A Contribuição da Sociologia do Conhecimento para os Estudos de Institucionalização e Legitimação do Conhecimento do Campo Científico Outros Idiomas

ID:
40275
Resumo:
A divulgação de um novo conhecimento para a sociedade está sujeita a processos específicos de reconhecimento e incorporação. Para que esses fenômenos ocorram, o novo conhecimento necessita ser institucionalizado e legitimado. Nesse sentido, esta pesquisa de revisão teórica apresenta como objetivo identificar, na abordagem da sociologia do conhecimento proposta por Berger e Luckmann (2008), os elementos que possibilitam sua utilização nos estudos de institucionalização e legitimação do conhecimento do campo científico. As conclusões deste ensaio teórico apontam que a argumentação dos processos de institucionalização e legitimação do conhecimento, proposta por Berger e Luckmann (2008), se apresenta como um referencial teórico passível de utilização na análise de campos científicos.
Citação ABNT:
MACHADO JUNIOR, C.; SOUZA, M. T. S.; PARISOTTO, I. R. D. S.; PALMISANO, A. A Contribuição da Sociologia do Conhecimento para os Estudos de Institucionalização e Legitimação do Conhecimento do Campo Científico. Organizações & Sociedade, v. 23, n. 77, p. 231-246, 2016.
Citação APA:
Machado Junior, C., Souza, M. T. S., Parisotto, I. R. D. S., & Palmisano, A. (2016). A Contribuição da Sociologia do Conhecimento para os Estudos de Institucionalização e Legitimação do Conhecimento do Campo Científico. Organizações & Sociedade, 23(77), 231-246.
DOI:
10.1590/1984-9230773
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/40275/a-contribuicao-da-sociologia-do-conhecimento-para-os-estudos-de-institucionalizacao-e-legitimacao-do-conhecimento-do-campo-cientifico/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BEM-DAVID, J. Sociologia da ciência. Rio de Janeiro: FGV, 1975. 190 p.

BENGTSSON, J. Educação para a economia do conhecimento: novos desafios. In: VELLOSO, J. P. R. (Org.). O Brasil e a economia do conhecimento. Rio de Janeiro: José Olympio, 2002. 574 p.

BERGER, P.; BERGER, B. O que é uma instituição social? In: FORACCHI, M. M.; MARTINS, J. S. Sociologia e sociedade: leituras de introdução à Sociologia. Rio de Janeiro: LTC, 1977. 368 p.

BERGER, P.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. 28. ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 1992.

BOURDIEU, P. O campo científico. In: BOURDIEU, P. Sociologia. São Paulo: Ática, 1983.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. 14. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006. 322 p.

BOURDIEU, P. The peculiar history of science reason. Sociological Forum, v. 6, n. 1, p. 3-26, 1991.

CAMIC, C. Sociology of knowledge. In: SMELSER, N.; BATES, P. (Org.). International encyclopedia of the social sciences. p. 8143-8148. Elsevier, 2001.

CASTELLS, M. A era da informação: a sociedade em rede. 10. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2007.

CRONIN, B. Normative shaping of scientific practice: the magic of Merton. Scientometrics, v. 60, n. 1, p. 41-46, 2004.

CURTY, M. G.; BOCCATO, V. R. C. O artigo científico como forma de comunicação do conhecimento na área de Ciência da Informação. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 10, n. 1, p. 94-107, jan./jun. 2005.

DAHLMAN, C. J. A economia do conhecimento: implicações para o Brasil. In: VELLOSO, J. P. R. (Org.). O Brasil e a economia do conhecimento. Rio de Janeiro: José Olympio, 2002. 574 p.

FORAY, D.; LUNDAVALL, B. A. The knowledge-based economy: from the economics of knowledge to the learning economy. In: OECD. Employment and growth in the knowledge-based economy. Paris: OECD, 1996.

GUARIDO FILHO, E. R. A construção da teoria institucional nos estudos organizacionais no Brasil: o período 1993-2007. 2008. 242 f. Tese (Doutorado em Administração)–Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2008.

HOCHMAN, G. A ciência entre a comunidade e o mercado: leituras de Kuhn, Bourdieu, Latour e Knorr-Cetina. In: PORTOCARRERO, V. (Org.). Filosofia, história e sociologia das ciências. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1994. cap. 8.

KNORR-CETINA, K. D. The manufacture of knowledge. An essay on the constructivist and contextual nature of science. Oxford: Person Press, 1981.

KURZMAN, C. Epistemology and the sociology of knowledge. Philosophy of the Social Sciences, v. 24, n. 3, p. 267-290, 1994.

LENHARI, L. C.; QUADROS, R. Recursos humanos nas economias baseadas no conhecimento. Revista Inteligência Empresarial, n. 12, p. 30-38, 2002.

MACIEL, M. L. Hélices, sistemas, ambientes e modelos: os desafios teóricos à Sociologia de C&T. Sociologias, Porto Alegre, n. 6, 2001.

MERTON, R. K. Priorities in scientific discovery: a chapter in the sociology of science. American Sociological Review, v. 22, n. 6, p. 635-659, 1957.

MERTON, R. K. Sociologia: teoria e estrutura. São Paulo: Mestre Jou, 1970.

MERTON, R. K. The Matthew effect in science, II: cumulative advantage and the symbolism of intellectual property. Isis, v. 79, p. 606-623, 1988.

MERTON, R. K. The Thomas theorem and the Matthew effect. Social Forces, v. 74, n. 2, p. 379-424, 1995.

MOURA, A. M. M. A interação entre artigos e patentes: um estudo cientométrico da comunicação científica e tecnológica em biotecnologia. 2009. 269 f. Tese (Doutorado em Comunicação e Informação)–Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

RODRIGUES JÚNIOR, L. Karl Mannheim e os problemas epistemológicos da sociologia do conhecimento: é possível uma solução construtivista? Episteme, Porto Alegre, n. 14, p. 115-138, jan./jul. 2002.

SANTOS JÚNIOR, V. L. dos. Organização e interação dos pesquisadores na prática científica: um estudo de grupos de pesquisa da UFRGS. 2000. 103 f. Dissertação (Mestrado de Filosofia e Ciências Humanas) – Programa de Pós-Graduação em Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2000.

SMALL, H. On the shoulders of Robert Merton: towards a normative theory of citation. Scientometrics, v. 60, n. 1, p. 71-79, 2004.