Inovação no Setor Público Federal no Brasil na Perspectiva da Inovação em Serviços Outros Idiomas

ID:
39781
Resumo:
O objetivo deste trabalho foi analisar como ocorre a inovação no setor público, com base em casos de inovação premiados no Concurso de Inovação na Administração Pública Federal, entre 2006 e 2010. É um trabalho de natureza qualitativa que utilizou o modelo de vetores de competências e características técnicas da inovação em serviços, para analisar o conjunto de 30 casos de inovação. Os casos foram organizados em três grupos para serem analisados. Os resultados apontam que dois desses grupos apresentaram inovação radical, processo pelo qual a inovação representa a criação de um novo conjunto de características, expressas em um produto totalmente novo; e um grupo apresentou inovação incremental, pelo fato de demonstrar substituição de características no serviço, mas não uma mudança na estrutura geral do sistema. Como lacuna, aponta-se que a análise foi feita à luz da inovação em serviços pela ausência de referências em administração pública. Sugerem-se estudos que descrevam mudanças nos vetores e identifiquem indutores e inibidores das inovações.
Citação ABNT:
FERREIRA, V. R. S.; TETE, M. F.; SILVA FILHO, A. I.; SOUSA, M. M. Inovação no Setor Público Federal no Brasil na Perspectiva da Inovação em Serviços. Revista de Administração e Inovação, v. 12, n. 4, p. 99-118, 2015.
Citação APA:
Ferreira, V. R. S., Tete, M. F., Silva Filho, A. I., & Sousa, M. M. (2015). Inovação no Setor Público Federal no Brasil na Perspectiva da Inovação em Serviços. Revista de Administração e Inovação, 12(4), 99-118.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/39781/inovacao-no-setor-publico-federal-no-brasil-na-perspectiva-da-inovacao-em-servicos/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Abernathy, W. J., & Utterback, J. M. (1978). Patterns of industrial innovation. Technology Review, 64, 40–47.

Barcet, A. (2010). Innovation in services: A new paradigm and innovation model. In F. Gallouj & F. Djellal (Eds.), Handbook of innovation and services: A multi-disciplinary perspective (pp. 49–67).Cheltenham: Edward Elgar Publishing.

Barras, R. (1986). Towards a theory of innovation in services. Research Policy, 15(4), 161–173.

Bekkers, V., Edelenbos, J., & Steijn, B. (2011). Linking innovation to the public sector: Contexts, concepts and challenges. New York: Palgrave Macmillan.

Besharov, D. J., & Williams, H. (2012). Innovation inducement prizes: Connecting research to policy. Journal of Policy Analysis and Management, 31(3), 752–776.

Bloch, R. A., & Balassiano, M. (2000). A democratização da gestão pública: As relações entre gestor, inovação e porte demográfico do município. Revista de Administração Pública, 34(1), 145–164.

Borins, S. (1998). Innovating with integrity. Washington: Georgetown University Press.

Borins, S. (2000). Loose cannons and rule breakers, or enterprise leaders? Some evidence about public managers. Public Administration Review, 60(6), 490–499.

Borins, S. (2001). Encouraging innovation in the public sector. Journal of Intellectual Capital, 2(3), 310–319.

Borins, S. (2006). The challenge of innovating in government (2nd ed.). Arlington: IBM Center for The Business of Government.

Damanpour, F. (1987). The adoption of technological, administrative, and ancillary innovations: Impact of organizational factors. Journal of Management, 13(4), 675–688.

Djellal, F., & Gallouj, F. (2005). Mapping innovation dynamics in hospitals. Research Policy, 34(6), 817–835. doi:10.1016/j.respol.2005.04.007

Djellal, F., & Gallouj, F. (2010). The innovation gap and the performance gap in the service economies: A problem for public policy. In F. Gallouj & F. Djellal (Eds.), Handbook of innovation and services: A multi-disciplinary perspective (pp. 653–678). Cheltenham: Edward Elgar Publishing.

