O Núcleo de Inovação Tecnológica da UFPE: Instrumento de Política de Inovação ou Obrigação Legal? Outros Idiomas

ID:
40123
Resumo:
A partir da definição do marco legal da inovação no Brasil em 2004, as Instituições Científicas e Tecnológicas (ICTs) foram obrigadas a criar os Núcleos de Inovação Tecnológica (NITs) para gerenciar sua política de inovação institucional. Embora algumas universidades do país já contassem com interfaces para gerenciar a propriedade intelectual (PI) e a transferência de tecnologia (TT), o processo de institucionalização dos NITs só ocorreu após a obrigatoriedade imposta pela Lei de Inovação. A questão é, portando, compreender se NITs têm cumprido plenamente os propósitos para os quais foram criados. Este trabalho tem como objetivo analisar como o NIT da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) gerencia a PI e a TT. Para isso, foi realizada uma pesquisa qualitativa cuja técnica adotada foi o estudo de caso. Os dados foram obtidos por meio de entrevistas semiestruturadas presenciais em profundidade com gestores e professores da UFPE. Os resultados do trabalho apontam que o NIT da UFPE tem um perfil classificado por Lotufo (2009) como administrativo, atuando apenas como uma interface para processar encaminhamentos relativos à PI e executar ações de cunho exclusivamente operacional. Diferente de outros NITs brasileiros identificados na literatura, o NIT da UFPE ainda não conseguiu superar fragilidades básicas de modo a permiti-lo atuar efetivamente como um instrumento de política de inovação.
Citação ABNT:
COELHO, L. C. D.; DIAS, A. A. O Núcleo de Inovação Tecnológica da UFPE: Instrumento de Política de Inovação ou Obrigação Legal?. Revista de Administração, Contabilidade e Economia da FUNDACE, v. 7, n. 1, p. 28-42, 2016.
Citação APA:
Coelho, L. C. D., & Dias, A. A. (2016). O Núcleo de Inovação Tecnológica da UFPE: Instrumento de Política de Inovação ou Obrigação Legal?. Revista de Administração, Contabilidade e Economia da FUNDACE, 7(1), 28-42.
DOI:
http://dx.doi.org/10.13059/racef.v7i1.181
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/40123/o-nucleo-de-inovacao-tecnologica-da-ufpe--instrumento-de-politica-de-inovacao-ou-obrigacao-legal-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALBUQUERQUE, E. M. Sciente and techonology systems in less developed countries. In: HENK, F. M.; GLÄNZEL, W.; SCHMOCH, U. Handbook of quantitative science and technology research: the use of publication and patent statistics in studies of S&T systems. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers, 2004.

ARVANITIS, S.; SYDOW, N.; WOERTER, M. Do specific forms of university-industry knowledge transfer have different impacts on the performance of private enterprises?An empirical analysis based on Swiss firm data. The Journal of Technology Transfer, v. 33, n. 5, p. 504-533, 2008.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BOZEMAN, B.; RIMES, H.; YOUTIE, J. The evolving state-of-the-art in technology transfer research: revisiting the contingent effectiveness model. Research Policy, v. 44, n. 1, p. 34-49, 2015.

BOZEMAN, B. Technology transfer and public policy: a review of research and theory. Research Policy, v. 29, n. 4/5, p. 627-655, 2000.

BRASIL. 2004. Lei n° 10.973, de 02 de Dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 03 de Dezembro de 2004. Disponível em: . Acesso em: 13 de jun. de. 2044.

BRASIL.MCTI. Política de propriedade intelectual das Instituições Científicas e Tecnológicas do Brasil. Relatório Formict 2014. Disponível em: . Acesso em: 25 set. 2014.

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). Disponível em: . Acesso em: 15 abr.2015.

CALDERA, A.; DEBANDE, O. Performance of Spanish universities in technology transfer: an empirical analysis. Research Policy, v. 39, n. 9, p. 1160-1173, 2010.

