Uma Análise Intrassetorial e Intersetorial do Grau de Inovação de Empresas de Pequeno Porte do Estado de Pernambuco Outros Idiomas

ID:
39783
Resumo:
O desenvolvimento da inovação nas empresas tem como alicerce o esforço da continuidade na geração de indicadores de desempenho. Entretanto, medidas e avaliações realizadas em empresas frequentemente são pautadas em objetivos e efeitos imediatistas, impossibilitando o esforço do prosseguimento na geração de parâmetros. Para o processo de melhoria gradual do desempenho da organização, as avaliações do grau de inovação devem ser contínuas. Diante disto, este estudo avalia o grau de inovação (GI), o grau de inovação setorial (GIS) e o característico de inovação setorial (CIS) de empresas de pequeno porte (EPPs) pertencentes aos setores de indústria, comércio e serviços do estado de Pernambuco, sob uma perspectiva de análise intrassetorial contínua e intersetorial. Para atingir este objetivo, houve aplicação do diagnóstico Radar da Inovação em 90 EPPs, em três momentos distintos. Os resultados apontaram que o setor de serviços demonstrou maior evolução do grau de inovação quando comparado ao de comércio e indústria. O setor de comércio apresentou evolução do GI em todas as dimensões, enquanto o setor industrial obteve acréscimos em apenas seis dimensões do radar. Por meio do GIS foi possível identificar as dimensões Relacionamento, Clientes e Marca como indutoras nos três setores analisados.
Citação ABNT:
PAREDES, B. J. B.; SANTANA, G. A.; CUNHA, T. N.; AQUINO, J. T. Uma Análise Intrassetorial e Intersetorial do Grau de Inovação de Empresas de Pequeno Porte do Estado de Pernambuco. Innovation and Management Review, v. 12, n. 4, p. 140-161, 2015.
Citação APA:
Paredes, B. J. B., Santana, G. A., Cunha, T. N., & Aquino, J. T. (2015). Uma Análise Intrassetorial e Intersetorial do Grau de Inovação de Empresas de Pequeno Porte do Estado de Pernambuco. Innovation and Management Review, 12(4), 140-161.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/39783/uma-analise-intrassetorial-e-intersetorial-do-grau-de-inovacao-de-empresas-de-pequeno-porte-do-estado-de-pernambuco/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Andreassi, T. (2007). Gestão da inovação metodológica. São Paulo: Thomson Learning.

Armbruster, H. et al. (2008). Organizational innovation: The challenge of measuring non-technical innovation in large-scale surveys. Technovation, n. 28, p. 644–657.

Bachmann, D. L.; Destefani, J. H. (2008). Metodologia para estimar o grau das inovações nas MPE. Curitiba.

BRASIL. Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. DOU, Brasília, n. 232, 3 dez. 2004.

Carayannis, E. G.; Provance, M. (2008). Measuring firm innovativeness: towards a composite innovation index built on firm innovative posture, propensity and performance attributes. International Journal of Innovation and Regional Development, 1(1), p. 90-107.

Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed/Bookman, p. 296.

Drucker, P. F. (2002). Inovação e espírito empreendedor. Tradução de Carlos Malferrari. São Paulo: Pioneira Thomson.

Hronec, S. M. (1994). Sinais vitais: usando medidas de desempenho da qualidade, tempo e custo para traçar a rota para o futuro de sua empresa. São Paulo: Makron Books, p. 240.

Julien, P-A. (2010). Empreendedorismo regional e economia do conhecimento. São Paulo: Saraiva.

Lara, F. F. & Guimarães, M. R. N. (2013). Inovação organizacional: estudos de caso comparativos entre duas empresas de pequeno porte e duas empresas subsidiárias do setor metal-mecânico da região de Sorocaba. GEPROS. Gestão da Produção, Operações e Sistemas, Bauru, Ano 8, nº 1, p. 95-107.

Moreira, D. & Queiroz, A. C. (Org.). (2007). Inovação organizacional e tecnológica. São Paulo: Thomson.

