Análise da Produção Científica no Campo de Estudo das Redes em Periódicos Nacionais e Internacionais Outros Idiomas

ID:
4044
Resumo:
Este estudo teve como objetivo mensurar a produção de pesquisas de redes, através do produto final das pesquisas – as publicações científicas. Diversas abordagens teóricas sobre o tema redes oferecem potencial diálogo entre os vários ramos das ciências sociais aplicadas. Autores contemporâneos afirmam que as empresas em busca de competitividade, encontraram na formação de redes uma alternativa estratégica. Desde os primeiros trabalhos nos anos 1980, o conhecimento sobre o tema cresceu no Brasil e no mundo. Expandindo-se de maneira não linear, o estado da arte se ampliou sem, contudo, dar uma resposta uníssona sobre questões simples, até mesmo sobre o conceito de redes. Levando em conta o escopo deste trabalho, optou-se pela abordagem do tipo quantitativa, por meio de uma pesquisa documental, utilizando-se a bibliometria, aplicada em periódicos nacionais e internacionais (Qualis A), que concentraram a publicação em estratégia, no período de 2000 a 2005, na área de Ciências da Administração. Os resultados apontam a predominância do termo redes nos estudos nacionais e internacionais; cerca de 30% dos periódicos pesquisados publicaram aproximadamente 45% dos artigos encontrados sobre o tema; a quantidade de publicações em 2000 estava em um patamar superior ao de 2002-2003, mas que voltou a crescer em 2005; e, por fim, há diferenças entre os estudos realizados no Brasil e aqueles efetuados no exterior.
Citação ABNT:
ANDRIGHI, F. F.; HOFFMANN, V. E.; ANDRADE, M. A. R. Análise da Produção Científica no Campo de Estudo das Redes em Periódicos Nacionais e Internacionais. Innovation and Management Review, v. 8, n. 2, art. 7, p. 29-54, 2011.
Citação APA:
Andrighi, F. F., Hoffmann, V. E., & Andrade, M. A. R. (2011). Análise da Produção Científica no Campo de Estudo das Redes em Periódicos Nacionais e Internacionais. Innovation and Management Review, 8(2), 29-54.
DOI:
10.5773/rai.v8i2.530
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/4044/analise-da-producao-cientifica-no-campo-de-estudo-das-redes-em-periodicos-nacionais-e-internacionais/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Amato Neto, J. (2000). Redes de cooperação produtiva e cluster regionais: oportunidades para as pequenas e médias empresas. São Paulo: Atlas.

Amato Neto, J. (2005). Redes dinâmicas de cooperação e organizações virtuais. In: J. Amato Neto (Org.), Redes entre organizações: domínio do conhecimento e da eficácia operacional (pp. 17-38). São Paulo: Atlas.

Balestrin, A.; Vargas, L. M.; Fayard, P. (2005). O efeito rede em pólos de inovação: um estudo comparativo. Revista de Administração, 40(2), 159-171.

Balestrin, A.; Verschoore, J. (2008). Redes de cooperação empresarial: estratégias de gestão na nova economia. Porto Alegre: Bookman.

Balestrin, A.; Verschoore, J. R.; Reyes Junior, E. (2010). O campo de estudo sobre redes de cooperação interorganizacional no brasil. Revista de Administração Contemporânea, 14(3), 458-477.

Becattini, G. (1979). Dal settore industriale al distretto industriale. alcune considerazioni sull' unità di indagine dell'economia industriale. Rivista di Economia e Política Industriale, 1, 7-21.

Begnis, H. S. M.; Pedrozo, E. A.; Estivalete, V. F. B. (2005). Cooperação enquanto estratégia segundo diferentes perspectivas teóricas. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 29. Rio de Janeiro: ANPAD, 2005.

Brusco, S. (1982). The Emilian model: productive decentralization and social integration. Cambridge Journal of Economics, 6(1), 167-184.

Carrão, A. M. R. (2004). Cooperação entre empresas de pequeno porte em pólos industriais: um estudo comparativo. Revista de Administração, 39(2), 198-195.

Carter, C. R.; Leuschner, R.; Rogers, D. S. (2007). A social network analysis of the Journal of Supply Chain Management: knowledge generation, knowledge diffusion and thought leadership. Journal of Supply Chain Management, 43(2), 15-28.

Casarotto Filho, N.; Pires, L. H. (1999). Redes de pequenas e médias empresas e desenvolvimento local: estratégias para a conquista da competitividade global com base na experiência italiana. São Paulo: Atlas.

