O teletrabalho na percepção dos teletrabalhadores Outros Idiomas

ID:
4006
Resumo:
O objetivo desta investigação foi traçar um quadro da percepção dos teletrabalhadores em relação à qualidade de sua vida profissional. Utilizando-se os dados da pesquisa qualitativa, obtidos por meio de entrevistas individuais em profundidade de uma amostra de vinte teletrabalhadores selecionados por conveniência, conclui-se que o teletrabalho traz bem-estar, melhora na qualidade de vida em relação ao trabalho presencial na empresa. O bem-estar do trabalhador relaciona-se com a sua saúde física e mental e com o impacto positivo desses fatores na eficácia organizacional. A contribuição teórica do artigo consiste na ampliação do conhecimento a respeito dessa forma inovadora de organização do trabalho, que está em franca expansão. Sua contribuição gerencial refere-se a subsídios para a decisão estratégica das organizações sobre a implementação dessa modalidade de trabalho.
Citação ABNT:
NOHARA, J. J.; ACEVEDO, C. R.; RIBEIRO, A. F.; SILVA, M. M. O teletrabalho na percepção dos teletrabalhadores. Revista de Administração e Inovação, v. 7, n. 2, art. 112, p. 150-170, 2010.
Citação APA:
Nohara, J. J., Acevedo, C. R., Ribeiro, A. F., & Silva, M. M. (2010). O teletrabalho na percepção dos teletrabalhadores. Revista de Administração e Inovação, 7(2), 150-170.
DOI:
10.5773/rai.v7i2.424
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/4006/o-teletrabalho-na-percepcao-dos-teletrabalhadores/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Arruda, A. Teoria das representações sociais e teorias de gênero. Caderno de Pesquisas, São Paulo, n. 117, p. 127-147, nov. 2002.

Brocklehurst, M. Power, identity and new technology homework: implications for ‘new forms’ of organizing. Organization Studies, London, v. 22, n. 3, p. 445-466, 2001.

Chanlat, J. F. O indivíduo na organização. Três volumes. São Paulo: Atlas, 1996.

Costa, I. S. A. Poder/saber e subjetividade na construção do sentido do teletrabalho. 2003. Tese (Doutorado) - Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas, Fundação Getulio Vargas, Rio de Janeiro, 2003.

Costa, I.S. A. Teletrabalho: subjugação e construção de subjetividades. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 41, n. 1, p. 105-124, jan./fev. 2007.

Dejours, C. A banalização da injustiça social. 7. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2007.

Dejours, C. A Loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1987.

Dejours, C. et al. Psicodinâmica do trabalho: contribuições da escola Dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas, 2007.

Dejours, C. O fator humano. 5. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2005.

Di Martino, V. The high road to teleworking. Geneva: International Labour Organization, 2001.

Dimitrova, D. Controlling teleworkers: supervision and flexibility revisited. New Technology, Work & Employment, Oxford, v. 18, n. 3, p. 181-195, Nov. 2003.

Durkheim, E. As formas elementares de vida religiosa. São Paulo: Paulinas, 1989.

European Trade Union Confederation. Framework agreement on telework. Brussels: ETUC, 2002.

Gaspareto Junior, R. et al. A sociedade da informação no Brasil: presente e perspectivas. São Paulo: Takano, 2002.

Jodelet, D. (Org). As representações sociais. Rio de Janeiro: UERJ, 2001.

Jovchelovitch, S. Vivendo a vida com os outros: intersubjetividade, espaço público e representações sociais. In: GUARESCHI, P. A.; JOVCHELOVITCH, S. (Org). Textos em representações sociais. 8. ed. Petrópolis: Vozes, 2003. p. 63-85.

Magnani, J. Discurso e representação ou de como os balomas de Kiriwina podem reencarnar-se nas atuais pesquisas. In: CARDOSO, Rute. L. (Org.). A aventura antropológica. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986. p. 127-140.

Minayo, M. O conceito de representações sociais dentro da sociologia clássica. In: Guareschi, P. A.; Jovchelovitch, S. (Org). Textos em representações sociais. 8. ed. Petrópolis: Vozes, 2003. p. 89-111.

Moscovici, S. La Psychanalyse: Son image et son public. Paris: PUF, 1961.

Moscovici, S. Representações sociais: investigações em psicologia social. Rio de Janeiro, Vozes, 2003.

Nilles, J. M. Fazendo do teletrabalho uma realidade: um guia para telegerentes e teletrabalhadores. Tradução Eduardo Pereira e Ferreira. São Paulo: Futura, 1997.

Oliveira, F. O.; Werba, G. C. Representações sociais. In: STREY, M. N. et al. Psicologia social contemporânea. Petrópolis: Vozes, 1998. p. 104-117.

Sociedade Brasileira de Teletrabalho e Teleatividades. Pesquisa geral no site. Disponível em: . Aceso em: 08 dez.2007.

Spink, M. O conceito de representação social na abordagem psicossocial. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, p 300-308, jul./set. 1993.

Spink, P. Pesquisa de campo em psicologia social: uma perspectiva pós-construcionista. Psicologia e Sociedade, Florianópolis, v. 15, n. 2, p. 18-42, jul./dez. 2003.

Taskin, L.; Devos, V. Paradoxes from the individualization of human resource management: the case of telework. Journal of Business Ethics, Dordrecht, v. 62, n. 1, p. 13-24, Nov. 2005.

Vasconselos, A. F. Qualidade de vida no trabalho: origem, evolução e perspectivas. Caderno de Pesquisas em Administração, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 23-35, jan./mar. 2001.