Djellal, F., Gallouj, F., & Miles, I. (2013). Two decades of research on innovation in services: Which place for public services? Structural Change and Economic Dynamics, 27, 98–117.

Farah, M. F. S. (2008). Disseminação de inovações e políticas públicas e espaço local. Revista Organizações & Sociedade, 15(45), 107–126.

Ferrarezi, E., & Amorim, S. (2007). Concurso inovação na gestão pública federal: Análise de uma trajetória (1996-2006). Cadernos Enap, (32), 1–53.

Ferrarezi, E., Amorim, S., & Tomacheski, J. (2010). A sustentabilidade de iniciativas premiadas no concurso inovação: Indícios de mudança na gestão no governo federal? Cadernos Enap, (34), 11–51.

Ferreira, V. da R. S., Najberg, E., Ferreira, C. B., Barbosa, N. B., & Borges, C. (2014). Inovação em serviços de saúde no Brasil: análise dos casos premiados no Concurso de Inovação na Administração Pública Federal. (Portuguese). Revista de Administração Pública, 48(5), 1207–1227.

Gadrey, J. (2001). Emprego, produtividade e avaliação do desempenho dos serviços. In M. S. Salerno (Ed.), Relação de serviço: Produção e avaliação (pp. 23–65). São Paulo: Editora SENAC.

Gadrey, J., Gallouj, F., & Weinstein, O. (1995). New modes of innovation: How services benefit industry. International Journal of Service Industry Management, 6(3), 4–16.

Gallouj, F. (2002). Innovation in services and the attendant old and new myths. The Journal of SocioEconomics, 31(2), 137–154.

Gallouj, F., & Savona, M. (2010). Towards a theory of innovation in services: A state of the art. In F. Gallouj & F. Djellal (Eds.), Handbook of innovation and services: A multi-disciplinary perspective (pp. 27–48). Cheltenham: Edward Elgar Publishing.

Gallouj, F., & Weinstein, O. (1997). Innovation in services. Research Policy, 26(4-5), 537–556.

Gershuny, J. I., & Miles, I. (1983). The new service economy: The transformation of employment in industrial societies. London: Frances Pinter.

Halvorsen, T. (2005). On innovation in the Public Sector. Oslo: Publin/NIFU/STEP.

Hipp, C., Tether, B. S., & Miles, I. (2000). The incidence and effects of innovation in services: Evidence from Germany. International Journal of Innovation Management, 4(4), 417–453.

Hood, C. (1991). A public management for all seasons? Public Administration, 69(1), 3–19.

Howells, J. (2010). Services and innovation and service innovation: New theoretical directions. In F. Gallouj & F. Djelall (Eds.), Handbook of innovation and services: A multi-disciplinary perspective (pp. 68–83). Cheltenham: Edward Elgar Publishing.

Jorge, M. J., Carvalho, F. A., & Medeiros, R. O. (2012). Esforços de inovação organizacional e qualidade do serviço: Um estudo empírico sobre unidades hospitalares. Revista de Administração Pública, 47(2), 327–356.

Keinert, T. M. M. (1997). Política pública de saude, inovação e o plano de atendimento à saúde do município de São Paulo. Revista de Administração de Empresas, 37(3), 78–85.

Masters, W. A., & Delbecq, B. (2008). Accelerating innovation with prize rewards: History and typology of technology prizes and a new contest design for innovation in African agriculture. Washington: International Food Policy Research Institute.

Melo, C., & Tanaka, O. Y. (2002). O desafio da inovação na gestão em saude no Brasil: Uma nova abordagem teórico-empírica. Revista de Administração Pública, 36(2), 195–211.

Mohr, L. B. (1969). Determinantes of innovation in organization. The American Political Science Review, 63(1), 111–126.

Morrar, R. (2014). Innovation in services: A literature review. Technology Innovation Management Review, 4(4), 6–14.

