Uma Discussão sobre a Estratégia de Inovação Aberta em Grandes Empresas e os Programas de Relacionamento Voltados Para Startups no Brasil Outros Idiomas

ID:
40132
Resumo:
A estratégia de inovação aberta adotada por grandes empresas brasileiras apresenta uma nova tendência no Brasil: a aproximação com startups como uma fonte de inspiração, conhecimento e inovação. O objetivo deste artigo é discutir e analisar comparativamente este movimento recente e crescente, observado no Brasil, de grandes empresas, que estruturam programas de inovação aberta voltados ao público de startups. A metodologia consistiu em um estudo exploratório a partir da coleta e sistematização de dados secundários, o que permitiu o mapeamento dessas iniciativas e nos casos selecionados: a experiência da Natura, da Braskem, da Telefônica e do Bradesco. Nas experiências analisadas, há uma diversidade de modelos, os quais variam desde o financiamento, de chamadas públicas até um relacionamento de longo prazo - como uma aceleradora de startups. A contribuição da pesquisa consiste em sistematizar e analisar comparativamente programas de relacionamento de grandes empresas, que adotam a estratégia de inovação aberta, direcionadas a startups no Brasil, analisando os riscos e oportunidades deste relacionamento frente à capacidade de absorção dos agentes envolvidos. Se, por um lado, este movimento pode ser considerado positivo, porque fomenta o empreendedorismo e desenvolve o ecossistema de inovação no país, por outro, ainda é um relacionamento desigual diante das diferentes capacidades de absorção dos envolvidos, o que requer uma avaliação minuciosa dos impactos nas startups no longo prazo.
Citação ABNT:
VARRICHIO, P. C.Uma Discussão sobre a Estratégia de Inovação Aberta em Grandes Empresas e os Programas de Relacionamento Voltados Para Startups no Brasil. Revista de Administração, Contabilidade e Economia da FUNDACE, v. 7, n. 1, p. 148-161, 2016.
Citação APA:
Varrichio, P. C.(2016). Uma Discussão sobre a Estratégia de Inovação Aberta em Grandes Empresas e os Programas de Relacionamento Voltados Para Startups no Brasil. Revista de Administração, Contabilidade e Economia da FUNDACE, 7(1), 148-161.
DOI:
http://dx.doi.org/10.13059/racef.v7i1.251
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/40132/uma-discussao-sobre-a-estrategia-de-inovacao-aberta-em-grandes-empresas-e-os-programas-de-relacionamento-voltados-para-startups-no-brasil/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ADES, C.; FIGLIOLI, Aline; SBRAGIA, Roberto; PORTO, Geciane; PLONSKI, Guilherme Ary; CELADON, Kleber. Implementing Open Innovation: The Case of Natura, IBM and Siemens. Journal of technology management & innovation, v. 8, p. 57-57, 2013.

ADNER, R. Match your innovation strategy to your innovation ecosystem. Harvard Business Review, april. 2006.

ANDERSSON, M.; XIAO, J. Acquisitions of startups by incubent businesses – a market selection process of “high-quality” entrants?” Research Policy, v. 45, n. 1, p. 272-290, 2016.

BARBOSA, J. A. S.; KRAKAUER, P. V. C. As Dificuldades de Empreender em uma Grande Empresa a Busca por um Modelo de Inovação de Sucesso: Um Estudo de Caso da Telefônica Brasil. XVI SemeAD (Seminários em Administração), 2013.

CHESBROUGH, H.; BOGERS, M. Clarifying an emerging paradigm for understanding innovation. In: Chesbrough, H.; Vanhaverbeke, W.; West, J. (ed). New frontiers in open innovation. Oxford University Press, 2014.

CHESBROUGH, H. Open Innovation: The New Imperative for Creating and Profiting from Technology. Harvard Business School Press. Boston, MA, 2003.

CHIARONI, D.; CHIESA, V.; FRATTINI, F. The open innovation journey: how firms dynamically implement the emerging innovation management paradigm. Technovation, v 31, n. 1, p. 34-43, 2011.

COHEN, W. M.; LEVINTHAL, D. A. Absorptive capacity: a new perspective on learning and innovation. Administrative Science Quarterly, v. 35, n. 1, p. 128, 1990.

COHEN, W. M.; LEVINTHAL, D. A. Innovation and learning: the two faces of R&D. Economic Journal, v. 99, n. 397, p. 569, 1989.

DAHLANDER, L.; GANN, D.M. How open is innovation. Research Policy, v. 39, n. 6, p. 699-709, 2010.

DE MELO, C. B. B. et al. Crowdsourcing como uma ferramenta à inovação estratégica empresarial: uma revisão de literatura. Revista de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia, v. 1, n. 1, p. 13-24, 2015.

DE NEGRI, F. Determinantes da capacidade de absorção das firmas brasileiras: qual a influência do perfil da mão-de-obra. In: Tecnologia, exportação e emprego. De Negri, J.; De Negri, F.; Coelho, D. (org.). Brasília: IPEA, 2006.