Oliveira, M. R. G. et al. (2011). Grau de Inovação de micro e pequenas empresas pernambucanas: um estudo comparativo. In: Simpósio de Engenharia de Produção – SIMPEP, 18. Bauru, SP. Anais do ... São Paulo: UNESP, 2011b, p. 1-14.

Oliveira, M. R. G. et al. (2011). Grau de Inovação Setorial uma abordagem a partir do radar de inovação. In: Encontro Nacional de Engenharia de Produção, ENEGEP, 31. Belo Horizonte. Anais do ... Belo Horizonte: ABEPRO, 2011a, p. 1-13.

Oliveira, M. R. G. et al. (2014). Mensurando a inovação por meio do grau de inovação setorial e do característico setorial de inovação. Revista de Administração e Inovação – RAI. São Paulo, SP, v. 11, n.1, p. 113-137.

Oliveira, M. R. G., Cavalcanti, A. M., & Paiva Jr, F. G. (2013). Mensurando a inovação por meio do grau de inovação setorial e do característico setorial de inovação. In: Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais SIMPOI, 16. São Paulo, SP. Anais do ... São Paulo:FGV/EAESP, p. 1-16.

Organização para Cooperação Econômica e Desenvolvimento (OCDE). (2006). Manual de Oslo: diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. 3. ed. Brasília: FINEP.

Paredes, B. J. B., Santana, G. A., & Fell, A. F. A. (2014). Um estudo de aplicação do radar da inovação: o grau de inovação organizacional em uma empresa de pequeno porte do setor metalmecânico. Navus revista de gestão e tecnologia, Florianópolis, 4(1), p. 76-88.

Paredes, B. J. B., Valente, B., & Santana, G. A. (2013). A marca como diferencial de inovação: um estudo em empresas de pequeno porte do segmento metalmecânico em recife/pe. In: simpósio de Engenharia de Produção, 20, SIMPEP, Bauru. Anais do XX SIMPEP, Bauru, SIMPEP.

Rocha, M. J. F. et al. (2011). Análise da influência da estrutura organizacional no processo de inovação nas micro e pequenas empresas do setor da indústria moveleira de pernambuco. In: simpósio de Engenharia de Produção, 18, SIMPEP, Bauru. Anais do XX SIMPEP, Bauru, SIMPEP.

Santana, G. A., Paredes, B. J. B., & Valente, B. (2013). Inovação em empresas organizadoras de eventos: análise da dimensão relacionamento do radar da inovação. In: simpósio de Engenharia de Produção, 20, SIMPEP, Bauru. Anais do XX SIMPEP, Bauru, SIMPEP.

Sawhney, M., & Chen, J. (2010). Defining and Measuring Business Innovation: The Innovation Radar.IN: Proceedings of the American Marketing Association Conference, Boston.

Sawhney. M., Wolcott, R., & Arroniz, I. (2006). As 12 dimensões da Inovação. MIT Sloan Management Review, Cambridge, p. 75-81.

Schumpeter, J. A. (1985). Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, credito, juro e o ciclo econômico. 2. ed. São Paulo: Nova Cultural.

Schumpeter, J. A. (1988). A teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Nova Cultural.

Silva Néto, A. T., & Teixeira, R. M. (2011). Mensuração do grau de inovação de micro e pequenas empresas: estudo em empresas da cadeia têxtil-confecção em Sergipe. Revista de Administração e Inovação, São Paulo, 8(3), p. 205-229, jul./set.

Silva, M. E. (2013). Inovação Organizacional para o Consumo Sustentável: a inserção de novas práticas e tecnologias nos negócios do Walmart Brasil. Reunir Revista de Administração, Ciências Contábeis e Sustentabilidade, 3, p. 66-89.

Tidd, J., Bessant, J. & Pavitt, K. (2008). Gestão da Inovação. Porto Alegre: Bookman.

Ukko, J., & Saunila, M. (2013). The role of reflection in facilitating and assessing innovativeness. Journal of Technology Management & Innovation [online], 8(4), p. 170-176.