Outros Idiomas

ID:
39363
Resumo:
Frente ao crescimento do mercado de beleza, este estudo objetiva investigar o possível gap entre intenção e comportamento do consumidor de serviços de salão de beleza. Para tanto, foram realizadas entrevistas em profundidade, por meio de um roteiro semiestruturado, no referido ambiente, a fim de coletar informações com consumidores de salão de beleza sobre os aspectos do ambiente de serviço que poderiam criar um gap entre intenção e consumo. Os dados foram submetidos à análise de conteúdo com base nas categorias teóricas dos estudos de Bitner (1992), Gatto (2002) e Shamdasani e Balakrishnan (2000). Como resultado, percebeu-se que apenas fatores sociais são suficientemente fortes para impactar negativamente, a ponto de ocasionar o gap. Esse resultado traz implicações gerenciais no que diz respeito à importância de ambientação e treinamento de pessoal em ambiente de serviços de salão de beleza.
Citação ABNT:
BARBOSA, T.; QUEZADO, I. Intenção e consumo em salão de beleza: - Há um gap?. Revista Eletrônica Gestão e Serviços, v. 6, n. 2, p. 1315-1332, 2015.
Citação APA:
Barbosa, T., & Quezado, I. (2015). Intenção e consumo em salão de beleza: - Há um gap?. Revista Eletrônica Gestão e Serviços, 6(2), 1315-1332.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/39363/intencao-e-consumo-em-salao-de-beleza----ha-um-gap-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AJZEN, I. The theory of planned behavior. Organizational Behavior and Human Decision Processes, v. 50, p. 179-211, 1991.

AJZEN, I.; FISHBEIN, M. Understanding attitudes and predicting social behavior. Englewood Cliffs, NJ: Prentice-Hall, 1980.

ALBRECHT, K. Vocação para Serviço. HSM Management, v. 4, n. 3, p. 47-54, 2000.

BAKER, J.; CAMERON, M. The effects of the service environment on affect and consumer perception of waiting time: an integrative review and research propositions. Journal of the Academy of Marketing Science, v. 24, n. 4, p. 338-349, 1996.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1994.

BERKMAN, H. W.; GILSON; C. C. Consumer behavior: Concepts and strategies. California: Dickenson Publishing Company Inc., 1979.

BIANCO, M.; COLBARI, A. Modernização empresarial e gestão de pessoal em empresas do setor de serviços. Revista Eletrônica de Administração, v. 8, n. 2, p. 1-16.

BITNER, M. J. Servicescapes: The Impact of Physical Surroundings on Customers and Employees. Journal of Marketing, v. 56, p. 57-71, 1992.

BONE, P. F.; ELLEN, P. S. Scents in the marketplace: explaining fraction of olfaction. Journal of Retailing, v. 75, n. 2, p. 243-262, 1999.

BUOSI, J. C.; GIRALDI, J. M. E.; OLIVEIRA, M. M. B. A influência das dimensões da qualidade na satisfação dos consumidores de serviço de beleza. Produto & Produção, v. 14, n. 1, p. 128-148, 2013.

CANUTO, O.; ALEXANDRE, M.; LIMA, G. T. Revista Análise Econômica, v. 21, n. 40, p. 133-158, 2003.

CHESNAIS, F. A mundialização do capital. São Paulo: Xamã, 1996.

CHIU, H. C.; LIN, N. P. A Service Quality Measurement Derived from the Theory of Needs. The Service Industries Journal, v. 24, n. 1, p. 187-204, 2004.

CORBETT, M. Scents of identity: organisation studies and the cultural conundrum of the nose. Culture and Organization, v. 12, n. 3, p. 221-232, 2006.

FUJII, C. A. M.; MIGUEL, P. A. C.; CALARGE, F. A. Qualidade de serviços na manutenção de utilidades: uma análise de percepção dos clientes internos conduzida em uma empresa de manufatura. Exacta, v. 8, n. 2, p. 157-168, 2010.

GARVIN, D. A. Gerenciando a qualidade: a visão estratégica e competitiva. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1992.

GATTO, S. L’atmosfera del punto vendita quale strumento di differenziazione dell’insegna: una verifica empìrica delgli effetti della variabile olfativa. In: Congresso Internazionale le tendenze del marketing. Anais...Veneza, 2002.

GIL, A. C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa, 3. ed. São Paulo: Atlas, 1993.

GRÖNROOS, C. Marketing: gerenciamento e serviços: a competição por serviços na hora da verdade. Rio de Janeiro: Campus, 1995.

HOFFMAN, K. D.; BATESON, J. E. G. Princípios de marketing de serviços: conceitos, estratégias e casos, 2. ed. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2003.

JURAN, J. M.; GRYNA, F. M. Controle da Qualidade Handbook, 4. ed. v. 3. São Paulo: Makron, McGraw-Hill, 1993.

KOTLER, P. Administração de Marketing: A Edição do Novo Milênio. São Paulo: Pearson, 2005.

LEVY, M., WEITZ, B. A. Administração de varejo. São Paulo: Atlas, 2000.

LIMA-FILHO, D. O.; DEFANTE, L. R.; QUEVEDO-SILVA, F.; SOARES, A. M.; JACINTO, M. C. As necessidades dos clientes de salão de beleza: uma análise sob a ótica dos 7Ps. Revista Ciências Administrativas, v. 18, n. 1, p. 331-358, 2012.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR, 2014. Importância do Setor de Serviços no Brasil. Disponível em: Acesso em: jan. 2015.

NASAR, J. Environmental Aesthetics: theory, research, and applications. Cambridge: Cambridge University Press, 1992.

PINTO JÚNIOR, D. M.; NOVAES, A. S.; REIS, F. F.; PEREIRA, T. V. Uma análise do perfil do cliente de salão de beleza na Região Sul Fluminense. Gestão & Sociedade, v. 2, n. 2, 2013.

RICHERS, R. O enigmático mais indispensável consumidor: teoria e prática. Revista da Administração, v. 19, n. 2, p. 46-56, 1984.

RIDDLE, D. I. Service-led growth: The role of the service sector in world development. New York: Praeger, 1986.

RUSSEL, J.; MEHRABIAN, A. Environmental variables in consumer research. Journal of Costumer Research, v. 3, n. 1, 1976.

SABOIA, L. Marketing de vantagem competitiva. São Paulo: Saraiva, 2006.

SHAMDASANI, P. N.; BALAKRISHNAN, A. A. Determinants of relationship quality and loyalty in personalized services. Asian Pacific Journal of Management, v. 17, p. 399-422, 2000.

SHEERAN, P. Intention-behavior relations: a conceptual and empirical review. European Review of Social Psychology, v. 12, n. 1, p. 1-36, 2002.

TRIANDIS, H. C. Some universals of social behavior. Personality and Social Psychology Bulletin, v. 4, p. 1-16, 1978.

TURATO, E. R. Tratado da metodologia da pesquisa clínico-qualitativa: construção teórico-epistemológica, discussão comparada e aplicação nas áreas da saúde e humanas. Petrópolis: Vozes, 2003.

WING, M. J. Como falar com seus clientes: O que eles têm a contar sobre a sua empresa quando você faz as perguntas certas. São Paulo: Campus, 1998.

YIM, C. K.; CHAN, K. W.; HUNG, K. Multiple reference effects in service evaluations: Roles of alternative attractiveness and self-image congruity. Journal of Retailing, v. 1, n. 83, p. 147-157, 2007.

ZEITHAML; BITNER, M. J. Marketing de serviços: a empresa com foco no cliente, 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2003.