A Competitividade da Indústria Brasileira de Software e a Influência da Capacitação Tecnológica no Desempenho Exportador Outros Idiomas

ID:
4039
Resumo:
Setores como o de software requerem organizações tecnologicamente aptas. Apesar do fato de a capacidade técnica brasileira do setor ter gerado resultados reconhecidos internacionalmente, os incentivos dados a essa indústria não foram suficientes para permitir que o país atingisse as metas de exportação preestabelecidas. O objetivo deste estudo foi verificar o papel que a capacitação tecnológica exerce sobre o desempenho exportador dos produtos e serviços de software. A expectativa inicial era de que o nível de capacitação tecnológica, avaliado por meio de um conjunto de indicadores, tivesse uma contribuição significativa para a expansão dos negócios internacionais e que estivesse positivamente correlacionado a resultados de exportação. Para a análise, foram selecionadas 488 empresas integrantes da indústria brasileira de software, pesquisadas a partir da base de dados da Secretaria de Política de Informática do Ministério da Ciência e Tecnologia (SEPIN/MCT). A correlação entre capacitação tecnológica e desempenho exportador foi observada apenas pela presença de ações de incentivo à capacitação de recursos humanos e pelo desenvolvimento de novos produtos. Percebe-se, pela amostra, portanto, que a capacitação tecnológica não tem recebido a atenção que se supunha ? o que pode representar um fator inibidor da competitividade e da expansão do comércio internacional de software fabricado no Brasil.
Citação ABNT:
GOMEL, M. M.; SBRAGIA, R. A Competitividade da Indústria Brasileira de Software e a Influência da Capacitação Tecnológica no Desempenho Exportador. Revista de Administração e Inovação, v. 8, n. 1, art. 3, p. 169-195, 2011.
Citação APA:
Gomel, M. M., & Sbragia, R. (2011). A Competitividade da Indústria Brasileira de Software e a Influência da Capacitação Tecnológica no Desempenho Exportador. Revista de Administração e Inovação, 8(1), 169-195.
DOI:
10.5773/rai.v8i1.741
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/4039/a-competitividade-da-industria-brasileira-de-software-e-a-influencia-da-capacitacao-tecnologica-no-desempenho-exportador/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Andreassi, T. (1999). Estudo das relações entre indicadores de P&D e indicadores de resultado empresarial em empresas brasileiras. Tese de Doutorado em Administração, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Archibugi, D.; Coco, A. (2005). Measuring technological capabilities at the country level: a survey and a menu for choice. Research Policy, 34(2), 175-194.

Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Inovadoras. (2002). Dispêndios empresariais em capacitação tecnológica no Brasil: resultados da base de dados ANPEI (ano base 2001). São Paulo: Autor.

Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro. (2008). Pesquisa geral no site. Recuperado em 14 de novembro, 2008 de http://www.softex.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?sid=36.

Bauerschmidt, A.; Sullivan, D.; Gillespie, K. (1985). Common factors underlying barriers to export: studies in the US paper industry. Journal of International Business Studies, 16(3), 111-123.

Bello, D. C.; Williamson, N. C. (1985). Contractual arrangement and marketing practices in the indirect export channel. Journal of International Business Studies, 16(2), 65-82.

Bilkey, W. J. (1985). Development of export marketing guidelines. International Marketing Review, 2(1), 31-40.

Bougrain, F.; Haudeville, B. (2002). Innovation, collaboration and SMEs internal research capacities. Research Policy, 31(5), 735-747.

Brasil. Ministério da Ciência e Tecnologia. Secretaria de Política de Informática. Qualidade e produtividade no setor de software brasileiro – Pesquisa 2001. Brasília: Autor.

Cavusgil, S. T. (1984). Differences among exporting firms based on their degree of internationalization. Journal of Business Research, 12(3), 195-208.

Cavusgil, S. T.; Zou, S. (1994). Marketing strategy-performance relationship: an investigation of the empirical link in export market ventures. Journal of Marketing, 58(1), 1-21.

China Tech News. (2009). MIIT: China's Software export hit $14.2 bln in 2008. Recuperado em 21 de novembro, 2009, de http://www.chinatechnews.com/2009/02/12/8775-miit-chinas-softwarerevenue-over-cny750-billion.

Cooper, R. G.; Kleinschmidt, E. J. (1985). The impact of export strategy on export sales performance. Journal of International Studies, 16(1), 37-56.

Costa, V. M. G.; Cunha, J. C. (2001). A universidade e a capacitação tecnológica das empresas. Revista de Administração Contemporânea, 5(1), 61-81.