DESIDÉRIO, Paulo Henrique Martins; POPADIUK, Silvio. REDES DE INOVAÇÃO ABERTA E COMPARTILHAMENTO DO CONHECIMENTO: APLICAÇÕES EM PEQUENAS EMPRESAS. RAI - Revista de Administração e Inovação, Brasil, v. 12, n. 2, p. 110-129, jun. 2015.

DODGSON, M.; GANN, D.; SALTER, A. The role of technology in the shift towards open innovation: the case of Procter & Gamble. R&D Management, v. 36, n. 3, p. 33-346, 2006.

ETZKOWITZ, H. et al. The future of the university and the university of the future: evolution of ivory tower to entrepreneurial paradigm. Research policy, v. 29, n. 2, p. 313-330, 2000.

ETZKOWITZ, H. Innovation in innovation: The triple helix of university-industry-government relations. Social science information, v. 42, n. 3, p. 293-337, 2003.

ETZKOWITZ, H.; LEYDESDORFF, L. The dynamics of innovation: from National Systems and “Mode 2” to a Triple Helix of university–industry–government relations. Research policy, v. 29, n. 2, p. 109-123, 2000.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2014.

GRANSTRAND, O.; SJOLANDER, S. The acquisition of technology and small firmsby large firms. Journal of Economic Behavior & Organization, v. 13, n. 3, p. 367-386, 1990.

HALL, B. H.; The Effect of Takeover Activity on Corporate Research and Development . Working Paper N° 2191. National Bureau of Economic Research (NBER), Cambridge, MA, 1987.

HUIZINGH, E. Open innovation: state of the art and future perspectives. Technovation, n. 31, p. 2-9, 2011.

HUSTON, L.; SAKKAB, N. Connect and develop. Harvard business review, v. 84, n. 3, p. 58-66, 2006.

JORNAL FOLHA DE SÃO PAULO. Companhias buscam startups para inovar. Publicada em 19/07/2015. Disponível em http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2015/07/1657616-companhiasbuscam-start-ups-para-inovar.shtml. (acesso em 11/08/2015).

LEYDESDORFF, L.; ETZKOWITZ, H. The triple helix as a model for innovation studies. Science and public policy, v. 25, n. 3, p. 195-203, 1998.

NATURA. Relatório Annual. 2014.

OZKAN, N. N. An Example of Open Innovation: P&G. Procedia-Social and Behavioral Sciences, v. 195, p. 1496-1502, 2015.

REVISTA PESQUISA FAPESP. Criação coletiva: empresas brasileiras dividem riscos e custos com parceiros múltiplos em projetos de pesquisa e desenvolvimento. 2014. Disponível em http://revistapesquisa.fapesp.br/2014/12/29/criacaocoletiva/. (acesso em 13/08/2015). 2014.

RIES, E. A startup enxuta. São Paulo: Lua de Papel, 2014.

SANTOS, M. A. Inovação aberta como estratégia de inovação e de crescimento: um estudo exploratório no setor metalúrgico brasileiro. Dissertação. (mestrado em administração de empresas). Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2012.

SIGNORI, G. G.; MARTINS, A. R. Q.; JUNIOR, M. S.; KALIL, F.; CAPELARI, M. R. Startup e inovação: inovando na forma de pensar e decretando o fim das velhas ideias. XXII Workshop Anprotec, Belém/Pará. 2014. Disponível em http://www.anprotec.org.br/Relata/ArtigosCompletos/ID%20107.pdf. (acesso em 15/08/2015). 2014.

STANKOWITZ, R. F.; CARVALHO, Hélio Gomes de; STRAHUS, Faimara do Rocio; DERGINT, Dario. GESTÃO DE IDEIAS EM PRÁTICAS DE INOVAÇÃO ABERTA. European Scientific Journal, v. 10, n. 10, p. 532-543, 2014.

STIGLER, G.J.; Monopoly and oligopoly by merger. The American Economic Review, v. 40, n. 2, p. 23-34, 1950.

SUZIGAN, W. ALBUQUERQUE, E. M.; CARIO, S. A. F. Em busca da inovação: interação universidade empresa no Brasil. Editora Autêntica, São Paulo/SP, 2011.

TELEFONICA. Relatório Anual. 2014.

THEIS, V. ; SCHEIBER, D. Inovação e as alternativas de realizar as atividades em P&D: estudo de caso da Braskem. Gestão Contemporânea, Porto Alegre, Edição Especial, 2014. Disponível em http://seer4.fapa.com.br/index.php/. arquivo conforme acesso realizado em 15/12/2015. 2014.

VARRICHIO, P.; DIOGENES, Daniela; JORGE, Adriano; GARNICA, Leonardo. Collaborative networks and sustainable business: a case study in the Brazilian system of innovation. Procedia-Social and Behavioral Sciences, v. 52, p. 90-99, 2012.

WILLIAMSON, O. E. Markets and Hierarchies: Analysis and AntitrustImplications. The Free Press: New York, NYt, 1975.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.