Inovação em Processo de Análise e Seleção de Acervos Digitais Outros Idiomas

ID:
39788
Resumo:
A computação impregnada em objetos, máquinas, instalações (pervasive computing) é uma das características da sociedade da informação, que proporciona maior diversidade e disponibilidade na oferta de acervos de dados e informações. Atualmente o problema informacional não é mais ausência de dados e informações, mas o seu excesso, o que torna complexo e moroso o processo de análise da qualidade e seleção de conteúdos digitais, estejam estes em banco de dados ou repositório de informações. Com o objetivo de aprimorar este processo, este trabalho propõe um artefato para análise da qualidade de acervos digitais, inovador por direcionar as ações por prioridades e por contemplar especificidades tanto de bancos de dados quanto de repositórios de informações. A pesquisa é qualitativa e aplicou a técnica de grupo de discussão, percorrendo as etapas iniciais da estratégia de pesquisa design science research (DSR) associadas à concepção e averiguação da funcionalidade (affordance) de um artefato de natureza científica. Treinaram-se cinco pesquisadores na utilização do artefato, que o utilizaram para análise de cinco acervos associados a micro e pequenas empresas brasileiras, sendo: três de dados, disponíveis em banco de dados; e dois de informações, disponíveis em repositórios de informação. O artefato proposto foi avaliado por meio de uma escala de opiniões e atitudes. Os processos de pesquisa realizados colaboraram com a evolução do artefato, com a identificação e execução de pontos de melhoria que o tornaram mais funcional segundo seus usuários, adequando-o para etapa seguinte da DSR, que implica no teste de utilidade.
Citação ABNT:
SORDI, J. O.; JENUINO, G. R.; COSTA, M. A. M. Inovação em Processo de Análise e Seleção de Acervos Digitais. Revista de Administração e Inovação, v. 12, n. 4, p. 254-276, 2015.
Citação APA:
Sordi, J. O., Jenuino, G. R., & Costa, M. A. M. (2015). Inovação em Processo de Análise e Seleção de Acervos Digitais. Revista de Administração e Inovação, 12(4), 254-276.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/39788/inovacao-em-processo-de-analise-e-selecao-de-acervos-digitais/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Batini, C., et al. (2009). Methodologies for Data Quality Assessment and Improvement. ACM Computing Surveys, 41(3), 16.1-16.52.

Bawden, B., & Robinson, L. (2009). The dark side of information: overload, anxiety and other paradoxes and pathologies. Journal of Information Science, 35(2), 180-191.

Bettman, J.R. (1979). An information processing theory of consumer choice, Reading, MA: AddisonWesley.

Canales, M., & Peinado, A. Grupos de Discusión. (1994). In: Delgado, J.M., Gutiérrez, J. (Org.) Métodos y Técnicas cualitativas de investigación em Ciencias Sociales. Madrid: Síntesis, 288-316.

Cunha, M.B. (1989). Bases de Dados no Brasil: um potencial inexplorado. Ciência da Informação, 18(1), 45-57.

Damanpour, F., Gopalakrishnan, S. (2001). The dynamics of the adoption of product and process innovations in organizations. Journal of Management Studies, 38, 45–65.

Date, C.J. (2004). Introdução a Sistemas de Bando de Dados. São Paulo: Elsevier Editora.

Davenport T. H. (1993). Process innovation: reengineering work trough information technology. Boston: Ernst &Young.

De Sordi, J.O. (2013). Elaboração de Pesquisa Científica: Seleção, Leitura e Redação. São Paulo: Editora Saraiva.

Dosi, G. (1988). The nature of the innovative process. In: Dosi, G. et al. (Org.) Technical change and economic theory. Londres: Pinter.

Eppler, J.M., & Mengis, J. (2004). The Concept of Information Overload: A Review of Literature from Organization Science, Accounting, Marketing, MIS, and related Disciplines. The Information Society, 20(5), 325-344.

