O contexto organizacional como elemento de desenvolvimento da ambidesteridade em microempresas Outros Idiomas

ID:
39720
Resumo:
A ambidesteridade organizacional objetiva incentivar o desempenho das empresas por meio do desenvolvimento simultâneo do alinhamento e da adaptabilidade. Dentre os fatores contextuais que influenciam, destacam-se os efeitos da capacitação, confiança, disciplina, pressão e suporte sobre os participantes da organização. O objetivo deste estudo é analisar a relação do contexto organizacional com a efetivação da ambidesteridade organizacional em microempresas. Busca-se compreender se há relação positiva entre os atributos constitutivos do contexto organizacional e a ambidesteridade em microempresas. Para tanto, realizou-se um estudo de casos múltiplos com três microempresas da cidade de São Luís. Os principais resultados indicam que os fatores contextuais influenciam nas capacidades inovativas e, consequentemente, na ambidesteridade organizacional em microempresas. Os resultados apontam ainda que a ausência de tais fatores pode ocasionar a inexistência de atividades de inovação.
Citação ABNT:
RAMOS, H. R.; MATOS, H. T.; MOTA, E. H. S. O contexto organizacional como elemento de desenvolvimento da ambidesteridade em microempresas. International Journal of Innovation, v. 3, n. 1, p. 35-57, 2015.
Citação APA:
Ramos, H. R., Matos, H. T., & Mota, E. H. S. (2015). O contexto organizacional como elemento de desenvolvimento da ambidesteridade em microempresas. International Journal of Innovation, 3(1), 35-57.
DOI:
http://dx.doi.org/10.5585/iji.v3i1.45
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/39720/o-contexto-organizacional-como-elemento-de-desenvolvimento-da-ambidesteridade-em-microempresas/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Acs, Z. J.; Preston, L. (1997). Small and medium-sized enterprises, technology, and globalization: Introduction to a special issue on small and medium-sized enterprises in the global economy. Small Business Economics, 9(1), 1-6.

Adler, P. S.; Goldoftas, B.; Levine, D. I. (1999). Flexibility versus efficiency? A case study of model changeovers in the Toyota production system. Organization science, 10(1), 43-68.

BRASIL. (1999). Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 9.841, de 05 de outubro de 1999: Institui o Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte. Disponível em: . Acesso em: 03 maio 2015-2006.

BRASIL. (2006). Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006: Institui o Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte. Disponível em: . Acesso em: 01 maio 2015 2006.

Collins, E.; Lawrence, S.; Pavlovich, K.; Ryan, C. (2007). Business networks and the uptake of sustainability practices: the case of New Zealand. Journal of Cleaner Production, 15(8), 729-740.

Costa, A. B. D. (2006). O desenvolvimento econômico na visão de Joseph Schumpeter. Cadernos IHU Ideias, v.47, p.122.

Gibson, C. B.; Birkinshaw, J. (2004). The antecedents, consequences, and mediating role of organizational ambidexterity. Academy of management Journal, 47(2), 209-226.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6 ed. São Paulo: Atlas.

Guimarães, J. R. S. Organização Internacional do Trabalho. Escritório no Brasil. Perfil do Trabalho Decente no Brasil: um olhar sobre as Unidades da Federação durante a segunda metade da década de 2000. Brasilia: OIT, 2012.

Güttel, W. H.; Konlechner, S. W. (2009). Continuously hanging by a thread: Managing contextually ambidextrous organizations. Schmalenbach Business Review, 61, 150-171.

Hillary, R. (2004). Environmental management systems and the smaller enterprise. Journal of cleaner production, 12(6), 561-569.

IBGE. (2003). Coordenação de Serviços e Comércio. As micro e pequenas empresas comerciais e de serviços no Brasil: 2001. Rio de Janeiro.

IBGE. (2011). Gerência do Cadastro Central de Empresas. Estatísticas do cadastro central de empresas: 2009. Rio de Janeiro.

Lima, E. (2010). Estratégia de pequenas e médias empresas: uma revisão. REGE - Revista de Gestão. São Paulo, 17(2), 169-187.

LIMA, E. D. O. (2001). As definições de micro, pequena e média empresas brasileiras como base para a formulação de políticas públicas. Anais do II Encontro de Estudos Sobre Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas-EGEPE.

MANUAL, de Oslo. (1997). Diretrizes para a coleta e interpretação de dados sobre inovação. 3 ed. Paris: OCDE.

March, J. G. (1991). Exploration and exploitation in organizational learning. Organization science, 2(1), 71-87.

PORTE de empresa (2015). BNDES. Disponível em: http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/bndes/bndes_pt/Institucional/Apoio_Financeiro/porte.html. Acesso em: 1 maio. 2015.

Raisch, S.; Birkinshaw, J. (2008). Organizational ambidexterity: Antecedents, outcomes, and moderators. Journal of management.

Schumpeter, J. A. (1997). Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Nova Cultural.

SEBRAE. (2013). Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa. Brasília: SEBRAE/DIEESE Anual. 6 ed. 284 p. ISSN 1983-2095. Disponível em: http://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/Anexos/Anuario%20do%20Trabalho%20Na%20Micro%20e%20Pequena%20Empresa_2013.pdf. Acesso em: 3 maio 2015.

SEBRAE. (2014). Unidade de Gestão Estratégica. Participação das Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira. Brasília: SEBRAE. Disponível em: http://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/Estudos%20e%20Pesquisas/Participacao%20das%20micro%20e %20pequenas%20empresas.pdf. Acesso em: 6 maio 2015.

Storopoli, J. E.; Silva, M. A.; Pereira, C. R (2013). Ambidesteridade Organizacional e Tamanho de Empresa. In: Simpósio Internacional De Gestão De Projetos, 2.; 2013, São Paulo. Anais... São Paulo, [s.n.], p. 1-12.

Tidd, J.; Bessant, J.; Pavitt, K. (2008). Gestão da inovação. 3 ed. São Paulo: Bookman.

Tushman, M. L.; & O’Reilly III, C. A. (1996). Managing evolutionary and revolutionary change. California Management Review, 38(4), 8-28.

Yin, R. K. (2015). Estudo de Caso-: Planejamento e Métodos. Bookman editora.