Cassiolato, J. E.; Szapiro, M. (2003). Alguns indicadores de inovação no Brasil: os dados da PINTEC e a importação de tecnologia. In J. E. Cassiolato, & M. M. H. Lastres (Org), Novas políticas de inovação lições para o Brasil. Rio de Janeiro: IE/URFJ. (Mimeografado).

Castells, M. (1999). A sociedade em rede. (2 ed.) São Paulo: Paz e Terra.

Chan, B. L.; Milani Filho, M. A. F.; Martins, G. A. (2007). Utilização da análise de correspondência para uma abordagem bibliométrica. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 31. Rio de Janeiro: ANPAD.

Chung, K. H.; Cox, R. A. K. (1990). Patterns of productivity in the finance literature: a study of the bibliometric distributions. Journal of Finance, 45(1), 301-309.

Chung, K. H.; Pak. H. S.; Cox. R. A. K. (1992). Patterns of research output in the accounting literature: a study of bibliometric distributions. Abacus, 2(2), 168-185.

Coyne, K. P. (1986). Sustainable competitive advantage – what it is, what it isn’t. Business Horizons, 29(1), 54-61.

Culnan, M. J. (1986). The intellectual development of management information systems, 1972-1982: a co-citation analysis. Management Science, 32(2), 156-172.

Dyer, J. H. (1996). Specialized supplier networks as a source of competitive advantage: evidence from the auto industry. Strategic Management Journal, 17(4), 271-291.

Echols, A.; Tsai, W. (2005). Niche and performance: the moderating role of network embeddedness. Strategic Management Journal, 26, 219-238.

Frey, K. (2003). Governança urbana e redes sociais: o potencial das novas tecnologias da informação e comunicação. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 27. Rio de Janeiro: ANPAD.

Gallon, A. V.; Cunha, C. J. C. A. (2007). Investigando os estudos etnográficos publicados nos anais do Enanpad: uma análise de 2000 a 2006. Anais do Encontro de Ensino e Pesquisa em Administração e Contabilidade, 1. Rio de Janeiro: ANPAD.

Gallon, A. V.; Souza, F. C.; Rover, S.; Ensslin, S. R. (2007). Estratégias metodológicas da produção científica em capital intelectual: uma análise de 2000 a 2006. Anais do Encontro de Ensino e Pesquisa em Administração e Contabilidade, 1. Rio de Janeiro: ANPAD.

Guedes, V. L. S.; Borschiver, S. (2007). Bibliometria: uma ferramenta estatística para gestão da informação e do conhecimento, em sistemas de informação, de comunicação e de avaliação científica e tecnológica. Recuperado em 29 fevereiro, 2007 de http://dici.ibict.br/archive/00000508/01/VaniaLSGuedes.pdf.

Hall, C. M. (2001). Planejamento turístico: políticas, processos e relacionamentos. São Paulo: Contexto.

Hoffman, D. L.; Holbrook, M. B. (1993). The intellectual structure of consumer research: a bibliometric study of author cocitations in the first 15 years of the Journal of Consumer Research. Journal of Consumer Research, 19(4), 505-517.

Hoffmann, V. E.; Molina-Morales, F. X.; Martínez-Fernandez, M. T. (2008). Competitividade na indústria do vestuário: uma avaliação a partir da perspectiva das redes de empresas aglomeradas territorialmente. Revista Eletrônica de Administração, 14(2), 1-29.

Hoffmann, V. E.; Molina-Morales, X. F.; Martinez-Fernádez, M. T. (2007). Redes de empresas: proposta de uma tipologia para classificação aplicada na indústria de cerâmica de revestimento. Revista de Administração Contemporânea, 11(1), 103-127. n.spec.

Jarillo, J. C. (1988). On strategic networks. Strategic Management Journal, 9(1), 31-41.

Knorringa, P.; Meyer-Stamer, J. (1999). New dimensions in local enterprise co-operation and development: from clusters to industrial districts. In W. Suzigan (Coord.), Clusters e sistemas locais de inovação: estudos de casos e avaliação da região de Campinas. (pp. 89-115). Campinas: Unicamp.

Kostoff, R. N. et al. (2007). Clustering methodologies for identifying country core competencies. Journal of Information Science, 3(1), 21-40.

Lewis, J. (1992). Alianças estratégicas: estruturando e administrando parcerias para o aumento da lucratividade. São Paulo: Pioneira.

Lorenzoni, G.; Lipparini, A. (1999). The leveraging of interfirm relationships as a distintive organizational capability: a longitudinal study. Strategic Management Journal, 20(4), 317-338.