Gao, J. et al. (2010). Solving the Information Overload Problem: The Role of Unconscious Thought in Enhancing Online Purchasing Decisions. Proceedings do Pacific Asia Conference on Information Systems (PACIS 2010), Taipei, Taiwan, July 2010. Retirado de: http://aisel.aisnet.org/pacis2010/129

Garvin, D.A. (1988). Managing Quality. New York: The Free Press.

Gaver, W.W. (1996). Situating action II: Affordances for interaction the social is material for design. Ecological Psychology, 9, 111–129.

Gorey, R.M., & Dobat, D.R. (1996). Managing inthe Knowledge Era. The Systems Thinker, Waltham, 7(8), 1-5.

Gregor, S., & Hevner, A.R. (2013). Positioning and presenting design science research for maximum impact. MIS Quarterly, 37(2), 337-355.

Hevner, A.R. et al. (2004). Design science in Information Systems Research.MIS Quarterly, 28(1), 75105.

Huang, K.Y. et al. (1999). Quality Information and Knowledge. Upper Saddle River, NJ: PrenticeHall.

Iivari, J. (2007). A paradigmatic analysis of information systems as a design science.Scandinavian Journal of Information Systems, 19(2), 39-64.

International Center for Media and the Public Agenda. (2007). Openness & Accountability: A Study of Transparency in Global Media Outlets. Retirado de: Acesso em: 27 jul. 2014.

Kuechler, B., & Vaishnavi, V. (2008). Theory development in design science research: anatomy of a research project. European Journal of Information Systems, 17(5), 489–504.

Kuo, F. et al. (2013). A Study of Social Information Control Affordances and Gender Difference in Facebook Self-Presentation. Cyberpsychology, Behavior & Social Networking, 16(9), 635-644.

Lazarte, L. (2000). Ecologia cognitiva na sociedade da informação. Ciência da Informação, 29(2), 4351.

Leifer, R. et al. (2003). Radical innovation: how mature companies can outsmart upstars. Boston: Harvard Business School Press.

Lino, R. (2005). Metodologia Científica. 3. ed.São Paulo: Edições Loyola.

Loshin, D. (2011). The practitioner's guide to data quality improvement. Burlington, MA: Morgan Kaufmann.

Ma, X. J. et al. (2010). Information explosion on complex networks and control. European Physical Journal B Condensed Matter, 76(1), 179-183.

Niosi, J. et al. (1993). National systems of innovation: in search of a workable concept. Technology in Society, 15(2), 207-227.

Roper, S., & Love, J. H. (2002). Innovation and export performance: evidence from UK and german manufacturing plants. Research Policy, 31, 1087-1102.

Rybczynski, T. (2007). UC For all employees transforms the enterprise. Business Communications Review, 37(6), 30-34.

Saaty, T. L. (1980). The Analytic Hierarchy Process. New York: McGraw-Hill.

Salmela, H. (1997). From information systems quality to sustainable busness quality. Information and Software Technology, 39(12), 819-825.

Shane, S. A. (2003). A general theory of entrepreneurship: the individual-opportunity nexus. Massachusets: Edward Elgar Publishing.

Smith, M. (2002). DSpace: An Open Source Institutional Repository for Digital Material. D-Lib Magazine, 8(10).

Sundbo, J., & Gallouj, F. (2000). Innovation as a Loosely Coupled System in Services. In: Metcalfe, J., Miles, I. (Orgs.) Innovation Systems in the Service Economy: Measurement and Case Study Analysis. Boston: Kluwer Academic Publishers, 43-68.

Tidd, J. et al. (2008). Gestão da Inovação, ed. 3, Porto Alegre: Bookman.

Tozer, G. (1999). Metadata Management for Information Control and Business Success. Norwood,MA: ArtechHouse.

Wilder Jr., J. W. (1981). New concepts in technical trading systems. New York: Trends Research.