A Questão Ambiental: Desafios Políticos, Econômicos e Ideológicos Na Perspectiva Brasileira Outros Idiomas

ID:
39621
Resumo:
Na perspectiva do governo brasileiro, as economias dos mercados emergentes devem assumir a liderança econômica em uma escala mundial. No Brasil, o crescimento do PIB levou o país a alcançar um lugar de destaque no panorama mundial, ao mesmo tempo que realçou os graves conflitos socioambientais. A consolidação de um mercado de consumo de massa nos moldes das nações do Norte parece ser incompatível com uma política de gestão ambiental sustentável. Este artigo pretende contribuir para uma melhor compreensão das contradições presentes nas propostas de desenvolvimento gestadas no interior do capitalismo contemporâneo e estimular a reflexão sobre o caráter contraditório do sistema que enseja diferentes concepções e finalidades para a questão ambiental no contexto brasileiro. Este estudo caracteriza-se como exploratório, operacionalizado por meio da pesquisa documental. Utilizamos as categorias de análise capitalismo, progresso, desenvolvimento, sustentabilidade e desenvolvimento sustentável para fundamentar o trabalho. Acreditamos que, a partir de um esforço sistêmico e do reconhecimento de que o conceito de desenvolvimento difere do conceito de crescimento econômico, governo e sociedade poderão construir alternativas sustentáveis para o desenvolvimento do país.
Citação ABNT:
LEANDRO, L. A.; NEFFA, E. M.; NEFFA, K. A Questão Ambiental: Desafios Políticos, Econômicos e Ideológicos Na Perspectiva Brasileira . Desenvolvimento em Questão, v. 14, n. 33, p. 6-40, 2016.
Citação APA:
Leandro, L. A., Neffa, E. M., & Neffa, K. (2016). A Questão Ambiental: Desafios Políticos, Econômicos e Ideológicos Na Perspectiva Brasileira . Desenvolvimento em Questão, 14(33), 6-40.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/39621/a-questao-ambiental--desafios-politicos--economicos-e-ideologicos-na-perspectiva-brasileira-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÃNCIA SANITÁRIA (Anvisa). 2º Seminário Mercado de Agrotóxicos e Regulação. (2012). Disponível em: . Acesso em: 13 mar.2015. 2012.

ALMEIDA, M. O novo Estado desenvolvimentista e o governo Lula. Economia & Tecnologia, v. especial, n. 7, p. 69-89, 2011.

ARRAES, R. A.; DINIZ, M. B.; DINIZ, M. J. T. Curva ambiental de Kuznets e desenvolvimento econômico sustentável. [Versão eletrônica]. Rev. Econ. Sociol. Rural, v. 44, n. 3, 2006.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SAÚDE COLETIVA (Abrasco). Um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde. Rio de Janeiro: Abrasco. 2012. Disponível em: http://www.abrasco.org.br/site/wp-content/uploads/2015/03/Dossie_Abrasco_01.pdf Acesso em: 13 mar. 2015. 2012.

BARROS, A. C. A influência do Ipam na política de prevenção de incêndios florestais e queimadas agrícolas acidentais na Amazônia. In: LITTLE, P. E. Políticas ambientais no Brasil: análises, instrumentos e experiências. Peirópolis, DF: IIEB, 2003.

BERNARDO, M. Políticas públicas e sociedade civil. In: BURSZTYN, M. A difícil sustentabilidade: política energética e conflitos ambientais. Rio de Janeiro: Garamond, 2001.

BOULDING, K. La economia de la nave espacial Tierra. In: DALY, H. (Comp.). Economia, ecologia, ética. México: FCE, 1989.

BRETT, C.; FOSTER, J. B. A dialética do metabolismo social e ecológico: Marx, Mészáros e os limites absolutos do capital. In: JINKINGS, I.; NOBILE, R. (Orgs.). Istvam Mészáros e os desafios do tempo histórico. São Paulo: Boitempo, 2011.

CARNEIRO, E. J. Política ambiental e a ideologia do desenvolvimento sustentável. In: ZHOURI, A.; KLEMENS, L.; PEREIRA, D. B. (Orgs.). A insustentável leveza da política ambiental:desenvolvimento e conflitos socioambientais. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

CASTORIADIS, C. As encruzilhadas do labirinto. 2. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1987.

CECHIN, A. D.; VEIGA, J. E. da. A economia ecológica e evolucionária de Georgescu-Roegen. [Versão eletrônica]. Rev. Econ. Politica, v. 30, n. 3, 2010. Disponível em: . Acesso em: 7 mar.2013. 2010.

