Internacionalização de empresas brasileiras e o papel da inovação na construção de vantagens competitivas Outros Idiomas

ID:
4015
Autores:
Resumo:
Muitas empresas de países emergentes temem explorar mercados internacionais por causa da distância entre as empresas globais e os padrões tecnológicos locais. Em geral, buscam o desenvolvimento tecnológico mediante a cópia, adaptação e melhoria de soluções alheias, porém um número crescente de empresas vem se destacando no cenário global, com a inovação de produtos e serviços para o mercado externo. A internacionalização por meio do investimento externo pode ser a única alternativa para empresas que enfrentam a competição global, e o sucesso de sua inserção externa dependerá, cada vez mais, da criação de vantagens competitivas baseadas em inovações tecnológicas. O trabalho descreve as motivações e a trajetória de internacionalização de cinco empresas nacionais de diferentes setores industriais – Sabó (autopeças), Natura (higiene e cosméticos), Totvs (software), Embraer (aviões), e Marcopolo (carrocerias de ônibus) –, destacando o papel da inovação tecnológica na sua competitividade internacional.
Citação ABNT:
STAL, E.Internacionalização de empresas brasileiras e o papel da inovação na construção de vantagens competitivas. Innovation and Management Review, v. 7, n. 3, art. 92, p. 120-149, 2010.
Citação APA:
Stal, E.(2010). Internacionalização de empresas brasileiras e o papel da inovação na construção de vantagens competitivas. Innovation and Management Review, 7(3), 120-149.
DOI:
10.5773/rai.v7i3.448
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/4015/internacionalizacao-de-empresas-brasileiras-e-o-papel-da-inovacao-na-construcao-de-vantagens-competitivas/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Adeodato, S. (2009). Emergentes aquecem a corrida tecnológica global. Valor Econômico, p. 7-8I, 19. 19 de agosto.

Arbix, G.; Salerno, M. S.; De Negri, J. A. (2005). O impacto da internacionalização com foco na inovação tecnológica sobre as exportações das firmas brasileiras. Dados, 48(2), 395-442.

Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos. (2008). Pesquisa geral no site. Recuperado em 23 outubro, 2008, de http://www.abihpec.org.br.

Barney, J. B. (1991). Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, 17(1), 99-120.

Bernardes, E. S. (2000). Configuração internacional da atividade produtiva: estudo de caso em uma montadora de carrocerias para ônibus. 2000. Dissertação de Mestrado, Escola de Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Bernardes, R. (2000). O caso Embraer - privatização e transformação da gestão empresarial: dos imperativos tecnológicos à focalização no mercado (Cadernos de Gestão Tecnológica, n. 46). São Paulo: PGT/USP.

Bisi, R. A. (2005). A influência da inovação na competitividade nacional e global da empresa Marcopolo S.A. Revista Fórum de Líderes, 8(12), 102-103.

Cardoso, M. A. (2000). Estratégia tecnológica e competitividade: o caso da Marcopolo. Dissertação de Mestrado, Escola de Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Castro, J. A. (2009). A pauta obsoleta das exportações brasileiras. (Entrevista a PROTEC). Notícias PROTEC, p. 1. 16 de fevereiro.

Chagas Junior, M. F.; Cabral, A. S. (2004). Firmas integradoras de sistemas, suas capacitações e fontes de tecnologia: o caso da Embraer. [CD-ROM]. Anais do Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica, 23. São Paulo: PGT/USP.

Chudnovsky, D.; López, A. (2000). A third wave of FDI from developing countries: Latin America TNCs in the 1990s. Transnational Corporations, 9(2), 31-73.

Cosentino, L. (2009). Tudo para todos. (Entrevista concedida a Sandro Magaldi). HSM Management, v. 75, 26-35.

Cosentino, L.; Haberkorn, E.; Cícero, F. (2001). Genoma empresarial: incluindo história e trajetória Microsiga. São Paulo: Gente.

Costa, M. (2009). O plano deu certo. Exame, 944, p. 1. 03 de junho.

Damiani, J. H. S. (2001). A nova face da gerência de produtos – o projeto do avião ERJ-170 na Embraer. Revista da ESPM, 8(2), 89-95.

Dunning, J. H. (1988). The eclectic paradigm of international production: a restatement and some possible extensions. Journal of International Business Studies, 19(1), 1-31.

Dunning, J. H. (1994). Multinational enterprises and the globalization of innovatory capacity. Research Policy, 23(1), 67-88.

Dunning, J. H. (2001). The eclectic (OLI) paradigm of international production: past, present and future. International Journal of the Economics of Business, 8(2), 173-190.

Empresa Brasileira de Aeronáutica S. A. (2008). Relatório anual 2008. São Paulo: Autor.

Ferraz, E. (2002). Movendo as peças: com cinco unidades na Europa, a Sabó, maior fabricante nacional de autopeças, tenta ganhar o mercado americano e se manter independente. Exame, 770, p. 1. 15 de julho.

Ferreira, R. G. (2009). O ônibus global da Marcopolo. Isto É Dinheiro, 12(619), 64-65.

Ferro, A. F. P.; Bonacelli, M. B. M. (2006). Redes de inovação e parcerias estratégicas: promovendo o uso sustentável da biodiversidade brasileira. [CD-ROM]. Anais do Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica, 24. Rio de Janeiro: ANPAD.

Festinger, L.; Katz, D. (1966). Research methods in the behavior sciences. New York: Holt, Rinehart and Winston.

