Para além dos paradigmas nos Estudos Organizacionais: o Círculo das Matrizes Epistêmica Outros Idiomas

ID:
39987
Periódico:
Resumo:
Neste artigo, apresento um esboço de proposição para orientar os estudos organizacionais: o Círculo das Matrizes Epistêmicas. Inspirados por Thomas Kuhn e apoiando-se na tese da incomensurabilidade dos paradigmas, Gibson Burrell e Gareth Morgan elaboraram o diagrama dos paradigmas sociológicos, mas sua inserção na academia vem estimulando uma guerra paradigmática. O Círculo das Matrizes Epistêmicas também proporciona um esquema para orientação dos estudos organizacionais, mas baseia-se em Habermas e defende a tese da incompletude cognitiva, sugerindo que o conhecimento sociológico e organizacional se desenvolve de acordo com a tese das reconstruções epistêmicas. Para realizar essas proposições e elaborações, apresento o debate sobre a guerra paradigmática na literatura e questiono a adequação dos paradigmas sociológicos de Gibson Burrell e Gareth Morgan para os estudos organizacionais, problematizando a influência que eles sofreram dos paradigmas e da lógica kuhniana. Nas seções seguintes, há uma exposição da proposição alternativa – o Círculo das Matrizes Epistêmicas – e, também, a defesa da tese da incompletude cognitiva e das reconstruções epistêmicas, a fim de trazer uma nova teoria do desenvolvimento do conhecimento para a área. Finalizando, apresento as conclusões e reflexões para futuras pesquisas.
Citação ABNT:
PAULA, A. P. P.Para além dos paradigmas nos Estudos Organizacionais: o Círculo das Matrizes Epistêmica. Cadernos EBAPE.BR, v. 14, n. 1, p. 24-46, 2016.
Citação APA:
Paula, A. P. P.(2016). Para além dos paradigmas nos Estudos Organizacionais: o Círculo das Matrizes Epistêmica. Cadernos EBAPE.BR, 14(1), 24-46.
DOI:
http://dx.doi.org/10.1590/1679-395131419
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/39987/para-alem-dos-paradigmas-nos-estudos-organizacionais--o-circulo-das-matrizes-epistemica/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
HASSARD, J. Multiple Paradigms and Organizational Analysis: A Case Study. Organization Studies, London, v. 12, n. 2, p. 275299, Apr. 1991.

ADORNO, T. Dialética Negativa. Rio de Janeiro: Zahar, 1967/2009. 352 p.

ADORNO, T. Introdução à Controvérsia sobre o Positivismo na Sociologia Alemã. In: ADORNO, T. W. Textos Escolhidos. Coleção “Os Pensadores”. São Paulo: Nova Cultural, 1974/1999. 117-161 p.

ARANA, H. G. Positivismo: Reabrindo o Debate. Campinas: Autores Associados, 2007. 144 p.

ASSIS, J. P. Kuhn e as Ciências Sociais. Estudos Avançados, São Paulo, v. 7, n. 19, p. 133-164, set. 1993.

BERGER, P.; LUCKMANN, T. A Construção Social da Realidade. Tratado de Sociologia do Conhecimento. 26. ed. Petrópolis: Vozes, 1966/2006. 247 p.

BRONNER, S. E. Introdução. In: BRONNER, S. E. Da Teoria Crítica e seus Teóricos. Campinas: Papirus, 1997. 9-20 p.

BRONNER, S. Pontos de Partida: Esboços para uma Teoria Crítica com Fins Públicos. In: BRONNER, S. E. Da Teoria Crítica e seus Teóricos. Campinas: Papirus, 1997. 387-424 p.

BURRELL, G. Ciência Normal, Paradigmas, Metáforas, Discursos e Genealogia da Análise. In: CLEGG, S. et al. (Org.). Handbook de Estudos Organizacionais. Modelos de Análise e Novas Questões em Estudos Organizacionais. v.1. São Paulo: Atlas, 1996/1998. 439-462 p.

BURRELL, G.; MORGAN, G. Sociological Paradigms and Organisational Analysis. Elements of the Sociology of Corporate Life. Vermont: Ashgate, 1979. 432 p.

CALDAS, M. P. Paradigmas em Estudos Organizacionais: Uma Introdução à Série. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 45, n. 1, p. 53-57, jan. 2005.

DAGNINO, R. A Tecnologia Social e seus Desafios. In: DAGNINO, R. (Org.). Tecnologia Social, uma Estratégia para o Desenvolvimento. Rio de Janeiro: Fundação Banco do Brasil, 2004. 187-210 p.

DAGNINO, R. Em Direção a uma Teoria Crítica da Tecnologia. In: DAGNINO, R. (Org.). Tecnologia Social: Ferramenta para Construir uma Outra Sociedade. Campinas: EdUNICAMP, 2009. 73-112 p.

DEETZ, S. Describing Difference in Approaches to Organization Science: Rethinking Burrell and Morgan and Their Legacy. Organization Science, Hanover, v. 7, n. 2, p. 191-207, Apr. 1996.

DONALDSON, L. In Defence of Organization Theory. A Reply to the Critics. Cambridge: Cambridge University Press, 1985. 196 p.

ECKBERG, D. L.; HILL, L. The Paradigm Concept and Sociology: A Critical Review. American Sociological Review, Washington, v. 44, n. 6, p. 925-937, Dec. 1979.

HABERMAS, J. A Filosofia como Guardador de Lugar e como Intérprete. In: HABERMAS, J. Consciência Moral e Agir Comunicativo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1983/1989. 17-35 p.