CLARK, B.; FOSTER, J. B. A dialética do metabolismo social e ecológico: Marx, Mészáros e os limites absolutos do capital. In: JINKINGS, I.; NOBILE, R. (Orgs.). István Mészáros e os desafios do tempo histórico. São Paulo: Boitempo, 2011.

DALY, H. Beyond Growth. San Francisco: Freeman, 1997.

DEÁK, C. Rent theory and the price of urban land – spatial organization in a capitalist economy. 1985. Doctoral (Dissertation) – Philosophy, University of Cambridge, United Kingdom, 1985.

DUFOUR, Dany-Robert. A arte de reduzir cabeças: sobre a nova servidão da sociedade ultraliberal. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 2005.

DUFOUR, Dany-Robert. O divino mercado: a revolução cultural liberal. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 2008.

DUTRA, R.; OLIVEIRA, A. B.; PRADO, A C de A. Análise do orçamento do Ministério do Meio Ambiente para o ano de 2006. Política Ambiental. Revista eletrônica da Conservação Internacional Brasil. 2006. Disponível em: . Acesso em: 5 abr.2010. 2006.

FONSECA, A.; SOUZA JR, C.; VERÍSSIMO, A. Boletim do desmatamento da Amazônia Legal. SAD. Belém: Imazon, jan. p. 10. 2015.

FOSTER, J. B. Marx e o meio ambiente. In: WOOD, E. M.; FOSTER, J. B. (Orgs.). Em defesa da história marxismo e pós-modernismo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999.

GEORGESCU-ROEGEN, Nicolas. Energy and Economic Myths. New York: Permagon Press, 1976.

GEORGESCU-ROEGEN, Nicolas. The entropy law and the economic process. Cambridge: Harvard University Press, 1971.

GILBERT, Alan. Third world: poverty, employment and gender roles during a time of restructuring. In: D’AVILA, Maria Inácia (Coord.). Unesco Chair on Sustainable Development. Social development: challenges and strategies. Rio de Janeiro: UFRJ; Unesco, 1995.

GIULIETTI, A. M. et al. Plantas raras do Brasil. Belo Horizonte, MG: Conservação Internacional. 2009. Disponível em: .

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA.IBGE. Nd. Disponível em: . Acesso em: mar.2015.

INSTITUTO DO HOMEM E MEIO AMBIENTE DA AMAZÔNIA. Imazon. Publicações. 2012. Artigos: Os retrocessos ambientais do governo Dilma. Disponível em: . Acesso em: fev.2015. 2012.

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS – Inpe. Nd. Disponível em: . Acesso em: fev2015.

JONAS, H. O princípio responsabilidade: ensaio de uma ética para a civilização tecnológica. Rio de Janeiro: Contraponto: Ed. PUC-Rio, 2006.

LACLAU, Ernesto. Politics and Ideology in Marxist Theory. London: Versos, 1977.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

LEFF, E. Pensar a complexidade ambiental. In: LEFF, Enrique (Org.). A complexidade ambiental. Blumenau: Cortez; Edifurb, 2003.

MANTEGA, G. A nova estratégia de crescimento sustentado. In: VELLOSO, João Paulo dos Reis (Org.). Governo Lula, novas prioridades e desenvolvimento sustentado. Rio de Janeiro: José Olympio, 2003.

MARTINELLI, Gustavo. Conhecer a flora para protegê-la. Scientific American. Brasil. Edição especial. v. 39, 2010.

MARTÍNEZ-ALIER, J. O ecologismo dos pobres: conflitos ambientais e linguagem de valoração. São Paulo: Contexto, 2007.

MARTINS, G. A.; THÉOPHILO, C. R. Metodologia para ciências sociais aplicadas. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

MARX, K. O capital: crítica da economia política. São Paulo: Abril Cultural, 1984.

MERCADANTE, A. Mudanças para um novo modelo de desenvolvimento. In: PIETÁ, E. A nova política econômica, a sustentabilidade socioambiental. São Paulo: Ed. Fundação Perseu Abramo, 2010.

MÉSZÁROS, I. A crise estrutural do capital. São Paulo: Boitempo, 2011.

MÉSZÁROS, I. Para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2011.

MONDIN, B. O homem: quem é ele? Elementos de antropologia filosófica. 9. ed. São Paulo: Paulus, 1980.

MORAIS, L.; SAAD-FILHO, A. Da economia política à política econômica: o novo-desenvolvimentismo e o governo Lula. Revista de Economia Política, v. 31, n. 4, p. 507-527, 2011.

