Perfis e Demandas de Aprendizagem dos Produtores Rurais Sindicalizados na Região Médio-Norte do Estado de Mato Grosso Outros Idiomas

ID:
40101
Resumo:
Por sua grande participação no PIB brasileiro, o setor agropecuário hoje representa um campo fértil de estudos e pesquisas. Nesse contexto, o objetivo deste estudo é identificar o perfil dos produtores rurais da região Médio-Norte1 de Mato Grosso e suas demandas de aprendizagem. Tendo como base teórica os estudos da aprendizagem informal e no local de trabalho, foi realizada uma pesquisa qualitativa interpretativa básica com os gestores de quatro sindicatos rurais do Médio-Norte do Estado de Mato Grosso. Para análise dos dados foi utilizado o método de análise de categorias com base em Lankshear e Knobel (2008). Foi possível perceber uma atuação ativa dos sindicatos frente às necessidades e interesses de seus representados no que se refere aos aspectos políticos e sociais. No que se refere à aprendizagem, percebe-se que ainda existem demandas de aprendizagem de aspectos administrativos de controle e comercialização, tecnologias produtivas e de informação, além das próprias características de clima e solo.
Citação ABNT:
CARVALHO, A. D. S. C.; BIDO, D. S. Perfis e Demandas de Aprendizagem dos Produtores Rurais Sindicalizados na Região Médio-Norte do Estado de Mato Grosso. Organizações Rurais & Agroindustriais, v. 17, n. 4, p. 491-506, 2015.
Citação APA:
Carvalho, A. D. S. C., & Bido, D. S. (2015). Perfis e Demandas de Aprendizagem dos Produtores Rurais Sindicalizados na Região Médio-Norte do Estado de Mato Grosso. Organizações Rurais & Agroindustriais, 17(4), 491-506.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/40101/perfis-e-demandas-de-aprendizagem-dos-produtores-rurais-sindicalizados-na-regiao-medio-norte-do-estado-de-mato-grosso/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AMARAL, J. F. S.; SILVA, J. T. M.; TEIXEIRA, L. A. A. Aplicação do processo analítico hierárquico como suporte à decisão na produção bovina de corte na Região de Betim/ MG. Contabilidade Vista & Revista, Belo Horizonte, v. 18, n. 3, p. 133-159, 2007.

BASTOS, J. R. M. Prolegômenos: o passado no presente: a visão do economista. In: BUAINAIN, A. M. et al. (Ed.). O mundo rural no Brasil do século 21: a formação de um novo padrão agrário e agrícola. Brasília: EMBRAPA, 2014. p. 16-22.

BERG, S. A.; CHYUNG, S. Y. Factors that influence informal learning in the workplace. Journal of Workplace Learning, Bingley, v. 20, n. 4, p. 229-244, 2008.

BILLETT, S. Workplace participatory practices: conceptualising workplaces as learning environments. Journal of Workplace Learning, Bingley, v. 16, n. 6, p. 312-324, 2004.

BINOTTO, E.; NAKAYAMA, M. K. Um método de análise da criação de conhecimento para a realidade do agronegócios. REAd. Revista Eletrônica de Administração, Porto Alegre, v. 15, n. 2, p. 447-474, 2009.

BINOTTO, E.; SIQUEIRA, E. S.; SIMIONI, F. J. Criação e uso do conhecimento nas comunidades de prática: o contexto de uma cooperativa agrícola. Organizações Rurais & Agroindustriais, Lavras, v. 13, n. 3, p. 414426, 2011.

BONFIM, Y. P.; FERREIRA, V. R. S.; CAETANO, M. A logística e o agronegócio em Goiás: o caso da soja. REGE. Revista de Gestão, São Paulo, v. 20, n. 4, p. 557-573, 2013.

BRANDI, U.; ELKJAER, B. Organization learning viewed from a social learning perspective. In: EASTERBYSMITH, M.; LYLES, M. A. (Ed.). Handbook of organizational learning and knowledge management. 2nd ed. West Sessex: J. Wiley, 2011. p. 23-41.