Osborne, D., & Gaebler, T. (1993). Reinventing government: How the entrepreneurial spirit is transforming the public sector. New York: Plume.

Osborne, S. P., & Brown, K. (2005). Managing change and innovation in public service organizations. New York: Routledge.

Osborne, S. P., & Brown, L. (2011). Innovation, public policy and public services delivery in the UK. The word that would be king? Public Administration, 89(4), 1335–1350.

Pinheiro, I. A. (2003). Inovação em políticas públicas: A legislação ambiental como instrumento de modernização tecnológica: O caso da infovia do município de Porto Alegre. Revista de Administração Pública, 37(6), 1281–1297.

Queiroz, R. G. M., & Ckagnazaroff, I. B. (2010). Inovação no setor público : Uma análise do choque de gestão (2003-10) sob a ótica dos servidores e dos preceitos teóricos relacionados à inovação no setor público. Revista de Administração Pública, 44(3), 679–705.

Quental, C., Gadelha, C. A. G., & Fialho, B. C. (2001). O papel dos institutos públicos de pesquisa na inovação farmacêutica. Revista de Administração Pública, 33(5), 135–161.

Resende Jr., P. C., Guimaraes, T. A., & Bilhim, J. A. F. (2013). Escala de orientação para inovação em organizações públicas: Estudo exploratório e confirmatório no Brasil e em Portugal. Revista de Administração E Inovação, 10(1), 257–277.

Rosenblati, M. (2011). The use of innovation awards in the public sector: Individual and organizational perspectives. Innovation: Management, Policy and Practice, 13(2), 207–219.

Sørensen, E., & Torfing, J. (2012). Collaborative innovation in the public sector. The Innovation Journal, 17(1), 1–14.

Sousa, M. de M., Ferreira, V. da R. S., Najberg, E., & Medeiros, J. J. (2013). Inovação no serviço público brasileiro: Análise de 16 edições do concurso de inovação na administração pública federal. In Anais do EnANPAD (pp. 1–11). Rio de Janeiro: ANPAD.

Spink, P. (2003). Inovação na perspectiva dos inovadores: A experiência do Programa Gestão Pública e Cidadania. Cadernos EBAPE.BR, I(2), 1–13.

Sundbo, J. (1997). Management of Innovation in Services. The Service Industries Journal, 17(3), 432– 455.

Tuschman, M. L., & Anderson, P. (1986). Technological discontinuities and organizational environments. Administrative Science Quarterly, 31(0), 439–465.

Vargas, E. R. de. (2010). Disseminação de iniciativas inovadoras premiadas no concurso inovação na gestão pública federal (1996-2006). Cadernos Enap, (34), 58–115.

Vence, X., & Trigo, A. (2010). Global and national cooperation in service innovation. In F. Gallouj & F. Djellal (Eds.), Handbook of innovation and services: A multi-disciplinary perspective (pp. 545– 572). Cheltenham: Edward Elgar Publishing.

Walker, R. M. (2006). Innovation type and diffusion: An empirical analysis of local government. Public Administration, 84(2), 311–335.

Windrum, P. (2008). Innovation and entrepreneurship in public services. In P. Windrum & P. Koch (Eds.), Innovation in public sector services: Entrepreneurship, creativity and management (pp. 3– 251). Cheltenham: Edward Elgar Publishing.

Windrum, P., & García-Goñi, M. (2008). A neo-Schumpeterian model of health services innovation. Research Policy, 37(4), 649–672. doi:10.1016/j.respol.2007.12.011

Windrum, P., García-Goñi, M., & Fairhurst, E. (2010). Innovation in public health care: Diabetes education in the UK. In F. Gallouj & F. Djellal (Eds.), Handbook of innovation and services: A multidisciplinary perspective (pp. 129–152). Cheltenham: Edward Elgar Publishing.

Wu, J., Ma, L., & Yang, Y. (2013). Innovation in the Chinese public sector: Typology and distribution. Public Administration, 91(2), 347–365.