Knowledge management in a competitive scenario of an information technology company Outros Idiomas

ID:
39719
Resumo:
Citação ABNT:
CUFFA, D.; ROJO, C. A.; MACCARI, E. A. Knowledge management in a competitive scenario of an information technology company. International Journal of Innovation, v. 3, n. 1, p. 17-34, 2015.
Citação APA:
Cuffa, D., Rojo, C. A., & Maccari, E. A. (2015). Knowledge management in a competitive scenario of an information technology company. International Journal of Innovation, 3(1), 17-34.
DOI:
http://dx.doi.org/10.5585/iji.v3i1.69
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/39719/knowledge-management-in-a-competitive-scenario-of-an-information-technology-company/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Inglês
Referências:
ABES - Associação brasileira de empresas de software. (2014). Mercado Brasileiro de Software: panorama e tendências. São Paulo. Disponível em: . Acesso em: 17/07/2014.

Albertin, A. L.; Albertin, R. M. M. (2008). Benefícios do uso de tecnologia de informação para o desempenho empresarial. Revista de Administração Pública - RAP, v. 42, n. 2, p. 275-302. Disponível em: . Acesso em: 20/08/2014.

Batista, F. F. (2004). Governo que aprende: gestão do conhecimento em organizações do executivo federal. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Disponível em: . Acesso em: 08/05/2014.

Batista, F. F. et al. (2005). Gestão do conhecimento na administração pública. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA).

Beijerse, R. P. (2000). Knowledge management in small and medium-sized companies: knowledge management for entrepreneurs. Journal of Knowledge Management. Disponível em: . Acesso em: 20/08/2014.

Bem, R. M. (2009). Uma proposta de gestão da informação para a área de patrimônio imobiliário e meio ambiente de uma empresa do Setor Eletrônico, a partir da utilização da metodologia CommonKADS. 2009. 177 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia e Gestão do Conhecimento), Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, Florianópolis.

Bethlem, A. (2004). Estratégia Empresarial: conceitos, processo e administração estratégica. São Paulo: Atlas.

Boiral, O. (2002). Tacit knowledge and environmental management. Long Range Planning Journal, jun. Disponível em: http://ac.elscdn. com/S002463010200047X/1-s2.0S002463010200047Xmain. pdf?_tid=f36bb910-2ed6-11e4ba7800000aab0f02&acdnat=1409246327_7c3774721f3428279a2f3930a3cf662d. Acesso em: 14/08/2014.

Bozbura, F. T. (2007). Knowledge management practices in Turkish SMEs. Journal of Enterprise Information Management, Istanbul. Disponível em: . Acesso em: 16/08/2014.

Brandalise, L. T. et al. (2012). Simulação de Cenários e Formulação de Estratégias Competitivas: o caso do Atacado Liderança. Revista Gestão e Tecnologia, v. 12, n. 3, p. 223-257. Disponível em: . Acesso em: 17/07/2014.

Bromberger, V. (2013). Simulação de cenários: estudo de caso nas fontes de recursos da Fundação de Apoio à Educação, Pesquisa e Desenvolvimento Científico e Tecnológico da Universidade Tecnológica Federal do Paraná campus Pato Branco. 27 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Gestão contábil e financeira), Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR, Pato Branco.

Campos, R. R.; Nicolau, J. A.; Cário, S. F. (2000). A Indústria de Software em Joinville: um estudo de caso de arranjo inovativo local. Nota Técnica, n. 40.

Canongia, C. et al. (2004). Foresight, Inteligência Competitiva e Gestão do Conhecimento: instrumentos para a gestão da inovação. Revista Gestão & Produção, v. 11, n. 2, p. 231-238. Disponível em: . Acesso em: 14/06/2014.

Cavalcante, J. N. (2011). Análise das práticas de Gestão do Conhecimento em uma empresa de serviços de assessoria e educação profissional. Qualit@s Revista Eletrônica, v. 12, n. 2. Disponível em: . Acesso em: 16/07/2014.

Chaves, M. S.; Veronese, G. S. (2014). A Proposal to Manage Lessons Learned in Projects: Web 2.0 Technologies to Promote Innovation. International Journal of Innovation - IJI, 2(1), 01-17. http://doi.org/10.5585/iji.v2i1.12.