CAPART, G.; SANDELIN, J. Models of, and missions for, transfer offices from public research organizations. 2004. Disponível em: . Acesso em: 01 abr. 2011.

CENTER FOR WORLD UNIVERSITY RANKINGS (CWUR). CWUR 2015 | Top 1000 Universities. Disponível em: . Acesso em: 23 set. 2015.

CHAPPLE, W.; LOCKETT, A.; SIEGEL, D.; WRIGHT, M. Assessing the relative performance of UK university technology transfer offices: parametric and non-parametric evidence. Research Policy, v. 34, n. 3, p. 369-384, 2005.

CHAVES, C. V.; MORO, S. Investigating the interaction and mutual dependence between science and technology. Research Policy, v. 36, n. 8, p. 1204-1220, 2007.

DALMARCO, G.; DEWES, M. F.; ZAWISLAK, P. F.; PADULA, A. D. Universities’ intellectual property: path for innovation or patent competition? Journal of Technology and Management Innovation, v. 6, n. 3, p. 159-170, 2011.

DECTER, M.; BENNETTB, D.; LESEURE, M. University to business technology transfer—UK and USA comparisons. Technovation, v. 27, n. 3, p. 145155, 2007.

DIAS, A. A. Modelo de gestão de transferência tecnológica na USP e na Unicamp. 2011. 273 p. Dissertação de Mestrado – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2011.

DIAS, A. A.; PORTO, G. S. Como a USP transfere tecnologia? Organizações & Sociedade, v. 21, n. 70, p. 489-508, 2014.

DIAS, A. A.; PORTO, G. S. Gestão de transferência de tecnologia na Inova Unicamp. Revista de Administração Contemporânea, v. 17, n. 3, p. 263-284, 2013.

DI GREGORIO, D.; SHANE, S. Why do some universities generate more start-ups than others? Research Policy, v. 32, n. 2, p. 209-227, 2003.

EUN, J. H.; LEE, K.; WU, G. Explaining the “university-run enterprises” in China: a theoretical framework for university–industry relationship in developing countries and its application to China. Research Policy, v. 35, n. 9, p. 1329-1346, 2006.

GARNICA, L. A.; TORKOMIAN, A. L. V. Gestão de tecnologia em universidades: uma análise do patenteamento e dos fatores de dificuldades e de apoio à transferência de tecnologia no Estado de São Paulo. Gestão & Produção, v. 16, n. 4, p. 624-638, 2009.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GILSING, V.; BEKKERS, R.; FREITAS, I. M. B.; STEEN, M. V. D. Differences in technology transfer between science-based and development-based industries: transfer mechanisms and barriers. Technovation, v. 31, n. 12, p. 638-647, 2011.

HARMAN, G. Australian university research commercialization: perceptions of technology transfer specialists and science and technology academics. Journal of Higher Education Policy and Management, v. 32, n. 1, p. 69-83, 2010.

LOTUFO, R.A. A institucionalização de Núcleos de Inovação Tecnológica e a experiência da Inova Unicamp. In: SANTOS, M. E. R; TOLEDO, P. T. M.; LOTUFO, R. A. (Orgs.). Transferência de tecnologia: estratégias para a estruturação e gestão de Núcleos de Inovação Tecnológica. Campinas: Komedi, 2009, p. 41-73.

MACHO-STADLER, I.; PÉREZ-CASTRILLO, D. Incentives in university technology transfer. International Journal of Industrial Organization, v. 28, n. 4, p. 362-367, 2010.

MAZZOLENI, R.; NELSON, R. R. Public research institutions and economic catch-up. Research Policy, v. 36, n. 10, p. 1512-1518, 2007.

