Nível de qualidade de vida no trabalho de colaboradores de uma clínica geriátrica Outros Idiomas

ID:
39503
Resumo:
Os níveis da qualidade de vida no trabalho são fundamentais para o processo de desenvolvimento de atividades empresariais. O objetivo é compreender os níveis de qualidade de vida no trabalho de uma equipe multiprofissional de uma clínica geriátrica. Participaram 34 profissionais, recrutados em 3 setores da Clínica, sendo: 10 profissionais do setor de apoio, 6 profissionais do setor de saúde e 18 profissionais do setor de enfermagem. Todos responderam ao questionário Quality of Working Life Questionnaire (QWLQ-78), composto de 78 questões. Ao final os dados foram analisados estatisticamente pelo programa SPSS versão 19.0 (ANOVA p< 0.05) e pelos valores da própria escala. Os resultados demonstraram que no Domínio Físico/Saúde todos os setores apresentaram valores de satisfação no trabalho classificados como “Neutro” e no Domínio Psicológico, Pessoal e Profissional, “Satisfatório” (p> 0.05). Conclui-se que todos os setores não apresentaram níveis de comprometimento na qualidade de vida no trabalho.
Citação ABNT:
BIAGINI, A. P.; SILVA, G. P. Nível de qualidade de vida no trabalho de colaboradores de uma clínica geriátrica. Revista de Gestão em Sistemas de Saúde, v. 4, n. 2, p. 51-56, 2015.
Citação APA:
Biagini, A. P., & Silva, G. P. (2015). Nível de qualidade de vida no trabalho de colaboradores de uma clínica geriátrica. Revista de Gestão em Sistemas de Saúde, 4(2), 51-56.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/39503/nivel-de-qualidade-de-vida-no-trabalho-de-colaboradores-de-uma-clinica-geriatrica/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Areias, M. E. Q.; Comandule, A. Q. (2006). Qualidade de vida, estresse no trabalho e síndrome de burnout. In: Gonçalves, A.; Gutierrez, G. L.; Vilarta, R. (Org.). Qualidade de vida e fadiga institucional. Campinas: IPES Editorial.

Assunção, A. A. (2003). Uma contribuição ao debate sobre as relações saúde e trabalho. Ciênc Saúde Coletiva, 8(4), 1005-1018.

Barrientos, L. A.; Suazo, S. V. (2007). Fatores associados à qualidade de vida de enfermeiras hospitalares chilenas. Rer Latino-Am Enfermagem, 15(3), 480-486.

Bom Sucesso, E. P. (1997). Trabalho e qualidade de vida. Rio de Janeiro: Dunya.

Bowdith, J. L.; Buono, A. F. (1992). Elementos de comportamento organizacional. São Paulo: Pioneira.

Brasil.Ministério da Saúde. Doenças relacionadas ao trabalho: manual de procedimentos para os serviços de saúde. Brasília, DF, 2001. 580p.

Cavassani, A. P.; Cavassani, E. B.; Biazin, C. C. Qualidade de vida no trabalho: fatores que influenciam as organizações. XIII SIMPEP – Bauru, SP, Brasil, 6 a 8 de novembro de 2006.

Chaves, E. C. (1994). Stress e trabalho do enfermeiro: a influência de características individuais no ajustamento e tolerância do turno noturno. Tese de Doutorado, Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Chiavenato, I. (1983). Introdução à teoria geral da administração. São Paulo: McGarw-Hill do Brasil.

Chiavenato, I. (1998). Recursos Humanos: edição compacta. 5. ed. São Paulo: Atlas.

Chiavenato, I. (1999). Administração de recursos humanos: fundamentos básicos. 4. ed. São Paulo: Atlas.

Cronbach, J. L. (2004). My current thoughts on coefficient alpha and successor procedures. Educational and Psychological Measurement, 64(3).

Fernandes, E. (1996). Qualidade de vida no trabalho: Como medir para melhorar. Bahia: Casa da Qualidade.

Fleck, M. P. A. et al. (1999). Desenvolvimento da versão em português do instrumento de avaliação de qualidade de vida da OMS (WHOQOL-100). Revista Brasileira de Psiquiatria 21(1), 19-28.

Gonzaga, G. M.; Menezes Filho, N. A.; Camargo, J. M. (2003). Os efeitos da redução da jornada de trabalho de 48 para 44 horas semanais em 1988. Rev. Bras. Econ. 57(2). Rio de Janeiro.

Limongi-França, A. C. (1997). Qualidade de vida no trabalho: conceitos, abordagens, inovações e desafios nas empresas brasileiras. Vol. 1. Rio de Janeiro: [s.n.].

Limongi-França, A. C. (2004). Qualidade de vida no trabalho: conceitos e práticas na sociedade pósindustrial. São Paulo: Atlas.

Machado, C. L. B. (2002). Motivação, qualidade de vida e participação no trabalho. Dissertação de Mestrado em Engenharia de Produção, Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Martinez, M. C.; Paraguay, A. I. B. B. (2003). Satisfação e saúde no trabalho: aspectos conceituais e metodológicos. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, v. 6, p. 59-78.

Martino, M. M. F. (1996). Estudo da variabilidade circadiana da temperatura oral, ciclo vigília-sono e testes psicofisiológicos em enfermeiros de diferentes turnos de trabalho. Tese de Doutorado, Instituto de Biologia da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Mascarenhas, C. H. M.; Prado, F. O.; Fernandes, M. H.; Boery, E. N.; Sena, E. L. S. Qualidade de vida em trabalhadores da área de saúde: uma revisão sistemática. Revista Espaço para a Saúde, Londrina, v. 14, n° 1/2, p.78-81, 2013.

Monaco, F. F.; Guimarães, V. N. (2000). Gestão da qualidade total e qualidade de vida no trabalho: o caso da Gerência de Administração dos Correios. Rev. Adm. Contemp. 4(3). Curitiba.

Moretti, S. Qualidade de vida no trabalho x autorrealização humana. Instituto Catarinense de Pós-Graduação. Gestão Estratégica de Recursos Humanos, (n/d).

Neves, S. F. (2008). Trabalho docente e qualidade de vida na rede pública de ensino de Pelotas. (dissertação de Mestrado), Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS, Brasil.

Organização Internacional do Trabalho. (1984). (International Labour Office); Psychosocial factors at work: recognition and control. Report of the Joint ILO/WHO Committee on Occupational Health – Ninth Session. Geneva: International Labour Office, 1984.

Reis Jr, D. R. (2008). Qualidade de vida no trabalho: Construção e validação do questionário QWLQ-78. Dissertação de mestrado, Universidade Tecnológica Federal do Paraná: Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção – PPGEP, Ponta Grossa, Paraná, Brasil.

Rodrigues, M. V. C. (1994). Qualidade de vida no trabalho: Evolução e Análise no nível gerencial. Rio de Janeiro: Vozes.

Schwengber, C. L. H.; Baschta, M. S. (2010). Fontes de prazer e de sofrimento vivenciadas por trabalhadores que atuam no setor de limpeza em uma instituição de ensino superior. Monografia apresentada para obtenção do título de bacharel em Psicologia da Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, SC, Brasil.