Freeman, C.; Soete, L. (2008). A economia da inovação industrial (A. L. S. Campos & J. O. P. Costa, Trad.). Campinas: Unicamp.

Ganem, C.; Santos, E. M. (Coords.). (2006). Brasil inovador: o desafio empreendedor - 40 histórias de sucesso de empresas que investem em inovação. Brasília: IEL-NC.

Ghoshal, S.; Tanure, B. (2004). Estratégia e gestão empresarial. Rio de Janeiro: Elsevier.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. 4a ed. São Paulo: Atlas.

Gomes, C. M.; Kruglianskas, I. (2005). Gestão de fontes externas de inovação: estudo de caso em empresas brasileiras. [CD-ROM]. Memorias do Seminário Latino-Iberoamericano de Gestión Tecnológica, 11. Buenos Aires: ALTEC.

Gurovitz, H. (2005). Fusão no software. EXAME, 836, p. 1. 16 de fevereiro.

Iglesias, R. M.; Veiga, P. M. (2002). Promoção de exportações via internacionalização das firmas de capital brasileiro. In A. C. Pinheiro, R. Markwald, & L. V. Pereira (Orgs.), O desafio das exportações (pp. 368-446). Rio de Janeiro: BNDES.

Johanson, J.; Vahlne, J. E. (1977). The internationalization process of the firm: a model of knowledge development and increasing foreign market commitments. Journal of International Business Studies, 8(1), 23-32.

Lacerda, A. C. (2004). Globalização e investimento estrangeiro no Brasil. São Paulo: Saraiva.

Levy, L. F. (2002). As multinacionais brasileiras. In L. F. Levy. O novo Brasil. p. 173-188. São Paulo: Gazeta Mercantil.

Madureira, D. (2009). No exterior, Natura põe o pé no chão e adota novo plano. Valor Econômico, p. B1. 20 de novembro.

Mano, C. (2008). A inovação sem fronteiras. EXAME, 920, p. 1. 12 de junho.

Marcopolo S.A. Relatório anual 2008. Caxias do Sul: Autor. 2008.

Minda, A. (2008). The strategies of multilatinas: from the quest for regional leadership to the myth of the global corporation. Cahiers du GRES, v. 8, 1-27.

Namour, R. (2009). O mestre das fusões. Isto É Dinheiro, 12(621), 1-3.

Narula, R.; Zanfei, A. (2005). Globalization of innovation: the role of multinational enterprises. In J. Fagerberg, D. C. Mowery, & R. R. Nelson (Eds.), The Oxford handbook of innovation. p. 318-346. New York: Oxford University Press.

Nascimento, P. T. S.; Xavier, W.; Matarossi, O.; Lucchesi, R. N. (2002). O desenvolvimento de software: o caso Microsiga S.A. [CD-ROM]. Anais do Congresso Coppead de Administração, 9. Rio de Janeiro: COPPEAD/UFRJ.

Natura. (2007). Relatório anual Natura 2007. São Paulo: Autor.

Natura. (2008). Relatório anual Natura 2008. São Paulo: Autor.

Nelson, R. R. (2006). As fontes do crescimento econômico. Campinas: Unicamp.

Organisation for Economic Co-Operation and Development. (2004). Science, technology and industry outlook. Paris: Autor.

Paiva, E. L.; Hexsel, A. E. (2003). A busca de internacionalização: uma análise baseada na área de operações. [CD-ROM]. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 27. Rio de Janeiro: ANPAD.

Pommez, P. (2004). Mesa-redonda “O desafio de gerar valor com a inovação”. Harvard Business Review Brasil, 82(8), 28-42.

Porter, M. E. (1993). A vantagem competitiva das nações. Rio de Janeiro: Campus.

Rocha, A. (2001). Por que as empresas não se internacionalizam? Rio de Janeiro: COPPEAD/UFRJ.

Schumpeter, J. A. (1985). A teoria do desenvolvimento econômico. 2a ed. São Paulo: Abril Cultural.

Stal, E. (2005). Multinacionais brasileiras: o papel da tecnologia na conquista do mercado externo. Revista de Ciências da Administração, 7(14), 227-247.

Sull, D. N.; Escobari, M. E. (2004). Sucesso made in Brasil: os segredos das empresas brasileiras que dão certo. Rio de Janeiro: Elsevier.

Tavares, M.; Ferraz, J. C. (2007). Translatinas: quem são, por onde avançam e que desafios enfrentam? In A. Fleury & M. T. L. Fleury (Orgs.), Internacionalização e os países emergentes (pp. 120-141). São Paulo: Atlas.

Teece, D. J.; Pisano, G.; Shuen, A. (1997). Dynamic capabilities and strategic management. Strategic Management Journal, 18(7), 509-533.

Tidd, J.; Bessant, J.; Pavitt, K. (2005). Managing innovation: integrating technological, market and organizational change. 3rd ed. Chichester: John Wiley & Sons.

Tigre, P. B. (2002). Política tecnológica na promoção de exportações. In A. C. Pinheiro, R. Markwald, & L. V. Pereira (Orgs.), O desafio das exportações. p. 245-282. Rio de Janeiro: BNDES.

Tigre, P. B. (2006). Gestão da inovação: a economia da tecnologia no Brasil. Rio de Janeiro: Campus.

TOTVS. Relatório anual 2008. São Paulo: Autor.

United Nations Conference on Trade and Development. (2004). Prospects for foreign direct investment and the strategies of transnational corporations, 2004-2007. New York: Author.

Vieira, E. (2006). Maior que as múltis. 20 de abril. ÉPOCA, 414, p. 1.