Estratégias para Fortalecimento da Rede de Inovação Local - Um Estudo de Caso do Sistema de Inovação e Empreendedorismo de Itajubá Outros Idiomas

ID:
40124
Resumo:
Este artigo aborda os sistemas de inovação e a importância das articulações em redes de inovação para o desenvolvimento regional. O objetivo é apresentar o fortalecimento da rede de inovação no município por meio da criação de um Portal de Inovação, que busca promoção de parcerias entre os envolvidos. O projeto se desenvolveu nas etapas: revisão bibliográfica de sistemas de inovação e redes de inovação, análise do Sistema Municipal de Ciência, Tecnologia, Inovação e Empreendedorismo (SMCTIE), mapeamento da Rede de Inovação Municipal, pesquisa de opinião junto aos agentes de inovação sobre o conteúdo dos portais de inovação já existentes, implantação do Portal de Inovação, elaboração e divulgação de ações de inovação por meio do Portal. O método de pesquisa utilizado foi o estudo de caso e como resultado, mostram-se as interfaces criadas para os agentes de inovação municipais e as interações que são realizadas por meio desse ambiente que fortalecem o SMCTIE existente, o portal conta com 261 membros e 1258 seguidores.
Citação ABNT:
MINEIRO, A. C.; SILVA, P. P.; OTTOBONI, C.; PASIN, L. E. Estratégias para Fortalecimento da Rede de Inovação Local - Um Estudo de Caso do Sistema de Inovação e Empreendedorismo de Itajubá. Revista de Administração, Contabilidade e Economia da FUNDACE, v. 7, n. 1, p. 43-57, 2016.
Citação APA:
Mineiro, A. C., Silva, P. P., Ottoboni, C., & Pasin, L. E. (2016). Estratégias para Fortalecimento da Rede de Inovação Local - Um Estudo de Caso do Sistema de Inovação e Empreendedorismo de Itajubá. Revista de Administração, Contabilidade e Economia da FUNDACE, 7(1), 43-57.
DOI:
http://dx.doi.org/10.13059/racef.v7i1.183
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/40124/estrategias-para-fortalecimento-da-rede-de-inovacao-local---um-estudo-de-caso-do-sistema-de-inovacao-e-empreendedorismo-de-itajuba/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
APPOLINÁRIO, F.. Metodologia da ciência: filosofia e prática da pesquisa. São Paulo: Cengage Learning, 2009.

AROCENA R.; SUTZ, J. Looking at National Systems of Innovation from the South. In: Druid Summer Conference On National Innovation Systems, Industrial Dynamics And Innovation Policy, 1999, Aalborg Anais. Aalborg: DRUID - Danish Research Unit for Industrial Dynamics, 1999. Disponível em: http://www.druid.dk/conferences/summer1999/conf-papers/arocena_sutz.pdf. Acesso em: 05/04/2011.

BRESSAN, F. O Método do Estudo de Caso. Administração On Line Fecap. v. 1, n. 1, p. 45-54, 2000. Disponível em: >. Acesso em: 15 jul. 2000

CAMPOS, F. L. S. Alguns elementos constitutivos do sistema local de inovação potiguar na década de 1990: um estudo das grandes empresas industriais no Estado do Rio Grande do Norte. 2001. Tese (Doutorado em Economia). Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2001.

EDQUIST, C. The Systems of Innovation Approach and Innovation Policy: An account of the state of the art. DRUID Conference, Aalborg. June 12-15, 2001.

FANTONI, M. M. S. Inovação em Empresas de Base Tecnológica: O Caso da Katal - MG. 2007. 138 f. Dissertação (Mestrado em Administração). Faculdades Integradas de Pedro Leopoldo. Pedro Leopoldo. 2007.

FREEMAN, C. The ‘National System of Innovation’ in historical perspective. Cambridge Journal of Economics, v. 19, n. 1, p. 5-24, 1995

FREEMAN, C.; SOETE, L. A economia da inovação industrial. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2008.

GIL, A.C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6 ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GODOY, A. S. Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas. v. 35, n. 3, p. 20-29, maio/jun. 1995.

GRANT, R. M. Toward a knowledge-based theory of the firm. Strategic Management Journal. v. 17, Winter, 1996.

INNOVATION PORTAL. About the Innovation Portal. Disponível em: . Acesso em: 13 jul. 2013.

ITAJUBÁ, Lei Municipal 1.986, de 13 outubro de 1994. Cria o Sistema Municipal de Ciência e Tecnologia de Itajubá e dá outras providências. Disponível em:. Acesso em:11 jul. 2013. 1994.

ITAJUBÁ. Lei Municipal 2.677 de 11 de junho de 2008. Cria o Sistema Municipal de Ciência, Tecnologia, Inovação e Empreendedorismo de Itajubá e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 11 jul. 2008.

KLINE S.J.; ROSENBERG, N. An overview of innovation, In: R Landau & N Rosenberg (eds.). The positive sum strategy. p. 275-306. National Academy Press, Washington. 1986.

KÜPPERS, G.; PYKA, A. The self-organization of innovation networks: introductory remarks in innovation networks. Theory and practice. Cheltenham: Edward Elgar, 2002. Disponível em: . Acesso em: 13 jul. 2002.

LAVILLE, C.; DIONE, J. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em Ciências Humanas. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999.

LUNDVALL, B. A. National Systems of Innovation: towards a theory of innovation and interactive learning. London: Printer. 1992.