CELLA, D.; PERES, F. C. Caracterização dos fatores relacionados ao sucesso do empreendedor rural. RAUSP. Revista de Administração, São Paulo, v. 37, n. 4, p. 4957, 2002.

CHIVERS, G. Supporting informal learning by traders in investment banks. Journal of European Industrial Training, Bingley, v. 35, n. 2, p. 154-175, 2011.

CHOI, W.; JACOBS, R. L. Influences of formal learning, personal learning orientation, and supportive learning environment on informal learning. Human Resource Development Quarterly, Hoboken, v. 22, n. 3, p. 239257, 2011.

CONLON, T. A review of informal learning literature, theory and implications for practive in developing global professional competence. Journal of European Industrial Training, Bingley, v. 28, n. 2/4, p. 283-295, 2004.

COSTA, C. C. M. et al. Determinantes do desenvolvimento do setor agropecuário nos municípios. RAUSP. Revista de Administração, São Paulo, v. 48, n. 2, p. 295-309, 2013.

CSEH, M.; MANIKOTH, N. N. Invited reaction: influences of formal learning, personal learning orientation, and supportive learning environment on informal learning. Human Resource Development Quarterly, Hoboken, v. 22, n. 3, p. 259-263, 2011.

ELKJAER, B. From digital administration to organisational learning. Journal of Workplace Learning, Bingley, v. 17, n. 8, p. 533-544, 2005.

ELKJAER, B.. Organizational learning: the “Third Way”. Management Learning, New Mexico, v. 35, n. 4, p. 419-434, 2004.

ELLINGER, A. D. Contextual factors influencing informal learning in a workplace setting: the case of “reinventing itself company”. Human Resource Development Quarterly, Hoboken, v. 16, n. 3, p. 389-415, 2005.

ERAUT, M. Informal learning in the workplace. Studies in Continuing Education, Abingdon, v. 26, n. 2, p. 247273, 2004.

ERAUT, M. Informal learning in the workplace: evidence on the real value of work-based learning (WBL). Development and Learning in Organizations, Bingley, v. 25, n. 5, p. 8-12, 2011.

FARIA, A. M. M.; PEREIRA, B. D. Economia de Mato Grosso em discussão. Cuiabá/MT: EdUFMT, 2009.

GALINDO, I. M. Regional development through knowledge creation in organic agriculture. Journal of Knowledge Management, New York, v. 11, n. 5, p. 8797, 2007.

GOLA, G. Informal learning of social workers: a method of narrative inquiry. Journal of Workplace Learning, Bingley, v. 21, n. 4, p. 334-346, 2009.

ILLERIS, K. A model for learning in working life. The Journal of Workplace Learning, Bingley, v. 16, n. 8, p. 431-441, 2004.

JEON, K. S.; KIM, K. N. How do organizational and task factors influence informal learning in the workplace? Human Resource Development International, Abingdon, v. 15, n. 2, p. 209-226, 2012.

LANKSHEAR, C.; KNOBEL, M. Análise de dados verbais na pesquisa qualitativa. In: LANKSHEAR, C.; KNOBEL, M. (Org.). Pesquisa pedagógica: do projeto à implementação. Porto Alegre: Artmed, 2008. p. 223-233.

LE-CLUS, M. Informal learning in the workplace: a review of the literature. Australian Journal of Adult Learning, Underdale, v. 51, n. 2, p. 355-373, 2011.

MALCOLM, J.; HODKINSON, P.; COLLEY, H. The interrelationships between informal and formal learning. Journal of Workplace Learning, Bingley, v. 15, n. 7/8, p. 313-318, 2003.

MARSICK, V. J.; VOLPE, M. The nature and need for informal learning. Advances in Developing Human Resources, Thousand Oaks, v. 1, n. 3, p. 1-9, 1999.

MARSICK, V. J.; WATKINS, K. E. Informal and incidental learning. New Directions for Adult and Continuing Education, Malden, n. 89, p. 25-34, 2001.