MOTA, C. R. As principais teorias e práticas de desenvolvimento. In: BURSZTYN, M. A difícil sustentabilidade: política energética e conflitos ambientais. Rio de Janeiro: Garamond, 2001.

NHU HÔ, P. O desenvolvimento endógeno como alternativa. Potencialidades e obstáculos ao seu desdobramento. In: MACIEL, Tânia Barros (Org.). Caminhos para o Desenvolvimento Século XXI. Rio de Janeiro: UFRJ; Cátedra da Unesco de Desenvolvimento Durável da UFRJ/Eicos, 2006.

PADULA, R. C.; SILVA, L. P. da. Gestão e licenciamento ambiental no Brasil: modelo de gestão focado na qualidade do meio ambiente. Cad. Ebape.BR, v. 3, n. 3, 2005. Disponível em: . Acesso em: abr.2010. 2005.

PORTER, M.; VAN DER LINDE, C. Green and Competitive: Ending the Stalemate. In: PORTER, Michael E. On Competition. The Harvard Business Review book series. Boston: Harvard Business School Publishing, 1998.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO (2013). Pnud.Relatório do Desenvolvimento Humano: a ascensão do Sul: progresso humano num mundo diversificado. Disponível em: . Acesso em: 12 mar. 2015. 2013.

SACHS, I. A revolução energética do século XXI. Estudos Avançados, v. 21, n. 59, 2007. Disponível em: . Acesso em: maio 2011. 2007.

SACHS, I. Rumo à ecossocioeconomia – teoria e prática do desenvolvimento. São Paulo: Cortez. 2007.

SCARANO, F. R.; GASCON, C.; MITTERMEIER, R. A. O que é biodiversidade? Scientific American. Edição especial. n. 39, 2010.

SCARCELLO, M. O Conselho Nacional de Meio Ambiente. In: LITTLE, P. E. Políticas ambientais no Brasil: análises, instrumentos e experiências. São Paulo: Peirópolis; DF: IIEB, 2003.

SENADO FEDERAL. Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2015 (Projeto de Lei nº 03/2014-CN) – Relatório apresentado. Disponível em: . Acesso em: mar.2015.

SILVA, J. C. T. da; SILVA, M. S. T.; MANFRINATO, J W de S. Correlação entre gestão da tecnologia e gestão ambiental nas empresas. Prod., v. 15, n. 2, 2005. Disponível em: . Acesso em: 6 abr. 2013. 2005.

SUKUP, V. A China frente à globalização: desafios e oportunidades. Rev. Bras. Polít. Int., v. 45, n. 2, 2002. Disponível em: . Acesso em 13 mar. 2013. 2002.

TOLMASQUIM, M. T.; GUERREIRO, A.; GORINI, R. Matriz energética brasileira: uma prospectiva. Novos estudos – Cebrap, São Paulo, n. 79, nov. 2007. Disponível em: . Acesso em: jan.2014. 2007.

VEIGA, J. E. Desenvolvimento sustentável: o desafio do século XXI. Rio de Janeiro: Garamond, 2010.

VERDUM, R. Poucos recursos, resultados insuficientes: matas, florestas e desmatamento. Nota Técnica. Inesc – Instituto de Estudos Socioeconômicos, 141, 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2010. 2008.

WALLERSTEIN, I. Capitalismo histórico e civilização capitalista. Rio de Janeiro: Contraponto, 2001. CORRETO

WORLD BANK. Nd. Disponível em: . Acesso em: 12 mar.2015.

WORLD COMMISSION ON ENVIRONMENT AND DEVELOPMENT (WCED). Our Common Future. New York, Oxford University Press, 1987.

ZHOURI, A.; OLIVEIRA, R. Paisagens industriais e desterritorialização de populações locais: conflitos socioambientais em projetos hidrelétricos. In: ZHOURI, A. et al. A insustável leveza da política ambiental – Desenvolvimento e conflitos socioambientais. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

ACSELRAD, H.; LEROY, J. P. Novas premissas da sustentabilidade democrática. Rio de Janeiro: Fase, 1999.

FERNANDES, F.; LUFT, C. P.; GUIMARÃES, F. M. Dicionário Brasileiro Globo. 25. ed. São Paulo: Ed. Globo, 1992.

NEFFA, E. M. V. Desenvolvimento e degradação ambiental. Um estudo na Região do Médio Paraíba do Sul. 2001. Tese (Doutorado) – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 2001.

WORLD TRADE ORGANIZATION (WTO). 2009.WTO News. 2009. Disponível em: . Acesso em: 2 mar. 2009.