LUNDVALL, B.A. Product Innovation and UserProducer Interaction. Industrial Development Research Series n. 31. Aalborg: Aalborg University Press, 1985. 39p.

MARTINS, G. A. Estudo de Caso: Uma Reflexão sobre a Aplicabilidade em Pesquisas no Brasil. Revista de Contabilidade e Organizações, v. 2, n. 2, p. 8-18, jan./abr.; 2008.

MELO, M. A. C.; AGOSTINHO, M. C. E. ‘Gestão Adaptativa’: uma Proposta para o Gerenciamento de Redes de Inovação. RAC, v. 11, n. 2, Abr./Jun. 2007.

MONOGRAFIA AC. O Estudo de Caso. Disponível em: . Acesso em: 13 fev. 2012.

MOURA, G. L.; CARMO, M.; CALIA, R. C; FAÇANHA, S. L. O. Aprendizado em Redes e Processo de Inovação dentro de uma empresa: o Caso Mextra. RAE-Eletrônica, v. 7 n. 1, Jan./Jun. 2008.

OECD - Organisation for Economic Co-operation and Development. OECD Work on Innovation - a Stocktaking of Existing Work. Paris: OECD, February 2009. 52p. Sarah Box STI Working Paper. Disponível em: . Acesso em 13/03/2011. 2009.

OPEN INNOVATION. Objectives of Open Innovation.eu. Disponível em: Acesso em: 13 jul. 2013.

OTTOBONI, C. A. Capacidade para inovar de indústrias eletroeletrônicas: estudo de múltiplos casos no vale da eletrônica em Minas Gerais. 2011. Tese (Doutorado em Administração). Universidade Federal de Lavras. Lavras, 2011.

PELLEGRIN, I.; BALLESTRO, M. V.; ANTUNES JUNIOR, J. A. V.; CAULLIRAUX, H.M. Redes de Inovação: construção e gestão da cooperação próinovação - R. Adm, v. 42, n. 3, p. 313-325, 2007.

PORTAL INOVAÇÃO. O que é e para que serve o Portal Inovação. Disponível em: . Acesso em: 13 jul.2013.

POWELL, W. W.; KOPUT, K. W.; DOERR-SMITH, L. Interorganizational collaboration and the locus of innovation: networks of learning in biotechnology. Administrative Science Quarterly. v. 41, n. 1, p. 116-145, Mar. 1996.

RASERA, M.; BALBINOT, Z. Redes de inovação, inovação em redes e inovação aberta: um estudo bibliográfico e bibliométrico da produção científica no ENANPAD 2005-2009. Análise, v. 21, n. 2, p. 127-136, jul./dez. 2010

REDE DE INOVAÇÃO DE ITAJUBÁ. Rede De Inovação De Itajubá Disponível em . Acesso em: 14 jul.2014

REDOMIC. Proyecto Redomic. Disponível em:. Acesso em: 13 jul.2013.

RÉVILLION, J. P. P. Análise dos sistemas setoriais de inovação das cadeias produtivas de leite fluido na França e no Brasil. 2004. Tese (Doutorado em Agronegócios). Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2004.

RMI - Rede Mineira de Inovação: Sobre a RMI. Disponível em: . Acesso em: 13 jul. 2013

SCHUMPETER, J. A. Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Editora Nova Cultural, 1997.

SCHWARTZMAN, S. Pesquisa universitária e inovação no Brasil: a necessidade urgente dos conhecimentos de base científica. In: Seminário Internacional sobre Avaliação de Políticas de Ciência, Tecnologia e Inovação - Diálogo entre as Experiências Internacionais e Brasileiras Rio de Janeiro: CGEE/ MCT, 2007. 26p. Disponível em: Acesso em: 16 mar. 2011. 2007.

SILVA, E. L.; MENEZES, E. M. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação.Florianópolis: Laboratório de Ensino à Distância da UFSC, 118 p.;2000.

SIMI Sistema Mineiro de Inovação. Nd. Disponível em:. Acesso em: 13 jul.2013.

TÁLAMO, J. R.; CARVALHO, M. M.; Redes de cooperação com foco em inovação: um estudo exploratório. Gestão & Produção, v. 17, n. 4, p. 747-760, 2010.

TIDD, J.; BESSANT; J. Gestão da Inovação. 5. ed. - Porto Alegre: Bookman, 2015. Disponível em: . Acesso em: 25/03/2015.

ULBRA.Universidade Luterana do Brasil. Metodologia da Pesquisa. Disponível em: . Acesso em: 13 fev.2012.

VILLASCHI, A. ANOS 90: uma década perdida para o sistema nacional de inovação brasileiro? São Paulo Em Perspectiva, v. 19, n. 2, p. 3-20, 2005.

VIOTTI, E. B.. Fundamentos e evolução dos indicadores de CT&I. In: VIOTTI, Eduardo Baumgratz; MACEDO, Mariano de Matos (Orgs.) Indicadores de ciência, tecnologia e inovação no Brasil. p. 41-87. Campinas: Editora da UNICAMP, 2003.

WHITLAN, J.; DAVIES, V.; HARLARD, M. Collis Prático: Dicionário Inglês-Português Português Inglês. São Paulo: Siciliano, 1991.

YIN, R. K. Case study research: design and methods. 2 ed. Thousand Oaks, CA: Sage. 1994.