Estrutura Familiar e Escolha da Localização de Residência nas Cidades Uma Análise Empírica para o Caso da Região Metropolitana de São Paulo Outros Idiomas

ID:
39622
Resumo:
A partir das implicações sobre o dilema entre acessibilidade de consumo de espaço, os modelos de Economia Urbana estabelecem uma clara relação entre localização da residência e a estrutura familiar, com famílias com menos dependentes situando-se mais próximo às áreas de emprego das cidades. Este trabalho utiliza os microdados do Censo 2010 para explorar a possível presença desta relação para o caso da Região Metropolitana de São Paulo, a maior do país e uma das que apresenta poucas amenidades naturais. Os resultados, ainda que não possam ser vistos como comprobatórios da relação, são fortemente consistentes com um modelo tradicional de Economia Urbana ampliado para a consideração das implicações das diferentes estruturas familiares.
Citação ABNT:
DUARTE, G.; SILVEIRA NETO, R. Estrutura Familiar e Escolha da Localização de Residência nas Cidades Uma Análise Empírica para o Caso da Região Metropolitana de São Paulo . Desenvolvimento em Questão, v. 14, n. 33, p. 41-64, 2016.
Citação APA:
Duarte, G., & Silveira Neto, R. (2016). Estrutura Familiar e Escolha da Localização de Residência nas Cidades Uma Análise Empírica para o Caso da Região Metropolitana de São Paulo . Desenvolvimento em Questão, 14(33), 41-64.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/39622/estrutura-familiar-e-escolha-da-localizacao-de-residencia-nas-cidades-uma-analise-empirica-para-o-caso--da-regiao-metropolitana-de-sao-paulo-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ARNOTT, R. J.; MCMILLEN, D. P. (Eds.). A Companion to Urban Economics. Willey-Blackwell, 2007.

BECKMANN, M. J. Equilibrium Models of Residential Land Use. Regional and Urban Economics. Operational Methods, 3, p. 361-368, 1973.

BRUECKNER J. K. Modeling urban growth controls. In: PANAGARIYA, A; PORTNEY, P.; SCHWAB, R. M. (Eds.). Environmental and Public Economics: Essays in Honor of Wallace E, Oates. Edward Elgar Publishers, UK: Cheltenham, 1998.

BRUECKNER, J. K. Growth controls and land values in an open city. Land Economics, v. 66, p. 237-248, 1990.

CRANE, R. Is There a Quiet Revolution in Women’s Travel?Revisiting the Gender Gap in Commuting. Journal of the American Planning Association, vol. 73, p. 298-316, Summer. 2007.

ERICKSEN, J. An analysis of the journey to work for woman. Social Problems, v. 24, p. 428-435, 1977.

FAGNANI, J. Women’s commuting patterns in the Paris region. Tijdschrift voor Economische en sociale geografie, v. 74, n. 1, p. 12-24, 1983.

FUJITA, M. Urban Economic Theory, Land Use and City Size. Cambridge: Cambridge University Press, 1989.

GIULIANO, G. Information technology, work patterns and intrametropolitan location: a case study. Urban Studies, v. 35, p. 1077-1095, 1998.

HANSON, S.; JOHNSTON, I. Gender differences in work-trip lengh: explanation and implications. Urban Geography, v. 6, p. 193-219, 1985.

JOHNSTON-ANUMONWO, I. The influence of household type on gender differences in work trip distance, professional geographer, v. 44, n. 2, p. 161-169, 1992.

LEE, B. Song; MACDONALD J. F. Determinants of commuting time and distance for Seoul Residents: The impact of family status on the commuting of women. Urban Studies, vol. 40, n. 7, 1283-1302, 2003.

MACDONALD, H. Women’s employment and commuting: Explaining the links. Journal of Planning Literature, v. 13, n. 3, p. 267-283, 1999.

MADDEN, J. Why women work closer to home. Urban Studies, v. 18, p. 181-194, 1981.

WHITE, M. Sex differences in urban commuting patterns. American Economic Review, v. 76, n. 2, p. 368-372, 1986.

ALONSO, W. Location and Land Use: Toward a General Theory of Land Rent. Cambrige, Harvard University Press, 1964.

TURNER, T.; NIEMEIER, D. Travel to work and household responsibility: new evidence, transportation, v. 24, p. 397-419, 1997.