MARTA, J. M. C.; FIGUEIREDO, A. M. R. Uma interpretação política da introdução da soja no cerrado de Mato Grosso. In: FARIA, A. M. M.; PEREIRA, B. D. (Org.). Economia de Mato Grosso em discussão. Cuiabá/MT: EdUFMT, 2009. p. 65-86.

MENDES, L.; ICHIKAWA, E. Y. O desenvolvimento tecnológico e o pequeno produtor rural: construção, desconstrução ou manutenção da sua identidade? Cadernos EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, p. 167183, 2010.

MERRIAN, S. B. Basic interpretive qualitative research. In: MERRIAN, S. B. Qualitative research in pratice: examples for discussion and analysis. San Francisco: Jossey-Bass, 2002. p. 37-39.

MILLAR, J.; CURTIS, A. Challenging the boundaries of local and scientific knowledge in Autralia: opportunities for social learning in managing temperate upland pastures. Agriculture and Human Values, Wageningen, v. 16, n. 4, p. 389-399, 1999.

MINAS GERAIS. Secretaria de Estado de Agricultura Pecuário e Abastecimento. Subsecretaria do Agronegócio. Perfil do agronegócio brasileiro. Belo Horizonte, 2014.

MOREIRA, V. R.; BARREIROS, R. F.; PROTIL, R. M. Portfolio de produção agropecuária e gestão de riscos de mercado nas cooperativas do agronegócio paranaense. RAUSP. Revista de Administração, São Paulo, v. 46, n. 4, p. 325-341, 2011.

ORESZCZYN, S.; LANE, A.; CARR, S. The role of networks of practice and webs of influencers on farmers’ engagement with and learning about agricultural innovations. Journal of Rural Studies, Oxford, v. 26, n. 4, p. 404-417, 2010.

PEREIRA, B. D. Mato Grosso: principais eixos viários e a modernização da agricultura. Cuiabá: EdUFMT, 2007.

RITOSSA, C. M.; FERREIRA, J. M.; PREDEBON, E. A. Estratégias e indutores da internacionalização das cooperativas agropecuárias: o caso paranaense. RECADM. Revista Eletrônica de Ciências Administrativas, Campo Largo, v. 9, n. 2, p. 198-212, 2009.

SCHERMA, M. A.; MOREIRA, R. F. Perfil do produtor rural: série estudos e pesquisas. Brasília: SEBRAE, 2012.

SILVA, A. W. L.; RADOS, G. J. V.; SELIG, P. M. Comunidades de prática no espaço rural: construindo e compartilhando conhecimentos sobre a atividade agropecuária. Organizações Rurais & Agroindustriais, Lavras, v. 16, n. 1, p. 46-61, 2014.

SILVA, I. F.; BINOTTO, E. O conhecimento e a aprendizagem organizacional no contexto de uma organização rural. Perspectivas em Gestão e Conhecimento, João Pessoa, v. 3, n. 1, p. 132-156, 2013.

SLADE, B. Professional learning in rural practice: a sociomaterial analysis. Journal of Workplace Learning, Bingley, v. 25, n. 2, p. 114-124, 2013.

TOLEDO, C.; AMODEO, N. B. P. Os papéis das organizações sindicais e a formação das Políticas Públicas para o meio rural: estudo de caso em um Município Mineiro. Desenvolvimento em Questão, Ijuí, v. 12, n. 25, p. 247-278, 2014.

VIEIRA FILHO, J. E. R. Políticas públicas de inovação no setor agropecuário: uma avaliação dos fundos setoriais. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, v. 13, n. 1, p. 109-132, 2014.

VIEIRA JÚNIOR, P. A.; FIGUEIREDO, E. V. C.; REIS, J. C. O passado no presente: a visão do economista. In: BUAINAIN, A. M. et al. (Ed.). O mundo rural no Brasil do século 21: a formação de um novo padrão agrário e agrícola. Brasília: EMBRAPA, 2014. p. 16-22.