HABERMAS, J. A Lógica das Ciências Sociais. Petrópolis: Vozes, 1967/2009. 336 p.

HABERMAS, J. Conhecimento e Interesse. Com um Novo Posfácio. Rio de Janeiro: Zahar, 1968/1982. 367 p.

HABERMAS, J. Depois de Trinta Anos: Notas acerca de Conhecimento e Interesse. Problemata. Revista Internacional de Filosofia, João Pessoa, v. 2, n. 2, p. 332-341, 2008/2011.

HASSARD, J. Sociology and Organization Theory. Positivism, Paradigms e Postmodernity. Cambridge: Cambridge University Press, 1993. 168 p.

HASSARD, J.; KELEMEN, M. Production and Consumption in Organizational Knowledge: The Case of the “Paradigms” Debate. Organization, London, v. 9, n. 2, p. 331-355, May. 2002.

HILL, M. R. Epistemology, Axiology, and Ideology in Sociology. Mid-American Review of Sociology, Kansas, v. 9, n. 2, p. 59-77, Spring. 1984.

JACKSON, N.; CARTER, P. “Paradigms Wars”: A Response to Hugh Willmott. Organization Studies, London, v. 14, n. 5, p. 727-730, Sept. 1993.

JACKSON, N.; CARTER, P. In Defence of Paradigm Incommensurability. Organization Studies, London, v. 12, n. 1, p. 109-127, jan. 1991.

KUHN, T. A Estrutura das Revoluções Científicas. 5. ed. São Paulo: Perspectiva, 1962/1997. 264 p.

LEWIS, M. W.; GRIMES, A. J. Metatriangulation: Building Theory from Multiple Paradigms. Academy of Management Review, New York, v. 24, n. 4, p. 672-690, Oct. 1999.

LEXIKON, H. Dicionário de Símbolos. São Paulo: Cultrix, 1978/1994. 216 p.

LÖWY, M. As Aventuras de Karl Marx contra o Barão de Münchhausen. Marxismo e Positivismo na Sociologia do Conhecimento. 6. ed. São Paulo: Cortez, 1998. 220 p.

MASTERMAN, H. The Nature of a Paradigm. In: LAKATOS, I.; MUSGRAVE, A. Criticism and the Growth of Knowledge. Cambridge: Cambridge University Press, 1970. 59-89 p.

NEDER, R. T. (Org.). A Teoria Crítica de Andrew Feenberg. Racionalização Democrática, Tecnologia e Poder. Brasília: Kako, 2010. 341 p.

PARKER, M.; MCHUGH, G. Five Texts in Search of an Author: A Response to John Hassard’s “Multiple Paradigms and Organizational Analysis”. Organization Studies, London, v. 12, n. 3, p. 451-456, July. 1991.

PAVÃO, Y. M. P.; SEHNEM, S.; GODOI, C. K. A Postura Hermenêutica nos Estudos Organizacionais Brasileiros. In: ENCONTRO DE ESTUDOS ORGANIZACIONAIS, 6, 2010. Florianópolis. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2010.

PFEFFER, J. Barriers to the Advance of Organizational Science: Paradigm Development as a Dependent Variable. Academy of Management Review, New York, v. 18, n. 4, p. 599-620, Oct. 1993.

PRADO, E. F. S. Economia, Complexidade e Dialética. São Paulo: Plêiade, 2009. 165 p.

REED, M. Redirections in Organizational Analysis. London: Tavistock, 1985. 180 p.

REED, M. Reflections on the “Realist Turn” in Organization and Management Studies. Journal of Management Studies, Oxford, v. 42, n. 8, p. 1621-1644, Dec. 2005.

SCHERER, A. G. Pluralism and Incommensurability in Strategic Management and Organization Theory: A Problem in Search of a Solution. Organization, London, v. 5, n. 2, p. 147-168, May. 1998.

SCHERER, A. G.; STEINMANN, H. Some Remarks on the Problem of Incommensurability in Organization Studies. Organization Studies, London, v. 20, n. 3, p. 519-544, May. 1999.

SEN, A. A Ideia de Justiça. São Paulo: Companhia das Letras, 2011. 492 p.

SOUZA, E. M.; SOUZA, S. P.; LEITE-DA-SILVA, A. R. O Pós-Estruturalismo e os ECG: Da Busca pela Emancipação à Constituição do Sujeito. In: Encontro Nacional de Pós-Graduação em Administração, 35, 2011. Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2011.

TADAJEWSKI, M. The Debate that won’t Die?Values Incommensurability, Antagonism and Theory Choice. Organization, London, v. 16, n. 4, p. 467-485, July. 2009.

URRY, J. Thomas S. Kuhn as Sociologist of Knowledge. British Journal of Sociology, London, v. 24, n. 4, p. 462-473, Dec. 1973.

WEAVER, G. R.; GIOIA, D. A. Paradigms Lost: Incommensurability vs. Structurationist Inquiry. Organization Studies, London, v. 15, n. 4, p. 565-590, July. 1994.

WILLMOTT, H. Breaking the Paradigm Mentality. Organization Studies, London, v. 14, n. 5, p. 681-719, Sept. 1993.

WILLMOTT, H. From Bravermania to Achizophrenia: The Dis(is/ ec)cased Condition of Subjectivity in Labour Process Theory. In: INTERNATIONAL LABOUR PROCESS CONFERENCE, 13, 1995. Blackpool. Proceedings… Blackpool: LPC, 1995.

WILLMOTT, H. Paradigm Gridlock: A Reply. Organization Studies, London, v. 14, n. 5, p. 727-730, Sept. 1993.