Cunha, J. C. (1994). O impacto no uso estratégico da tecnologia no desempenho da empresa. Tese de Doutorado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Denis J. E.; Depelteau, D. (1985). Market knowledge diversification and export expansion. Journal of International Business Studies, 16(3), 77-89.

Diamantopoulos, A.; Inglis, K. (1988). Identifying differences between high- and low-involvement exporters. International Marketing Review, 5(2), 52-60.

Figueiredo, P. N. (2004). Aprendizagem tecnológica e inovação industrial em economias emergentes: uma breve contribuição para o desenho e implementação de estudos empíricos e estratégias no Brasil. Revista Brasileira de Inovação, 3(2), 323-361.

Furtado, A. (Coord.). (1994). Capacitação tecnológica, competitividade e política industrial: uma abordagem setorial e por empresas líderes. Brasília: IPEA.

Gomel, M. M. (2005). O papel da capacitação tecnológica no desempenho exportador da indústria brasileira de software. Tese de Doutorado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade De São Paulo, São Paulo.

Guha, R.; Range, J. (2007). Earnings digest: Infosys outsourcing orders drive 70% surge in profit. Wall Street Journal, p. B.5.

Hagedoorn, J.; Cloodt, M. (2003). Measuring innovative performance: is there an advantage in using multiple indicators? Research Policy, 32(8), 1365-1379.

Hasenclever, L.; Cassiolato, J. (1998). Capacitação tecnológica empresarial brasileira e transferência de tecnologia. Anais do Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica, 20 (p. 309-321). São Paulo: PGT/USP.

Kaynak, E.; Kuan, W. K. (1993). Environment, strategy, structure and performance in the context of export activity: an empirical study of Taiwanese Manufacturing Firms. Journal of Business Research, 27(1), 33-49.

Louter, P. J.; Ouwerkerk, C.; Bakker, B. A. (1991). An inquiry into successful exporting. European Journal of Marketing, 25(6), 7-23.

Madsen, T. K. (1989). Successful export marketing management: some empirical evidence. International Marketing Review, 6(4), 41-57.

Ogunmokun, G.; Ng, S. (2004). Factors influencing export performance in international marketing: a study of Australian firms. International Journal of Management, 21(2), 172-185.

Organisation for Economic Co-operation and Development. (2006). Information technology outlook 2006. Paris: Author.

Özçelik, E.; Taymaz, E. (2004). Does innovativeness matter for international competitiveness in developing countries? The case of Turkish manufacturing industries. Research Policy, 33(3), 409-424.

Petit, D.; Janssen, R.; Leitão, C. A. (2007). Exportação de software e serviços de tecnologia da informação: conceitos básicos. Florianópolis: SEBRAE.

Por crise, Índia acha que receita com offshore vai cair em 2008. Recuperado em 21 de novembro, 2009, de http://computerworld.uol.com.br/negocios/2008/07/09/por-crise-india-acha-que-receitacom-offshore-vai-cair-em-2008.

Prasnikar, J.; Lisjak, M.; Buhovac, A.; Stembergar, M. (2008). Identifying and exploiting the inter relationships between technological and marketing capabilities. Long Range Planning, 41(5), 530-554.

Préfontaine, L.; Sicotte, H.; Gagnon, Y. C. (1992). Defining organizational assets in small firms: a prerequisite to successful technology adoption. In T. M. Khalil B. A. Bayraktar (Ed.), Management of technology III (pp. 638-647). Miami: Institute of Industrial Engineers.

Reid, S. D. (1986). Is technology linked with export performance in small firms? In H. Hubner (Ed.), The art and science of innovation management (pp. 273-283). Amsterdam: Elsevier Science.

Romijn, H.; Albaladejo, M. (2002). Determinants of innovation capability in small electronics and software firms in southeast England. Research Policy, 31(7), 1053-1067.

Santana, L. M.; Hasenclever, L.; Mello, J. M. C. (2003). Capacitação tecnológica e competitividade na petroquímica brasileira nos anos 1990: o caso de Camaçari-BA. Revista Brasileira de Inovação, 2(1), 147-177.

Yam, R. C. M.; Guan, J. C.; Pun, K. F.; Tang, E. P. Y. (2004). An audit of technological innovation capabilities in Chinese firms: some empirical findings in Beijing, China. Research Policy, 33(8), 1123-1140.

Zhou, L.; Rubenstein, A. H. (1986). imbedded Technology Capability (ITC) and the management of science and technology in China: a research note. Research Policy, 15(1), 49-51.

Zou, S.; Stan, S. (1998). The determinants of export performance: a review of the empirical literature between 1987 e 1997. International Marketing Review, 15(5), 333-356.