MAZZONI, M. O.; QUEIROZ, S. R. R.; CONSONI, F.; PEDROSA, R. A participação da engenharia nas atividades de pesquisa e desenvolvimento da indústria de transformação brasileira: uma análise a partir da pesquisa de inovação tecnológica. Revista Gestão & Conexões, v. 2, n. 2, p. 102-122, 2013

MIT TECHNOLOGY LICENSING OFFICE. An inventor’s guide to technology transfer at the Massachusetts Institute of Technology. Disponível em: . Acesso em: 25 set.2015.

MUSCIO, A. What drives the university use of technology transfer offices?Evidences from Italy. The Journal of Technology Transfer, v. 35, n. 2, p. 181-202, 2010.

PEREIRA, M. F.; MELO, P. A.; DALMAU, M. B.; HARGER, C. A. Transferência de conhecimentos científicos e tecnológicos da universidade para o segmento empresarial. Revista de Administração e Inovação, v. 6, n. 3, p. 128-144, 2009.

PÓVOA, L. M. C. A crescente importância das universidades e institutos públicos de pesquisa no processo de catching-up tecnológico. Revista de Economia Contemporânea, v. 12, p. 273-300, 2008.

PÓVOA, L. M. C.; RAPINI, M. S. Technology transfer from universities and public research institutes to firms in Brazil: what is transferred and how the transfer is carried out. Science and Public Policy, v. 37, n. 2, p. 147-159, 2010.

PRYSTHON, C.; SCHMIDT, S. Experiência do Leaal/UFPE na produção e transferência de tecnologia. Ciência da Informação, v. 31, n. 1, p. 84-90, 2002.

SIEGEL, D.; WALDMAN, D.; LINK, A. Assessing the impact of organizational practices on the relative productivity of university technology transfer offices: an exploratory study. Research Policy, v. 32, n. 1, p. 27-48, 2003.

SINE, W. D.; SHANE, S.; DI GREGORIO, D. The halo effect and technology licensing: the influence of institutional prestige on the licensing of university inventions. Management Science, v. 49, n. 4, p. 478496, 2003.

SWAMIDASS, P. M.; VULASA, V. Why university inventions rarely produce income?Bottlenecks in university technology transfer. The Journal of Technology Transfer, v. 34, n. 4, p. 343-363, 2009.

TORKOMIAN, A. L. V. Panorama dos Núcleos de Inovação Tecnológica no Brasil. In: SANTOS, M. E. R; TOLEDO, P. T. M.; LOTUFO, R. A. (Orgs.). Transferência de tecnologia: estratégias para a estruturação e gestão de Núcleos de Inovação Tecnológica. p. 21-37. Campinas: Komedi, 2009.

UFPE. Acervo. Disponível em: . Acesso em: 24 set.2015.

UFPE. Agência de notícias - clipping. Disponível em: . Acesso em: 25 set.2015.

UFPE. Fluxogramas. Disponível em: . Acesso em: 24 set.2015.

UFPE. Resolução nº 2: dispõe sobre a transferência de tecnologia e os direitos de propriedade industrial resultantes da produção intelectual da Universidade Federal de Pernambuco e dá outras providências, de 30 de setembro de 2003. Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2003.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO (UFPE). A UFPE em números. Disponível em: . Acesso em: 16 dez.2014.

USTUNDAG, A.; UGURLU, S.; KILINC, M. S. Evaluating the performance of technology transfer offices. Journal of Enterprise Information Management, v. 24, n. 4, p. 322-337, 2011.

VAN GILS, M.; VISSERS, G.; DE WIT, J. Selecting the right channel for knowledge transfer between industry and science: consider the R&D-activity. European Journal of Innovation Management, v. 12, n. 4, p. 492-511, 2009.

WORLD INTELLECTUAL PROPERTY ORGANIZATION (WIPO). World Intellectual Property Indicators. 2013. Disponível em: . Acesso em: 19 mai. 2013.

YANIKIAN, V. P. M.; PAMPLONA, J. B. O sistema federal de financiamento à inovação no Brasil. Pesquisa & Debate, v. 26, n. 1, p. 35-72, 2015.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.