Importância das redes nos processos de inovação e internacionalização de empresas de base tecnológica Outros Idiomas

ID:
3990
Resumo:
Atualmente, verifica-se uma tendência nas pesquisas em relacionar o desempenho das empresas às suas características empreendedoras: proatividade, inovação e inserção numa rede de relacionamentos. Entretanto, uma grande parte dos estudos se concentra na análise dos países desenvolvidos e com mercados domésticos pequenos. O presente estudo focou empresas brasileiras, com o objetivo de avaliar os modos pelos quais as redes de relacionamento e as atividades de inovação influenciam a intensidade da internacionalização. Trata-se de um estudo de natureza qualitativa, conduzido em três empresas de base tecnológica do polo tecnológico de Florianópolis (Estado de Santa Catarina, sul do Brasil). Os resultados demonstraram que as empresas atribuem grande importância às redes nas suas atividades de internacionalização. Utilizando-as como fonte de informação, têm acesso facilitado aos mercados externos. Além disso, tais empresas se percebem como inovadoras, liderando o desenvolvimento de tecnologia dos seus setores no país, no entanto, o seu desempenho nas atividades internacionais não configuram processos de internacionalização acelerada. Uma explicação provável é que as redes nas quais as empresas se inserem apresentem um baixo nível de internacionalização. Embora as empresas tenham atribuído importância às redes para a sua internacionalização, o polo tecnológico no qual se inseriram não apresenta um alto grau de internacionalização. Adicionalmente, o estudo dos três casos mostrou que há evidências da importância das redes na busca de estratégias de inovação.
Citação ABNT:
MAIS, I.; CARVALHO, L. C.; AMAL, M.; HOFFMANN, M. G. Importância das redes nos processos de inovação e internacionalização de empresas de base tecnológica. Innovation and Management Review, v. 7, n. 1, art. 80, p. 36-52, 2010.
Citação APA:
Mais, I., Carvalho, L. C., Amal, M., & Hoffmann, M. G. (2010). Importância das redes nos processos de inovação e internacionalização de empresas de base tecnológica. Innovation and Management Review, 7(1), 36-52.
DOI:
10.5773/rai.v7i1.286
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/3990/importancia-das-redes-nos-processos-de-inovacao-e-internacionalizacao-de-empresas-de-base-tecnologica/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Arbix, G.; Salerno, M. S.; De Negri, J. A. (2004). Inovação, via internacionalização, faz bem para as exportações brasileiras. In Fórum Nacional Economia do Conhecimento, Crescimento Sustentado e Inclusão Social, 16 (pp.1-26). Rio de Janeiro: INAE.

Chetty, S.; Holm, D. B. (2000). Internationalisation of small to medium-sized manufacturing firms: a network approach. International Business Review, 9, 77-93.

Clark, T.; Pugh, D. S.; Mallory, G. (1997). The process of internationalization in the operating firm. International Business Review, 6(6), 605-623.

Coviello, N. E. (2006). The network dynamics of international new ventures. Journal of International Business Studies, v. 37, p. 713-731.

Coviello, N. E.; Munro, H. J. (1995). Growing the entrepreneurial firm: networking for international market development. European Journal of Marketing, 29(7), 49-61.

Financiadora de Estudos e Projetos. (n.d.). Venture capital – glossário. Recuperado em 13 de setembro, 2009, de http://www.venturecapital.gov.br/VCN/e_CR.asp.

Freitag Filho, A. R.; Amal, M. (2008). Estratégias e determinantes da internacionalização de pequenas e médias empresas (PMEs): abordagem da teoria de redes de relacionamento e empreendedorismo [CD-ROM]. In Encontro Nacional de Programas de Pós-Graduação em Administração, 32. Rio de Janeiro: ANPAD.

Gulati, R.; Nohria, N.; Zaheer, A. (2000). Redes estratégicas. Strategic Management Journal, v. 21, 203-215.

Hadley, R. D.; Wilson, H. I. M. (2003). The network model of Internationalization and experiential knowledge. International Business Review, v. 12, 697-717

Harris, S.; Wheeler, C. (2005). Entrepreneur’s relationships for internationalization: functions, origins and strategies. International Business Review, v. 14, 187-207.

Hilal, A.; Hemais, C. A. P. G. (2003). O processo de internacionalização na ótica da Escola Nórdica: evidências empíricas em empresas brasileiras. Revista de Administração Contemporânea, 7(1), 109-124.

Johanson, J.; Mattsson, L. G. (1988). Internationalisation in industrial systems – a network approach. In M. Hood, & J. E. Vahlne (Eds). Strategies in global competition (pp. 287-314). London: Croom Helm.

Johanson, J.; Vahlne, J. E. (1977). The internationalization process of the firm – a model of knowledge development and increasing market commitments. Journal of International Business Studies, 8(1), 23-32.

Knight, G. A.; Cavusgil, T. S. (2004). Innovation, organizational capabilities, and the born-global firm. Journal of International Business Studies, v. 35, 124-141.

Loane, S.; Bell, J. (2006). Rapid internationalization among entrepreneurial firms in Australia, Canada, Ireland and New Zealand: an extension to the network approach. International Marketing Review, 23(5), 467-485.

Mathews, J. A.; Zander, I. (2007). The international entrepreneurial dynamics of accelerated internationalization. Journal of International Business Studies, v. 38, 387-403.

Moen, Ø.; Gavlen, M.; Endresen, I. (2004). Internationalization of small, computer software firms Entry forms and market selection. European Journal of Marketing, 38(9/10), 1236-1251.

Oviatt, B. M.; McDougall, P. P. (1994). Toward a theory of international new ventures. Journal of International Business Studies, 25(1), 45-64.

Peng, M. W. (2004). Identifying the big question in international business research. Journal of International Business Studies, v. 35, 99-108.

Weerawardena, J.; Mort, G. S.; Liesch, P. W.; Knight G. (2007). Conceptualizing accelerated internationalization in the born-global firm: a dynamic capabilities perspective. Journal of World Business, v. 42, 294-306.