Macedo, M. A. S.; Nova, S. P. C. C.; Almeida, K. (2007). Mapeamento e análise bibliométrica da utilização da análise envoltória de dados (DEA) em estudos das áreas de contabilidade e administração. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 31. Rio de Janeiro: ANPAD.

Magalhães, F. A. C. (2006). Construção do saber no programa de doutorado. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 30. Rio de Janeiro: ANPAD.

Mahon, J. F.; Andrews, P. N. (1987). Social issues in management literature: a preliminary citation analysis. Academy of Management Best Papers Proceedings, 344-348.

Marshall, A. (1925). Principles of economics. (8 ed.). London: Macmillan.

McMillan, G. S.; Casey, D. L. (2007). Research note: identifying the invisible colleges of the British journal of industrial relations: a bibliometric and social network approach. British Journal of Industrial Relations, 45(4), 815-828.

McMillan, G. S.; Hamilton III, R. D. (2000). Using bibliometrics to measure firm knowledge: an analysis of the us pharmaceutical industry. Technology Analysis & Strategic Management, 12(4), 465-475.

Mendonça Neto, O. R.; Riccio, E. L.; Sakata, M. C. G. (2006). Paradigmas de pesquisa em contabilidade no Brasil. Anais do Encontro da Associação Nacional de PósGraduação e Pesquisa em Administração, 30. Rio de Janeiro: ANPAD.

Miles, R. E.; Snow, C. C. (1986). Organizations: new concepts for new forms. California Management Review, 28(3), 62-73.

Moretti, S. L. A.; Figueiredo, J. C. B. (2007). Análise bibliométrica da produção sobre responsabilidade social das empresas no Enanpad: evidências de um discurso monológico. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 31. Rio de Janeiro: ANPAD.

Nakano, D. N. (2005). Fluxos de conhecimento em redes interorganizacionais: conceitos e fatores de influência. In J. Amato Neto (Org.), Redes entre organizações (pp. 54-67). São Paulo: Atlas.

O'leary, D. E. (2007). The most cited papers. Human Systems Management, 26(3), 153-156.

Oliver, A. L.; Ebers, M. (1998). Networking network studies: an analysis of conceptual configurations in the study of inter-organizational relationships. Organization Studies, 19(4), 549-583.

Pasadeos, Y. (1985). A bibliometric study of advertising citations. Journal of Advertising, 14(4), 52-68.

Pitassi, C.; Macedo-Soares, T. D. L. V. A. (2003). Redes estratégicas: fatores críticos de sucesso. Revista de Administração Contemporânea, 7(n.spe), 75-99.

Porter, M. E. (1991). Towards a dynamic theory of strategy. Strategic Management Journal, v. 12, p. 95-117.

Powell, W. W. (1990). Neither market nor hierarchy: networks forms of organization. Research of Organizational Behaviour, 12, 295-336.

Puffal, D. P.; Tondolo, V. A. G. (2008). A evolução do campo de estudo de redes de interorganizacionais: uma análise de publicações internacionais das relações entre empresas. Anais do Encontro de Estudos Organizacionais, 5. Rio de Janeiro: ANPAD.

Ring, P. S.; Van De Ven, A. H. (1992). Structuring cooperative relationships between organizations. Strategic Management Journal, 13, 483-498.

Rossoni, L.; Hocayen-da-Silva, A. J.; Ferreira Júnior, I. (2008). Aspectos estruturais da cooperação entre pesquisadores no campo de administração pública e gestão social: análise das redes entre instituições no Brasil. Revista de Administração Pública, 42(6), 1041-1067.

Schommer, P. C. (2001). Gestão de organizações sem fins lucrativos: algumas questões sobre as “especificidades” do campo e o perfil dos gestores (pp. 273-278). Anais do Congresso Nacional das APAES, 20. Brasília: Federação Nacional das APAEs.

Siqueira, M. M. (2000). Redes sociais na gestão de serviços urbanos. Revista de Administração Pública, 34(6), 98-179.

Teixeira, F.; Guerra, O. (2002). Redes de aprendizado em sistemas complexos de produção. Revista de Administração de Empresas, 42(4), 93-105.

Thorelli, H. B. Networks: between markets and hierarchies. Strategic Management Journal, 7(1), 37-51.

Verschoore Filho, J. R. S. (2003). O programa redes de cooperação: uma análise dos instrumentos de administração pública para o desenvolvimento sócio-econômico. (pp. 28-31). Anais do Congreso Internacional del CLAD sobre la Reforma del Estado y de la Administración Pública, 8. Panamá: CLAD.

Williamson, O. E. (1991). Comparative economic organization: the analysis of discrete structural alternatives. Administrative Science Quarterly, 36(2), 269-296.