Cong, X.; Pandya, K. (2003). Issues of Knowledge Management in the Public Sector. Electronic Journal of Knowledge Management. Reino Unido. Disponível em: http://pdf.aminer.org/000/243/343/knowledge_management_issues_challenges_and_opportunities_for_governments_in_the.pdf. Acesso em: 10/06/2014.

Corsatto, C. A.; Hoffmann, W. A. M. (2013). Gestão do Conhecimento e Inteligência competitiva: delineamento de estratégias de competitividade e inovação para pequenas empresas. Revista Encontros Bibli, v. 18, n. 38, p. 19-36. Disponível em: . Acesso em: 20/08/2014.

Corso, M. et al. (2003). Knowledge management configurations in Italian small-to-medium enterprises. Integrated Manufacturing Systems. Disponível em: . Acesso em: 22/08/2014.

Costa, E. A. (2007). Gestão estratégica: da empresa que temos para a empresa que queremos. São Paulo: Saraiva.

Dalkir, Kimiz. (2005). Knowledge management in Theory and Practice. Oxford: Elsevier.

Darroch, J.; MCnaughton, R. (20002). Examining the linking between knowledge management practices and types of innovation. Journal of Intellectual Capital. Disponível em: . Acesso em: 27/07/2014.

Davenport, T.; Prusak, L. (1998). Conhecimento empresarial: Como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Campus.

Davenport, T.; Prusak, L. (2003). Conhecimento empresarial: Como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Elsevier.

Futami, A. H.; Valentina, L. V. O. D.; Possamai, O. (2012). Um modelo de Gestão do Conhecimento para melhoria de Qualidade do Produto. 18 f. Monografia (Graduação em Gestão Empresarial), Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC.

Garvin, D. (1993). Construção da organização que aprende. In: Gestão do Conhecimento. Harvard Business Review. Rio de Janeiro: Campus.

Ghemawat, P. (2012). Estratégia e o Cenário dos Negócios. Porto Alegre: Bookman.

Grapeggia, M. (2006). Habilidades empreendedoras à luz do ciclo de vida organizacional. Tese (Doutorado em Engenharia da Produção), Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, Santa Catarina.

Greiner, L. E. (1998). Evolution and Revolution as Organizations Grow. Harvard Business Review, v. 10, n. 4, p. 397-409. Disponível: . Acesso em: 05/11/2014.

Hamel, G.; Prahalad, C. K. (2005). Competindo pelo futuro: estratégias inovadoras para obter o controle do seu setor e criar os mercados de amanhã. Rio de Janeiro: Campus.

Helmann, C. L. (2007). Retenção de conhecimento tecnológico nas organizações como fator propulsor para o processo de inovação: estudo de caso na Batávia S/A. 186 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção), Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR, Ponta Grossa.

Holanda, A. B. (2010). Minidicionário Aurélio da língua portuguesa. Brasil.

Hoss, O. et al. (2012). Simulação de Cenários: Estudo de caso nas fontes de recursos da fundação de apoio à educação, pesquisa e desenvolvimento científico e tecnológico da Universidade Tecnológica Federal do Paraná campus Pato Branco. Revista Ibero-Americana de Estratégia - RIAE, v. 11, n. 3, p. 172-204. Disponível em: . Acesso em: 24/06/2014.

Hutchinson, V. ; Quintas, P. (2008). Do SMEs do knowledge management or simply manage what they know? International Small Business Journal. Reino Unido. Disponível em: . Acesso em: 20/08/2014.

Kaplan, R. S.; Norton, D. P. (1997). Estratégia em Ação. Rio de Janeiro: Elsevier.

Kaplan, R. S.; Norton, D. P. (2000). The Strategy-Focused Organization: how Balanced Scorecard companies thrive in the new business environment. Harvard Business School Press, Boston. Disponível em: http://www.businesstraining.com.mx/egaii/docs/The%20Strategy%20Focused%20Organization.pdf. Acesso em: 20/08/2014.

Kotler, P. (2002). Marketing Management: analysis, planning, implementation and control. The millennium edition. Upper Saddle River: Prentice Hall.

Lana, R. A. (2011). Inteligência competitiva: fator-chave para o sucesso das organizações no novo milênio. Revista Inteligência Competitiva, v. 1, n. 3, p. 305-327. Disponível em: . Acesso em: 13/04/2014.

Leite, J. B. D.; Porsse, M. C. S. (2003). Competição baseada em competências e aprendizagem organizacional: em busca da vantagem competitiva. Revista de Administração Contemporânea, v. 7, edição especial, p. 121-141. Disponível em: . Acesso em: 19/07/2014.

Leuch, V. (2006). Práticas de gestão do conhecimento em indústrias de grande porte dos Campos Gerais. 2006. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção), Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR, Ponta Grossa.

Lezana, A. G. R.; Grapeggia, M. (2002). Diagnóstico da fase do ciclo de vida organizacional. Revista Produção, v. 6, n. 3.

Matlay, H. (2000). Organisational learning in small learning organisations: an empirical overview. Education þ Training, v. 42, n. 4/5, p. 202-211. Disponível em: . Acesso em: 18/08/2014.

MCadam, R.; Reid, R. (2001). SME and large organisation perceptions of knowledge management: comparisons and contrasts. Journal of Knowledge Management, v. 5, n. 3, p. 231-241. Disponível em: . Acesso em: 18/08/2014.

Meihami, B.; Meihami, H. (2014). Knowledge Management a way to gain a competitive advantage in firms (evidencemof manufacturing companies). International Letters of Social and Humanistic Sciences, v. 3, p. 80-91. Disponível em: . Acesso em: 19/08/2014.

Mills, A. M.; Smith, T. A. (2011). Knowledge management and organizational performance: a decomposed view. Journal of Knowledge Management, v. 15, n. 1, p. 156-171.

Pereira, H. J. (2002). Bases conceituais de um modelo de gestão para organizações baseadas no conhecimento. In: Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica, Salvador, BA. Anais... Salvador: FIA/USP, 20 p.

Perez, J. R.; Pablos, P. O. (2003). Knowledge management and organizational competitiveness: a framework for human capital analysis. Journal of Knowledge Management, v. 7, n. 3, p. 82-91.

Porter, M. E. (2004). Estratégia Competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. Rio de Janeiro: Elsevier.

Purcidonio, P. M. (2008). Práticas de gestão do conhecimento em arranjo produtivo local: o setor moveleiro de Arapongas - PR. 153 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção), Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR, Ponta Grossa.

Rezende, J. F. (2003). Balanced Scorecard e a Gestão do Capital Intelectual: alcançando a performance balanceada na economia do conhecimento. Rio de Janeiro: Elsevier.

Rojo, C. A. (2005). Planejamento estratégico. Cascavel: ASSOESTE.

Roselino, J. E. (2006). A indústria de software: o 'modelo brasileiro' em perspectiva comparada. 236 f. Tese (Doutorado em Ciências Econômicas), Universidade Estadual de Campinas - Unicamp, Campinas.

Rus, I.; & Lindvall, M. (2002). Knowledge management in software engineering. IEEE Software, p. 26-38, mai/jun. Disponível em: . Acesso em: 20/08/2014.

Souza, A. M.; & Kurtz, D. J. (2014). Análise de modelos para a gestão do conhecimento organizacional: o caso serviço social da indústria - SESI/PE. International Journal of Knowledge Engineering Management, v. 3, n. 6, p. 64-88. Disponível em: . Acesso em: 21/08/2014.

Stefanovitz, J. P. (2006). Criação de Conhecimento e Inovação na Indústria de Alta Tecnologia: estudo e análise de casos em uma empresa do setor de automação industrial. 192 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção), Universidade de São Paulo - USP, São Carlos.

Stewart, T. (1998). Capital intelectual: a nova vantagem competitiva das empresas. Rio de Janeiro: Elsevier.

Takeuchi, H.; & Nonaka, I. (2008). Gestão do Conhecimento. Porto Alegre: Bookman.

Teixeira Filho, J. (2001). Gerenciamento conhecimento. Rio de Janeiro: SENAC.

Terra, J. C. C. (2000). Gestão do conhecimento: O grande desafio organizacional. São Paulo: Negócio Editora.

Vasconcelos, F. C.; Cyrino, A. B. (2000). Vantagem Competitiva: os modelos teóricos atuais e a convergência entre estratégia e teoria organizacional. Revista de Administração de Empresas, v. 40, n. 4, p. 20-37. Disponível em: . Acesso em: 24/07/2014.

Vergara, S. C. (2008). Métodos de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas.

Yin, R. (2009). Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. Porto Alegre: Editora Bookman.